SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.71 issue4Personalized vestibular rehabilitation: medical chart survey with patients seen at the ambulatory of otoneurology of I.S.C.M.S.P.The value of prognostic clinical data in Bell's palsy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Otorrinolaringologia

Print version ISSN 0034-7299

Rev. Bras. Otorrinolaringol. vol.71 no.4 São Paulo July/Aug. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992005000400008 

ARTIGO ORIGINAL

 

Controle postural na síndrome de Pusher: influência dos canais semicirculares laterais

 

 

Taiza Elaine Grespan dos Santos PontelliI; Octavio Marques Pontes-NetoII; José Fernando ColafêminaIII; Draulio Barros de AraújoIV; Antonio Carlos SantosV; João Pereira LeiteVI

IEspecialista em Fisioterapia Neurológica, fisioterapeuta e pós-graduanda
IIMédico, residência em neurologia, residência em neurofisiologia, pós-graduando em neurologia
IIIProfessor Assistente Doutor
IVBacharel em Física Doutorado em Física Médica
VProfessor assistente doutor
VIPós-doutorado em Neurologia

 

 


RESUMO

A síndrome de Pusher caracteriza-se por uma alteração do equilíbrio na qual pacientes com lesões encefálicas empurram-se em direção ao lado parético utilizando o membro não-afetado. O papel do sistema vestibular na alteração postural da síndrome de Pusher ainda não foi devidamente elucidado.
OBJETIVO:
Neste estudo objetivamos avaliar o papel dos canais semicirculares horizontais na expressão clínica da síndrome de Pusher, através da aplicação das provas calórica e rotatória.
FORMA DE ESTUDO: Observacional, clínico e prospectivo.
MATERIAL E MÉTODO:
Avaliamos 9 pacientes com AVC e síndrome de Pusher internados na Enfermaria de Neurologia do HCFMRP-USP. Os pacientes foram submetidos à avaliação neurológica clínica e neuropsicológica, NIHSS, Scale for Contraversive Pushing - SCP, teste calórico e teste rotatório.
RESULTADOS:
Foram estudados 9 pacientes (5 homens) com idade média de 71,8 ± 5,9 anos e com NIHSS médio de 18.33. Três pacientes apresentaram preponderância direcional contralateral à lesão encefálica na prova calórica. Na prova rotatória, foram observados quatro pacientes com preponderância direcional na análise de velocidade da componente lenta.
CONCLUSÃO:
Os resultados do presente estudo indicam que a disfunção dos canais semicirculares não parece ser fundamental para a expressão da síndrome de Pusher.

Palavras-chave: síndrome de Pusher, sistema vestibular, controle postural.


 

 

INTRODUÇÃO

A compreensão dos mecanismos de controle postural vertical reveste-se de grande relevância, tanto em situações fisiológicas como diante de síndromes neurológicas específicas. A percepção da posição vertical tem como única referência absoluta a aceleração da gravidade1. Sua concepção dependeria do reconhecimento da posição do corpo em relação a objetos através da visão, de aferências graviceptivas e proprioceptivas. Pessoas normais possuem a habilidade de posicionar visualmente uma linha vertical quase sem angulações em relação à Terra, avaliada através da subjetiva vertical visual (SVV)2. Apresentam ainda a capacidade de orientarem seus corpos com a vertical corretamente sem a utilização da visão, avaliada através da subjetiva vertical postural (SVP)3. Estes componentes são indispensáveis para o controle postural estático e dinâmico.

A postura estática humana é mantida através de um programa postural central assistido por várias modalidades sensoriais, principalmente de origem vestibular, visual, muscular, cutânea e interoceptiva4-6. Juntos, estes sistemas interagem para a estabilização e representação postural do corpo.

Diversas alterações de equilíbrio e de verticalização corporal podem ser atribuídas à paresia decorrente de lesões encefálicas. Nestes casos, o paciente geralmente utiliza o membro não-parético para correção da postura7,8. Outras alterações de equilíbrio estão presentes na síndrome de Wallemberg, na astasia talâmica e na síndrome de Pusher.

A síndrome de Pusher tem sido considerada uma das mais intrigantes alterações de controle postural encontradas em pacientes com lesão encefálica. Pacientes com esta síndrome, ao invés de se puxarem na tentativa de sustentarem seus corpos, empurram-se em direção ao lado parético utilizando o membro não-afetado. Quando estáticos, tanto sentados como em posição ortostática, apresentam uma inclinação contralateral à lesão encefálica. Diante da tentativa de correção passiva, esses pacientes utilizam o lado não-afetado para resistir à correção, relatando insegurança e medo de cair9.

Esta síndrome foi inicialmente descrita por Davies, em 1985, que sugeriu uma associação com acidentes vasculares cerebrais (AVCs) no hemisfério direito, e considerou os sintomas neuropsicológicos de heminegligência e anosognosia como parte da síndrome9. Estudos posteriores em pacientes com a síndrome de Pusher permitiram a dissociação da alteração de controle postural dos sintomas neuropsicológicos e encontraram, com freqüência, lesões no hemisfério esquerdo10-12.

Estudos de sobreposição de imagens por ressonância magnética ou tomografia computadorizada indicaram os núcleos ventral posterior e lateral posterior de tálamo póstero-lateral como estruturas críticas para a manifestação do comportamento de empurrar11. Outras possíveis áreas já descritas são: cápsula interna, área motora suplementar, lobo parietal superior, globo pálido e córtex vestibular parieto-insular13-15.

Até recentemente, a síndrome de Pusher só havia sido descrita em pacientes com AVC, que apresentaram resolução dos sintomas em aproximadamente seis meses. No entanto, em estudo realizado numa unidade neurológica de urgência mista identificamos a associação da síndrome de Pusher com outras etiologias (trauma craniano e metástase cerebral), com tempos de resolução aparentemente mais breves12.

Os pacientes com a síndrome de Pusher apresentam um importante distúrbio de orientação do corpo em relação à aceleração da gravidade16. Quando sentados em uma cadeira inclinável no plano frontal, com proteção lateral e sem auxílio da visão, estes pacientes se sentem verticais quando colocados com inclinação ipsilateral à lesão de 18º. Entretanto, sua percepção de verticalidade visual não está alterada, já que são capazes de posicionar corretamente um feixe de luz na posição vertical.

O papel do sistema vestibular na alteração postural da síndrome de Pusher ainda não foi devidamente elucidado. A influência dos canais semicirculares na posição e aceleração angular do segmento cefálico em relação ao corpo sugere que este sistema possa eventualmente contribuir para a orientação vertical. Alternativamente, o desequilíbrio na síndrome de Pusher poderia ser decorrente de disfunções encefálicas, sem a participação do sistema vestibular. Neste estudo objetivamos avaliar o papel dos canais semicirculares horizontais na expressão clínica da síndrome de Pusher, através da aplicação das provas calórica e rotatória.

 

MATERIAIS E MÉTODO

Foram avaliados 9 pacientes com diagnóstico de AVC e que apresentavam a síndrome de Pusher internados na Enfermaria de Neurologia da Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Todos os pacientes foram submetidos à avaliação neurológica clínica e avaliação dos sintomas neuropsicológicos de heminegligência e anosognosia. Os pacientes foram classificados como apresentando heminegligência espacial quando apresentavam evidências claras de desvio espontâneo da cabeça e dos olhos ipsilateralmente à lesão, orientação ipsilateral à lesão quando estimulados pela frente ou pelo lado da lesão, e ignorando objetos ou pessoas do lado contrário à lesão11. A anosognosia foi caracterizada através do questionamento do déficit motor do paciente, e confirmada apenas quando nenhum conhecimento da fraqueza motora era expressa, mesmo após a demonstração pelo examinador17. A gravidade do AVC foi avaliada através da Escala de AVC do NIH (National Institute of Health Stroke Scale - NIHSS)18.

Para o diagnóstico e graduação da síndrome de Pusher, foi utilizada a Escala de Avaliação do Sintoma de Empurrar (Scale for Contraversive Pushing - SCP). Baseado nas observações de Davies, a SCP avalia: 1) simetria da postura espontânea, enquanto sentado e em posição ortostática; 2) extensão dos membros superior e/ou inferior com a superfície de contato, enquanto sentado e em posição ortostática; e 3) resistência à correção passiva da postura, enquanto sentado e em posição ortostática11,19. A síndrome de Pusher foi confirmada se os pacientes apresentassem todos os critérios, alcançando uma pontuação de pelo menos 1 em cada critério.

Este estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa da nossa instituição (processo nº 11723 / 2003).

Avaliação Da Função Vestibular

Estimulação calórica

A prova calórica foi realizada de acordo com as técnicas de estimulação de Fitzgerald e Hallpike20. Cada orelha foi irrigada alternativamente com um fluxo constante de água a 30ºC e 44ºC, durante 40 segundos. A ordem de estimulação foi: orelha direita e orelha esquerda com estimulação quente; orelha esquerda e orelha direita com estimulação fria. Foi realizado um intervalo entre as estimulações para que não houvesse efeito cumulativo. A eletro-oculografia foi realizada na aparelho NEUROGRAFF - Eletromedicina - VENG digital, modelo VECWIN. A posição da cabeça foi corrigida a cada estimulação, e mantida a 60º de extensão com a linha de Frankfurt verticalizada, permitindo que os canais semicirculares horizontais permanecessem na posição vertical. Foram feitas perguntas aos pacientes ou solicitado que fizessem contas aritméticas durante o exame, para evitar o efeito inibitório cortical sobre o sistema vestibular. Todos os pacientes permaneceram com uma máscara nos olhos para evitar a abertura ocular e conseqüente inibição nistágmica durante o exame. Não foi possível realizar a fixação ocular devido ao nível de consciência e colaboração dos pacientes. Nenhum medicamento antivertiginoso foi consumido nos dois dias que antecederam os exames otoneurológicos.

A velocidade máxima da fase lenta do nistagmo foi analisada após a irrigação. A preponderância direcional (PD) foi determinada através do método Jongkees21, e considerada anormal quando maior que 25%. A velocidade da componente lenta foi considerada normal se estivesse entre os valores 3 e 51º/segundo.

Estimulação rotatória

A estimulação com a cadeira rotatória foi realizada através do equipamento Ototest Alvar Electronic - IV 2 TR, conectado ao sistema digital vetoeletronistagmógrafo Neurograff. Para a prevenção de estímulo visual, este exame foi realizado em uma sala escura, e os olhos do paciente foram mantidos fechados por uma máscara. A cabeça do paciente foi posicionada em flexão de 30º, para que os canais semicirculares horizontais permanecessem próximos ao plano do estímulo (posição horizontal). Os pacientes foram submetidos a oscilações sinusoidais com acelerações desde 18º/seg2 até a parada total da cadeira. Assim como na prova calórica, foram feitas perguntas aos pacientes durante a aquisição dos dados. Os parâmetros analisados foram: velocidade da fase lenta do nistagmo e freqüência nistágmica. Foi considerada anormal a velocidade da fase lenta menor que 7º/s ou maior que 30º/s. A anormalidade de freqüência nistágmica foi estimada através do cálculo da preponderância direcional.

 

RESULTADOS

Foram estudados 9 pacientes, 5 homens e 4 mulheres, com idade média de 71,8 ± 5,9 anos. A Tabela 1 descreve as características demográficas e clínicas dos pacientes. As avaliações de função vestibular foram realizadas após um tempo mediano de 10 dias após o AVC variando de 5 a 548 dias. Cinco pacientes (55.5%) apresentavam lesões encefálicas no hemisfério cerebral direito, sendo que três destes apresentavam heminegligência e dois, anosognosia. No momento da avaliação, os pacientes apresentavam NIHSS médio de 18.33 (variação entre 13 e 24).

 

 

Foram encontrados três pacientes que apresentaram preponderância direcional contralateral à lesão encefálica na prova calórica. Os demais pacientes apresentaram normalidade labiríntica nesta prova (Tabela 2). Na prova rotatória, foram observados quatro pacientes com preponderância direcional na análise de velocidade da componente lenta; dois destes (50%) apresentaram alterações contralaterais à lesão (Tabela 3). A análise de freqüência nistágmica revelou dois pacientes com preponderância direcional, também não evidenciando uma correlação com o lado da lesão (Tabela 3).

