SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.73 número3Do estudo dos potenciais de média latência eliciados por logon em sujeitos do sexo feminino com audição normalImunoglobulina A secretora, proteínas totais e fluxo de saliva nas ulcerações aftosas recorrentes índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Otorrinolaringologia

versão impressa ISSN 0034-7299

Rev. Bras. Otorrinolaringol. v.73 n.3 São Paulo maio/jun. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992007000300005 

ARTIGO ORIGINAL

 

Avaliação da função cognitiva da aprendizagem em crianças com distúrbios obstrutivos do sono

 

 

Sandra Fumi Hamasaki UemaI; Shirley Shizue Nagata PignatariII; Reginaldo Raimundo FujitaIII; Gustavo Antônio MoreiraIV; Márcia Pradella-HallinanV; Luc WeckxVI

IMestre em Ciências Médicas - UNIFESP, Médico Otorrinolaringologista
IIProfessora Dra. Adjunta da Disciplina de Otorrinolaringologia Pediátrica do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - UNIFESP, Chefe da Disciplina de Otorrinolaringologia Pediátrica do Departamento de Otorrinolaringologia e Cabeça e Pescoço - UNIFESP
IIIProfessor Doutor do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - UNIFESP, Chefe de Clínica da Disciplina de Otorrinolaringologia do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - UNIFESP
IVProfessor Doutor do Departamento de Psicobiologia, Médico do Departamento de Psicobiologia
VProfessora Doutora da Disciplina de Psicobiologia, Médica da Disciplina de Psicobiologia
VI Professor Titular do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - UNIFESP, Chefe da Pós-Graduação do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - UNIFESP

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Os distúrbios obstrutivos do sono são relativamente freqüentes na população pediátrica, porém o impacto da perda do sono na aprendizagem e função cognitiva não está bem estabelecido.
OBJETIVO: Avaliar se pacientes com distúrbios obstrutivos do sono apresentam alteração de aprendizagem, memória e atenção.
CASUÍSTICA E MÉTODO: Foram avaliadas 81 crianças de 6 a 12 anos de idade, divididas em 3 grupos: grupo SAHOS (n=24), grupo Ronco Primário (n=37) e grupo Controle (n=20), através de testes de aprendizagem (Teste de Rey) e cognitivos (Dígito, Código, Cancelamento de Letras e Símbolos). Todas as crianças realizaram polissonografia.
RESULTADOS: O grupo SAHOS (n=24) e o grupo Ronco Primário (n=37) apresentaram diferença estatisticamente significante nas variáveis A1 (p=0,001) do Teste de Rey quando comparados ao grupo controle. O grupo Ronco Primário apresentou ainda diferenças nas variáveis A2, A4, AT e A6 do Teste de Rey (p=0,020; p=0,05; p=0,004; p=0,05, respectivamente) em relação ao grupo controle (n=20).
CONCLUSÃO: Crianças com distúrbios obstrutivos do sono apresentam piores resultados no teste de aprendizagem e memória (Teste de Rey), principalmente o grupo RP, quando este é comparado ao grupo SAHOS. Os testes de atenção apresentam resultados semelhantes entre os grupos.

Palavras-chave: aprendizagem, cognição, crianças, distúrbios obstrutivos do sono.


 

 

INTRODUÇÃO

Os distúrbios obstrutivos do sono (DOS) são relativamente freqüentes na população pediátrica e incluem o Ronco Primário (RP) e a Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutiva do Sono (SAHOS)1. O quadro clínico do RP caracteriza-se pela presença de ruído respiratório, mas com preservação da arquitetura do sono, da ventilação alveolar e da saturação de oxigênio da hemoglobina. é de ocorrência freqüente na infância e afeta cerca de 7 a 9% das crianças entre um a 10 anos de idade. Apesar de o ronco ser menos comum na população infantil, alguns autores estimam que esta porcentagem, dependendo da faixa etária, possa ser superior a 12%2-4. Existem ainda muitas controvérsias sobre considerar ou não o ronco um quadro totalmente benigno, principalmente no que se refere à qualidade do sono ou no comportamento diurno destas crianças5. SAHOS na infância é caracterizada por ronco ou ruído respiratório durante o sono, freqüentemente associada à hipoxemia, hipercapnia, sintomas diurnos tais como, respiração bucal, comportamento anormal e sonolência diurna excessiva. Embora os números sobre a incidência sejam imprecisos na literatura, evidências sugerem que a SAHOS na infância afeta de 1 a 2% das crianças6,7, e apresentam a mesma incidência em relação ao sexo8,9. O diagnóstico clínico da SAHOS na infância não é fácil, principalmente pelo fato da maioria das crianças apresentarem ronco habitual e infelizmente a história clínica não ser suficientemente confiável para distinguir SAHOS do RP10. Por esta razão, a avaliação da respiração durante o sono é necessária para o diagnóstico de certeza11. Pelo fato de apenas algumas crianças com RP desenvolverem SAHOS e a história clínica e exame físico serem usualmente insuficientes para estabelecer a presença e a gravidade da SAHOS, a polissonografia torna-se necessária para o diagnóstico. Quando não tratada, pode levar ao atraso no crescimento e desenvolvimento neuropsicomotor6.

Alguns estudos têm tentado estabelecer relação entre SAHOS na infância e alterações no comportamento, aprendizagem, memória e atenção. Apesar da sonolência diurna excessiva (SDE) ser um relato importante da SAHOS em adultos12,13, somente uma minoria dos pais das crianças com SAHOS descrevem suas crianças como sonolentas14,3,10. Um amplo estudo nos EUA demonstrou SAHOS em 18% das crianças que apresentavam o desempenho escolar entre os 10% mais fracos do primeiro grau; significante melhora no desempenho foi visto após tonsilectomia15. Outros estudos realizados em crianças portadoras de SAHOS têm demonstrado déficits cognitivos específicos na aprendizagem e processamento mental14,16,17. Os resultados de um grande estudo realizado em 782 crianças sugeriram que existe uma associação entre SDE, hiperatividade, comportamento agressivo e a presença de ronco2,18. Outras pesquisas, por sua vez, demonstraram que o desempenho psicomotor em crianças apresenta-se diminuído se ocorre a privação total do sono, mas não quando a privação do sono é apenas parcial19.

Inúmeros estudos têm procurado verificar o efeito do sono sobre a memória e aprendizagem, incluindo o efeito do sono sobre o material aprendido e esquecido antes e após o sono, tempo duração antes do teste de retenção e o tipo de material aprendido20.

Apesar do consenso crescente a respeito do aumento da prevalência da privação do sono em nossa sociedade, o impacto da perda do sono nas habilidades cognitivas não é bem estabelecido21 e as conseqüências cognitivas da interrupção da arquitetura do sono e hipoxemia como resultado de desordens respiratórias do sono em crianças com SAHOS são ainda indefinidas na população pediátrica22,23. Em um estudo com roedores, demonstrou-se que a hipóxia intermitente induz a um aumento substancial na perda de células neuronais e efeitos adversos na memória espacial na ausência de fragmentação ou privação do sono24.

O objetivo do nosso estudo foi avaliar se crianças portadoras de DOS apresentam alteração de aprendizagem, memória e atenção.

 

CASUÍSTICA E MÉTODO

A presente pesquisa foi realizada no Ambulatório da Disciplina de Otorrinolaringologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina, no período de outubro de 2004 a setembro de 2005. Todos os procedimentos e termos de consentimento foram previamente aprovados pelo Comitê de ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo, protocolo no 0912/04.

Neste trabalho a amostra constituiu-se de 81 crianças de ambos os gêneros, respiradores bucais, que preenchiam os seguintes critérios de inclusão e exclusão.

Critérios de inclusão:

-Crianças entre 6 a 12 anos de idade com distúrbios obstrutivos do sono distribuídos de acordo com critérios polissonográficos.

Critérios de exclusão:

- Alterações do Desenvolvimento Neuropsicomotor;

- Distúrbios psiquiátricos e comportamentais;

- Síndromes;

- Alterações visuais;

- Uso de medicações que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC)

- Alteração auditiva (história, otoscopia e audiometria).

O grupo de estudo foi subdividido em 2 subgrupos, pacientes que apresentavam SAHOS e RP. O grupo controle foi constituído de crianças da mesma faixa etária, que não apresentavam DOS na avaliação polissonográfica.

Grupo SAHOS: 24 pacientes, 10 do sexo masculino, 14 do sexo feminino.

Grupo RP: 37 pacientes, 22 do sexo masculino, 11 do sexo feminino.

Grupo Controle: 20 pacientes, 09 do sexo masculino, 11 do sexo feminino.

