SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número6Definindo prioridades de gestão de ciência e tecnologia em saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão On-line ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública v. 31 n. 6 São Paulo dez. 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101997000700012 

Notas e Informações

Notes and Information

 

Atualização da distribuição geográfica e primeiro encontro de Lutzomyia longipalpis em área urbana no Estado de São Paulo, Brasil

Geographical distribution and first record of Lutzomyia longipalpis in an urban area in S. Paulo State, Brazil

 

Antonio I. P. da Costa, Cláudio Casanova, Lilian A. C. Rodas e Eunice A. B. Galati
Superintendência de Controle de Endemias. São Paulo, SP - Brasil (A.I.P.C., C.C., L.A.C.R.),
Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP - Brasil (E.A.B.G.)

 

 

Lutzomyia longipalpis (Lutz e Neiva, 1912), principal vetor da leishmaniose visceral americana, teve sua presença assinalada no Estado de São Paulo apenas nos Municípios de Salto do Pirapora (Forattini1, 1970), Pirapora do Bom Jesus e Cássia dos Coqueiros (Forattini e col2., 1976). Mais recentemente, informações sobre coletas realizadas pela Superintendência de Controle de Endemias interpolaram novos pontos entre aqueles, possibilitando delimitar a distribuição desta espécie a uma estreita área situada ao longo da Serra da Mantiqueira (Gomes e col.3, 1995). Estes novos encontros ocorreram nos Municípios de Itupeva (33 machos e 28 fêmeas), Socorro (um macho) e Espírito Santo do Pinhal (três machos). Tal distribuição parecia indicar que essa espécie estaria restrita a áreas rurais situadas em terrenos montanhosos com afloramentos de rochas e cobertas originalmente por florestas estacionais semidecíduas.

No entanto, a presença de Lutzomyia longipalpis na cidade de Araçatuba, Estado de São Paulo, recentemente constatada e objeto da presente nota, acrescenta um novo dado que amplia sua distribuição para uma região com características topográfica e paisagística bastante diferentes da anteriormente observada. Esse município situa-se em uma região de planalto com relevo ondulado de espigões duplos e com altitude de aproximadamente 400 m a.n.m., tendo cobertura original de vegetação do tipo cerrados (Secretaria do Meio Ambiente5, 1993), hoje com predomínio de extensas pastagens. Nos meses de abril a agosto de 1997 foram coletados 23 espécimes (14 machos e 9 fêmeas) de Lutzomyia longipalpis em duas residências situadas em área urbana consolidada do Município de Araçatuba. A identificação do material foi realizada pela comparação com exemplares pertencentes à Coleção da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. O local mais próximo de Araçatuba onde a referida espécie já fora encontrada é o Município de Bataguaçu (Martins e col.4, 1978), localizado no Mato Grosso do Sul, a cerca de 200 km daquela cidade.

Ressalta-se a importância epidemiológica desse encontro, tanto pela presença desse vetor em área urbana como pela proximidade e/ou interação com Estados que apresentaram história recente de leishmaniose visceral, como Minas Gerais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. FORATTINI, O. P.; RABELLO, E. X.; PATTOLI, D. G. B. Sobre o encontro de Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, 1912) no Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública, 4:99-100, 1970.         [ Links ]

2. FORATTINI, O. P. ; RABELLO, E. X.; GALATI, E. A. B. Novos encontros de flebotomíneos no Estado de São Paulo, Brasil, com especial referência a Lutzomyia longipalpis. Rev. Saúde Pública, 10:125-8, 1976.         [ Links ]

3. GOMES, A. C.; GALATI, E. A. B.; CASANOVA, C.; DOMINGOS, M. F.; MARQUES, G. R. A. M.; NEVES, V. L. F. C. Analysis of the geographical distribution of leishmaniasis vectors in the State of S. Paulo, Brazil. Bol. Dir. Malariol. Saneam. Amb., 25 (supl. 1): 143-6, 1995.         [ Links ]

4. MARTINS, A. V.; WILLIAMS, P. ; FALCÃO, A. L. American sand flies (Diptera: Psychodidae, Phlebotominae). Rio de Janeiro. Academia Brasileira de Ciências, 1978.         [ Links ]

5. SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Instituto Florestal. Inventário florestal do Estado de São Paulo. São Paulo, 1993.         [ Links ]

 

 

 

Correspondência para/Correspondence to: Eunice A. B. Galati - Av. Dr. Arnaldo, 715 - 01246-904 São Paulo, SP - Brasil. E-mail: egalati@usp.br
Edição subvencionada pela FAPESP (Processo 97/09815-2).
Recebido em 12.11.1997. Aprovado em 2.12.1997.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons