SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número3Sobre o encontro de Biomphalaria glabrata (Say, 1818) em dois municípios do Estado de São Paulo, BrasilO jovem e seu projeto de vida índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública v.20 n.3 São Paulo jun. 1986

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101986000300009 

NOTAS E INFORMAÇÕES

 

Identificação de Aedes (Stegomyia) Albopictus (Skuse) no Brasil

 

 

Oswaldo Paulo Forattini

Do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - Av. Dr. Arnaldo, 715 - 01255 - São Paulo, SP - Brasil

 

 

Em 25 de junho de 1986, o Laboratório de Entomologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo recebeu da Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (SUCAM) e da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), material de Culicidae para identificação. O exame desses espécimens forneceu os resultados a seguir apresentados.

 

 

Foram depositados na Coleção Entomológica do citado Laboratório, 10 adultos (4 e 6 ) e 20 larvas, como espécimens testemunhas, sob os n°s E-7051 a E-7080.

O encontro de Ae.albopictus é assim assinalado pela primeira vez em território sulamericano. Anteriormente registrou-se a introdução acidental nos Estados Unidos da América do Norte, em duas oportunidades, não tendo porém, ao que parece, ter conseguido ali estabelecer-se em definitivo nessas ocasiões (Pratt e col., 1946 citados por Reiter e Darsie3 (1984); Eads1, 1972). Contudo isso ocorreu mais recentemente e o mosquito enocntra-se atualmente instalado naquela região à qual, ao que tudo indica, teve acesso graças a sistema de transporte comercial com a utilização de "containers" que o teriam trazido do sudeste asiático (Reiter e Darsie3, 1984).

As duas espécies, Ae.aegypti e Ae.albopictus, são ecologicamente homólogas e simpátricas, podendo pois coexistirem na mesma região e utilizando os mesmos tipos de criadouros. Contudo, a segunda apresenta maior grau de exofilia e de hábitos silvestres, tendo pois menor nível de domiciliação do que a primeira. De qualquer maneira, o Aedes albopictus é considerado eficiente vetor de dengue, e sua existência agora revelada na região neotropical enseja a necessidade de estudo de sua biologia e comportamento nestas novas condições (Lok2, 1985).

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. EADS, R.B. Recovery of Aedes albopictus from used tires shipped to United States ports. Mosq.News, 32: 113-4, 1972.        [ Links ]

2. LOK, C.K. Singapore's dengue haemorrhagic fever control programme: a case study on the successful control of Aedes aegypti and Aedes albopictus using mainly environmental measures as a part of integrated vector control, 1985. [ Dados inéditos ]        [ Links ]

3. REITER, P. & DARSIE Jr., R.F. Aedes aegypti in Memphis, Tennessee (USA) : an achievement of modern transportation? Mosq.News, 44: 396-9, 1984.        [ Links ]

 

Recebido e aprovado para publicação em 30/06/1986
Received and accepted for publication in 30/06/1986