SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número3Evidências epidemiológicas da ocorrência de escabiose, em humanos, causada pelo Sarcoptes scabiei (DeGeer, 1778) var. canis (Bourguignon, 1853)Hipovitaminose A em filhos de migrantes nacionais em trânsito pela capital do Estado de São Paulo, Brasil. Estudo clínico-bioquímico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública v.12 n.3 São Paulo set. 1978

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101978000300008 

ARTIGO ORIGINAL

 

Determinação de níveis normais de colinesterase plasmática e eritrocitária

 

Normal levels of plasmatic and red cells cholinesterase

 

 

Maria Elisa Pereira Bastos de SiqueiraI; Nilda Alícia Gallego Gándara de FernícolaI; Eustáquio Linhares BorgesII

IDo Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo – Cidade Universitária – Bloco 17 – 05568 – São Paulo, SP – Brasil
IIDo Departamento de Toxicologia da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia – 40000 – Salvador, BA – Brasil

 

 


RESUMO

Foram determinados níveis de colinesterase plasmática e eritrocitária em 57 indivíduos, de idades entre 18 a 37 anos, estudantes da Universidade de São Paulo (Brasil), por meio de dois métodos: o de Michel, H. O. e o de Caraway, W. T. para o estabelecimento de valores médios "normais". Pelo método de Michel, foi encontrado um valor médio de 0,83 DpH/h para a colinesterase eritrocitária e de 1,11 DpH/h para a enzima do plasma. Pelo método de Caraway, foi obtido um valor de 77 U.

Unitermos: Colinesterase. Estudantes.


ABSTRACT

The plasmatic and red cell cholinesterase was determined in 57 individuals aged 18-37 years, all students from the University of S. Paulo (Brazil). In order to know the normal mean values, two methods were used: Michel's and Caraway's. Through Michel's method a mean value of 0.83 DpH/h was found for red cells cholinesterase and 1.11 DpH/h for plasmatic cholinesterase. Through Caraway's method the mean value obtained was 77 U.

Uniterms: Cholinesterase. Students.


 

 

INTRODUÇÃO

As colinesterases são enzimas do grupo das hidrolases que catalizam a hidrólise dos ésteres da colina. Duas enzimas têm sido designadas como colinesterases: a acetilcolina hidrolase (EC 3117) que predomina nos eritrócitos, neurônios, gânglios do sistema nervoso autônomo e placas motoras terminais e a acilcolina hidrolase (EC 3118) que predomina no plasma, fígado, neuróglias, pâncreas e paredes do tubo digestivo.2,5,13

Certas substâncias têm a propriedade de inibir estas enzimas como os inseticidas organofosforados, que tanto inibem a colinesterase plasmática como a eritrocitária. Devido ao vasto emprego destes compostos, grande número de pessoas estão ocupacionalmente expostas, tanto na sua fase de produção como na de aplicação.

O controle laboratorial da exposição ocupacional é comumente realizado pela determinação da atividade colinesterásica no sangue dos trabalhadores, uma vez que a análise é simples e sensível, sendo empregada como um índice biológico satisfatório, pois sua variação é proporcional à intensidade e duração da exposição aos agentes anticolinesterásicos.2,4,7,12

Entre os diferentes métodos disponíveis para realizar tais determinações, escolhemos o de Michel8, por ser um método sensível e preciso e possibilitar a determinação de ambas as colinesterases, o que muitas vezes é indispensável para a avaliação do grau de exposição do indivíduo, uma vez que a colinesterase plasmática, afetada mais rapidamente, reflete melhor a absorção do inseticida organofosforado, sendo a sua determinação bastante significativa no início da exposição (sendo também regenerada mais prontamente). A coliesterase eritrocitária, afetada mais tardiamente, reflete o estado de inibição da enzima do sistema nervoso, ou seja, o efeito tóxico do inseticida.6,7

A atividade da colinesterase plasmática foi também avaliada nas mesmas amostras, pelo método de Caraway3, por ser um método rápido, simples e preciso, que poderá ser empregado quando o laboratório não dispuser da aparelhagem necessária para a realização do método de Michel.

Os valores da atividade enzimática em pessoas não expostas apresentam ampla variação, sendo aconselhável, portanto, a determinação individual da atividade enzimática no exame pré-ocupacional.4,7,13,15

Este controle nem sempre é realizado e a análise de indivíduos expostos é solicitada ao laboratório, carecendo dos valores individuais anteriores à exposição. Nestes casos, poderia ser usado um valor médio da atividade enzimática, obtido pelo estudo de uma população não exposta ocupacionalmente aos agentes anticolinesterásicos. A escolha desta população apresenta certas dificuldades devido às variações da atividade enzimática com a idade, sexo, raça, nível sócio-econômico, entre outros fatores.4,10,13,14

Considerando estes aspectos, procuramos, numa primeira parte, estudar atividades enzimáticas de indivíduos do mesmo grupo étnico, com estreita variação da faixa etária, sabidamente não expostos a inseticidas organofosforados.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foi estudada uma população de 57 alunos, que ingressou na Universidade de São Paulo no ano de 1976, de diversas procedências, de ambos os sexos, com idade média de 22 anos (intervalo de 18 a 37 anos), participantes do Plano Anual de Saúde promovido pela Coordenadoria do Serviço Social (COSEAS).

Desta população foi colhida amostra de 3 a 5 ml de sangue, coletados em tubos heparinizados, sendo o plasma separado por centrifugação, tão rápido quanto possível.

As determinações das atividades de colinesterase plasmática e eritrocitária foram realizadas paralelamente por dois métodos: o espectrofotométrico de Caraway 3 para a avaliação da colinesterase plasmática e o de Michel8 para a determinação da colinesterase plasmática e eritrocitária.

 

RESULTADOS

A Tabela mostra os valores individuais de colinesterase plasmática e eritrocitária obtidos na população estudada, bem como os valores médios, o desvio padrão e o intervalo de confiança 95%.

A distribuição dos valores da colinesterase obtidos pelo método de Michel, para o plasma e eritrócitos, está representada pelas Figs. 1 e 2, respectivamente, e os dos obtidos pelo método de Caraway, para o plasma, pela Fig. 3.

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Muitos investigadores têm avaliado a atividade da colinesterase no sangue de indivíduos considerados "normais", isto é, em indivíduos não expostos a inibidores desta enzima (agentes anticolinesterásicos). Todos eles encontraram grandes variações individuais.1,4,9,10,11,15 O valor médio de atividade enzimática para os eritrócitos, encontrados em nosso trabalho, foi próximo do citado por outros autores9,10 enquanto que para a colinesterase plasmática, avaliada pelo método de Michel, foi ligeiramente superior aos citados na literatura 6,9,10,11,14,e pelo método de Caraway, o valor médio coincidiu com o encontrado pelo autor.3

Como mostram as Figs. 1, 2 e 3, ocorreu grande variação individual da atividade enzimática na população por nós estudada, sendo maior a variação da colinesterase plasmática. As causas destas variações têm sido extensamente pesquisadas. Atualmente, sabe-se que certos estados patológicos interferem nas taxas da colinesterase, especialmente da plasmática, como: cirrose, hepatite e câncer do fígado, enfarte do miocárdio, úlcera duodenal, infecções agudas e crônicas, toxemias da gravidez, dermatomiosites, anemia, malnutrição e caquexia.2,10,11 Outros fatores, tais como certas substâncias, também têm sido responsabilizados por estas variações: os fluoretos, citratos e oxalatos, derivados da amônea quaternária, fenotiazínicos, antibióticos, atropina, codeína e barbitúricos.2,11 Alguns autores citam ainda variações com a raça, idade e sexo.2,9,10,11 Na população por nós estudada, não foi verificada diferença significativa nos valores da colinesterase, de acordo com o sexo, o que também foi constatado por outros autores.6,14

Deste modo, podemos avaliar a dificuldade em estabelecer um valor médio normal da atividade enzimática, que possa ser válido para qualquer tipo de população. O clínico poderá usar este valor, quando for impossível conhecer a taxa de atividade enzimática anterior à exposição, não deixando ainda de levar em consideração outras possíveis causas que possam estar alterando as enzimas.

 

CONCLUSÕES

O valor médio encontrado na população estudada, para a colinesterase plasmática determinada pelo método de Michel, foi de 1,11 DpH/h e pelo método de Caraway, de 77 U. Para a colinesterase eritrocitária, foi de 0,83 DpH/h. Não encontramos diferenças significativas quanto ao sexo para a atividade de ambas as enzimas. Os métodos utilizados para a determinação da atividade enzimática são sensíveis e de simples execução, podendo ser empregados no controle da exposição de trabalhadores à inseticidas organofosforados.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. AUGUSTINSSON, K. B. The normal variation of human cholinesterase activity. Acta psysiol. scand., 35:40-52, 1955.        [ Links ]

2. BERGMEYER, V. T. Methods of enzimatic analysis. 2nd ed. New York, Academic Press, 1974. v. 1, p. 831-54.        [ Links ]

3. CARAWAY, W. T. Photometric determination of serum cholinesterase activity. Amer. J. clin. Path., 26:945-55, 1956.        [ Links ]

4. GAGE, J. C. The significance of blood cholinesterase activity measurements. Res. and Rev., 18:159-72, 1967.        [ Links ]

5. GOODMAN, L. S. & GILMAN, A. As bases farmacológicas da terapêutica. 4a ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1973.        [ Links ]

6. HENRY, R. J. Química clínica: bases y princípios. Barcelona, Editorial Jims, 1969. v. 2, p. 600-8.        [ Links ]

7. LONG, K. R. Cholinesterase activity as a biological indicator of exposure to pesticides. Int. Arch. occup. environ. Hlth, 36:75-86, 1975.        [ Links ]

8. MICHEL, H. O. Electrometric method for the determination of red cells and plasma cholinesterase activity. J. Lab. clin. Med., 34:1564-8, 1949.        [ Links ]

9. REINHOLD, J. G. Measurement of serum cholinesterase activity. Amer. J. clin. Path., 23:645-53, 1953.        [ Links ]

10. RIDER, J. A. et al. Plasma and red cells cholinesterase in 800 "healthy" blood donors. J. Lab. clin. Med., 50:376-83, 1957.        [ Links ]

11. SCUDAMORE, H. H. et al. Acethylcholine and cholinesterase in the blood of patients suffering with bronchi asthma. J. Lab. clin. Med., 37:860-6, 1951.        [ Links ]

12. SMITH, R. L. The estimation of serum cholinesterase in presence of anticholinesterase inseticides. Clin. chim. Acta, 52:315-9, 1974.        [ Links ]

13. SUNSHINE, I. Manual of analytical toxicology. Cleveland, CRC Press, 1975.         [ Links ]p. 107-8.

14. VORHAUS, L. J. et al. Serum cholinesterase in health and disease. Amer. J. Med., 14:707-19, 1953.        [ Links ]

15. WILLS, J. H. The measurement and significance of changes in the cholinesterase activities of erythrocytes and plasma in man and animals. CRC Crit. Rev. Toxicol., 1:153-202, 1972.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 05/12/1977
Aprovado para publicação em 13/04/1978