Após preencherem os critérios de inclusão e exclusão, as crianças foram submetidas à história clínica e exame físico geral. O exame otorrinolaringológico incluiu oroscopia, rinoscopia anterior e otoscopia. Todas as crianças foram submetidas à nasofibrolaringoscopia realizada com fibra flexível Machida (modelo ENT 30 P III, 3,2mm de diâmetro), fonte de luz de xenônio (Styker, Othobean II), câmera filmadora (Toshiba CCD IKM30AK); monitor de vídeo (Sony KV-CR), audiometria tonal e vocal e imitanciometria (Audiômetro marca Madsen, modelo Midimate 622 e fone TDH - 39 - padrão ANSI, 1969) e polissonografia para o diagnóstico de SAHOS e RP. As polissonografias foram realizadas no Instituto do Sono do Hospital São Paulo. O estudo polissonográfico foi realizado durante a noite, com o paciente dormindo em cama confortável em quarto escuro e silencioso. Durante o exame, os parâmetros eletrofisiológicos e cardiorrespiratórios foram registrados em sistema computadorizado (Alice 3 Healthdyne/respironics, Marrieta, GA): eletroencefalograma (C3/A2, C4/A2, O1/A2 O2/A1), eletromiograma submentoniano e tibial, eletrooculograma direito e esquerdo, fluxo de ar oronasal, movimento de abdômen e tórax, microfone (ronco), saturação de oxihemoglobina (SAO2) e posição no leito em ar ambiente.

Avaliação de aprendizagem e função cognitiva

I- Teste Auditivo Verbal de Rey (Rey Auditory Verbal Learning Test-RAVLT),1998 (versão traduzida pela psicóloga Maria Helena da Silva Noffs).

As variáveis estudadas foram:

- A1 (Número de palavras lembradas após 1ª leitura da lista A)

- A2 (Número de palavras lembradas após 2ª leitura da lista A)

- A3 (Número de palavras lembradas após 3ª leitura da lista A)

- A4 (Número de palavras lembradas após 4ª leitura da lista A)

- A5 (Número de palavras lembradas após 5ª leitura da lista A)

- AT (Número total de palavras lembradas: A1 a A5)

- B1 (Número de palavras lembradas após leitura da lista B)

- A6 (Número de palavras da lista A lembradas espontaneamente logo após a leitura da lista B1)

- A7 (Número de palavras da lista A lembradas espontaneamente após 20 minutos)

- R (Número de palavras acertadas na leitura da lista de reconhecimento)

II - Subteste Código, 1991 (teste WISC-III - Escala de Inteligência Wechsler para Crianças).

As variáveis estudadas foram:

- Número total de símbolos copiados corretamente.

III - Subteste Dígito, 1991 (teste WISC-III - Escala de Inteligência Wechsler para Crianças).

As variáveis estudadas foram:

- OD: Ordem direta

- OI: Ordem indireta

- OT: OD+OI

IV - Teste de Cancelamento de Símbolos, 1985 (Mezulam)

As variáveis estudadas foram:

- Número de acertos

- Número de erros

- Número de omissões

- Tempo de execução da tarefa

V - Teste de Cancelamento de Letras, 1985 (Mezulam)

As variáveis estudadas foram:

- Número de acertos

- Número de erros

- Número de omissões

-Tempo de execução da tarefa

A avaliação da função cognitiva seguiu as especificações da literatura (Rey, 1998; Wechsler, 1991; Mezulam, 1985)25,26,27.

Análise dos resultados

Devido à natureza das variáveis, as mesmas foram resumidas por meio de tabelas, número de indivíduos por grupo, média, desvio-padrão (DP), mínimo, mediana, máximo e intervalo inter-quartílico (IIQ).

A comparação entre os grupos foi realizada por meio da análise de variância não-paramétrica de Kruskal-Wallis e quando o resultado foi significante (*), complementou-se a análise por meio do teste de comparações múltiplas de Kruskal-Wallis28.

Adotou-se para todos os testes o nível de significância de 5% de probabilidade para a rejeição da hipótese de nulidade.

 

RESULTADOS

O grupo SAHOS (n=24) e o grupo Ronco Primário (n=37) apresentaram diferença estatisticamente significante nas variáveis A1 (p=0,001), e o Grupo Ronco Primário, nas variáveis A2, A4, AT e A6 do Teste de Rey (p=0,020; p=0,05; p=0,004; p=0,05, respectivamente) em relação ao grupo controle (n=20) (Tabela 1). Os testes de atenção não apresentaram diferenças estatisticamente significantes entre os grupos (Tabelas 2 a 5).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1. Análise da aprendizagem utilizando-se o Teste de Rey. (Tabela 1)

2. Análise da comparação entre os grupos quanto à atenção (Tabelas 2 a 5)

 

DISCUSSÃO

O impacto negativo dos DOS sobre aprendizagem, memória e atenção em crianças tem sido frequentemente mencionado na literatura médica. Entretanto, ainda existem poucos estudos que confirmem esta associação, por isso é ainda considerado um tema bastante controverso. O presente trabalho comparou estes parâmetros entre grupos de crianças com SAHOS, RP e crianças sem DOS, diagnosticadas pela polissonografia.

No nosso estudo, optamos por utilizar testes clássicos e previamente padronizados. Os critérios de exclusão procuraram afastar qualquer condição clínica que pudesse interferir nos nossos resultados.

A prova de aprendizagem (Teste de Rey) envolve a repetição seqüencial e idêntica de um mesmo estímulo. Nesta prova são avaliadas a estratégia de aprendizagem, a capacidade de retenção de um estímulo novo pelo indivíduo (memória imediata), o tônus da atenção (nível atencional), a pré-ativação, susceptibilidade à interferência, bem como a memória de reconhecimento, quando é realizada a prova de múltipla escolha.

Nossos resultados mostraram diferenças estatisticamente significantes no grupo SAHOS e RP em relação ao controle na evocação de A1 e no grupo RP comparado ao controle em A2 do Teste de Rey. Isto significa que a memória imediata e o nível atencional (que interfere no processamento da memória) estão prejudicados nos grupos de pacientes portadores de DOS, uma vez que essas evocações estão diretamente relacionadas ao nível atencional e lembrança da informação apresentada somente uma vez, portanto memória imediata. Por este motivo, quando analisamos AT (número total das 5 evocações: A1 a A5), observamos que existe diferença significante entre o grupo RP e o controle entre e isto se deve aos escores baixos de A1, A2 e A4. O padrão de desempenho pior do grupo RP ao longo das 5 listas em relação ao grupo SAHOS e controle sugere que as diferenças estão relacionadas à aquisição, armazenamento ou lembrança da informação após várias repetições das listas. Acreditamos que esse prejuízo pode estar relacionado não só à hipóxia intermitente, mas também ao maior número de despertares noturnos, com conseqüente fragmentação do sono e menor tempo de sono REM, necessário para consolidação da memória. Blunden et al. sugere que essa associação possa ser explicada por uma combinação do efeito cumulativo da cronicidade da interrupção da arquitetura do sono através dos anos e o simultâneo desenvolvimento rápido da rede sináptica neuronal da criança. Se os achados de uma significante associação entre mudanças polissonográficas leves na arquitetura do sono e desempenho cognitivo reduzido forem verdade, apontam para uma importante função da arquitetura do sono em facilitar o desenvolvimento, a consolidação da memória e aprendizagem da criança5. Na análise de A6 (evocação da Lista A logo após a leitura da Lista B), o grupo RP apresentou diferença estatisticamente significante em relação ao controle. Isto supõe que a Lista B (lista de interferência ou distrator) interferiu principalmente na capacidade de manutenção do nível atencional do grupo RP, o que não aconteceu no grupo SAHOS. Quando a tarefa de aprendizagem diz respeito à capacidade de repetir espontaneamente as palavras que foram fornecidas anteriormente, pudemos observar que após 20 minutos a repetição e lembrança das palavras (A7) não apresentou diferença nos grupos de estudo. O nível de retenção de estímulos verbais após 20 minutos refere-se à memória tardia (longo prazo). Tal resultado nos leva a admitir que com o decorrer do tempo, não existe perda da informação registrada e sugere que a memória de longo prazo está preservada, mesmo porque o mecanismo de armazenamento da memória de longo prazo é diferente da imediata. Nossos achados vão de encontro com Kaemingk et al. que examinaram a relação entre distúrbios respiratórios do sono (DRS) e aprendizagem e compararam com a aprendizagem em crianças sem DRS. Eles estudaram 149 crianças de 6 a 12 anos de idade, através da avaliação da inteligência, aprendizagem, memória e desempenho acadêmico e observaram diminuição significante na aprendizagem e memória no grupo com DRS, porém não encontraram diferenças na inteligência, atenção ou desempenho escolar29.

Alguns autores têm relatado diminuição das habilidades intelectuais30, mas outros têm relatado não haver relação entre SAHOS e inteligência em crianças17,29,31. Os achados de memória também são controversos, alguns autores relatam memória diminuída16,29 ao contrário de outros17. Finalmente, Lewin et al. notou uma leve, mas significante lentidão no raciocínio mental dentro de uma pequena amostra de crianças com SAHOS não tratada comparada a crianças tratadas de SAHOS e a crianças controle saudáveis31.

