SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.74 número4Doença de Rosai-Dorfman como diagnóstico diferencial de linfadenopatia cervicalTricoepitelioma solitário nasal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Otorrinolaringologia

versão impressa ISSN 0034-7299

Rev. Bras. Otorrinolaringol. v.74 n.4 São Paulo jul./ago. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992008000400026 

RELATO DE CASO

 

Fibromatose de amígdala

 

 

Juliana SatoI; Antonio Augusto de Lima PontesII; Ricardo FrazattoIII; Reginaldo Raimundo FujitaIV

IOtorrinolaringologista, Fellow em Otorrinolaringologia Pediátrica da UNIFESP- EPM
IIMédico, Especializando em Otorrinolaringologia do 3º ano da Unifesp-EPM
IIIMestre em Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - UNIFESP-EPM, Otorrinolaringologista
IVProfessor Adjunto do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da UNIFESP-EPM, Chefe da Clínica de Otorrinolaringologia Pediátrica - UNIFESP-EPM

Endereço para correspondência

 

 


Palavras-chave: amígdala, fibromatose.


 

 

INTRODUÇÃO

Fibromatoses são lesões não-metastatizáveis, porém localmente invasivas, podendo infiltrar músculo, gordura e osso. Dependendo de sua localização, são consideradas fatais, especialmente as localizadas na região da cabeça e do pescoço1.

São tumores de fibroblastos, com margens mal-definidas e não-encapsulados2. Não se observam áreas de anaplasia, invasão de nervos ou vasos; mitoses são raras e pode haver colágeno entre as células tumorais1.

O presente trabalho tem por objetivo a apresentação de um caso de fibromatose envolvendo as amígdalas em uma criança, além da discussão de aspectos relacionados ao seu tratamento e prognóstico.

 

APRESENTAÇÃO DE CASO

Paciente do sexo masculino, 10 anos, pardo, natural de Maceió. Em 2002, procurou atendimento médico com história de roncos, respiração oral e amigdalites de repetição, relatando a realização de adenoidectomia aos 4 anos de idade. Na ocasião, apresentava hipertrofia amigdaliana grau IV e a radiografia de cavum demonstrava diminuição de coluna aérea em rinofaringe, sendo indicada adenoamigdalectomia.

No intra-operatório, notou-se amígdalas de consistência endurecida, aderências entre base de língua e úvula. Realizada adenoamigdalectomia e o estudo histológico das amígdalas apontou proliferação de natureza fibroblástica compatível com fibromatose.

Um ano depois iniciou emagrecimento e disfagia para sólidos. À oroscopia, observou-se tumor ocupando região de palato mole e pilares amigdalianos (Figura 1A e B). A nasofibrolaringoscopia não evidenciou acometimento parede posterior da faringe. Realizada ressonância magnética que demonstrou lesão sólida bem delimitada, acometendo porções distais do palato mole, medindo 3,0x2,5x2,5cm, com realce marginal após contraste. O palato duro, a base da língua, a parede posterior da faringe e a base do crânio não mostraram acometimento. Indicado ressecção cirúrgica com margens de segurança de 2,0cm.

 


 

DISCUSSÃO

Fibromatose acometendo a cabeça e o pescoço representam 10 a 35% dos casos1. Stout foi quem primeiro identificou e descreveu a forma agressiva da doença em 19543. Trata-se de uma doença predominantemente de crianças e adultos jovens e aproximadamente metade tem crescimento arrastado2.

O tratamento de escolha é a ressecção com margens amplas, o que é extremamente difícil na cabeça e no pescoço sem causar seqüelas1,2,4. Em adultos, a margem que tem sido recomendada é de 3cm4. Recorrência pós-cirúrgica é observada em 23,8 a 57% dos casos5. Alguns autores recomendam até mesmo o esvaziamento cervical radical para fibromatoses acometendo o pescoço1.

No estudo de Fowler5, no qual 31 casos de fibromatose de cavidade oral foram estudados, as regiões mais acometidas foram bochecha, língua e região submandibular.

Não há consenso quanto ao tratamento radioterápico ou quimioterápico, mas os mesmos têm sido utilizados como adjuvantes em casos inoperáveis. Uma das desvantagens da radioterapia seria a dose requerida, que poderia causar destruição das epífises, levando a alterações de crescimento2,4.

A quimioterapia isolada não parece ser curativa, porém pode ser efetiva em controlar tumores irressecáveis ou em reduzir o tamanho do tumor antes da cirurgia. Alguns estudos sugerem que o crescimento tumoral possa ser influenciado pelo estrógeno e que o tratamento adjuvante com tamoxifeno poderia ser útil. Levantou-se também a hipótese de que os antiinflamatórios não-hormonais possam ser efetivos já que interferem no metabolismo das prostaglandinas4.

Na literatura, encontrarmos apenas 1 relato de caso de fibromatose amigdaliana, também em criança, que invadiu fossa pterigopalatina. A cura só foi possível através de ampla ressecção tumoral6.

 

COMENTÁRIOS FINAIS

O caso apresentado ilustra as dificuldades em conduzir uma doença rara como a fibromatose de cabeça e pescoço em criança. Apesar de diversos tratamentos serem propostos, nem todos podem ser aplicados a população pediátrica, tornado-a uma doença benigna de difícil controle.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Masson JK, Soule EH. Desmoid tumors of the head and neck. Am J Surg 1966;112(4):615-22.         [ Links ]

2. Hill DR, Newman H, Phillips TL. Radiation therapy of desmoid tumors. Am J Roentgenol Radium Ther Nucl Med 1973;117(1):84-9.         [ Links ]

3. Stout AP. Juvenile fibromatoses.Cancer 1954;7(5):953-6.         [ Links ]

4. Plukker JT, van Oort I, VermeyA, Molenaar I, Hoekstra HJ, Panders AK et al. Aggressive fibromatosis: therapeutic problems and the role of adjuvant radiotherapy. Br J Surg 1995;82(4):510-4.         [ Links ]

5. Fowler CB, Hartman KS, Brannon RB. Fibromatosis of the oral and paraoral region. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1994;77(4):373-85.         [ Links ]

6. Tostevin PMJ, Wyatt M, Hosni A. Sixcases of fibromatosis of the head and neck in children. Int J Pediatr Otorhinolaryngol 2000;53(3):235-44.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Juliana Sato
Rua Leandro Dupret 662 apto 133 Vila Clementino
São Paulo SP 04025-013

Este artigo foi submetido no SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da RBORL em 3 de setembro de 2005. cod. 1042.
Artigo aceito em 28 de junho de 2007.

 

 

Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina