SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 issue3Measurements of house infestation on by the Triatoma sordidaHemoglobin curve in a normal pregnant women group author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública vol.7 no.3 São Paulo July/Sept. 1973

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101973000300006 

ARTIGO ORIGINAL

 

Bissinose no município da capital do Estado de S. Paulo, Brasil*

 

Byssinosis in the County of S. Paulo, Brazil

 

 

Diogo Pupo NogueiraI; Berenice F. GoelzerII; Joe W. CoxII; Edgar Pereira da SilvaIII; Naim SauaiaIV

IDo Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública da USP – Av. Dr. Arnaldo, 715 – São Paulo, S.P. – Brasil
IIDa Divisão de Higiene do Trabalho da Fundação Centro Nacional de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho – Rua Cardoso de Almeida, 520 – São Paulo, S.P. – Brasil
IIIDa Divisão de Medicina do Trabalho da Fundação Centro Nacional de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho – Rua Cardoso de Almeida, 520 – São Paulo. S.P. – Brasil
IVDo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – Av. Dr. Arnaldo, 455 – São Paulo, S.P. – Brasil

 

 


RESUMO

Seguindo-se uma sistemática epidemiológica, foram estudados os trabalhadores de 3 fiações de algodão, com diferentes quantidades de poeira de algodão em suspensão na atmosfera dos locais de trabalho, comparando-se com 135 pessoas do grupo controle não exposto a essas poeiras. Pelas respostas ao questionário padrão internacional sobre doenças respiratórias, verificou-se que os trabalhadores das fábricas, onde era mais elevada a concentração de poeira de algodão, apresentavam um ou mais sintomas característicos da bissinose; por outro lado, as provas de função pulmonar, realizadas imediatamente antes e após o início do trabalho às segundas-feiras, mostravam-se alteradas. Como no grupo controle, verificou-se melhoria significativa da função pulmonar no término do dia de trabalho. E como tal fato não foi observado mesmo na fábrica onde a concentração de poeira no ar era muito baixa e onde não se notou piora das provas de função pulmonar entre seus trabalhadores, levantou-se a hipótose de que essa ausência de melhoria possa constituir um sintoma precoce da bissinose.

Unitermos: Bissinose *; Pneumoconiose *; Doenças respiratórias *


SUMMARY

Workers of three cotton spinneries, with different amounts of cotton dust in the athmosphere of work places, were studied according to the epidemiological method of study proposed by Schilling, as compared with 135 workers not exposed to cotton dust. Through the answers to the international questionnaire on lung diseases, it was disclosed that workers from mills with highest concentration of cotton dust in the air presented symptoms characteristic of byssinosis; on the other hand, lung function tests performed on mondays immediately after the period of work showed impairment of lung function when compared with tests performed immediately before starting work. As in the control group lung function tests actually became better after the period of work, it is supposed that the non-existence of changes in lung function after work in mills the amount of cotton dust in the air was low-may be an indication of an early impairment of lung function due to the inhalation of cotton dust.

Uniterms: Dust *; Pneumoconiosis *; Respiratory tract infections *.


 

 

INTRODUÇÃO

Como o descreve SCHILLING 9, 10, desde o início do século XIX sabia-se, na Inglaterra, que os operários de nações de algodão costumavam apresentar doença respiratória caracterizada, nas suas fases iniciais, por uma sensação de constrição torácica que aparecia caracteristicamente às segundas-feiras, logo após o início do trabalho; com o decorrer do tempo, tal sensação se estendia para os demais dias da semana, e posteriormente, acompanhava-se de tosse e expectoração abundante.

Tais queixas dos trabalhadores, no entanto, encontravam pouco interesse por parte dos pesquisadores médicos. Realmente, a grande maioria da indústria têxtil de algodão britânica concentrava-se na área de Lancashire, onde a prevalência da bronquite crônica entre a população em geral é bastante alta; por essa razão, os pesquisadores consideravam que os trabalhadores texteis eram portadores de uma bronquite crônica comum que apenas se agravava pela exposição à poeira de algodão.

Uma série de estudos de morbidade realizados na Inglaterra veio trazer um grande número de dúvidas, que tumultuaram bastante o estudo do problema. É ainda SCHILLING 10 quem refere o fato de que estatísticas realizadas na década dos 30 pareceram concluir que a morbidade por doenças respiratórias dos trabalhadores de algodão diminuirá no período entre 1935 e 1936, quando comparado ao período de 1923 a 1927, enquanto que parecia estar ocorrendo aumento da morbidade por afecções cárdiocirculatórias entre tais trabalhadores.

Uma revisão dos atestados de óbito veio demonstrar que muitos casos de doença eram de "cor pulmonale"; portanto, estavam os pesquisadores atribuindo erroneamente ao aparelho cardiovascular afecções que eram primariamente respiratórias. Tal observações conduziu a um estudo epidemiológico de doenças cardiovasculares, entre os trabalhadores de nações de algodão, tendo sido estudados cerca de 250 homens entre 35 e 64 anos de idade; não foram encontradas alterações significativas sob o ponto de vista cardiovascular mas, por outro lado, foi verificado que 66% dos 131 trabalhadores de cardas e dos batedores queixavam-se exatamente de sensação de constrição torácica, que aparecia às segundas-feiras; além disso, 15 deles apresentavam insuficiência respiratória nítida.

Em face dessa conjuntura, SCHILLING 10 levou a efeito um estudo epidemiológico sobre doenças respiratórias em 28 fábricas da área de Oldham, na Inglaterra; foram examinados 200 trabalhadores de algodão, todos do sexo masculino, com idade entre 40 e 59 anos e que trabalhavam em cardas e batedores; 100 operários metalúrgicos serviram de grupo controle. De acordo com a história clínica, os trabalhadores foram classificados em três classes: "normais", quando não havia sensação de constrição torácica; "grau 1" quando tal sensação aparecia somente às segundas-feiras; e "grau 2" quando tal sensação ocorria tanto na segunda-feira como em outros dias da semana. Cada trabalhador foi estudado por dois observadores diferentes, verificando-se que havia concordância de opinião em 93% dos casos, havendo discordância apenas na distinção entre os graus 1 e 2.

Além da anamnese, foi determinado para cada trabalhador o volume máximo de ar expirado em 3/4 de segundo (VEM 0,75), que se mostrou significantemente diminuido nos trabalhadores expostos em relação ao grupo controle.

Tais estudos levaram SCHILLING 10 a concluir que os trabalhadores expostos à poeira de algodão apresentam uma pneumoconiose a bissinose – que pode ser diagnosticada com suficiente precisão pela história clínica e que se associa à diminuição da função ventilatória. Ficou claro que, através da anamnese, é possível demonstrar que a bissinose nas suas fases iniciais não se assemelha à bronquite crônica; assim, muitos dos trabalhadores que tinham sensação de constrição torácica às segundas-feiras não apresentavam tosse e escarro, características desta, que somente aparecem nas fases adiantadas da pneumoconiose; nestas últimas fases, nenhum exame – anamnese, exame clínico, exame radiológico, exame funcional ou anátomopatológico – permite mais a diferenciação entre a bissinose e a bronquite crônica.

Estudos posteriores de SCHILLING 10 vieram demonstrar que existia correlação de poeira de algodão existente na atmosfera dos locais de trabalho e a incidência da bissinose, tendo sido proposto um limite de tolerância de 100 mg/ 100m3 de ar. Tal limite foi, posteriormente, considerado pela American Conference of Governamental Industrial Hygienists, que estabeleceu o valor de 1 mg/m3 de ar na sua tabela de limites de tolerância.

A sistemática epidemiológica acima descrita foi aplicada, por diversos autores, em numerosos países e sempre foi possível observar-se a existência da bissinose em trabalhadores expostos à poeira de algodão, particularmente aqueles que executavam suas funções nos abridores e cardas. Assim, tal tipo de estudo foi realizado, entre outros países, na Austrália 5, Bélgica 11, Egito 4, Grécia 6 e Suécia1.

Nos Estados Unidos, durante muito tempo admitia-se a inexistência da bissinose. No entanto, MC KERROW & SCHILLING 7 e, posteriormente, BOUHUYS 2 vieram mostrar, de forma inequívoca, a existência da pneumoconiose também naquele país, como não poderia deixar de ser.

Quanto à fisiopatologia da bissinose, BOUHUYS 2 é de opinião que a poeira de algodão contém substância farmacologicamente ativa, que provoca constrição brônquica provavelmente através da liberação de histamina. Tal hipótese baseia-se nos seguintes fatos:

1. extratos aquosos de algodão industrial produzem dispnéia e má distribuição do ar inspirado quando inalados, sob a forma de aerosol, por pessoas normais;

2. trabalhadores expostos à poeira de algodão que foi previamente lavado e tratado quimicamente (p. e., algodão para uso medicinal) não apresentam bissinose;

3. em indivíduos normais, a exposição a aerossóis de extrato aquoso de algodão demora de 10 a 20 min. para produzir sintomas.

Por outro lado, uma segunda exposição, 24 horas mais tarde, não causa dispnéia ou alterações funcionais. Este fenômeno de taquifilaxia sugere a presença de substância liberadora de histamina;

4. incubando-se tecido pulmonar humano com extratos de algodão, linho, cânhamo verifica-se a liberação de histamina, o que não ocorre em pulmões de cobaiais, ratos, gatos, carneiros ou porcos.

A substância farmacologicamente ativa é, portanto, específica para a raça humana;

5. a administração oral de anti-histamínicos previne as alterações ventilatórias das segundas-feiras.

Ainda segundo BOUHUYS 2, a substância farmacologicamente ativa é encontrada nas brácteas, folhas finas e pequenas que se encontram perto do floco de algodão e que frequentemente são encontradas no algodão bruto, que começa a ser processado nas fiações.

Têm sido encontrados, com freqüência, títulos elevados de anticorpos anti-algodão em pessoas que trabalham com essa fibra têxtil; no entanto, títulos significantes são encontrados tanto em portadores de bissinose como em pessoas que não apresentam nenhum sintoma. Não existe, portanto, na gênese da bissinose um processo alérgico pois não há necessidade de sensibilidade prévia e, por outro lado, a maioria das pessoas expostas ao risco são afetadas e não apenas aquelas que apresentam terreno alérgico.

Bissinose no Brasil: Não obstante a indústria têxtil de algodão ser uma das mais antigas do país e que, durante muitos anos, ocupou o primeiro lugar quanto ao número de trabalhadores empregados, nenhum estudo sobre a possível existência de bissinose entre tais trabalhadores foi levado a efeito. É verdade que peritos judiciais, nomeados pelas varas de acidentes do trabalho, freqüentemente argumentavam ter diagnosticado tal pneumoconiose em trabalhadores; no entanto, tratava-se de casos de bronquite crônica típica, que eram rotulados como sendo de bissinose devido exclusivamente ao fato de que seus portadores tinham trabalhado, durante vários anos, em fiações de algodão.

A inexistência de um trabalho epidemiológico sobre o assunto levou-nos a tentar uma pesquisa nesse campo.

 

MATERIAL E MÉTODO DE ESTUDO

Foi decidido que o estudo seria feito obedecendo-se à sistemática proposta por SCHILLING9. Para tanto, foi obtida a permissão da John B. Pierce Foundation (Yale University, New Haven, Connecticut, U.S.A.) para traduzir o questionário padrão sobre sintomatologia respiratória estabelecida pelos autores ingleses e devidamente modificada por aquela Fundação; foi utilizado tanto o texto em inglês como o texto espanhol, obtendo-se uma tradução portuguesa de acordo com a terminologia médica e popular do nosso país (Anexo 1).

Para a execução das provas de função pulmonar foi decidido empregar-se o aparelho "Vitalograph", de fabricação da firma Vitalograph Limited (Maids Mereton House, Buckhingham, Inglaterra), que é um espirômetro seco, de fácil manejo, que permite a obtenção da capacidade vital forçada (CVF), do volume expiratório máximo no primeiro segundo (VEM ), da relação deste com a capacidade vital (índice de Tiffeneau), do fluxo expiratório máximo (FEM) e do fluxo médio expiratório (FME).

Foram selecionadas três empresas onde deveria ser levada a cabo a pesquisa. A primeira (fábrica A) era uma fiação de algodão bastante moderna, dotada de eficiente sistema de ventilação local exaustora em toda a sua maquinaria; a segunda (fábrica B) era uma fiação em vias de modernização, na qual se iniciava a colocação de sistemas de ventilação local exaustora, ainda não em funcionamento; a terceira (fábrica C) era uma fiação tradicional, sem qualquer sistema de exaustão mas com máquinas colocadas em amplas salas, com satisfatória ventilação natural. Como controle foi utilizada uma indústria de produtos alimentícios, na qual os trabalhadores não se expunham a poeiras de qualquer espécie.

Para a mensuração quantitativa da poeira de algodão em suspensão na atmosfera dos locais de trabalho, por sugestão de BOUHUYS ** foi decidido utilizar-se o elutriador vertical, que recolhe somente a fração respirável da poeira de algodão. Além disso, decidiu-se fazer a coleta da poeira total por intermédio de um precipitador eletrostático. Foram realizadas 8 medidas em cada seção de cada uma das fábricas examinadas.

A pesquisa foi levada a cabo da seguinte maneira:

1. a quantidade de poeira – total e fração respirável – foi determinada nas seções de cardas e de preparação das três fábricas;

2. os trabalhadores dessas seções responderam ao questionário padrão sobre sintomatologia respiratória;

3. cada trabalhador foi submetido a duas provas de função pulmonar, ambas realizadas às segundas-feiras: a primeira, imediatamente antes do início do trabalho e a segunda, logo após o término deste.

Para se eliminar ao máximo possível a influência de outros fatores sobre a função pulmonar dos examinados, foi decidido que, tanto no grupo exposto como no grupo controle, somente seriam submetidos às provas funcionais aqueles trabalhadores que não fossem fumantes; dessa forma, através das respostas ao questionário padrão, foram eliminados do estudo os fumantes em qualquer grau. Por outro lado, tanto as nações estudadas como a fábrica de produtos alimentícios que serviu de controle estavam expostas a condições equivalentes de poluição atmosférica.

O número total de pessoas estudadas foi o seguinte:

 

 

Portanto, o grupo exposto era composto de 99 pessoas e o controle de 135 pessoas.

As proporções das diferentes respostas aos diversos itens do questionário padrão, de pessoas do grupo exposto e do grupo padrão, foram comparadas através do uso de um teste de associação. Os resultados das provas de função pulmonar foram avaliadas por meio de um teste de médias considerando as populações correlatas. Todas as decisões foram tomadas a um nvel de significância igual a 5%.

 

RESULTADOS E COMENTÁRIOS

Na Tabela 1 estão assinaladas as quantidades de poeira (poeira total e fração respirável) encontradas nos locais de trabalho das fiações de algodão.

Como seria de se esperar, na fábrica A, dotada de moderno sistema de ventilação local exaustora, os valores encontrados foram os mais baixos do grupo. Assim, a quantidade da fração respirável era de apenas 0,266 mg/m3 de ar nas cardas e de 0,186 mg/m3 de ar na preparação. Pelo contrário, na fábrica B foram encontrados os valores mais elevados, com 2,351 mg/m3 de ar nas cardas e 1,500 mg/m3 de ar na preparação, evidenciando a importância das medidas que a empresa estava levando a cabo, no momento da pesquisa, no sentido de dotar as máquinas de um sistema ventilatório exaustor que permitisse redução das elevadas concentrações de poeira ali encontradas. Na fábrica C, finalmente, a despeito de tratar-se de fiação tradicional, mas graças à ampla ventilação natural ali existente, os valores encontrados eram de 1,166 mg/m3 de ar na sala de cardas e 0,525 mg/m3 de ar na de preparação.

Conforme se verifica pela Tabela 2, na fábrica A o número de trabalhadores estudados expostos à poeira de algodão era de 26, sendo 4 (15,38%) nas cardas e 22 (84,62%) na preparação. Na fábrica B tais números eram, respectivamente, de 14 (31,82%) e 30 (68,18%) e, na fábrica C, de 5 (17,24%) e 24 (82,76%). Portanto, do total de 99 pessoas que trabalhavam expostas à poeira de algodão, 23 (23,23%) trabalhavam nas cardas e 76 (76,77%) na preparação.

 

 

As características quanto à idade, raça, estado civil e sexo da amostra estudada, inclusive do grupo controle, estão assinalados na Tabela 3. Verifica-se que tais características se distribuem de maneira apreciavelmente uniforme entre os dois grupos, exposto e controle. Há a se destacar que no grupo controle, nota-se discreta predominância de indivíduos da raça negra e do sexo masculino.

O questionário veio mostrar que a maioria dos empregados (42,6%) tinha iniciado a exposição à poeira de algodão com menos de 20 anos de idade (Tabela 4); tal fato era especialmente marcante em relação à fábrica A, na qual esse valor atingira 73,3%. A grande maioria dos trabalhadores (63,6%) informava que tal exposição durava 5 anos e mais (Tabela 5).

Será interessante observar (Tabela 4) que entre os trabalhadores do grupo controle 15 pessoas (11,1%) referiam ter tido exposição anterior à poeira de algodão, que na maioria dos casos (73,3%) também ocorrera com menos de 20 anos de idade e que durara em mais da metade (53,5% dos casos) um período de 1 a 4 anos.

O questionário veio mostrar que a sensação de constrição torácica não era referida por nenhum trabalhador da fábrica A, enquanto que o era por 11 da fábrica B, por 7 da fábrica C e por 9 do grupo controle (Tabela 6). O teste de associação revela que a proporção de empregados das fábrica B e C com o sintoma mais conhecido da bissinose é significantemente maior do que no grupo controle, não sendo isto constatado a propósito dos trabalhadores pertencentes à fábrica A.

A tosse durante a manhã (Tabela 6) foi encontrada em 9 trabalhadores da fábrica A, em 24 da B, em 8 da C e em 11 do grupo controle, sendo significante a associação positiva entre este sinal e as fábricas B e C. Os trabalhadores destas fábricas referiam a persistência do sintoma em 6 casos na fábrica A, 19 casos na fábrica B, 7 casos na fábrica C e 8 casos no grupo controle; as proporções foram significantemente mais elevadas nas fábricas B e C do que no grupo controle. Os trabalhadores destas duas últimas fábricas revelavam a predominância da tosse em determinado dia da semana respectivamente em 20 e em 9 casos, sendo significante a associação, o que não era verificado quanto aos empregados da fábrica A.

Em nenhuma das fábricas a predominância da tosse às segundas-feiras ocorreu numa proporção de empregados que diferisse significantemente de zero (registrada no grupo controle).

Escarro durante a manhã foi encontrado em um caso da fábrica A, em 10 da B, em 5 da C e em 11 do grupo controle, sendo significante a associação positiva entre a presença deste sinal e as fábricas B e C. Persistia durante até 3 meses em cada ano em 2 trabalhadores da fábrica A, em 6 da fábrica B, em 4 da fábrica C e em 8 do grupo controle, sendo as proporções de empregados com a persistência de até 3 meses significantemente maior nas amostras das fábricas B e C em relação ao grupo controle.

Dos resultados obtidos através do questionário, um fato se torna evidente: a sintomatologia característica da bissinose não foi encontrada em proporções significantemente maiores do que as registradas no grupo controle quando estudada a fábrica A, tendo ocorrido isto, quando consideradas as fábricas B e C. Como seviu atrás, a fábrica A é aquela que apresenta os mais baixos valores da fração respirável da poeira de algodão, pelo que parece leito concluir-se que estes últimos são os responsáveis pela não significância dos sintomas; tal conclusão contradiz a opinião de BOUHUYS 2, que é de opinião de que não existe relação entre a quantidade de poeira de algodão existente na atmosfera dos locais de trabalho e a incidência da bissinose.

Os resultados das provas de função pulmonar encontram-se assinalados na Tabela 7 sob a forma de média e desvio padrão das diferenças entre os valores correspondentes às provas realizadas imediatamente antes e imediatamente depois do período de trabalho, assim como o teste de médias considerando as populações correlatas.

O volume expiratório máximo em um segundo (VEM1,0 ) mostrou alteração significativa somente na fábrica B, ou seja, o valor obtido imediatamente após o período de trabalho mostrou-se significantemente alterado, evidenciando uma alteração da função pulmonar no fim do primeiro dia de trabalho da semana (segunda-feira); nas duas outras fábricas as alterações observadas não foram significantes. No entanto, o grupo controle sugere uma alteração significante no sentido inverso após o término do dia de trabalho, ou seja, o VEM1,0 medido no término do primeiro dia de trabalho da semana, parece significantemente aumentado em relação àquele obtido antes do início do trabalho.

A capacidade vital forçada (CVF) também mostrou-se significantemente alterada nos trabalhadores da fábrica B, não mostrando alterações significativas quer em relação aos demais componentes do grupo exposto, quer em relação ao grupo controle nas fábricas A e C.

O índice de Tiffeneau não mostrou alteração significativa em relação ao grupo exposto, mas também sugere melhora significante no grupo controle.

O fluxo expiratório máximo (PEM) mostrou-se também alterado significantemente em relação aos trabalhadores da fábrica B, não mostrando alterações significantes nos demais membros do grupo exposto. Ainda aqui o grupo controle mostrou alteração significativa para mais ao fim do período de trabalho.

O fluxo médio expiratório, finalmente, não revelou alteração significativa no grupo exposto, mas também apresentou melhoria significativa no grupo controle.

Verifica-se, pois, que os parâmetros respiratórios medidos não mostraram alteração significativa nas fábricas A e C, mas mostraram-se significantemente reduzidos – com exceção do índice de Tiffeneau e do fluxo médio expiratório – nos trabalhadores da fábrica B. Como essa fábrica foi a que apresentou maior concentração de poeira de algodão em suspensão na atmosfera dos locais de trabalho, confirma-se o que foi verificado em relação às respostas ao questionários, ou seja, que existe relação entre concentração de poeira e alterações funcionais pulmonares.

As alterações para mais de praticamente todos os parâmetros respiratórios, com exceção da CVF, é decorrência provável do ciclo circadiano. Assim, CONROY & MILLS 3, em revisão bibliográfica, afirmam que a CV e o FEV1,0 aumentam progressivamente, a primeira a partir da meia-noite e o segundo a partir das 06,00 horas.

Esse aumento significativo das provas de função pulmonar, em função do ritmo circadiano, nos trabalhadores do grupo exposto conduz a uma indagação importante: porque tal alteração não foi observada nos trabalhadores das fábricas A e C? Poder-se-ia, portanto, supor que a não existência do aumento significativo de tais parâmetros já representa uma alteração, por mínima que seja, da função pulmonar; assim, tais trabalhadores, expostos a concentrações não muito elevadas de poeira de algodão, não apresentam redução significativa da sua função pulmonar; esta, porém, já estaria sofrendo a influência da poeira em suspensão nos ambientes de trabalho e, dessa forma, não consegue melhorar em função do ritmo circadiano, como seria de se esperar.

 

CONCLUSÕES

Da pesquisa levada a cabo as seguintes conclusões podem ser tiradas.

1. A exposição à poeira de algodão provoca em trabalhadores brasileiros a mesma sintomatologia e as mesmas alterações funcionais pulmonares já observadas por vários autores em diversos países do mundo.

2. Parece haver correlação direta entre quantidade de poeira e o aparecimento da sintomatologia característica da bissinose e as alterações da função pulmonar.

3. O VEM1,0 , a CVF e o FEM parecem ser os parâmetros respiratórios mais sensíveis à influência da inalação da poeira de algodão.

4. Mesmo nos trabalhadores em que não é observada redução significativa da função pulmonar, a não melhoria desta no decorrer do dia de trabalho, como ocorre em indivíduos não expostos à poeira de algodão, pode constituir um sinal precoce de alteração funcional pulmonar, ainda não descrito na literatura mundial.

 

AGRADECIMENTOS

Ao Prof. Dr. A. Bouhuys, pelas numerosas sugestões apresentadas à sistemática do trabalho; ao Sr. J. Lynch pela orientação no uso do elutriador vertical; ao Dr. Joaquim Augusto Junqueira, pela proposição do trabalho; aos Srs. E. Geraisate e M. Siamenghi Filho pelo trabalho na coleta de amostras de poeira e no preenchimento de questionários e realização de provas de função pulmonar; à Sra. Cleide B. Pezza pela pesagem de filtros e de trabalhos de laboratório; ao Dr. René Mendes pelo auxílio prestado na elaboração das tabelas; aos Srs. J. I. Franco, R. Fiurini e F. D. de Lima pelos trabalhos de computação de dados; e à Dra. Eunice Pinho pela orientação da realização da amostragem.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BELIN, L. et al. – Byssinosis in cardroom workers in Swedish cotton mills – Brit. J. industr. Med., 22:101-8, 1965.        [ Links ]

2. BOUHUYS, A. Byssinosis in textile workers. – Trans. N. Y. Acad. Sci., 28:480-90, 1966.        [ Links ]

3. CONROY, R. T. W. & MILLS, J. N. – Human circadian rhyths. London, Churchill, 1970.        [ Links ]

4. EL BATAWI, M. A. – Byssinosis in the cotton industry of Egypt – Brit. J. industr. Med., 19:126-30, 1962.        [ Links ]

5. GANDEVIA, B. & MILNE, J. – Ventilatory capacity changes on exposure to cotton dust and their relevance to byssinosis in Australia. Brit. J. industr. Med., 22:295-304, 1965.        [ Links ]

6. KONDAKIS, X. G. & POURNARAS, N. Byssinosis in cotton ginneries in Greece. Brit. J. industr. Med., 22:291-94, 1965.        [ Links ]

7. MC KERROW, C. B. & SCHILLING, R. S. F. – A pilot enquiry into byssinosis in two cotton mills in the United States. J. Amer. med. Ass., 177:850-3, 1961.        [ Links ]

8. ROACH, S. A. & SCHILLING, R. S. F. – A clinical and environmental study of byssinosis. Brit. J. industr. Med., 1:1-9, 1960.        [ Links ]

9. SCHILLING, R. S. F. – The epidemiology of byssinosis: adventure and misadventure. J. occup. Med., 1:33-39,        [ Links ]

10. SCHILLING, R. S. F. – The epidemiology on byssinosis. In: KING, E. J. & FLETCHER, C. M. – Industrial pulmonary diseases. London, Churchill, 1960. p 185-94.        [ Links ]

11. TUYPENS, E. – Byssinosis among cotton workers in Belgium. Brit. J. industr. Med., 18:117-9, 1961.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 22-6-1973
Aprovado para publicação em 10-7-1973

 

 

* Trabalho conjunto da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e da Fundação Centro Nacional de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho
** Comunicação pessoal.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License