SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue4Respiratory diseases as cause of death in the city of S. Paulo (Brazil)Institutional nursing attendance of children zero to five years of age author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública vol.15 no.4 São Paulo Aug. 1981

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101981000400002 

ARTIGO ORIGINAL

 

Tentativa de controle de Hymenolepis nana através de tratamentos clínicos repetidos, com praziquantel, em uma comunidade fechada

 

The use of repeated praziquantel treatments in an attempt to control Hymenolepis nana in an orphanage

 

 

R. S. RochaI; Omar dos Santos CarvalhoI; José Soares dos SantosI; Naftale KatzII

IDo Centro de Pesquisas "René Rachou" – FIOCRUZ – Caixa Postal 1743 – 30000 – Belo Horizonte, MG – Brasil
IIDo Centro de Pesquisas "René Rachou" (Belo Horizonte) e da Seção de Parasitoses – Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

 

 


RESUMO

Foi feita tentativa de controle do Hymenolepis nana em uma comunidade fechada utilizando-se o praziquantel em repetidos tratamentos. Concomitantemente, foram estudados os prováveis mecanismos de transmissão da parasitose. A comunidade trabalhada possuia inicialmente 161 pessoas, sendo 109 crianças internas, com idade variando de dias e/ou meses a 8 anos, e de 52 adultos, funcionários da instituição. O diagnóstico parasitológico foi realizado aproximadamente de 2 em 2 meses em toda a população, pelo método de Hoffman, Pons e Janer, e o controle de cura, pelo mesmo método, entre o 7.º e o 14.º dia. Quinzenalmente foram realizadas pesquisas para ovos de H. nana no leito ungueal das crianças, em insetos, no lixo doméstico, nas maçanetas das portas e geladeiras, nos botões e cordões de descarga. Posteriormente examinou-se água recolhida dos urinóis e do chão do "box" do chuveiro. Todos os pacientes eliminando ovos de H. nana nas fezes foram tratados com praziquantel, após exame clínico, na dose única oral de 25mg/kg, após o almoço. Em 4 tratamentos realizados (66 pacientes), não foram observadas reações colterais importantes, e o controle de cura foi sempre de 100%. No 5.º e último tratamento, grupos de pacientes positivos e negativos para H. nana foram divididos em subgrupos e tratados com uma dose da droga (25mg/kg) ou duas doses espaçadas de 4 dias (total: 50mg/kg). No levantamento realizado dois meses após o tratamento, foram encontrados apenas 6 indivíduos eliminando ovos do parasita. Estes pertenciam ao subgrupo de crianças com himenolepíase tratado com uma única dose da droga. Ovos e larvas de helmintos e cistos de protozoários foram encontrados no lixo doméstico, insetos (baratas) e maçanetas de portas, enquanto ovos de H. nana só foram achados em água aspirada do "box" do chuveiro e da lavagem dos urinóis. Apesar da elevada percentagem de cura e dos vários tratamentos realizados, não se conseguiu o controle da himenolepíase.

Unitermos: Hymenolepis nana, controle. Doenças parasitárias. Praziquantel.


ABSTRACT

Praziquantel was used repeatedly in an orphanage to determine its effectiveness in controlling hymenolepis. At the same time, the possible mechanisms of the transmission of this parasitosis were studied. The first group examined consisted of 161 people of which 109 were the orphanage children, who varied in age from days or months to eight years, and 52 adults, employees of the institution. Stool tests of all were made about every two months, using the Hoffman, Pons and Janer method; cure control was carried out by the same method seven to fourteen days after treatment. Every two weeks, H. nana eggs were searched for under the finger nails of the children, in insects, in domestic wastes, on door knobs and refrigerator handles, and on toilet flush knobs and strings. Water collected from rinsed urinals and shower floors was also tested. Eggs and larva of helminths and protozoa cysts were found in domestic waste and cockroaches and on door knobs. H. nana eggs were found in puddles of water left on shower floors and the rinse water of urinals. Every patient whose feces had H. nana eggs was treated with a single oral 25mg/kg dose of praziquantel, taken after lunch. In the four groups treated (66 patients in all), no important side effects were observed, and follow-up indicated 100% cure. For the 5th and last treatment, a group of both positive and negative (for H. nana) people was divided into sub-groups and treated with one (25mg/kg) or two doses of the medicine for a period of four days (total: 50mg/kg). Follow-up examination two months after treatment showed that only six patients were still eliminating eggs of the parasite; all belonged to the sub-group treated with a single dose of the drug. In spite of the treatments given an of the high percentage of cure, control of hymenolepiasis was not achieved.

Uniterms: Hymenolepis nana, control. Parasitic diseases. Praziquantel.


 

 

INTRODUÇÃO

O Hymenolepis nana é um cestódeo de distribuição praticamente cosmopolita, mais freqüente nas regiões de clima quente. Ocorre comumente em crianças, atingindo altas taxas de prevalência em famílias e grupos institucionais. A transmissão se processa de pessoa a pessoa, geralmente sem a presença de hospedeiro intermediário, através da ingestão de ovos eliminados nas fezes 1,18.

O H. nana é extremamente rebelde à terapêutica em virtude da existência da fase larvar na intimidade da mucosa intestinal, e quando adulto, de difícil expulsão.

Com o aparecimento do praziquantel, um derivado isoquinoleinopirazínico, de boa tolerância e alta eficácia em dose única, a perspectiva do tratamento do H. nana melhorou consideravelmente, desde que as drogas existentes até então não apresentavam estas qualidades 8,11,20,21.

O praziquantel mostrou-se também eficaz em outros cestódeos humanos tais como a Taenia solium, T. saginata e o Dyphillobothrium latum 3,6,11,17, além de possuir atividade esquistossomicida25. Por outro lado, não apresentou, nos ensaios realizados ações mutagênicas, teratogênicas e/ou embriotóxicas 14,16.

No presente trabalho foi ensaiado o praziquantel no controle da himenolepíase, em uma comunidade fechada, bem como estudos sobre fatores que poderiam estar influindo na transmissão do cestódeo.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi realizado na Pupileira Hernani Agrícola, localizada no Bairro do Horto Florestal em Belo Horizonte (MG), durante o período de dez./78 a mar./80. Sua população no início do tratamento era constituída de 161 pessoas, sendo 109 crianças internas, com idade variando de dias e/ou meses a 8 anos e de 52 adultos, funcionários da Instituição. Durante o decorrer da pesquisa entraram para a comunidade 20 novas crianças, variando a população como mostra a Tabela 1.

Experimento I – O diagnóstico parasitológico foi realizado aproximadamente de 2 em 2 meses (controle tardio), em toda a população, a partir de dezembro de 1978, e o controle de cura foi feito durante 3 dias consecutivos entre o 7.o e o 14.o dia pós tratamento (controle imediato). Em ambos os casos o método coproscópico utilizado foi o de Hoffman, Pons e Janer 12.

No total foram realizados 4 tratamentos nos meses de janeiro, março, maio e agosto/79.

À exceção de 4 crianças que não mais se encontravam na comunidade por ocasião do primeiro tratamento (dez./78), todos os pacientes positivos para H. nana foram tratados, após exame clínico, com praziquantel na dose única oral de 25mg/kg, após o almoço.

Aspectos relacionados à transmissão de H. nana foram considerados, pesquisando-se, quinzenalmente, nos primeiros dez meses do trabalho a presença de ovos do parasita no lixo doméstico, insetos e no material coletado com estilete do leito ungueal das crianças. Enquanto o lixo doméstico e insetos eram lavados e o sedimento examinado, o material do leito ungueal de cada criança era transferido para uma lâmina de microscopia, a qual se adicionava uma gota-d'água, e imediatamente era examinado ao microscópio. As maçanetas de portas e geladeiras, botões e cordões de descarga, foram examinados utilizando-se fita gomada transparente 2,10.

Examinou-se ainda água recolhida da lavagem de urinóis, utilizados sucessivamente por várias crianças, e a água obtida por aspiração do chão do "box" dos chuveiros coletivos, onde se desprezava a última água da lavagem dos urinóis. A suspensão assim obtida era sedimentada e posteriormente examinada ao microscópio.

Experimento II – Em janeiro de 1980, todas as crianças da comunidade, com idade superior a um ano, num total de 83, foram divididas em 2 grupos. O primeiro grupo, constituído de 27 crianças, com H. nana, foi dividido em 2 subgrupos de 14 e 13 crianças, respectivamente. O subgrupo constituído de 14 crianças foi tratado com uma dose única oral de 25mg/kg, enquanto o segundo subgrupo (13 crianças) recebeu duas doses, também de 25mg/kg, com intervalo de 4 dias.

O segundo grupo de 56 crianças com exame de fezes negativo para H. nana foi também dividido em 2 subgrupos de 27 e 29 crianças, tratadas, respectivamente com uma e duas doses de praziquantel como no esquema anterior.

Este segundo grupo foi tratado na tentativa de eliminar a possibilidade de pacientes possivelmente infectados, mas com exame de fezes falso negativo, que poderiam estar influindo no controle da parasitose.

O método para o diagnóstico parasitológico, bem como o tempo decorrido pós tratamento para controle, foram os mesmos utilizados no experimento I.

 

RESULTADOS

Experimento I – Como pode ser visto na Tabela 1, a prevalência inicial de H. nana que era de 25%, variou, após o 1.o, 2.o e 3.o tratamentos para 6,0, 8,5 e 9,4%, respectivamente, aumentando para 17,3% depois do 4.o tratamento. Decorridos 4 meses do último tratamento (agosto/79), ou 12 meses do início do trabalho, a prevalência atingiu o índice original de 25,2%.

Os 4 tratamentos (realizados nos meses de janeiro, março, maio e agosto de 1979) abrangeram um total de 66 pacientes, dos quais 45(68,1%) foram tratados uma única vez, 18(27,3%) duas vezes, e 3(4,6%) três vezes.

O percentual de crianças que não fizeram o 2.o, 3.o e 4.o exames parasitológicos foi, respectivamente, de 5,0, 3,8 e 4,7%.

Em nenhuma ocasião foi possível diagnosticar adultos eliminando ovos do cestódeo em questão.

Não foram observadas manifestações colaterais importantes, ocorrendo alguns casos raros de diarréia e dor abdominal, de intensidade leve, desaparecendo espontaneamente.

A eficácia da droga nos quatro tratamentos realizados foi sempre de 100%, mesmo em pacientes tratados por duas ou três vezes consecutivas.

Ovos de helmintos e cistos de protozoários foram encontrados durante o período de estudo, no lixo doméstico (ovos não identificados), em baratas (Ascaris lumbricoides, Trichocephalus trichiurus, Taenia sp) e em fita adesiva (A. lumbricoides e Taenia sp). O exame do material do leito ungueal foi sempre negativo.

Ovos de H. nana e cistos de Giardia lamblia e Entamoeba coli foram observados em água recolhida dos urinóis e do chão do "box" dos chuveiros.

Experimento II – Do tratamento realizado em janeiro/80, somente uma criança do grupo com H. nana, submetida ao tratamento com dose única, continuava positiva. Todavia, no levantamento parasitológico realizado na área (março/80) foram encontrados 6 indivíduos eliminando ovos do parasita, pertencentes ao subgrupo de crianças com himenolepíase, tratados com uma única dose da droga.

 

DISCUSSÃO

Embora o controle de cura imediato tenha demonstrado que o praziquantel foi eficaz em quase 100% dos pacientes com himenolepíase no ambiente estudado, o controle tardio desta parasitose não foi conseguido, mesmo após os quatro tratamentos realizados.

Várias hipóteses podem ser aventadas para explicar o encontro de pacientes que continuavam infectados, na área, após os sucessivos tratamentos. A primeira, é que a droga não curaria realmente 100% dos casos. Os resultados obtidos seriam aparentes, pois o período de controle de cura realizado restringiu-se à 2.a semana pós tratamento. Levando-se em consideração que em ratos a droga atua somente contra 25 a 73% dos cisticercóides com menos de 4 dias de idade24, e que o ciclo do ovo completa-se em cerca de um mês20, verifica-se que o período de duas semanas talvez tenha sido curto para detectar os possíveis casos com infecções larvares quando do tratamento. Evidência que pode ser corroborada pelos resultados do último diagnóstico parasitológico (março/80), onde foram encontrados 6 pacientes eliminando ovos de H. nana, naqueles submetidos a apenas um único tratamento (Tabela 2). Todavia, resultados de cura, próximo a 100%, foram também obtidos por outros autores quando realizaram exames parasitológicos de fezes até 3 semanas pós tratamento5,7,8,9,11,20,21.

A possibilidade de resistência à droga pode ser afastada, pois pacientes tratados mais de uma vez (2.o e 3.o tratamentos) apresentaram-se também com resultados negativos no controle de cura imediato.

O número de crianças ausentes nos diagnósticos parasitológicos, e consequentemente aos tratamentos, foi sempre baixo (em torno de 5%), o que parece não constituir importante fator de disseminação da parasitose.

No decorrer do período experimental 20 novas crianças entraram para a Instituição. Destas, duas apresentaram-se com H. nana ao exame realizado imediatamente após a entrada para a creche e, conseqüentemente, também tratados.

A repetição constante dos exames de fezes e a facilidade de se diagnosticar a presença de ovos de H. nana nas fezes, afasta a possibilidade de um grande número de casos falso negativos.

Apesar de não ter sido feita pesquisa sobre a presença de H. nana em outros hospedeiros, tais como ratos, pulgas, coleopteros (Tenebrio molitor) a importância destes, segundo vários autores é discutível, considerando que o homem parasitado é a principal e a mais importante fonte de contaminação 18.

Os estudos visando esclarecer os mecanismos de transmissão do H. nana, examinando-se as maçanetas de portas e geladeiras, botões e cordões de descarga, lixo doméstico, insetos e material de depósito subungueal, não revelaram a presença de ovos de H. nana, ao contrário do que foi observado por outros autores13,15,22. Por outro lado, nas condições epidemiológicas da comunidade ora estudada, o banheiro parece se constituir no mais provável e importante foco de disseminação da parasitose, face aos encontros constantes de ovos de H. nana nas águas de lavagem dos urinóis desprezadas no "box" do chuveiro.

Pelos dados obtidos, novos estudos deverão ser realizados utilizando-se o praziquantel, administrado em doses espaçadas e com controle de cura extendendo-se até 30 dias do tratamento, com o fim de se avaliar o valor real da terapêutica no controle do H. nana.

 

AGRADECIMENTOS

Aos Drs. E. Groll e Getulio L. Rezende, dos Laboratórios Merck do Brasil e Alemanha, pelo fornecimento do praziquantel, ao Dr. Ataul de Barros Fernandes e às Irmãs da Pupileria Hernani Agrícola pela colaboração prestada na realização deste trabalho e aos Srs. Gercy de Souza Morais e José Ribeiro pelo apoio técnico.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. AMARAL, A.D.F. & AVILA PIRES, C.D. Algumas observações sobre himenolepíasis humanas. Folia clin. biol., S. Paulo. 18:75-98, 1952.        [ Links ]

2. ANDRADE, L. C. Parasitoses ainda impõem cautela. Atual. med., 13:20-2, 1977.        [ Links ]

3. BARANSKI, M.C. Tratamiento de teniasis e himenolepiasis humanas con praziquantel (Embay 8440). Bol. chil. Parasit., 32:37-9, 1977.        [ Links ]

4. BARANSKI, M.C.; GOMES, N.R.; GODOY, O.F.; SILVA, A.F.; KOTAKA, P.I.; SILVEIRA, H.B. & GIOVANNONI, M. Terapêutica da teníase intestinal e da himenolepíase nana com dose oral única de praziquantel. Estudo da eficácia, tolerância e segurança. In: Congresso Latino Americano de Parasitologia, 5o, Buenos Aires, 1979. Resumos. Buenos Aires, 1979. p. 425.        [ Links ]

5. BOTERO, D. & OCAMPO, N.E. Tratamiento de teníasis y de himenolepíase con praziquantel. In: Congresso Latino Americano de Parasitologia, 5o, Buenos Aires, 1979. Resumos. Buenos Aires, 1979, p. 419.        [ Links ]

6. BYLUND, G.; BANG, B. & WIKGREN, K. Evaluación experimental del efecto de praziquantel contra Diphyllobotrium lattum in vivo e in vitro. Bol. chil. Parasit., 32:7-10, 1977.        [ Links ]

7. CAMILLO-COURA, L.; SOLI, A.S.V. & WILLCOX, H.P. Tratamento de infecção por Hymenolepis nana com praziquantel. In: Congresso Latino Americano de Parasitologia, 5o, Buenos Aires, 1979. Resumos. Buenos Aires, 1979. p. 419.        [ Links ]

8. CANZIONERI, C. J.; RODRIGUEZ, R.R.; CASTILLO, H.E; BALELLA, C.I. & LUCENA, M. Ensayos terapéuticos con praziquantel en infecciones por Taenia saginata e Hymenolepis nana. Bol. chil. Parasit., 32:41-2, 1977.        [ Links ]

9. CARVALHO, S.A.; CAMPOS, R.; AMATO NETO, V. & FRANÇA, I.L. Tratamento da himenolepiase devida a Hymenolepis nana. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 16o, Natal, 1980. Anais. Natal, 1980. p. 172.        [ Links ]

10. CHIEFFI, P.P.; MORETTI, I.G.; FOIZER, A.C.M.; NAKAGAWA, E. & GOMES, A.C. Contribuição ao estudo da história natural de entero-parasitas em uma comunidade fechada. II – Mecanismos de transmissão de enteroparasitas em urna comunidade fechada. Rev. Soc. bras. Med. trop., 8:87-91, 1974.        [ Links ]

11. ESPEJO, H. Tratamiento de infecciones por Hymenolepis nana, Taenia saginata, Taenia solium y Diphyllobotrium pacificum con praziquantel (Embay 8440). Bol. chil. Parasit., 32:39-40, 1977.        [ Links ]

12. HOFFMAN, W.A.; PONS, J.A. & JANER, J.L. The sedimentation-concentration method in schistosomiasis mansoni. Puerto Rico J. publ. Hlth, 9:223-398, 1934.        [ Links ]

13. KALIL, F.A.; BASEDOW, M.J.; TELLES, C.A. & MONTEIRO, O. Himenolepíase nana em um educandário de Curitiba, com adendo de "Um caso sobre hymenolepíase diminuta". An. Fac. Med. Paraná, 8:119-53, 1965.        [ Links ]

14. MACHEMER, L. & LORKE, D. Mutage- necity studies with praziquantel, a new anthelmintic drug, in mamalian systems. Arch. Toxicol., 39:187-97, 1978.        [ Links ]

15. MILWARD-DE-ANDRADE, R. & RIBEIRO CAMPOS, L.G. Prevalência de Vamirolepis nana em Belo Horizonte, MG (Brasil), com especial referência a um foco isolado (Cestoda, Hymenolepitidae). Rev. bras. Malar., 20:83-108, 1968.        [ Links ]

16. OBERMEIER, J. & FROHBERG, H. Muta- genicity studies with praziquantel, a new anthelmintic drug: tissue, host and urine mediated mutagenicity assays. Arch. Toxicol., 38:149-61, 1977.        [ Links ]

17. PAZ, G. Tratamiento de teníasis saginata com praziquantel (Embay 8440). Bol. chil. Parasit., 32:14-6, 1977.        [ Links ]

18. PESSOA, S.B. & MARTINS, A.V. Parasitologia médica. 10a ed. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 1977.        [ Links ]

19. REY, L. Parasitologia. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 1973.        [ Links ]

20. RIM, H.J.; PARK, C.Y.; LEE, J.S.; JOO, K.H. & LYU, K.S. Therapeutic effects of praziquantel (Embay 8440) against Hymenolepis nana infection. Kor. J. Parasit., 16:82-7, 1978.        [ Links ]

21. SCHENONE, H.; GALDAMES, M.; RIVADENEIRA, A.; MORALES, E.; HOFFMANN, M.T.; ASALGADO, N.; MENESES, G.; MORA, M.V. & CABRERA, G. Tratamiento de las infecciones por Hymenolepis nana en niños con una dose oral única de praziquantel (Embay 8440). Bol. chil. Parasit., 32:11-3, 1977.        [ Links ]

22. SOUZA, F.L.; SILVA, C.R.R. & SANTOS, L. Estudo do conteúdo sub-ungueal em escolares dos municípios de Taubaté e São Caetano do Sul. In: Congresso Brasileiro de Parasitologia, 5o, Rio de Janeiro, 1980. Resumos. Rio de Janeiro, 1980. p. 174.        [ Links ]

23. THOMAS, H. Resultados experimentales con praziquantel (Embay 8440) en cestoidiasis y cisticercoides. Bol. chil. Parasit., 32:2-6, 1977.        [ Links ]

24. WEBBE, G. & JAMES, C. A comparison of the susceptibility to praziquantel of Schistosoma haematobium, S. japonicum, S. mansoni, S. intercalatum and S. matthei in hamsters. Z. Parasitenk., 52:169-77, 1977.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 08/08/1980
Aprovado para publicação em 19/05/1981
Trabalho parcialmente subvencionado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License