Evidências de estudos sobre o tratamento sustentam uma relação entre SAHOS pediátrico e função cognitiva. A tonsilectomia é efetiva em tratar problemas respiratórios na maioria das crianças com SAHOS e parece contribuir para melhora acadêmica, intelectual e comportamental após o tratamento15,30,32. Somente um estudo de resultados em longo prazo publicado por Gozal e Pope relataram um desempenho acadêmico pobre entre adolescentes não-roncadores na atualidade mas que roncavam na infância em relação àqueles que não roncavam quando eram menores24.

Assim como Beebe e Gozal33, nós acreditamos que o mecanismo pelo qual SAHOS promoveria morbidade cognitiva e alteração da aprendizagem na infância permanece incerta. Dois potenciais contribuintes têm recebido maior atenção: a intermitente hipóxia e a fragmentação do sono. Apesar dos resultados controversos na literatura, e frente aos nossos resultados, sentimo-nos estimulados para continuar a nossa linha de pesquisa, principalmente no que se refere à execução de trabalhos de avaliação da aprendizagem, memória e atenção em crianças com DOS à procura de causas neurológicas e parâmetros polissonográficos que justifiquem as alterações de aprendizagem e de função cognitiva.

 

CONCLUSÕES

As crianças portadoras de DOS (SAHOS e RP) apresentam pior desempenho no teste de aprendizagem (Teste de Rey) quando comparadas às crianças do grupo controle, e crianças com RP apresentam pior desempenho no teste de aprendizagem quando comparadas àquelas com SAHOS. Os testes de atenção apresentam resultados semelhantes entre os 3 grupos.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Carroll JL, Loughlin GM. Diagnostic criteria for obstructive sleep apnea syndrome in children. Pediatr Pulm 1992;14(2):71-4.         [ Links ]

2. Ali NJ, Pitson DJ, Stradling JR. Snoring, sleep disturbance, and behavior in 4-5 year olds. Arch Dis Child 1993;68:360-6.         [ Links ]

3. Gislason T, Benediktsdottir B. Snoring, apneic episodes, and nocturnal hypoxemia among children 6 months to 6 years old. An epidemiologic study of lower limit of prevalence. Chest 1995;107:963-6.         [ Links ]

4. Marcus CL. Pathophysiology of childhood obstructive sleep apnea: current concepts. Respir Physiol 2000;119:143-54.         [ Links ]

5. Blunden S, Lushington K, Kennedy D, Martin J, Dawson D. Behavior and neurocognitive performance in children aged 5-10 years who snore compared to controls. J Clin Exp Neuropsychol 2000;22(5):554-68.         [ Links ]

6. Brouillette R, Hanson D, David R, Klemka L, Szatkowski A, Fernbach S, Hunt C. A diagnostic approach to suspected obstructive sleep apnea in children. J Pediatr 2000;105(1):10-4.         [ Links ]

7. Ali NJ, Pitson D, Strading JR. The prevalence of snoring, sleep, disturbance and sleep related breathing disorders and their relation to daytime sleepiness in 4-5 year old children. Am Rev Respir Dis 1991;143:381.         [ Links ]

8. Rosen CL. Clinical features of obstructive sleep apnea hypoventilation syndrome in otherwise healthy children. Pediatr Pulmonol 1999;27:403-9.         [ Links ]

9. Redline S, Tishler PV, Schluchter M. Risk factors for sleep-disordered breathing in children: Associations with obesity, race, and respiratory symptoms. Am J Respir Crit Care Med 1999;159:1527-32.         [ Links ]

10. Carroll JL, Mccolley SA, Marcus CL. Inability of clinical history to distinguish primary snoring from obstructive sleep apnea syndrome in children. Chest 1995;108:610-8.         [ Links ]

11. American Thoracic Society. Standards and indications for cardiopulmonary sleep studies in children. AM J Respir Crit Care Med 1996;153:866-78.         [ Links ]

12. American Thoracic Society. Indications and standards for cardiopulmonary sleep studies. Am Rev Respir Dis 1989;139:559-68.         [ Links ]

13. American Academy of Sleep Medicine Task Force: Sleep-related breathing disorders in adults: recommendations for syndrome definition and measurement techniques in clinical research. Sleep 1999;22:667-89.         [ Links ]

14. Guilleminault C, Winkle R, Korobkin R, Simmons B. Children and nocturnal snoring: evaluation of the effects of sleep related respiratory resistive load and daytime functioning. Eur J Pediatr 1982;139:165-71.         [ Links ]

15. Gozal D. Sleep disordered breathing and school performance in children. Pediatrics 1998;102(3):616-20.         [ Links ]

16. Rhodes SK, Shimoda KC, Waid LR. Neurocognitive deficits in morbidly obese children with sleep apnea. J Pediatr 1995;127:741-4.         [ Links ]

17. Owens J, Spirito A, Marcotte A. Neuropsychological and behavioral correlates of obstructive sleep apnea syndrome in children: a preliminary study. Sleep Breath 2000a;4:67-78.         [ Links ]

18. Ali NJ, Pitson D, Stradling JR. Natural history of snoring and related behavior problems between the ages of 4 and 7 years. Arch Dis Child 1994;71:74-6.         [ Links ]

19. Copes K, Rosentswieg J. The effects of sleep deprivation upon the motor performance of ninth-grade students. J Sport Med 1972;12.         [ Links ]

20. Blissit PA. Sleep, memory and learning. J Neurosci Nur 2001;33(4):208-15.         [ Links ]

21. Walsh JK, Lindblom S: Psychosiology of sleep deprivation and disruption in humans In: Pressman MR and Orr WC: Understanding sleep: The evaluation and treatment of sleep disorders. Washington, D.C.: American Psychological Association: 1997; 73-110.         [ Links ]

22. Rosen CL. Obstructive sleep apnea syndrome in children: diagnostic challenges. Sleep 1996;19:S274-S277.         [ Links ]

23. Singer LP, Saenger P. Complications of pediatric obstructive sleep apnea. Otolaryngol Clin North Am 1990;23:665-76.         [ Links ]

24. Gozal D, Wang M, Pope D. Objective sleepness measures in pediatric obstructive sleep apnea. Pediatrics 2001;108:693-7.         [ Links ]

25. Lezak G, Butterworth: Rey Auditory Verbal Learning Test in: Spreen S: A Compendium of Neuropsychological Test: Administration, Norms and Commentary. 2nd ed. New York;1998.p.341-63.         [ Links ]

26. Wechsler D: Manual for the Wechsler Intelligence Scale for Children. Third Edition (WISC-III) San Antonio: The Psychological Corporation; 1st ed.1991.         [ Links ]

27. Mesulan MM. Principles of behavioral neurology. Philadelphia: F.A. Davis Company; 1985.         [ Links ]

28. Armitage P, Berry G. Statistical Methods in Medical Research. 3rd ed. Blackwell Science. University Press Cambridge; 1998.         [ Links ]

29. Kaemingk KL, Pasvogel AE, Goodwin JL, Mulvaney SA, Martinez F, Enright PL, Rosen GM, Morgan WJ, Fregosi RF, Quan SF. Learning in children and sleep disordered breathing: findings of the Tucson children’s assessment of sleep apnea (TuCASA) prospective cohort study. J Int Neuropsychol Soc 2003;9:1016-26.         [ Links ]

30. Friedman BC, Amitai AH, Kozminsky E, Leiberman A, Friger M, Tarasiuk A et al. Adenotonsillectomy improves neurocognitive function in children with obstructive sleep apnea syndrome. Sleep 2003;26(8):999-1005.         [ Links ]

31. Lewin DS, Rosen RC, England SJ, Dahl RE. Preliminary evidence of behavioral and cognitive sequelae of obstructive sleep apnea in children. Sleep Med 2002;3:5-13.         [ Links ]

32. Ali NJ, Pitson D, Stradling JR. Sleep disordered breathing: effects of adenotonsillectomy on behavior and psychological functioning. Eur J Pediatr 1996;15(1):56-62.        [ Links ]

33. Beebe DW, Gozal D. Obstructive sleep apnea and the prefrontal cortex: towards a comprehensive model linking nocturnal upper airway obstruction to daytime cognitive and behavioral deficits. J Sleep Res 2002;11:1-16.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Sandra Fumi Hamasaki Uema
Rua Coronel José Brás 155 apto. 401 Centro 17501-570 Marília SP.

Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da RBORL em 10 de janeiro de 2006. cod. 1677
Capes.
Artigo aceito em 3 de março de 2007.

 

 

Universidade Federal de São Paulo Disciplina de Otorrinolaringologia Pediátrica do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons