SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.69 número6A criança disfônica: diagnóstico, tratamento e evolução clínicaIsolamento de Streptococcus pyogenes em indivíduos com faringoamigdalite e teste de susceptibilidade a antimicrobianos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Otorrinolaringologia

versão impressa ISSN 0034-7299

Rev. Bras. Otorrinolaringol. v.69 n.6 São Paulo nov./dez. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992003000600013 

ARTIGO ORIGINAL ORIGINAL ARTICLE

 

Disfonia em professores do ensino municipal: prevalência e fatores de risco

 

Vocal problems in kindergarten and primary school teachers: prevalence and risk factors

 

 

Vera L. R.FuessI; Maria Cecília LorenzII

IDisciplina de Otorrinolaringologia, Curso de Medicina da Universidade de Mogi das Cruzes, SP, Brasil
IIClínica Otorrinolaringológica, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A disfonia é um sintoma muito freqüente em professores, profissionais para os quais a voz é elemento indispensável.
OBJETIVOS: Observar a prevalência deste sintoma em professores de pré-escola e da escola primária e avaliar fatores e sintomas associados, facilitando a promoção de medidas de prevenção desta manifestação ocupacional.
FORMA DE ESTUDO: Coorte transversal.
CASUÍSTICA E MÉTODO: Estudo transversal consistindo de questionários respondidos por 451 professores (pré-escola e quatro primeiras séries do ensino fundamental) de 66 escolas municipais de Mogi das Cruzes. Ao lado de dados de identificação e demográficos, o questionário abordou questões relacionadas à atividade de professor, à disfonia, presença de sintomas concomitantes e hábitos. Trinta profissionais com problemas constantes de voz foram submetidos a telescopia laríngea, sendo seus diagnósticos tabulados.
RESULTADOS: 80,7% dos professores referiram algum grau de disfonia. Não observamos relação entre idade, tempo de profissão e classe atendida e freqüência referida de disfonia. Não houve associação entre freqüência de disfonia e número de fatores extra-profissionais de abuso da voz ou tabagismo. Observamos relação direta entre a freqüência de disfonia e a carga horária semanal (p < 0,01) e o número de alunos por classe (p < 0,02), além de associação significativa com presença de sintomas de rinite alérgica (p < 0,001) e refluxo gastro-esofágico (p < 0,01). O diagnóstico laringoscópico incluiu, ao lado de lesões características de esforço vocal, alterações congênitas e outras etiologias.
CONCLUSÕES: A disfonia mostrou elevada prevalência em professores. Medidas preventivas devem contemplar a redução da carga horária e do número de alunos por classe, bem como o tratamento de afecções concomitantes.

Palavras-chave: disfonia, ocupacional, profissional, professores, fatores associados.


SUMMARY

Dysphonia is a frequent complaint among teachers, an occupation in which the voice is a fundamental tool.
OBJECTIVES: This study aimed at evaluating the prevalence of dysphonia in pre- and primary school teachers, observing associate symptoms and factors, in order to delineate guidelines for future prevention programs.
STUDY DESIGN: Transversal cohorte.
PATIENTS AND METHOD: This cross-sectional study consisted of a survey that enrolled 451 teachers of 66 primary public schools of Mogi das Cruzes. The teachers answered to a questionnaire that assessed, besides identification and demographic data, their professional activity, dysphonia characteristics, associate symptoms and habits. Thirty teachers that presented constant voice symptoms were submitted to laryngoscopy, and an objective diagnosis was firmed.
RESULTS: Dysphonia was present in 80,7% of the studied teachers. There was no significant association between the frequency of dysphonia and age, profession time, class type and the number of non-professional voice abuse factors or smoking. There was significant relation between the frequency of dysphonia and weekly work hours (p < 0,01) and number of pupils per class (p < 0,02). There was also significant association between the frequency of disfonia and the presence of allergic rhinitis (p < 0,001) and/or gastro-esophageal reflux (p < 0,01) symptoms.
CONCLUSIONS: Dysphonia is a very common symptom among teachers. Prevention programs should include measures of reduction of the working time and the number of pupils per class, as well as the treatment of associate non-professional pathologies.

Key words: dysphonia, professional, teacher, associated factors.


 

 

INTRODUÇÃO

A voz é um instrumento fundamental na vida profissional do professor. Como elemento que deve convencer e influenciar o auditório, esta voz requer uma adaptação precisa dos órgãos da fonação sob pena do surgimento de sintomas disfônicos, mais ou menos precoces, prejudiciais ao prosseguimento do magistério (Garcia, 1986; Calas, 1989, Penteado, 1999).

Mattiske (1998) faz um levantamento de literatura para verificar se os professores realmente constituem profissão de risco para desenvolvimento de disfonia, quais os tipos de problemas vocais que eles apresentam e quais as causas destes problemas. A autora observa a dificuldade em se definir a prevalência de distúrbios da voz nos trabalhos publicados, devido às vastas discrepâncias entre as definições utilizadas, a metodologia empregada e os resultados. Dados de literatura mostram que um a cada dois professores da ativa apresenta queixas e sintomas vocais (Calas, 1989), e que os professores apresentam duas a três vezes mais estas queixas que outros profissionais (Smith, 1998). Estes dados revelam a importância do problema, que devemos tentar abordar de maneira preventiva e curativa. A prevenção desta afecção relacionada ao uso profissional da voz envolve a identificação de condições que predisponham à disfonia (anatômicas, infecciosas, psicológicas), a promoção de oportunidades de formação quanto a técnicas vocais e o cuidado com o nível de ruído no ambiente escolar e ao seu redor. (Sarfati, 1987)

O ruído presente na escola dificulta a boa compreensão da mensagem transmitida ao aluno, provocando modificações nos comportamentos vocal e psíquico dos professores (o nível sonoro médio da fala aumenta a partir do momento que o ruído ambiente ultrapassa 30 dBNS: efeito Lombard) (Sataloff, 1991; Calas, 1989).

Segundo Smith (19981) e Mattiske (1998), apesar de estar claro que a atividade de ensino aumenta o risco de problemas vocais, os fatores de risco específicos para o desenvolvimento de disfonia entre professores ainda não estão definidos. O interesse que este assunto desperta, inclusive sob o ponto de vista de Saúde Pública, bem como a falta de dados locais, motivaram esta pesquisa que teve por objetivos o estudo da prevalência deste sintoma em professores e a avaliação de fatores e sintomas associados, de modo a nortear medidas de prevenção desta disfonia ocupacional.

 

MATERIAL E MÉTODO

Este estudo transversal consistiu de um levantamento realizado através da Secretaria de Educação do Município de Mogi das Cruzes* com envio de questionários a todos os professores da pré-escola e das quatro primeiras séries do ensino fundamental das 66 escolas municipais locais. Dentre todos os professores elegíveis, apenas 3 não responderam ao questionário, perfazendo um total de 451 inclusões (448 professoras e 3 professores, com idade média de 35,0 + 7,0 anos).

O questionário continha, além de dados de identificação e dados demográficos, questões sobre:

• A atividade profissional de professor (tempo de profissão, carga horária semanal, número de alunos por classe atendida);
• Tipo de classe em que lecionavam (pré-escola, ensino fundamental ou classe de alunos especiais);
• Presença de atividades extra-ocupacionais com esforço vocal (canto, filhos pequenos, cultos religiosos ou outra profissão com esforço da voz);
• Presença de outros sintomas concomitantes (sugestivos de rinite alérgica e de refluxo gastroesofágico).
• Presença de tabagismo;

Com relação à disfonia, os seguintes dados foram obtidos através do questionário:

• Categorização, pelo professor, de sua ocorrência em constante, freqüente, eventual ou ausente (indicativa do grau de comprometimento profissional/social da disfonia);
• Sintomas associados (fadiga vocal e odinofonia);
• Diagnóstico(s) anterior(es) (diagnósticos referidos);

Todos os profissionais que referiram problemas constantes de voz foram convidados a realizar telescopia laríngea com telescópio Karl Storz 8702 D 90º, cujo resultado foi registrado através de microcâmera Toshiba em videocassete, tendo todos os exames sido realizados pela autora. Dos 37 professores convidados, apenas 30 compareceram, recebendo orientação terapêutica adequada conforme o resultado do exame.

A metodologia estatística incluiu ferramentas descritivas, bem como a análise de variância (ANOVA, empregada para comparação das médias de variáveis quantitativas) e o teste do qui-quadrado (para a verificação de associação entre variáveis categóricas). O nível de significância considerado foi de 0,05, conforme preconizado para ensaios biológicos.

 

RESULTADOS

Prevalência da disfonia

Dos 451 professores estudados, 87 (19,3%) negaram a ocorrência de disfonia, 257 (57,0%) relataram presença de disfonia eventual, 70 (15,5%) apresentavam episódios freqüentes de disfonia e 37 (8,2%) referiam ser constantemente roucos (Gráfico 1).

 

 

Idade, tempo de profissão, carga horária semanal e número de alunos por classe

Não observamos diferença significativa entre as médias de idade e tempo de profissão comparando os grupos de professores com freqüência diferente de sintomas disfônicos (constante, freqüente, eventual e ausente).

Observamos diferença significativa entre os grupos com freqüências distintas de disfonia com relação à carga horária semanal média (p < 0,01) e ao número médio de alunos por classe (p < 0,02) (Tabela 1). Como podemos observar, grupos de professores com disfonia "constante" e "freqüente" apresentaram carga horária semanal média elevada e bastante semelhante, enquanto nos professores com disfonia eventual ou ausente estas médias se apresentaram reduzidas. O mesmo se observou com relação ao número médio de alunos por classe.

 

 

Tipo de classe

Embora se observe uma tendência a maior concentração de professores de pré-escola dentre os profissionais portadores de disfonia "constante", não houve associação significativa entre o tipo de classe atendida e a freqüência de disfonia referida (p < 0,06) (Tabela 2).

 

 

Fatores extra-profissionais de esforço da voz

Não observamos dependência da freqüência dos sintomas disfônicos com relação à presença ou ao número de fatores extra-profissionais de esforço da voz (p < 0,20) (Gráfico 2).

 

 

Sintomas Associados

Fadiga Vocal

Este sintoma mostrou-se presente em 55,6% dos professores estudados, sendo que em 27,7% deles o este cansaço ocorria de maneira eventual e em 27,9% dos casos o sintoma era constante.

Observamos associação significativa entre a presença de cansaço ao falar e a freqüência de disfonia, com ausência deste sintoma nos professores sem disfonia e presença de cansaço importante relacionado à fala nos professores portadores de disfonia freqüente ou constante (Gráfico 3).

 

 

Odinofonia

A odinofonia esteve presente em 28,6% dos professores entrevistados, sendo eventual (20,0%) ou constante (8,6%).

Também observamos associação entre presença de odinofonia e a freqüência de disfonia, de modo que a odinofonia se mostrou mais freqüente nos professores com disfonia freqüente ou constante (Gráfico 4).

 

 

Sintomas de afecções concomitantes

Sintomas sugestivos de rinite alérgica foram referidos por 116 professores (25,7%), e sintomas sugestivos de doença do refluxo gastro-esofágico por 100 professores (22,2%). Ambas categorias de sintomas estavam presentes simultaneamente em 62 (13,7%) professores.

Observamos associação significativa entre a presença de sintomas de rinite alérgica e a freqüência de disfonia (p < 0,001), ou seja, os sintomas de rinite alérgica se mostraram muito mais comuns em professores com disfonia freqüente ou constante (Gráfico 5).

 

 

Também observamos associação entre presença de sintomas de doença de refluxo gastro-esofágico e a freqüência de disfonia (p < 0,01). Aqui também os sintomas de refluxo foram mais comumente observados em pacientes com disfonia freqüente ou constante (Gráfico 6).

 

 

Tabagismo

A prevalência de tabagismo foi de 8,9% entre os professores estudados. Não observamos associação entre tabagismo e grau da disfonia (p < 0,40) (Gráfico 7).

 

 

Diagnósticos anteriores (referidos no questionário)

Os diagnósticos anteriores mencionados pelos professores portadores de disfonia eventual, freqüente ou constante (n = 105) podem ser observados na Tabela 3. As etiologias alérgica e disfonia funcional se mostraram as mais freqüentes, seguidas por nódulos de pregas vocais e pelo diagnóstico de laringite por refluxo faringo-laríngeo.

 

 

Diagnóstico laringoscópico nos professores portadores de disfonia constante

Os diagnósticos firmados através de telescopia laríngea nos 30 professores portadores de disfonia constante que compareceram para exame podem ser observados na Tabela 4.

 

 

DISCUSSÃO

A freqüência de queixas vocais nos professores estudados (80,7%) coincide com os dados da literatura internacional (Gotaas, 1993; Sapir, 1993; Urrutikoetxea, 1995; Smith, 19982)

Observamos nítido predomínio de mulheres no magistério. Dados de literatura sugerem que a mulher apresenta maior predisposição para a disfonia, principalmente quando professoras do maternal, devido às dimensões reduzidas da laringe e à pequena diferença entre sua freqüência vocal e a das crianças, o que a obrigaria a aumentar a intensidade da voz para se fazer ouvir. (Calas, 1989).

Sapir (1993) não observou, ao contrário de nossos resultados, associação entre a freqüência de disfonia e a carga horária como professor. Outros estudos, como de Urrutikoetxea (1995) não tem professores com cargas horárias muito diferentes para comparação. Nossos dados com relação à associação entre a freqüência de disfonia e o número de alunos por classe encontram respaldo na literatura (Sarfati, 1989). Acredita-se que esta relação direta deva-se ao fato de classes mais numerosas serem geralmente mais ruidosas, especialmente na pré-escola (Calas, 1989).

Contrariamente ao esperado, não observamos relação entre a freqüência de disfonia e a idade ou tempo de profissão, assim como Sapir (1993). Acreditamos que isto se deva ao fato dos professores com problemas importantes de voz serem "readaptados" (afastados do magistério e adaptados a outras funções no setor da educação) ou até mesmo abandonarem a profissão, em casos mais extremos. Urrutikoetxea (1995) acredita que, com o passar dos anos, o professor realize um auto-controle involuntário, melhorando sua técnica vocal de maneira espontânea. Isto justificaria a diminuição de incidência de nódulos vocais à medida que se aumenta o número de anos de atividade profissional.

Também não observamos associação entre a freqüência de disfonia e o tipo de classe atendida. Dados de literatura sugerem que professores de crianças mais novas sejam mais propensos a distúrbios da voz (Sarfati, 1989), entretanto, trabalhamos apenas com professores da escola maternal e dos primeiros anos do ensino fundamental, e não observamos diferenças entre elas quanto à freqüência de sintomas disfônicos de seus professores, comportando-se como um grupo homogêneo em termos de voz profissional. Observamos, entretanto, uma tendência a maior concentração de professores da pré-escola dentre aqueles com disfonia constante.

Estudo realizado por Calas (1989), em professores disfônicos, mostrou que 25% deles apresentavam atividade vocal extra-profissional importante (coral, atividade política, gritos com filhos, esporte). Nós não observamos associação entre o número de atividades extra-profissionais e a freqüência de disfonia, concordando com resultados de Urrutikoetxea (1995)

Dentre os professores que estudamos, 55,6% referiram fadiga vocal de grau variado. Este sintoma, encontrado em 80% de professores disfônicos (Gotaas, 1993) e em 31% de uma população de 1046 professores (Urrutikoetxea, 1995), tem sido bastante valorizado quando associado aos distúrbios profissionais da voz, constituindo a chamada "Síndrome Laríngea de Tensão-Fadiga". Esta síndrome se caracteriza por qualidade vocal flutuante, pior após esforço ou períodos de estresse, associada a suporte respiratório inadequado (Koufman, 1988).

A presença de odinofonia mostrou relação significativa com a freqüência de disfonia. Em concordância com dados de literatura, 28,6% do total de professores referiam este sintoma, que aparentemente representa um sintoma de tensão músculo-esquelética (Koufman, 1988).

Observamos importante associação entre rinopatia alérgica e a freqüência de disfonia relatada. Os quadros alérgicos têm alta prevalência na região, o que pode explicar sua importância como fator predisponente ou agravante para os quadros disfônicos em professores. É provável que a exposição da laringe a irritantes de mucosa possa alterar o delicado mecanismo vocal, de onde se deduz a importância de se avaliar o ambiente do profissional da voz para evitar agravamento do quadro devido à presença de pó ou mofo (Sataloff, 1991; Penteado,1999).

Observamos, também, associação entre sintomas de refluxo gastro-esofageano e o aumento na freqüência de sintomas disfônicos. Acreditamos que este dado mereça atenção no sentido de indicar um possível meio de prevenção e tratamento da disfonia dita, algumas vezes, como sendo puramente profissional.

Os diagnósticos firmados através de telescopia laríngea revelaram a ocorrência de disfonia por exigência ocupacional em 50% dos casos (disfonia funcional, nódulos); em 20% dos casos observaram-se lesões congênitas (cistos e sulcos) nas quais o uso profissional da voz funcionaria como um revelador da lesão de base, e em 30% dos casos observamos disfonias de etiologia não ocupacional (refluxo faringo-laríngeo, laringite de causa alérgica ou infecciosa, e edema de Reinke). Estes dados concordam com os da literatura em termos de disfonias por exigência ocupacional (Garcia, 1986; Calas, 1989; Sarfati, 1989). Quanto à etiologia congênita, nossos números concordam com alguns dados anteriores (Sarfati, 1989), mas são muito superiores a outros (Calas, 1989; Urrutikoetxea, 1995). Nossos achados de etiologia não-ocupacional revelaram prevalência bastante elevada de quadros alérgicos e de refluxo faringo-laríngeo.

 

CONCLUSÃO

A disfonia mostrou elevada prevalência em professores de pré-escola e dos quatro primeiros anos do ensino fundamental. Nosso estudo sugere que medidas preventivas devem contemplar a redução da carga horária e do número de alunos por classe, bem como o tratamento de afecções concomitantes, além da obtenção de diagnóstico laringológico preciso. Tratamento de alergias respiratórias e do refluxo faringo-laríngeo podem auxiliar na prevenção e no tratamento de disfonias antes tidas como puramente funcionais.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Calas M, Verhulst J, Lecoq M, Dalleas B, Seilhean M. La Pathologie Vocale chez l'Enseignant. Rev Laryngol 1989; 110 (4): 397-406.         [ Links ]

2. Garcia OC, Torres RP, Shasat ADD. Disfonias Ocupacionales. Estudo de 70 casos. Rev Cub Med 1986; 25:998 -1009.         [ Links ]

3. Gotaas C, Starr CD. Vocal Fatigue Among Teachers. Folia Phoniat 1993;45: 120-9.         [ Links ]

4. Koufman JA, Blalock PD. Vocal Fatigue and Disphonia in the Professional Voice User: Bogart-Bacall Syndrome. Laryngoscope 1988; 98 (5): 493-8.         [ Links ]

5. Mattiske JA, Oates JM, Greenwood KM. Vocal Problems Among Teachers: A Review of Prevalence Causes Prevention and Treatment. J Voice: 12(4)489-99.         [ Links ]

6. Penteado RZ, PereiraI MTB. A Voz do Professor: Relações entre Trabalho Saúde e Qualidade de Vida. Rev Bras Saude Ocup 1999; 25 (95/96):109-30.         [ Links ]

7. Sarfati J. Voix et Enseignement. Rev Laryngol 1987 (Suppl); 108:431-2.         [ Links ]

8. Sarfati J. Réadaptation Vocale des Enseignants. Rev Laryngol Otol Rhinol 1989; 110(4):393-5.         [ Links ]

9. Sataloff RT, Spiegel JR. Care of the Professional Voice. Otolaryngologic Clinics of North Americ 1991; 24(5):1093-124.         [ Links ]

10. Sapir A, Keidar A, Mathers-Schmidt B. Vocal Attrition in Teachers: Survey Findings. Europ J Disord Commun 1993; 28:177-85.         [ Links ]

11. Smith E, Lemke J, Taylor M, Kirchner HL, Hoffman H. Frequency of Voice Problems Among Teachers and Other Occupations. J Voice 1998; 12(4):480-8.         [ Links ]

12. Smith E, Kirchner HL, Taylor M, Hoffman H, Lemke J. Voice Problems Among Teachers: Differences by Gender and Teaching Characteristics. J Voice 1998; 12(3):328-34.         [ Links ]

13. Urrutikoetxea A, Ispizua A, Matellanes F. Pathologie Vocale chez les Professeurs: une Étude Vidéo-laryngo-stroboscopique de 1.046 Professeurs. Rev Laryngol Otol Rhinol 1995; 116(4): 255-62.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Vera Lucia Ribeiro
FUESS
Rua Galdino Alves, 220
Mogi das Cruzes SP 08780-250
Fax (0xx11) 4725-9596
E-mail: nariclin@terra.com.br

Artigo recebido em 18 de dezembro de 2002. Artigo aceito em 11 de setembro de 2003

 

 

Trabalho apresentado na Sessão de Temas Livres do 36º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia Florianópolis, SC.
* Municício com 721 Km2 de extensão territorial e com uma população de quase 330.000 habitantes, constitui importante pólo econômico da região leste da Grande São Paulo.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons