SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 número1Densidade populacional de Pratylenchus spp. em pastagens de Brachiaria spp. e sua influência na disponibilidade e na qualidade da forragemInfluência da adubação nitrogenada sobre a interferência de plantas daninhas em feijoeiro índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

  • Português (pdf)
  • Artigo em XML
  • Como citar este artigo
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Tradução automática

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Ceres

versão impressa ISSN 0034-737X

Rev. Ceres vol.60 no.1 Viçosa jan./fev. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-737X2013000100006 

FITOSSANIDADE

 

Avaliação de extrato de algas no progresso temporal da mancha de Mycosphaerella em cultivares de morangueiro

 

Evaluation of seaweed extract on temporal progress of Mycosphaerella leaf spot in strawberry cultivars

 

 

Cristiano Nunes NesiI; Taciana Melissa de Azevedo KuhnII; Emily Silva AraujoIII; Átila Francisco MógorIV; Louise Larissa May De MioIV

IEngenheiro-Agrônomo, Mestre. Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo, Universidade Federal do Paraná, Rua dos Funcionários, 1540, 80035-050, Curitiba, Paraná, Brasil. cristiano@epagri.sc.gov.br (autor para correspondência)
IIEngenheira-Agrônoma. Departamento de Fitossanidade, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário Capão do Leão, Caixa Postal 354, 96010-900, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. tacianakuhn@hotmail.com
IIIEngenheira-Agrônoma, Mestre. Departamento de Fitossanidade, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário Capão do Leão, Caixa Postal 354, 96010-900, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. emiagro@yahoo.com.br
IVEngenheiro-Agrônomo, Doutor. Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo, Universidade Federal do Paraná, Rua dos Funcionários, 1540, 80035-050, Curitiba, Paraná, Brasil. atila.mogor@ufpr.br; maydemio@ufpr.br

 

 


RESUMO

Em morangueiros, a mancha das folhas, causada por Mycosphaerella fragariae, é uma das doenças mais comuns na cultura, o que torna importantes os estudos de controle alternativo e de cultivares, sobre o progresso da epidemia. Em busca de práticas alternativas para seu controle, avaliou-se o efeito de cultivares de morangueiro e do extrato da alga Ascophyllum nodosum, na expressão dos sintomas de mycosphaerella, além de avaliar o ajuste de modelos de crescimento para o progresso temporal da incidência e severidade da doença. Utilizou-se o extrato de algas a 29%, na dose de 2 L ha-1, aplicado no solo, na folha e em ambos. As cultivares Dover, Toyonoka, Albion, Camarosa, Ventana, Campinas, Tudla e Camino Real foram avaliadas, quinzenalmente, quanto a incidência e severidade da doença. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, com parcelas subdivididas e três repetições. Com os dados de incidência e severidade, calculou-se a área abaixo da curva de progresso da doença e utilizou-se a análise de variância para avaliar o efeito de cultivares e do extrato de algas. Aos dados do progresso temporal da incidência e da severidade, em cada cultivar, foram ajustados os modelos monomolecular, logístico e de Gompertz. O extrato de algas não apresentou efeito ou interação com cultivares, no controle da mycosphaerella. Houve efeito de cultivar com menor intensidade da doença, em Albion e Ventana, devido, principalmente, ao atraso na epidemia, pela redução do inóculo inicial efetivo. Aos dados de progresso temporal da incidência e da severidade ajustaram-se, respectivamente, os modelos logístico e monomolecular, para todas as cultivares.

Palavras-chave: Mycosphaerella fragariae, Ascophyllum nodosum, modelagem.


