SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue5Rabies in the insectivorous bat Tadarida brasiliensis in Southeastern Brazil"Ecstasy": a pharmacological review author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Rev. Saúde Pública vol. 32 n. 5 São Paulo Oct. 1998

https://doi.org/10.1590/S0034-89101998000500013 

Primeiro registro da presença do Aedes (Stegomyia) albopictus (Skuse) em Mato Grosso do Sul, Brasil

First register of Aedes albopictus presence in Mato Grosso do Sul, Brazil

 

Soraya O. dos Santos e João C. do Nascimento
Fundação Nacional de Saúde do Mato Grosso de Sul. Campo Grande, MS - Brasil

 

 

O primeiro registro do Aedes albopictus no Brasil deu-se em 1986 quando foram identificados por Forattini2, exemplares provenientes do Rio de Janeiro, provavelmente vindos do sul da Ásia através do intercâmbio marítimo com o Sistema Portuário do Espírito Santo. Desde então verifica-se ampla disseminação pelo País, sendo encontrado nos Estados do Maranhão, Minas Gerais, Epírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Distrito Federal3.

Sua importância epidemiológica na transmissão da dengue é reconhecida em áreas rurais, suburbanas e urbana na Ásia, assim como a transmissão da encefalite asiática. Apesar de no Brasil o A . albopictus não ter sido incriminado como vetor da dengue, pode se tornar uma ponte entre os ciclos silvestres e urbano da febre amarela ou outro arbovírus devido a sua capacidade de adaptação em ambientes diversos. A fêmea deposita seus ovos tanto em recipientes naturais como buracos de árvores, cascas de frutas e internódios de bambus2, assim como em uma gama diversificada de recipientes artificiais4, sem contudo ficar dependente do homem como o Aedes aegypti 5.

Em Mato Grosso do Sul foram encontrados no dia 12/12/97 na Vila Cruzaltina, Município de Douradina, formas imaturas de Aedes albopictus durante as atividades de rotina de campo do programa de controle da febre amarela e dengue da Fundação Nacional de Saúde do Ministério da Saúde (FNS/MS). As 3 larvas de 4° estádio e 5 pupas foram coletadas através da extração da água com bomba de sucção manual de um oco do tronco de um abacateiro. Os espécimes foram identificados no laboratório do distrito de Dourados e confirmados pelo Núcleo de Referência Entomológica da FNS/MS.

Vila Cruzaltina está a 40 Km da cidade de Dourados e a 180 Km da capital. Está implantada às margens da estrada que é corredor de escoamento da produção agrícola do Estado, e que liga Mato Grosso do Sul ao Paraguai. O local onde foram encontrados os espécimes é ponto de parada de viajantes (caminhoneiros, turistas, etc) procedentes de todos os cantos do País. Assim, acredita-se que o exemplar tenha imigrado para nosso Estado, por transporte rodoviário, proveniente de algum Estado onde sua ocorrência já foi relatada.

 

REFERÊNCIAS

1. CONSOLI, R.A.G.B. & OLIVEIRA, R de L. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro, Ed. FIOCRUZ., 1994.        [ Links ]

2. FORATTINI, O.P. Identificação de Aedes (Stegomyia) albopictus no Brasil. Rev. Saúde Pública, 20: 244-5, 1986.        [ Links ]

3. GLASSER, C.M. Estudo da infestação do Estado de São Paulo por Aedes aegypti e Aedes albopictus. São Paulo, 1997 [Dissertação de Mestrado - Faculdade de Saúde Pública da USP].        [ Links ]

4. HAWLEY, W.A. The biology of Aedes albopictus. J. Amer. Mosquito Control Ass., 4:2-39,1988.        [ Links ]

5. MOORE, C.G.; FRANCY, D.B.; ELIASON, R.E.; MONATH, T. P. Aedes albopictus in the United State: rapid spread of a potencial disease vector. J. Amer. Mosquito Control Ass., 4: 356-61, 1988.         [ Links ]

 

 

 

Correspondência para/Correspondece to: Soraya O. dos Santos - Rua Jornalista Belizário Lima, 263 -79004-270 Campo Grande, MS - Brasil. E-mail: fnsento@zaz.com.br
Recebido em 13.2.1998. Reapresentado em 24.9.1998. Aprovado em 25.9.1998.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License