SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 issue4Ecological aspects of American cutaneous leishmaniasis: 4. Observations on the endophilic behavior of the sandfly and the vectorial role of Psychodopygus intermedius in the Ribeira Valley region of the S.Paulo State, BrazilThe clinical importance of direct hospital costs in patients with arterial hypertension under treatment in an university hospital, Rio de Janeiro State, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública vol.20 no.4 São Paulo Aug. 1986

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101986000400004 

ARTIGO ORIGINAL

 

Aspectos da vigilância epidemiológica da raiva em sub-regiões administrativas do Estado de São Paulo, Brasil, 1982-1983

 

Aspects of epidemiological surveillance for rabies in the administrative sub-regions of S.Paulo State (Brazil) 1982-1983

 

 

Cássio Luiz Pinto; Elizabeth Seghesi Alleoni

Do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina de Marília - Av. Monte Carmelo, 800 -17500 - Marília, SP - Brasil

 

 


RESUMO

Foi realizado estudo com a finalidade de verificar as condições de profilaxia da raiva humana, em sub-regiões administrativas do Estado de São Paulo com vistas a obter melhor orientação quanto ao uso de vacinas e soros anti-rábicos. Foram analisadas 4.121 fichas contendo dados de pessoas que procuraram 31 Unidades Sanitárias dos Distritos de Marília, Assis e Tupã, no período de 1982/83. Os resultados evidenciaram: má qualidade do preenchimento das fichas; 84,1% dos acidentes foram provocados por animais da espécie canina; o grupo etário mais atingido foi o de 5 a 14 anos; 65,7% dos acidentes foram no próprio domicílio; vários casos deixariam de ser tratados, caso houvesse maior e melhor observação durante o período de 10 dias; o índice de abandono de tratamento foi de 10,4%; falta maior entrosamento entre as Instituições que, direta ou indiretamente, têm compromissos com o controle e a profilaxia da raiva.

Unitermos: Raiva, prevenção e controle. Vigilância epidemiológica.


ABSTRACT

A study to verify the situation of rabies prophylaxis in the State of S.Paulo (Brazil) was made with a view to obtaining better guidance on the use of vaccines and anti-rabic serum. A total of 4,121 individual cards were analysed, in wich there was registered information about people who sought medical help at the 31 Sanitary Units of the Districts of Marília, Assis and Tupã during 1982 and 1983. The results showed: the inadequate filling-in of the cards; 84.1% of the accidents were provoked by animals of canine species; people between 5 and 14 years old were those most affected; 65.7% of the accidents happened in the home itself; a large number of cases could be eliminated if there were more intensive and careful observation over a period of 10 days; the index of treatments abandoned was 10.4%; the institutions that have some responsibility for rabies' control and prophylaxis are not adequately coordinated.

Uniterms: Rabies, prevention and control. Epidemiological surveillance.


 

 

INTRODUÇÃO

A raiva é considerada como uma das doenças conhecidas mais temidas do homem em todo o mundo. Provavelmente a índia seja o país de maior ocorrência, com 15.000 mortes estimadas por ano6,8.

Segundo Acha e Szytres citados por Szytres9, vários países estão atualmente livres dessa infecção, entre eles: Guiana, Jamaica e Uruguai, nas Américas4; Japão, na Ásia; Grã-Bretanha; Países Escandinavos e Portugal, na Europa.

No Brasil, no ano de 1977, através do Programa Nacional de Profilaxia da Raiva, mediante convênio firmado entre os Ministérios da Saúde e da Agricultura, a Central de Medicamentos (CEME) órgão do Ministério da Previdência e Assistência Social e a Organização Pan-Americana da Saúde foram iniciadas medidas sistemáticas de vacinação anti-rábica canina. Embora este programa tenha sido instituído em 1973, apenas no ano de 1977 é que abrangeu todos os Estados e Territórios Federais3. Com a instituição do programa, foi implantada a Vigilância Epidemiológica da doença, o qual tem permitido um melhor conhecimento de casos de raiva humana nos pontos mais remotos do País.

No Brasil, foram registrados 125 casos de raiva humana, durante o ano de 1982, ocorridos principalmente na Região Nordeste (52%). Dos 125 casos, 76% não tinham recebido nenhum tipo de tratamento. Em 1983, o número de casos de raiva humana caiu para 99, representando um decréscimo de 20,8%, segundo a Fundação SESP1,2.

Muitos fatores têm contribuído para a alta incidência da raiva humana no Brasil, tais como: altas taxas de abandono de tratamento7, dificuldade na utilização dos serviços disponíveis pelas pessoas expostas ao risco da raiva, residentes em lugares distantes e que não dispõem de meios para se locomoverem, aliado à deficiência em educação para a saúde da população, que desconhece as medidas primárias de profilaxia da doença8, e acrescentaríamos a inexistência de dados exatos e de hábitos inadequados da população com referência aos ferimentos provocados pelos animais5.

O presente trabalho tem por finalidade avaliar, qualitativamente, o preenchimento das fichas de atendimento, utilizadas nas sub-regiões administrativas do Estado de São Paulo: de Marília, Assis e Tupã, e verificar as respectivas condições de profilaxia da raiva humana com vistas a contribuir para uma melhor orientação quanto ao uso de vacinas e soros anti-rábicos utilizados no tratamento da raiva humana.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram incluídas 4.121 fichas individuais de profilaxia da raiva humana, preeenchidas nas Unidades de Saúde dos Distritos de Marília, Assis e Tupã, correspondentes a 13, 16 e 5 municípios, respectivamente, e com população total de 501.328 habitantes (1983), durante o período de 1982 e 1983. As informações constantes nas fichas utilizadas foram obtidas diretamente dos pacientes, ou acompanhantes, e preenchidas, em parte, pelas atendentes e, em parte, pelos médicos que entrevistavam as pessoas que procuraram as Unidades de Saúde por se acharem expostas ao risco de infecção pelo vírus da raiva.

Foram analisadas as seguintes variáveis: idade, sexo, local da exposição, animal agressor, tipo de exposição, destino do animal agressor (cão e gato), resultado do exame laboratorial, indicação ou não de tratamento com vacina e soro anti-rábico, intervalo entre a exposição e o início do tratamento, cumprimento deste tratamento e o relato de tratamento anterior.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A Tabela 1 evidencia que a freqüência das exposições humanas ao risco da infecção pelo vírus da raiva é ainda muito significativo nos Distritos de Assis, Marília e Tupã, ocorrendo principalmente em crianças na idade escolar (39,2%). Estes dados são semelhantes aos encontrados por Szytres e col.9, em estudo realizado nos países da América Latina.

 

 

As exposições ao risco da infecção pelo vírus rábico segundo sexo (Tabela 2) mostrou, no global, pequena predominância do sexo masculino (58,0%) sobre o sexo feminino (42,0%).

 

 

Na Tabela 3 pôde-se constatar que embora a maioria das exposições (65,7%) tenha ocorrido em ambiente domiciliar, 25% ocorreram em vias públicas. Portanto, a diminuição do número de cães errantes por intermédio da captura e posterior eliminação daqueles não resgatados é muito importante para a profilaxia da raiva canina, uma vez que 84.1% das exposições foram produzidas pelo cão, seguindo-se o gato, com apenas 8,6% de participação (Tabela 4). Este dado coincide com os encontrados pela Fundação SESP1 (1982). Tal fato também tem sido assinalado por outros autores, como Ribeiro Netto e Machado4,7 (1970), em um estudo realizado na cidade de São Paulo, Brasil, cujas percentagens encontradas foram de 89% e 7,5%, respectivamente para cão e gato.

 

 

 

 

A Figura mostra que o maior número de atendimento por acidentes com animais ocorreu no mês de agosto. Tal fato talvez esteja ainda associado à estigmatização referente ao mês de agosto ser o mês do "cachorro louco", e em conseqüência, o número de pessoas que procuram as Unidades de Saúde no referido mês seja maior.

A Tabela 5 indica que o tipo de acidente predominante foi mordedura, perfazendo um total de 78,8%.

 

 

A Tabela 6 revela que 44,8% animais submetidos à observação permaneceram sadios. Dados semelhantes foram registrados por Ribeiro Netto e Machado7 (1970), ou seja, 44,5%. Na mesma Tabela observa-se que a percentagem de animal raivoso foi de 0,3%. Portanto, o segmento do animal agressor por um período mínimo de 10 dias é muito importante em todo animal (cão e gato) causador de lesão, pois a imunoprofilaxia humana só terá indicação se o animal agressor manifestar sintomas da doença durante o período citado. Na realidade, o que se nota é que o percentual de pessoas tratadas em relação às atendidas é alto (62,33% e 59,86% respectivamente nos anos de 1982 e 1983), indicando que há administração excessiva de tratamento completo. Alguns estudos têm abordado este aspecto. A Fundação SESP2 (1983), revisando tal estudo, constatou que o percentual de pessoas que receberam o tratamento profilático foi de 55,6%. É possível que a inexistência de condições para observação de animais ou a comodidade dos funcionários das Unidades de Saúde, que preferem indicar o tratamento, muitas vezes evitável, ao invés de fazer um interrogatório mais minucioso, bem como a falta de instrumento adequado para o registro de dados que sirvam para o conhecimento e planejamento das ações, sejam fatores que ajudam a elevar esta taxa.6,10 De acordo com a Tabela 6, pode-se observar que o percentual de animais mortos (17,0%) é o dobro dos sacrificados (8,5%). Tal fato talvez seja devido à interpretação errônea dada pelos funcionários das Unidades de Saúde, do que seja um animal morto (que morreu) e sacrificado (vitimado).

 

 

A Tabela 7 apresenta os dados referentes aos exames laboratoriais realizados nos animais agressores mortos e sacrificados. Nela pode-se observar uma positividade de 71,5%, taxa esta altíssima quando comparada com outros trabalhos2,3. Uma das possíveis explicações talvez seja pelo fato de que apenas os resultados positivos estejam sendo registrados nas fichas. Sabemos da indiscutível importância representada pelo apoio laboratorial nos programas de controle da raiva para efeito de diagnóstico diferencial com outras encefalites, que muitas vezes com ela se confunde8. Portanto a confirmação do diagnóstico através do exame laboratorial deve ser estimulado nas Unidades de Saúde, bem como a anotação nas fichas do resultado obtido.

 

 

Em relação ao acidentado, nota-se que 22,1% das pessoas não faz desinfecção local com água e sabão ou outros produtos.

A Tabela 8 faz ver que 61,0% das pessoas expostas ao risco da infecção, pelo vírus da raiva, receberam vacinas e 3,4% soro anti-rábico.

 

 

Entre o tempo decorrido do acidente e o início do tratamento, verifica-se que apenas 17,6% dos pacientes procuraram as Unidades de Saúde em menos de 24 horas (Tabela 9).

 

 

A Tabela 10 indica que 10,3% dos indivíduos abandonaram o tratamento, isto é, deixaram de seguir a prescrição médica sem nada notificar às Unidades. Como cita Ribeiro Netto e Machado7, muitos fatores podem estar ligados a este fato, tais como: perdas de horas de trabalho, longas distâncias, despesas com transportes, necessidades de acompanhantes no caso de crianças; acrescentamos a falta de informação às pessoas expostas ao risco da infecção pelo vírus da raiva, pelos funcionários das Unidades, sobre importância do tratamento completo.10

 

 

A Tabela 11 revela que apenas 5,3% das pessoas expostas ao risco receberam tratamento anterior.

 

 

Baseado nos resultados alcançados com este trabalho, recomenda-se, ao lado das medidas já bastante conhecidas do Programa Nacional do Controle da Raiva, que haja maior conscientização da importância do preenchimento correto das fichas de registro, bem como da identificação e observação do animal agressor (cão e gato), durante 10 dias.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO. (Ministério da Saúde). Brasília, 16 (3/4), 1984.        [ Links ]

2. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO. (Ministério da Saúde). Brasília, 16 (7/8), 1984.        [ Links ]

3. GOMES, F.J.P. Programa nacional de controle da raiva no Brasil. Rev. Fund. SESP, Rio de Janeiro, 28: 165-75, 1983.        [ Links ]

4. GOULART, F.A. de A. & SIQUEIRA FILHO, L. Acidentes provocados por animais em Uberlândia, MG. Rev.Ass.med.bras., 26: 235-8, 1980.        [ Links ]

5. MÁLAGA, H. et al. Epidemiología de la rabia canina en Lima metropolitana. Bol. Ofic.sanit.panamer., 81:405-13,1976.        [ Links ]

6. PEREIRA FILHO, M. & SILVA, L.M.C. Aspectos epidemiológicos da raiva no Estado da Bahia, período: 1979 a 1980. Rev. baiana Saúde públ., 9:16-9, 1979.        [ Links ]

7. RIBEIRO NETTO, A. & MACHADO, C.G. Alguns aspectos epidemiológicos da expoliação humana, ao risco de infecção pelo vírus da raiva na cidade de São Paulo, Brasil. Rev. Inst.Med.trop. S.Paulo, 12: 16-30, 1970.        [ Links ]

8. SEMINÁRIO SOBRE TÉCNICAS DE CONTROLE DA RAIVA, 3.o, São Paulo, 1979. São Paulo, Coordenadoria de Serviços Especializados da Secretaria da Saúde. Instituto Pasteur, 1979.        [ Links ]

9. SZYFRES, L. et al. Rabia urbana; el problema de las leciones por mordedura de perro. Bol. Ofic. sanit. panamer., 92: 310-27, 1982.        [ Links ]

10. VERMOUTH, H.H.J. & VIANO, J.C. Tratamiento antirábico en personas mordidas por animales. Bol. Ofic.sanit.panamer.,81: 57-65, 1976.        [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 22/01/2985
Reapresentado em 25/03/1986
Aprovado para publicação em 08/04/1986

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License