SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número1A importância das inundações na expansão da esquistossomose mansoniObservações sôbre o ciclo evolutivo do Triatoma arthurneivai, em condições de laboratório (Hemiptera, Reduviidae) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública v.4 n.1 São Paulo jun. 1970

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101970000100002 

ARTIGO ORIGINAL

 

O contrôle da doença de Chagas no município de Bariri, Estado de São Paulo1

 

The control of Chagas disease in the county of Bariri, State of São Paulo, Brazil

 

 

José Maluf; Odilon Ferreira Guarita; Eduardo Olavo da Rocha e Silva

 

 


RESUMO

Com o aparecimento de adultos com reação de Machado-Guerreiro positiva, no município de Bariri, foram relatados fatos sôbre o contrôle da doença de Chagas, naquele município, a cargo da Divisão de Combate a Vetores (antigo Serviço de Erradicação da Malária e Profilaxia da Doença de Chagas). Foram relatadas informações sôbre captura e identificação das espécies encontradas, índices de infecção e métodos utilizados, desde 1950 até a presente data. Observou-se que em várias áreas do Estado de São Paulo, as diversas espécies de triatomíneos reagem de forma diferente ao BHC 30%, havendo acentuada redução do T. infestans nos domicílios e anexos, o mesmo não acontecendo com o T. sordida e o P. megistus. Com a finalidade de medir a prevalência, foi assinalada a realização de amplo inquérito sorológico por amostragem, que vem sendo realizado nas escolas primárias de todo o Estado de São Paulo. Além disso, como complemento, em Bariri, foi realizado o levantamento pela imunofluorescência indireta entre pré-escolares. Fêz-se também trabalhos de divulgação sanitária junto à população. Conclui-se que os índices atuais de infestação por triatomíneos, das casas e dos anexos, são atualmente baixos; o cadastramento do tipo de casas existentes mostra a prevalência de construções de tijolos rebocados, com poucas possibilidades de refúgio para êsses insetos, e, a transmissão natural da doença de Chagas, em Bariri, atualmente encontra-se sob contrôle, estando o referido município em condições de entrar em Fase de Vigilância.


SUMMARY

With the findings of several positive cases of Chagas disease in adults by the Machado Guerreiro reaction, in the county of Bariri, State of São Paulo, Brazil, some facts about the control of the disease done by the Fight Vectors Division of the Department of Health of the State of São Paulo, are reported. Information on capture and identification of species found, infection rates and methods used from 1950 until the present date, are reported. It was observed in several areas of the State of São Paulo, that different species of triatominae react differently to BHC 30%, thus causing a considerable reduction of T. infestam in houses and outbuildings, but this did not happen to T. sordida and P. megistus. A broad serological investigation by the sampling method was performed and which is being done in the elementary schools in the State of São Paulo to measure the prevalence of the infection and the investigation done in Bariri as a complement among pre school children, through the indirect immunofluorescence method, with the help of the Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, Brazil. The work of sanitary divulgation done with the population was mentioned. It was concluded that the actual low infestation rates by triatominae in houses and outbuildings, the type of houses showing the predominance of white-washed brick construction with little possibility of harbouring triatominae – and state that natural transmission of Chagas disease in Bariri, has no characteristic of endemicity, being this county in condition to pass to the Surveillance Phase.


 

 

I. INTRODUÇÃO

Procurando não só facilitar como também dar maior segurança aos atos cirúrgicos levados a efeito nos hospitais da cidade, o "Lions Club" de Bariri promoveu em 1968 uma campanha popular que virava a instalação de um Banco de Sangue no município. Solicitou para tanto a cooperação da COLSAN (Sociedade Beneficiente de Coleta de Sangue), que colheu sangue de 300 voluntários, com a finalidade de classificar e selecionar os melhores doadores. Durante a seleção foi constatada a presença de adultos jovens com reação de Machado-Guerreiro positiva, naturáis do município, o que causou certa inquietação entre os organizadores da Campanha, que procuraram entrar em contato com o antigo Serviço de Erradicação de Malária e Profilaxia da Doença de Chagas (SEMPDC), hoje Divisão de Combate a Vetores (DCV), da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo.

O município de Bariri apresenta uma área de 444 km2. Está situado a 447 m acima do nível do mar, na região central do Estado, outrora denominada Região dos Campos de Araraquara. Dista, aproximadamente, 300 km da Capital, e os municípios limítrofes são: Itaju, Jaú, Pederneiras, Arealva, Bocaina e Boa Esperança do Sul, todos pertencentes à região Administrativa 7 – Bauru, com exceção do último, que pertence à Região 6 – Ribeirão Prêto (Fig. 1).

Suas terras se estendem da margem direita do rio Tietê, onde foi construída a hidroelétrica de Bariri, à marquem esquerda do rio Jacaré-pipira, que deságua no Tietê, no município vizinho de Itaju. O clima é em geral quente, com invernos secos.

A população estimada para 1.° de julho de 1968, segundo o IBGE1, era de 20.738 habitantes. Os nossos registros demonstram que a população rural corresponde, aproximadamente, a 1/3 dêsse total.

 

II. ATIVIDADES DE CONTRÔLE DOS VETORES DA DOENÇA DE CHAGAS, DESENVOLVIDAS NO MUNICÍPIO

As informações disponíveis sôbre a captura e identificação das espécies de triatomíneos encontrados no município, encontram-se na Tabela 1.

Entre 1954 e 1969, foram capturados nas casas, ou em anexos, no município de Bariri, um total de 882 exemplares de triatomíneos. Foram examinados para pesquisa do Trypanosoma cruzi 737 exemplares, ou seja, 85% dos capturados. Dêsses, apenas 3 exemplares do Triatoma infestans se apresentaram infectados pelo T. cruzi.

Na década de 1950, as atividades de contrôle no município foram ocasionais. A partir de 1960, a zona rural de Bariri foi trabalhada, durante 4 anos consecutivos, com aplicação de inseticidas nas casas, uma vez que estava integrada na área de ataque da campanha de erradicação da malária, em pleno desenvolvimento na época, no Estado de São Paulo. Mas, como a área rural do município havia sido incluída também na área endêmica de doença de Chagas, os trabalhos de rociado foram executados com o emprêgo do BHC 50%, associado ao DDT 75% por carga preparada (MELLO4, 1960). O diclorodifenil-tricloroetano (DDT) era dirigido contra os anofelinos transmissores da malária, visando a interrupção da transmissão e o hexaclorociclohexano (BHC), dirigido contra os triatomíneos, visando o contrôle da doença de Chagas. Com a passagem dessa área, em 1964, para a fase de consolidação da campanha de malária, tendo em vista os bons resultados alcançados, as desinsetizações foram temporàriamente suspensas.

Como parte da ampla operação de arrastão, levada a efeito entre 1965 e 1967, visando o contrôle da transmissão da doença de Chagas no Estado, tôdas as casas e anexos da zona rural e parte da zona urbana do município de Bariri, foram desinsetizadas em 1966 com uma suspensão do BHC, contendo 30% de isômero-gama. Em 1968, passou a ser trabalhado pelo método seletivo (FREITAS 3, 1963), em que as casas e anexos devem ser adequadamente pesquisados à procura de focos de triatomíneos, mas sòmente serão tratados com inseticida, os focos descobertos.

Na Tabela 2, resumimos as atividades de contrôle dos vetores de doença de Chagas, desenvolvidas nos últimos três anos no município, ressaltando-se que pelo método seletivo, procura-se capturar o maior número possível de exemplares.

Parece-nos oportuno chamar atenção para um fato, já assinalado por CORRÊA 2 (1968) que em certas áreas do Estado de São Paulo, o expurgo com BHC provocou acentuada redução do T. infestans nos domicílios e anexos, não ocorrendo o mesmo em relação ao T. sórdida e P. megistus.

Com relação ao P. megistus, no município de Bariri, devido ao pequeno número de exemplares capturados, esse aspecto passa desapercebido, mas na baixa Mogiana, os números são eloqüentes, como podemos verificar pela Tabela 3.

Êsses aspectos precisam ser melhor estudados, já havia frisado PESSOA 5 (1962), para que possam ser encontradas as medidas adequadas de contrôle porque, as atualmente em uso não têm se mostrado das mais eficazes contra as espécies de triatomíneos semi-domiciliárias.

 

III. PREVALÊNCIA DA INFECÇÃO ENTRE PRÉ-ESCOLARES E ESCOLARES

Visando medir a prevalência da infecção entre os escolares, camada da população nascida após o início das atividades de contrôle, a DCV está realizando amplo inquérito sorológico, nas escolas primárias de todos os municípios do Estado. No município de Bariri, o levantamento entre os escolares sorteados, de 9 a 14 anos não revelou amostra positiva (sôro reagente pela reação Machado-Guerreiro ).

Foi realizado ainda em Bariri um inquérito entre pré-escolares, utilizando-se reação de imunofluorescência indireta, levada a efeito no Instituto Adolfo Lutz. Pelo método de gota em papel filtro foi colhido sangue de crianças entre l e 3 anos e excepcionalmente de 4 anos. Na zona rural, em cada localidade, adotou-se o processo da visita a uma casa sim, duas não. Na zona urbana, uma visita de cinco em cinco casas (Tabela 4).

 

 

Foram também realizados em 1968, trabalhos de divulgação sanitária, junto à população, visando o esclarecimento dos pontos básicos da transmissão e aspectos da profilaxia, notadamente aquêles que dependem da participação ativa do indivíduo ou da comunidade, tais como: limpeza da casa, afastamento dos animais domésticos, melhoria da construção de anexos e seu afastamento das moradias.

 

IV. CONCLUSÕES

a) Os índices de infestação por triatomíneos, de casas e anexos, no município de Bariri, podem ser considerados baixos. O índice de infecção pelo T. cruzi dos triatomíneos capturados e examinados nos últimos anos é zero.

Em 1968 e 1969 os percentuais de casas infestadas por triatomíneos foram, respectivamente, de 0,2% a 0,1%. Os anexos infestados foram de 0,1% e 0,2%.

b) O cadastramento das casas existentes no município em 1968, segundo a classificação adotada pela DCV, mostra o seguinte:

 

 

No total cadastrado sobressai o elevado número de casas de tijolos rebocados (87,9%). É do conhecimento geral que êsse tipo de construção oferece menores possibilidades de refúgio aos triatomíneos, diminuindo a densidade de exemplares nos focos e facilitando sua descoberta.

c) Os inquéritos sorológicos levados a efeito em 1968, entre pré-escolares e escolares, não revelaram a presença da infecção chagásica entre crianças examinadas.

d) Os fatos relatados, a situação do contrôle nos municípios limítrofes e o conhecimento global da área, permite-nos considerar que, atualmente, a transmissão natural da doença de Chagas, no município de Bariri, encontra-se sob contrôle.

e) O município apresenta, inclusive, condições de ser colocado em vigilância, no que se refere à Campanha de contrôle dos vetores da doença de Chagas, segundo as normas sugeridas por ROCHA E SILVA, DIAS Jr. & GUARITA 6 (1969).

f) Necessário se faz a realização de levantamentos semelhantes em outros municípios, para um melhor conhecimento da situação atual do contrôle da endemia chagásica no Estado de São Paulo.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO BRASIL Rio de Janeiro, Fundação IBGE, 1968.        [ Links ]

2. CORRÊA, R. R. – Informe sôbre a doença de Chagas no Brasil e em especial no Estado de São Paulo. Rev. bras. Malar., 20:39-81, jan./ jun. 1968.        [ Links ]

3. FREITAS, J. L. P. de – Importância do expurgo seletivo dos domicílios e anexos para a profilaxia da moléstia de Chagas, pelo combate aos triatomínios. Arq. Hig., S. Paulo, 28:217-72, set. 1963.        [ Links ]

4. MELLO, V. H. de – Erradicação da malária. Nova estratégia na luta anti-malárica. Arq. Hig., S. Paulo, 25:7-18, mar. 1960.        [ Links ]

5. PESSOA, S. B. – Domiciliação dos triatomíneos e epidemiologia da doença de Chagas. Arq. Hig.t S. Paulo, 27:162-71, jun. 1962.        [ Links ]

6. ROCHA E SILVA, E. O. da; DIAS JÚNIOR, J. & GUARITA, O. F. – Suspensão do rociado no combate ao Triatoma infestans em áreas do Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3:173-81, dez. 1969.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 19-12-1969

 

 

1 Da Divisão de Combate a Vetores, da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo – São Paulo, S.P., Brasil.