SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 issue2A proteção internacional dos direitos humanos e o BrasilLe Brésil et le Monde: pour une histoire des relations internationales des puissances émergentes author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Política Internacional

Print version ISSN 0034-7329On-line version ISSN 1983-3121

Rev. bras. polít. int. vol.41 no.2 Brasília July/Dec. 1998

https://doi.org/10.1590/S0034-73291998000200014 

INFORMAÇÃO
RESENHAS

 

José Romero Pereira Junior

 

 

FONSECA JR., Gelson. A Legitimidade e outras Questões Internacionais: Poder e Ética entre as Nações. São Paulo: Paz e Terra, 1998, 374 p.

Em seu livro A legitimidade e outras questões internacionais: poder e ética entre as nações, Gelson Fonseca Jr apresenta artigos resultantes de sua experiência ao longo dos últimos quinze anos como professor de Teoria de Relações Internacionais no Instituto Rio Branco. Sendo assim, o que se pode esperar do livro, e o que o livro realmente trás, é um conjunto de ensaios bastante intrigantes a respeito dos mais variados temas, tendo, contudo, na questão da legitimidade internacional seu ponto central (a ela, Fonseca Jr dedica dois artigos específicos).

Sendo fruto de sua experiência como professor, nada mais natural do que o fato de os textos contidos em A legitimidade assumirem um tom fortemente didático, mantendo Fonseca Jr um estilo que beira a conversação informal da sala de aula, sem, no entanto, perder o ar sério e professoral que marca os seus escritos.

A legitimidade, talvez ainda como resultado de seu caráter didático, é dividida em três blocos, cada um consagrado a uma discussão diferenciada dentro dos limites desse pequeno seminário escrito. Nota-se, claramente, no decurso do livro, o intuito de Fonseca Jr de passar em revista o continuum acadêmico que vai da primeira noção de teoria à última representação analítica da prática. Assim, o primeiro bloco, que reúne os dois primeiros artigos, dedica-se ao estudo mais pausado da teoria; o segundo, composto pelos dois artigos subseqüentes, dedica-se, então, à discussão em torno do tema da legitimidade e sua pertinência internacional; enquanto o terceiro e último bloco apresenta análises e comentários a respeito da política externa do Brasil nos três artigos que encerram o livros.

Entretanto, a separação em blocos temáticos esconde aquilo que, de uma certa forma, pode ser considerado uma leve falta de unidade interna, especialmente no tocante à relação entre os três blocos. Se é verdade que Fonseca Jr tenta ir da teoria à prática em um movimento contínuo no passar dos capítulos, não parece menos verdadeiro afirmar que, por vezes, o leitor perde um pouco de vista o vínculo que deveria unir um tema a outro, principalmente quando se tenta passar da teoria à legitimidade e desta à política externa brasileira.

Nada, porém, que tire o brilho e peso de cada ensaio. Como observação, vale ressaltar que é o próprio Fonseca Jr que, ao apresentar seu livro, ressalva a impossibilidade da cobertura exaustiva de todos os temas abordados ao longo dos seus quinze anos de professor, sendo impossível completar nessas trezentas e poucas páginas todos os passos da discussão teórica sem que se defronte com estes pequenos percalços.

Sobre a teoria, Fonseca Jr prefere publicar algumas considerações referentes à ordem internacional, analisando aspectos do pensamento "realista", do "racionalista" e do "universalista", passando, ainda, por algumas considerações de poder em seu "A questão da ordem internacional: comentários a partir das idéias de Hedley Bull". Mais ainda, em "Aspectos da teoria de relações internacionais: notas didáticas", avança notas e reflexões sobre diversos temas de teoria internacional, dotando o texto de um caráter extremamente didático e informal. Aborda, aqui, temas tão variados que vão da própria origem do pensar teórico e a delimitação do campo das relações internacionais a orientações a respeito da construção da análise.

Na seção seguinte, em que aborda a questão da legitimidade, Fonseca Jr dedica-se à elaboração de um argumento bastante forte e acurado sobre a possibilidade de transposição do conceito de legitimidade para o cenário internacional e as bases de sua criação e sustentação neste nível (em "Legitimidade internacional: uma aproximação didática") e segue abordando aspectos do conceito no mundo pós-Guerra Fria, onde parece ocorrer "o fim da querela das legitimidades" e esta parece assumir um caráter definitivamente universalista (ainda que com ressalvas – em "O tema da legitimidade e a argumentação em política externa no pós-Guerra Fria"). Vale ressaltar ainda as menções que faz aos aspectos históricos e técnicos da determinação da legitimidade possível e as observações tocantes à condição dos países não hegemônicos vis-à-vis da questão da legitimidade internacional.

Finalmente, o último bloco dedica-se ao debate de temas de política externa do Brasil, sendo o primeiro artigo, "O pensamento brasileiro em relações internacionais: o tema da identidade nacional", particularmente interessante para quem se dispõe a conhecer a origem do pensamento de relações internacionais no Brasil pois, nele, Fonseca Jr disseca autores, correntes, instituições etc. que, ao longo dos últimos cinqüenta anos, tendo como pano de fundo o debate em torno da identidade nacional, contribuíram para a formação do pensamento internacional brasileiro.

A partir daí, Fonseca Jr passa à discussão da política externa mais propriamente dita, analisando e contrapondo a Política Externa Independente ao Pragmatismo Responsável ("Mundos diversos, argumentos afins: aspectos doutrinários da política externa independente e do pragmatismo responsável"), para, enfim, abordar a política externa contemporânea do Brasil em seu último ensaio, "Alguns aspectos da política externa brasileira contemporânea".

Do ponto de vista acadêmico, pode-se argumentar uma certa ausência de informação que, por vezes, permeia alguns capítulos, pode-se argumentar um volume pequeno de informações mais detalhadas. Contudo, é o próprio Fonseca Jr que, consciente de tal limitação, vai, mais uma vez na apresentação de sua obra, fazer uma mea culpa ao assumir a impossibilidade de pesquisa extensiva para todos os capítulos.

No mais, e à guisa de conclusão, resta elogiar mais uma vez o caráter didático da obra e o estilo leve da escrita, que transporta o leitor para a sala de aula do Instituto Rio Branco e que se o faz defrontar com variados temas do pensar internacional de uma maneira sempre agradável e instigante.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License