ABSTRACT

Leaf spot, caused by Mycosphaerella fragariae, is a common foliar disease infectious to a broad variety of strawberry cultivars. In a search for alternative control methods, seaweed extract from Ascophyllum nodosum was applied to strawberry cultivars and evaluated for its effect on Mycosphaerella leaf spot symptoms: growth-curve models were fitted for the progress of disease incidence and severity over time. A 29% seaweed extract was sprayed on soil, on plants or on both at the dose of 2 L ha-1. Disease incidence and severity were measured biweekly on the cultivars Dover, Toyonoka, Albion, Camarosa, Ventana, Campinas, Tudla and Camino Real. We used a completely randomized split plot design with three replicates. Disease incidence and severity were calculated as the area under disease progress curves, and analysis of variance was used to assess the effect of the seaweed extract on the cultivars. The progress of disease incidence and severity over time for each cultivar was adjusted using monomolecular, logistic and Gompertz models. The seaweed extract had no effect or interaction on Mycosphaerella leaf spot control for the tested cultivars. There was a cultivar effect with lower disease intensity in Ventana and Albion, mainly due to reduced inoculum effectiveness delaying the rate of infection. The progress of disease incidence and severity over time was adjusted for all cultivars by logistic and monomolecular models, respectively.

Key words: Mycosphaerella fragariae, Ascophyllum nodosum, modeling.


 

 

INTRODUÇÃO

A mancha das folhas, causada por Mycosphaerella fragariae (Tul.) Lindau, é uma das doenças mais comuns, com ampla susceptibilidade, entre as cultivares de morangueiro (Delhomez et al., 1995). A forma predominante de controle é o uso de produtos químicos, o que pode levar à seleção de populações de patógenos resistentes aos fungicidas, aumentar o custo de produção, além de causar problemas ambientais (Fernandes Junior et al., 2002). Diante disso, buscam-se alternativas para o controle da doença, como o extrato da alga Ascophyllum nodosum (L.) Le Jolis, utilizado em diversas culturas como bioestimulante (Mógor et al., 2008).

Em morangueiros, o extrato de Ascophyllum nodosum reduziu a massa fresca dos estolões e aumentou o tamanho e o número dos frutos, no trabalho de Porto (2011). Aliado à busca de produtos alternativos para o controle da doença deve existir o emprego de variedades resistentes, por ser aplicável em largas áreas e apresentar baixo impacto ambiental (Delhomez et al., 1995; Camargo, 2011). Neste sentido, a partir da curva de progresso da doença, interações entre patógeno, hospedeiro e ambiente podem ser caracterizadas e, estratégias de controle, avaliadas (Bergamin Filho, 2011). Os objetivos deste trabalho foram: i) avaliar o efeito de cultivares e do extrato de A. nodosum, no controle de mycosphaerella em morangueiro; ii) ajustar modelos para representar o progresso temporal da incidência e da severidade da mancha e iii) comparar susceptibilidade entre as cultivares.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi instalado em 05/06/2009, no município de Pinhais/PR (25° 23' S e 49° 07' O e 930 m de altitude), em área de cultivo orgânico, com plantas em fileiras duplas, espaçadas de 0,3 m x 0,3 m. Após 30 dias, os canteiros foram cobertos com plástico preto de 50 micras (mulching) e, posteriormente, com túnel baixo de filme plástico transparente. Avaliaram-se as cultivares Campinas, Tudla, Dover, Toyonoka, Camarosa, Ventana, Albion e Camino Real. Por causa da homogeneidade das condições experimentais, utilizou-se o delineamento inteiramente ao acaso, com tratamentos em parcelas subdivididas e três repetições. As subparcelas continham oito plantas, avaliando-se as quatro plantas centrais. As cultivares foram alocadas nas parcelas e, nas subparcelas, os tratamentos com extrato da alga A. nodosum (EA), na forma do produto comercial Acadian®, com 29% de concentração em volume e diluídos em volume de aplicação de 200 L, aplicados a cada 20 dias, na dose de 2 L de produto comercial (p.c.) ha-1 no solo, iniciando-se no plantio; 2 L p.c. ha- 1 nas folhas, iniciando-se 20 dias após o plantio; 1 L p.c. ha-1, a cada dez dias, alternando-se entre solo e folha, iniciando-se no plantio; testemunha sem aplicação do extrato de algas. O período de aplicação do EA foi de junho a dezembro de 2009 (10 aplicações). Para o controle da mancha angular bacteriana (Xanthomonas fragariae Kennedy e King), utilizou-se solução contendo sulfato de cobre (0,3%) em cinco aplicações foliares. Para o controle de pulgões, aplicou-se óleo de Neem (50 mL p.c. 10 L-1 de água), e, para controle de ácaros, aplicaram-se Beauveria bassiana (Bals.-Criv) e Bioalho® (10 mL p.c. 5 L-1 de água).