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Até recentemente, a influência do sistema vestibular nas manifestações da síndrome de Pusher só havia sido investigada por testes que avaliam a função otolítica16. Neste aspecto, o estudo da SVV demonstra inclinação para um dos lados em pacientes com disfunções vestibulares periféricas e centrais, fato que não ocorre em pacientes com a síndrome de Pusher16. Os resultados do presente estudo indicam que a disfunção dos canais semicirculares também não parece ser fundamental para a expressão da síndrome de Pusher.

A prova calórica é a melhor forma de diagnosticar uma perda da função vestibular unilateral22 e, adicionada com a prova rotatória, pode auxiliar na compreensão de diversas alterações de equilíbrio. A constatação de uma PD na prova calórica ocorre quando observamos uma assimetria significativa entre a duração do nistagmo para a direita (causado por estimulação quente da orelha direita e fria da orelha esquerda) e a duração do nistagmo para a esquerda (causado por estimulação quente da orelha esquerda e fria da orelha direita)20. A PD pode também ser observada na prova rotatória através da diferença de velocidade angular da fase lenta ou da diferença de freqüência nistágmica. O fato da PD do nistagmo calórico horizontal poder ocorrer sem nistagmo espontâneo ou paresia significativa de canal indica que a PD não é produzida somente por distúrbios do sistema vestibular periférico22,23. Prencht (1974), uma lesão no sistema nervoso central poderia causar PD através do aumento da sensibilidade dinâmica dos neurônios do núcleo vestibular medial (NVM), e conseqüente diferença de resposta nistágmica24. Entretanto, no presente estudo, foi encontrado um padrão aleatório de alteração nas provas calórica e rotatória entre os pacientes com síndrome de Pusher. Estes resultados sugerem que os canais semicirculares horizontais não participam da alteração de equilíbrio nesta condição.

Os valores da PD obtidos na prova calórica foram maiores que na prova rotatória. Esta diferença pode ser decorrente das características dos estímulos, já que, na irrigação calórica há estimulação vestibular unilateral, e na prova rotatória, há estimulação bilateral. Enquanto a atividade dos neurônios tipo IA do NVM estão sendo diretamente modulados apenas de um lado durante a estimulação calórica, esta atividade é diretamente modulada por ambos os lados durante o estímulo rotatório22.

Os pacientes com preponderância direcional na prova calórica, em sua grande maioria, não coincidiram com os que apresentaram PD na prova rotacional (Tabelas 2 e 3). Esta característica foi também observada no estudo de Halmagyi et al.22.

Estudos de Mittelstaedt (1992) sugerem a existência de um segundo sistema graviceptivo que seria baseado em aferências provenientes da cápsula renal, grandes vasos e vísceras abdominais, que alcançariam o sistema nervoso central via nervo frênico ou vago6.

Os achados do presente estudo favorecem o conceito de que um segundo sistema graviceptivo, com aferências de interoceptores e projeção encefálica, participe da alteração de controle postural encontrada nos pacientes com a síndrome de Pusher. O principal fundamento para esta conclusão reside no fato de não terem sido encontradas alterações da função dos canais semicirculares e otólitos nesta condição.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Perennou DA, Amblard B, Leblond C, Pelissier J. Biased postural vertical in humans with hemispheric cerebral lesions. Neurosci Lett 1998; 252(2): 75-8.         [ Links ]

2. Brandt T, Dieterich M, Danek A. Vestibular cortex lesions affect the perception of verticality. Ann Neurol 1994; 35(4): 403-12.         [ Links ]

3. Bisdorff AR, Wolsley CJ, Anastasopoulos D, Bronstein AM, Gresty MA. The perception of body verticality (subjective postural vertical) in peripheral and central vestibular disorders. Brain 1996; 119 (Pt 5): 1523-34.         [ Links ]

4. Kavounoudias A, Roll R, Roll JP. Foot sole and ankle muscle inputs contribute jointly to human erect posture regulation. J Physiol 2001; 532(Pt 3): 869-78.         [ Links ]

5. Mergner T, Rosemeier T. Interaction of vestibular, somatosensory and visual signals for postural control and motion perception under terrestrial and microgravity conditions—a conceptual model. Brain Res Brain Res Rev 1998; 28(1-2): 118-35.         [ Links ]

6. Mittelstaedt H. Somatic versus vestibular gravity reception in man. Ann N Y Acad Sci 1992; 656: 124-39.         [ Links ]

7. Beevor CE. Remarks on paralysis of the movements of the trunk in hemiplegia. Br Med J 1909: 881-5.         [ Links ]

8. Bohannon RW, Cook AC, Larkin PA, al. e. The listing phenomenon of hemiplegic patients. Neurol Rep 1986; 10: 43-4.         [ Links ]

9. Davies PM. Steps to folow: a guide to the treatment of adult hemiplegia. New York: Springer; 1985.         [ Links ]

10. Pedersen PM, Wandel A, Jorgensen HS, Nakayama H, Raaschou HO, Olsen TS. Ipsilateral pushing in stroke: incidence, relation to neuropsychological symptoms, and impact on rehabilitation. The Copenhagen Stroke Study. Arch Phys Med Rehabil 1996; 77(1): 25-8.         [ Links ]

11. Karnath HO, Ferber S, Dichgans J. The neural representation of postural control in humans. Proc Natl Acad Sci U S A 2000; 97(25): 13931-6.         [ Links ]

12. Santos-Pontelli TEG, Pontes Neto OM, Colafêmina JF, Araujo DB, Santos AC, Leite JP. Contraversive pushing in non-stroke patients. J Neurol In press 2004.         [ Links ]

13. Bohannon RW. Pusher syndrome. Phys Ther 2004; 84(6): 580-1; author reply 582-3.         [ Links ]

14. Matteo P. Pusher syndrome. Phys Ther 2004; 84(6): 580; author reply 582-3.         [ Links ]

15. Panturin E. Pusher syndrome. Phys Ther 2004; 84(6): 581-3; author reply 582-3.         [ Links ]

16. Karnath HO, Ferber S, Dichgans J. The origin of contraversive pushing: evidence for a second graviceptive system in humans. Neurology 2000; 55(9): 1298-304.         [ Links ]

17. Bisiach E, Vallar G, Perani D, Papagno C, Berti A. Unawareness of disease following lesions of the right hemisphere: anosognosia for hemiplegia and anosognosia for hemianopia. Neuropsychologia 1986; 24(4): 471-82.         [ Links ]

18. Brott T, Adams HP, Jr., Olinger CP, Marler JR, Barsan WG, Biller J, et al. Measurements of acute cerebral infarction: a clinical examination scale. Stroke 1989; 20(7): 864-70.         [ Links ]

19. Karnath HO, Brotz D, Gotz A. [Clinical symptoms, origin, and therapy of the "pusher syndrome"]. Nervenarzt 2001; 72(2): 86-92.         [ Links ]

20. Fitzgerald G, Hallpike CS. Studies in human vestibular function: I. Observations on the directional proponderance ("nystagmusbereitschaft") of caloric nystagmus resulting from cerebral lesions. Brain 1942; 65: 115-37.         [ Links ]

21. Jongkees LB, Maas JP, Philipszoon AJ. Clinical nystagmography. A detailed study of electro-nystagmography in 341 patients with vertigo. Pract Otorhinolaryngol (Basel) 1962; 24: 65-93.         [ Links ]

22. Halmagyi GM, Cremer PD, Anderson J, Murofushi T, Curthoys IS. Isolated directional preponderance of caloric nystagmus: I. Clinical significance. Am J Otol 2000; 21(4): 559-67.         [ Links ]

23. Cartwright AD, Cremer PD, Halmagyi GM, Curthoys IS. Isolated directional preponderance of caloric nystagmus: II. A neural network model. Am J Otol 2000; 21(4): 568-72.         [ Links ]

24. Precht W. The physiology of the vestibular nuclei. In: HH K, editor. Handbook of sensory physiology. Berlin: Springer-Verlag; 1974. p. 389-92.        [ Links ]

 

 

Artigo recebido em 10 de março de 2005. Artigo aceito em 16 de junho de 2005.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License