SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 issue5Editor Note author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública vol.28 no.5 São Paulo Oct. 1994

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101994000500001 

EDITORIAL

 

Universidade e Tecnologia

 

The University and Technology

 

 

Oswaldo Paulo Forattini

Editor

 

 

Nos países assim ditos do primeiro mundo, verifica-se diferenciação bastante inédita de atribuições, ou seja, aquelas atividades destinadas à pesquisa básica e as das que têm por finalidade o desenvolvimento de produtos comercializáveis. Em editorial precedente, teve-se a oportunidade de considerar a primeira como atribuição precipua da Universidade (Forattini, 1994). No entanto, desde que a segunda propicia o desenvolvimento, surge a questão de considerar se a tecnologia necessária deve ou não medrar no âmbito universitário. O assunto é muito complexo para ser tratado de maneira global, em que pese a orientação geral que foi explanada na supracitada ocasião. Assim sendo, as considerações expostas a seguir serão dedicadas ao campo da saúde pública.

Se bem que a referida distinção tenha sido esmaecida, entre outras causas, pela revolução da biotecnologia, pela ascenção da iniciativa privada invadindo a área acadêmica e pela contínua desvalorização da atividade universitária, ainda persiste divisão de responsabilidades. Dessa maneira, ao menos no campo da saúde, a pesquisa básica seria de atribuição pública enquanto a tecnológica seria predominantemente privada (Godal, 1994). E isso, nos países ricos constitui-se ciclo contínuo no qual a pesquisa resulta em desenvolvimento, este em produção de riqueza e esta em mais pesquisa. Contudo, nos países pobres, ou, como se costuma denominar, nos em desenvolvimento, a pesquisa é insuficiente e, em conseqüência, a produção de riqueza também. Neles haveria de se instalar o supracitado processo, mas, para tanto, ele deveria cobrir, de início, todas as etapas, desde a básica até a identificação das características biossociais próprias da comunidade focalizada. Ocorre que as universidades não têm a função precipua de desenvolver tecnologia e, por sua vez, "desenvolver esta sem se preocupar com a sua produção industrial é perda de tempo" (Raw, 1994).

E então, como fazer em países, como o nosso, nos quais ainda não está em prática, de fato, o binômio universidade-empresa?

Pelo menos no que concerne à área de saúde, até agora tem prevalecido o pessimismo. Para muitos, deve-se deixar agir o livre mercardo. Isso porém não trará solução a curto prazo pois, em grande parte dos casos, as doenças infecciosas do terceiro mundo, por exemplo, afetam populações de baixo poder aquisitivo e, portanto, a produção de medicamentos, ainda que testados e aprovados como eficientes, dificilmente poderá competir com outros setores do mercardo farmacêutico. E isto pode ser aplicado, na sua essência, a outros casos cuja enumeração não caberia fazer aqui.

O que o setor público, como o das universidades oficiais, poderia fazer é desempenhar o seu papel de garantia da compra do produto logo após ser inicialmente produzido. Não se trata de a universidade competir na qualidade, e muito menos, nos custos da produção, mas sim de estabelecer meios de atrair a iniciativa privada para o desenvolvimento tecnológico. Seja mediante a instituição de fundos, públicos e privados, seja através do estabelecimento de incentivos fiscais, seja mediante a participação das entidades oficiais de financiamento da pesquisa.

Dessa maneira, pode-se esperar que a sociedade, graças ao esforço conjunto de seus setores público e privado, assuma o compromisso de pesquisa e o desenvolvimento que levem à solução dos problemas de saúde que a afligem. Há razões para esperar que tal venha a acontecer. E isso porque já se observa a aplicação de novas tecnologias, bem como registraram-se exemplos dessa colaboração nos últimos decênios e, finalmente, porque o Banco Mundial tem recomendado a procura ativa de convênios para a saúde. Assim, pois, como o diz Godal (1994), ao que tudo indica há razões de otimismo e tempos propícios estão por vir na área do desenvolvimento científico para a saúde.

 

Referências Bibliográficas

- FORATTINI, O.P. A Universidade e a pesquisa. Rel. Saúde Pública, 28:175 1994.

- GODAL, T. Fighting the parasites of poverty: public research, private industry, and tropical diseases. Science, 264: 1864-7, 1994.

- RAW, I. Tecnologia para a saúde. Estudos Avançados, 6 (36): 3, 1994.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License