O número de folhas com sintomas de mycosphaerella em relação ao total (incidência) e o percentual de tecido foliar lesionado (severidade) foram avaliados, quinzenalmente, entre 18/09/09 e 25/01/10. Em vista da dificuldade em avaliar severidade em todas as folhas, a partir de 19/11/2009, cinco folhas sadias, escolhidas aleatoriamente, foram marcadas, entre as quatro plantas úteis da parcela, e avaliadas até 25/01/10, utilizando-se a escala diagramática proposta por Mazaro et al. (2006). A partir dos dados de incidência e severidade, calculou-se a área, abaixo da curva de progresso da doença (AACPD), por integração trapezoidal (Shaner e Finney, 1977). O efeito de cultivares e do EA sobre a AACPD da incidência e da severidade foi verificado pela análise de variância e as médias, comparadas pelo teste de Scott-Knott (5%). Aos dados do progresso temporal da incidência e da severidade, em cada cultivar, foram ajustados os modelos monomolecular (y=1-(1 - y0)exp(-rt)), logístico (y=1/(1+((1/y0)-1)exp(-rt)) e de Gompertz (y=exp(-(-ln(y0))exp(-rt)), em que y=incidência ou severidade (em proporção) no tempo t, y0=nível inicial da doença e r=taxa de incremento da doença para cada modelo. A qualidade do ajuste dos modelos foi verificada pelo coeficiente de determinação entre os valores observados e os preditos pelos modelos (R*2) e pelo erro padrão residual. As estimativas dos parâmetros do modelo escolhido foram comparadas, entre as cultivares, pelo teste t, a 5 % (Madden et al., 2007). Todas as análises foram realizadas com o sistema R, versão 2.13.2 (R Development Core Team, 2011).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A análise de variância da área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD) da incidência e da severidade não detectou efeito significativo do extrato de algas ou da interação com cultivares (p>0,05). Desta forma, as análises seguiram para comparar o efeito de cultivares. A incidência máxima não diferiu entre as cultivares (p>0,05), com média geral de 97,53%. Para AACPD da incidência e da severidade, observou-se a formação de dois grupos pelo teste de Scott-Knott (Tabela 1): 'Tudla', 'Toyonoka', 'Camarosa', 'Campinas', 'Dover' e 'Camino Real', seguido pelo grupo de menores AACPD, com 'Albion' e 'Ventana'. Para o mesmo patossistema e baseados na severidade máxima observada e na AACPD, Delhomez et al. (1995) classificaram 23 cultivares diferentes dos deste estudo, em grupos de baixa, moderada, alta e muito alta susceptibilidade, com máxima severidade média de 21,8, 39,6, 54,0 e 73,0%, respectivamente.

A seleção dos modelos para o progresso temporal da incidência e da severidade indicou, respectivamente, os modelos logístico e monomolecular com maiores valores de R*2 e menores erros padrões residuais (Tabela 1). Os modelos logístico e monomolecular são mais utilizados para patossistemas de doenças policíclicas e monocí-clicas, respectivamente (Madden et al., 2007). Entretanto, o ajuste do modelo monomolecular para severidade de doença policíclica justifica-se, pelo fato de esta variável ter sido quantificada no campo, a partir de folhas sadias dentro de área com incidência da doença entre 70 e 80% (Figura 1). Neste caso, o inóculo alto determinou ajuste dependente do inóculo inicial, característica do modelo monomolecular, em que a velocidade de aumento da doença é proporcional ao inóculo inicial e à taxa de incremento, ambos supostos constantes (Madden & Hughes, 1995).

Comparando-se as cultivares pelas estimativas dos parâmetros para o progresso da incidência (Tabela 1), 'Tudla' apresentou maior inóculo inicial (y0), diferindo, significativamene, de 'Albion' e 'Ventana', com os menores valores. A taxa de progresso da incidência foi maior para 'Ventana' e 'Albion', por retardarem o início da doença, mas não diferiram dos demais na incidência final. Para severidade, o intercepto estimado pelo modelo monomolecular não teve interpretação prática como inóculo inicial (y0), pois foram selecionadas folhas sem sintomas da doença, no início das avaliações. Entre as taxas de progresso da severidade, destaca-se que a diferença da taxa do cultivar 'Tudla' é significativa, em relação à taxa dos demais. Diante disso, a menor quantidade de doença nas cultivares 'Albion' e 'Ventana' deve-se, provavelmente, ao atraso no início da epidemia, devido ao menor inóculo inicial efetivo, que confere resistência qualitativa às cultivares (Camargo, 2011), característica importante para o sistema orgânico de produção.

 

CONCLUSÕES

O extrato da alga Ascophyllum nodosum, na forma aplicada, não foi eficiente no controle de mycosphaerella, mas houve resposta diferenciada para susceptibilidade entre as cultivares de morangueiro avaliados. As cultivares Albion e Ventana apresentaram menor susceptibilidade, em relação aos demais, por atrasarem o início da epidemia. Os modelos logístico e monomolecular ajustaram-se aos dados do progresso temporal de incidência e severidade, respectivamente.

 

REFERÊNCIAS

Bergamin Filho A (2011) Curvas de progresso da doença. In: Amorin L, Rezende JAM & Bergamin Filho A (Eds.) Manual de Fitopatologia - Princípios e Conceitos. 4ªed. Piracicaba, Agronômica Ceres. p.647-666.         [ Links ]

Camargo LEA (2011) Controle genético. In: Amorin L, Rezende JAM & Bergamin Filho A (Eds.) Manual de Fitopatologia: Princípios e Conceitos. 4ªed. Piracicaba, Agronômica Ceres. p.325-341.         [ Links ]

Delhomez N, Carisse O, Lareau M & Khanizadeh S (1995) Susceptibility of strawberry cultivars and advanced selections to leaf spot caused by Mycosphaerella fragariae. HortScience, 30:592-595.         [ Links ]

Fernandes Junior F, Furlani PR, Ribeiro IJA & Carvalho CRL (2002) Produção de frutos e estolhos do morangueiro em diferentes sistemas de cultivo em ambiente protegido. Bragantia, 61:25-34.         [ Links ]

Madden LV & Hughes G (1995) Plant disease incidence: distributions, heterogeneity and temporal analysis. Annual Review of Phytopathology, 33:529-564.         [ Links ]

Madden LV, Hughes G & Bosh FVD (2007) The study of plant disease epidemics. Minnesota, The American Phytopathological Society. 421p.         [ Links ]

Mazaro SM, De Gouvea A, May De Mio LL, Deschamps C, Biasi LA & Citadin I (2006) Escala diagramática para avaliação da severidade da mancha-de-micosferela em morangueiro. Ciência Rural, 36:648-652.         [ Links ]

Mógor AF, Ono EO, Rodrigues JD & Mógor G (2008) Aplicação foliar de extrato de alga, ácido L-glutâmico e cálcio em feijoeiro. Scientia Agrária, 9:431-437.         [ Links ]

Porto TP (2011) Características produtivas e físico-químicas de frutos de morangueiro orgânico cultivado com o uso de extrato de algas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 121p.         [ Links ]

R Development Core Team (2011) R: A Language and environment for statistical computing. Vienna, R Foundation for Statistical Computing. Disponível em: <http://www.R-project.org/>. Acessado em: 20 de novembro de 2011.         [ Links ]

Shaner G & Finney RE (1977) The effect of nitrogen fertilization on the expression of slow-mildewing resistance in Knox wheat. Phytopathology, 67:1051-1056.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 03/07/2012
Aprovado em 04/12/2012

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons