SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 issue2Le Brésil et le Monde: pour une histoire des relations internationales des puissances émergentes author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Política Internacional

Print version ISSN 0034-7329On-line version ISSN 1983-3121

Rev. bras. polít. int. vol.41 no.2 Brasília July/Dec. 1998

https://doi.org/10.1590/S0034-73291998000200016 

INFORMAÇÃO
RESENHAS

 

Soraia Martino Peres

 

 

FERRER, Aldo. Hechos y ficciones de la globalización – Argentina y Mercosur en el sistema internacional. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1997, 140 p.

A globalização econômica, ao contrário do enfoque amplamente difundido nos meios acadêmicos, não anularia a liberdade dos países em desenvolvimento de estabelecerem e implementarem suas políticas de inserção ativa no sistema internacional. Essa é a proposição principal defendida por Aldo Ferrer quando analisa o comportamento da Argentina e do Mercosul frente à economia mundial, no livro Hechos y ficciones de la globalizácion – Argentina y el Mercosur en el sistema internacional.

Existiriam, basicamente, duas visões sobre o fenômeno da globalização. A primeira, denominada fundamentalista, sugere que o problema clássico do desenvolvimento não mais existe, uma vez que caberia aos agentes transnacionais, e não aos Estados, o poder de decisão sobre o destino da economia e das finanças. A inserção dos países nesse sistema dar-se-ia de forma passiva por meio da adoção de políticas neoliberais. Tais políticas permitem o mínimo de interferência estatal no mercado pois defendem as privatizações, a abertura econômica e a desregularização dos mercados. A visão fundamentalista refletiria a racionalização dos interesses em jogo dos centros de poder. Os países em desenvolvimento teriam que manter políticas amistosas com o mercado mundial sob o risco de sofrerem uma fuga maciça de capitais especulativos de curto prazo e de verem sua credibilidade abalada. No plano interno, haveria a exigência de flexibilização dos sistemas de seguridade social, o equilíbrio macroeconômico e a estabilidade dos preços. As resistências à ratificação de tais medidas são tidas como uma manifestação de ingovernabilidade democrática. O enfoque fundamentalista seria uma poderosa ferramenta de colonização cultural imposta aos países periféricos.

A segunda visão, chamada realista, considera que, ao contrário do que defende a corrente fundamentalista, a globalização experimentada nas últimas décadas seria mais uma forma de manifestação de um fenômeno antigo. Portanto, os desafios do desenvolvimento ainda se fazem presentes e devem ser solucionados pelos próprios Estados. Tais assertivas decorrem dos esclarecimentos de mitos criados em torno da globalização, quais sejam: as transações econômicas interestatais representariam, na verdade, apenas 20% da produção mundial, uma vez que o restante da produção seria destinado aos mercados internos dos países; esses mercados consumidores seriam responsáveis por grande parte da demanda por empregos em âmbito nacional; o mercado financeiro mundial só permitiria a grande movimentação de capitais graças à ausência de regulação de suas atividades pelo conjunto dos países; os fatores políticos é que determinariam o comportamento do mercado financeiro internacional; seriam os países, e não as empresas, que competiriam no cenário internacional, pois seriam os Estados de origem os responsáveis pelas condições econômicas, sociais e políticas oferecidas às corporações transnacionais. Logo, o desafio do desenvolvimento repousaria na solução de problemas endógenos dos países. Cabe ao Estado manter a estabilidade de suas instituições, o equilíbrio macroeconômico, capacitar recursos humanos e incentivar as inversões privadas. A percepção correta do fenômeno da globalização seria, portanto, determinante para o sucesso da integração ativa dos países em desenvolvimento no sistema internacional.

Tais visões têm sido capazes de nortear o processo de tomada de decisões em países em desenvolvimento em momentos alternados de suas histórias. A constituição do Mercosul teve em sua origem uma forte vertente endógena estabelecida pela política de aproximação entre Argentina e Brasil iniciada em 1985 com a Declaração de Foz do Iguaçu. Em acontecimentos subseqüentes, a visão predominante continuou sendo a realista que, no âmbito do Mercosul, é manifestada pela integração sustentável. Esse conceito defende que a integração entre Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai deve orientar-se por políticas conjuntas que visem à diminuição das assimetrias regionais, a harmonização macroeconômica e a melhoria da qualidade de vida de seus povos. A estabilidade dos preços seria obtida por meio de um equilíbrio fiscal, aumento de exportações e crescimento interno. O modelo de integração sustentável sofreu influência das estratégias de desenvolvimento empregadas pelos Tigres Asiáticos. Em um segundo momento, com a assinatura do Tratado de Assunção em 1991, o autor apontou a mudança de orientação do curso de integração. Nesse período, a visão fudamentalista passou a influenciar o processo. Esta recebeu a denominação de "Consenso de Washington". O Consenso de Washington é uma estratégia elaborada após a crise da dívida externa e apoiada por organismos financeiros e por autoridades norte-americanas e defende as privatizações, a abertura e a desregularização financeira, o equilíbrio fiscal e a reforma do Estado. Os planos econômicos implementados no Brasil e na Argentina seguiram tais orientações mas, apesar de possibilitarem a estabilidade dos preços, tornaram as respectivas economias vulneráveis e dependentes de capitais de curto prazo devido à autonomia dos mercados em decidir onde serão alocados os recursos. A geração de riquezas ficou comprometida pois a excessiva valorização das moedas nacionais dificultou a geração de recursos por meio das exportações, ao mesmo tempo em que, incrementou das importações. A ausência de políticas desenvolvimentistas coordenadas tenderiam à perpetuação das assimetrias dentro do domínio geográfico do Mercosul. O futuro desse bloco regional depende, portanto, da leitura feita sobre a globalização e das estratégias a serem formuladas, a partir de então, pelos seus membros, em especial , pela Argentina e pelo Brasil.

O trabalho do professor Aldo Ferrer tem o mérito de estimular o debate sobre a questão do desenvolvimento econômico. Ele aponta alternativas para que a inserção dos países periféricos no sistema internacional ocorra de forma ativa. Quando analisa o Mercosul, identifica as forças que atuam nesse sistema. Entretanto, fundamenta alguns argumentos no modelo de desenvolvimento dos Tigres Asiáticos ainda como uma receita de sucesso para os demais países, o que não chega a comprometer a validade de seu trabalho. Ao contrário, suas observações a respeito da necessidade de se administrar a globalização tornam-se bastante oportunas. A visão da integração sustentável defendida pelo autor identifica-se com a proposição de que todo o processo de integração regional, para que tenha chances de sucesso, precisa fazer com que seus integrantes percebam nele possibilidades de ganhos justos e reais.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License