SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.73 issue4Dizziness associated with panic disorder and agoraphobia: case report and literature reviewUsher’s syndrome author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Otorrinolaringologia

Print version ISSN 0034-7299

Rev. Bras. Otorrinolaringol. vol.73 no.4 São Paulo July/Aug. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992007000400019 

RELATO DE CASO

 

Sulco vocal: provável etiologia genética. Relato de quatro casos em familiares

 

 

Regina Helena Garcia MartinsI; Rafael SilvaII; Danilo Moretti FerreiraIII; Norimar Hernandes DiasIV

IProfessora Assistente, Doutora em Cirurgia pela Faculdade de Medicina de Botucatu - Unesp. Responsável pelo ambulatório de foniatria e voz. Docente da Disciplina de Otorrinolaringologia da Universidade Estadual Paulista-Unesp, Campus de Botucatu
IIGraduando do curso de medicina humana da Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP
IIIProfessor Assistente Doutor, Chefe do Serviço de Aconselhamento Genético - IBB (UNESP)
IVMédico otorrinolaringologista da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Botucatu, Mestre em cirurgia (Unesp)

Endereço para correspondência

 

 


Palavras-chave: disfonia, etiologia, genética, sulco vocal.


 

 

INTRODUÇÃO

Sulco vocal é uma depressão linear da cobertura mucosa das pregas vocais, paralela à borda livre, profundidade variável, geralmente bilateral e simétrica1,2. Sua etiologia é controversa. Para Bouchayer et al.3 é congênita, frente à presença de rouquidão desde criança, seu diagnóstico em laringes infantis e em vários familiares e pela associação com outras lesões laríngeas congênitas. Para outros, é adquirida e secundária a processos inflamatórios ou atróficos das pregas vocais2.

O objetivo deste estudo é descrever a presença de sulco vocal em uma irmandade com quatro membros afetados, reforçando a etiologia genética.

 

APRESENTAÇÃO DOS CASOS

Os pacientes apresentados neste texto pertenciam ao HC da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp).

Caso 1

NAR, feminina, 44 anos, do lar, casada, referia rouquidão, cansaço vocal e voz fraca desde criança. Negava tabagismo e refluxo. À emissão, a voz apresentava-se aguda, soprosa, com esforço vocal e diminuição dos tempos fonatórios. À telescopia (telescópio rígido 7mm, 70º - Machida) observamos sulco vocal estria maior bilateral (Figura 1a) e fenda fusiforme. A paciente recusou a cirurgia.

 

 

A paciente possuía quatro irmãos, três deles com disfonia, sendo convocados para avaliação vocal, correspondendo aos casos clínicos que se seguem.

Caso 2

EAR, masculino, 22 anos, estudante, solteiro, referia voz rouca e fraca desde criança. Negava tabagismo e relatava abuso vocal. As características vocais eram semelhantes às descritas acima, porém com menor soprosidade. À telescopia diagnosticamos sulco vocal unilateral e fenda fusiforme (Figura 1b). A fonocirurgia foi realizada com enxerto de gordura.

Caso 3

IGR, masculino, 42 anos, casado, recepcionista, referia rouquidão, cansaço vocal e voz fraca desde criança. Negava tabagismo, sintomas respiratórios ou refluxo. A voz apresentava-se baixa, aguda e soprosa, com esforços musculares à emissão. Os tempos fonatórios estavam diminuídos. À telescopia identificamos sulco vocal bilateral e fenda fusiforme (Figura 1c). O paciente recusou cirurgia.

Caso 4

ER, 29 anos, masculino, solteiro, balconista, referia rouquidão leve durante abuso vocal. Negava sintomas respiratórios, tabagismo ou refluxo. A voz era aguda e discretamente soprosa. À telescopia observamos sulco vocal pouco profundo bilateral e discreta fenda fusiforme (Figura 1d), sendo indicada apenas fonoterapia.

Os pacientes deste estudo negavam disfonia em demais familiares. A avaliação genética não evidenciou alterações no fenótipo ou no cariótipo.

 

DISCUSSÃO

A origem do sulco vocal é controversa; para alguns, é congênita e resulta da falha no desenvolvimento do 4º e 6º arcos branquiais3. Nestes casos os sintomas estão presentes desde a infância, observado nos casos 1, 2 e 3 deste estudo. Para outros, é adquirida e secundária a processos inflamatórios crônicos ou atróficos das pregas vocais (laringites crônicas, refluxo, paralisia, tabagismo e presbifonia)1,2.

Não evidenciamos lesões congênitas associadas ao sulco vocal, porém há descrição na literatura de tal coexistência, em especial os cistos, diagnosticados em 15% dos 115 pacientes avaliados por Bouchayer et al.3

Neste estudo, a presença de sulco vocal em quatro membros da família reforça a hipótese da origem genética, mesmo sem a detecção de alterações no fenótipo ou no cariótipo.

A escolha do tratamento do sulco vocal depende do grau de insuficiência glótica e das alterações vocais e incluem: injeções de colágeno, teflon, ácido hialurônico, enxerto de gordura, fáscia e pré-fáscia do músculo temporal, tireoplastia, franjamento da mucosa e ressecção do sulco4,5,6. Neste estudo, apenas o paciente do caso 2 foi submetido à cirurgia, utilizando-se enxerto de gordura.

 

COMENTÁRIOS FINAIS

Na irmandade apresentada, todos eram disfônicos desde criança, favorecendo a hipótese de anomalia congênita. A presença do sulco vocal em quatro dos cinco irmãos corrobora a hipótese de etiologia genética, porém a forma de herança não pode ser confirmada pela falta de avaliação laringoscópica dos demais familiares.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Hirano M, Yoshida T, Tanaka S, Hibi S. Sulcus vocalis: Functional aspects. Ann Otol Rhinol Laryngol 1990;99:679-83.

2. Pontes P, Behlau M, Gonçalves I. Alterações estruturais mínimas da laringe (AEM):Considerações básicas. Acta Awho 1994;8:2-6.

3. Bouchayer M, Cornut G, Witzig E, Loire R, Roch JB, Bastian RW. Epidermoid cysts, sulci, and mucosal bridges of the true vocal cord: a report of 157 cases. Laryngoscope 1985;95:1087-94.

4. Pontes P, Behlau M. Treatment of sulcus vocalis: auditory perceptual and acoustical analysis of the slicing mucosa surgical technique. J Voice 1993;7:365-76.

5. Damrose EJ, Berke GS. Advances in the management of glottic insufficiency. Otolaryngol Head Neck Surg 2003;11:480-84.

6. Tsunoda K, Kondou K, Kaga K, Niimi S, Baer T, Nishiyama K, Hirose H. Autologous transplantation of fascia into the vocal fold: Long-Term result of Type-1 transplantation and the future. Laryngoscope 2005;115:1-10.

 

 

Endereço para correspondência:
Regina Helena Garcia Martins
Disciplina de Otorrinolaringologia, Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Faculdade de Medicina de Botucatu - Distrito de Rubião Junior
Botucatu SP 18618-970
Tel./Fax: (0xx14) 3811-6256
Email: rmartins@fmb.unesp.br

Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da RBORL em 2 de setembro de 2005. cod. 1033.
Artigo aceito em 1 de maio de 2006.

 

 

Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License