SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue2Relatório anual dos editores, 1989Evaluation of the larval development of Anopheles darlingi (Diptera - Culicidae) raised in the laboratory on different diets author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública vol.24 no.2 São Paulo Apr. 1990

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101990000200002 

EDITORIAL

 

"Limitações" da teoria ecológica da saúde e doença

 

 

Oswaldo Paulo Forattini

Editor

 

 

Encontra-se em andamento, e logrando bastante aceitação por parte de determinada corrente de pensamento, a tentativa um tanto maniqueísta, de combater a teoria que parte do conceito ecológico de saúde. Como se sabe, este a concebe como sendo o estado de perfeita e contínua adaptação do homem ao seu ambiente (Wylie, 1970). As "baterias" que se assentam contra essa concepção partem da premissa de que "o ecológico está limitado ao componente físico-biológico do ambiente no qual vive o homem" (Barbosa, 1985). Com isso, pretende-se acusar os estudos epidemiológicos até agora praticados de, em sua maioria, terem cometido a imperdoável falta de ignorarem, em boa medida, os determinantes sociais da doença. É possível que esse fato tenha ocorrido. No entanto, nem por isso é de se admitir que a teoria ecológica seja encarada como intrinsecamente limitada.

O sentido que atribui significado ecológico ao processo de saúde e doença, embora cientificamente bem alicerçado, de maneira involuntária tem contribuído para a crença errônea de que o estado de sanidade individual e o coletivo constituem objetos de estudo a serem tratados separadamente. Em outras palavras, a saúde da pessoa poderia ser encarada independentemente do estado de saúde da população. Para esse tipo de interpretação teria contribuído a ênfase dada aos fatores biológicos na gênese da doença. Na atualidade, tem crescido a tendência de encarar este fenômeno, não apenas incluindo a participação individual, mas também, e necessariamente, a social. Entre outras conceituações, focaliza-se o "papel de doente" que o indivíduo assume na sociedade, ou seja, a correspondente disfunção social afetando o seu relacionamento com os demais indivíduos normais (Susser, 1973). Assim pois, o processo saúde e doença é visto como sendo de natureza precipuamente social. O conceito de saúde deve ultrapassar os estreitos limites da ausência da doença pois, caso contrário, não se poderá pretender a melhoria da qualidade da vida, mas sim tão somente a mera sobrevivência a qualquer preço (Viniegra, 1985). Com tal orientação, ao invés de na "História Natural da Doença", os estudos tendem a se concentrar em uma suposta "História Social da Doença", cujo objeto principal "deverá ser a distribuição desigual da doença entre os diferentes grupos da sociedade" (Almeida Filho, 1989).

Face a tal situação, cabem comentários. Antes de tudo, é de se admitir que o que disso resulta é aspecto apenas aparentemente discordante. E até porque, os estudos sobre a saúde populacional humana devem obrigatoriamente levar em conta aspectos e fatores tanto biológicos como sociais. Não há motivo plausível para confinar aos primeiros a concepção ecológica de saúde, ou de qualquer relacionamento antrópico. A ecologia humana nunca poderá ignorar a existência da sociedade, como se o organismo do homem fosse simples participante de população destituída de estruturas sociais altamente complexas. E, como está longe de ser apenas geneticamente determinada, à semelhança das de formiga e de abelhas, a sociedade humana, em seus aspectos estruturais e de desenvolvimento cultural, é fator determinante do seu próprio estado de saúde, tanto individual como coletiva.

Isso, porém, deve ser cientificamente encarado mediante o estudo ecológico da população humana em sua própria sociedade, e dos conseqüentes determinantes que daí se originam para o seu estado de saúde. É lícito que o estudo ecológico implique, também e necessariamente, a focalização do comportamento intra-específico na população humana, e de onde se originam os fatores da natureza sócio-econômica e cultural. Assim sendo, a palavra "ambiente" deve ser entendida em seu significado por inteiro, que inclui obrigatoriamente o meio social. Com esse entendimento, o estudo ecológico da dinâmica da saúde e da doença abrange toda a problemática populacional nesse campo. Poder-se-ia falar em teoria sociológica desse processo. Isso, contudo, levará a limitação do conhecimento para outro extremo, porém em tudo análoga à que supostamente se tem atribuído à teoria ecológica.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA FILHO, N. de Epidemiologia sem números. Rio de Janeiro, Ed. Campus, 1989.

BARBOSA, F. S. A epidemiologia como instrumento de transformação. Cad. Saúde públ., Rio de Janeiro, 1: 137-9, 1985.

SUSSER, M. Causal thinking in the health sciences. New York, Oxford University Press, 1973.

VINIEGRA, V. L. Hacia un concepto de salud coletiva. Salud publ. México, 27: 410-8, 1985.

WYLIE, C. M. The definition and measurement of health and disease. Publ. Hlth, Rep., 85:100-4, 1970.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License