SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número6Comunicação relacionada ao uso de agrotóxicos em região agrícola do Estado do Rio de JaneiroIngestão de flúor por crianças pela água e dentifrício índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública v.35 n.6 São Paulo dez. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102001000600011 

Prevalência de fissuras orais de 1975 a 1994
Prevalence of oral clefts from 1975 to 1994, Brazil

Leonor de Castro Monteiro Loffredoa, José Alberto de Souza Freitasb e Ana A Gomes Grigollib

aDepartamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia de Araraquara, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Araraquara, SP, Brasil. bHospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo. Bauru, SP, Brasil

 

 

DESCRITORES
Lábio fissurado, epidemiologia.# Fissura palatina, epidemiologia.# Prevalência. ¾ Fissura lábio-palatina, epidemiologia. Fissuras orais, epidemiologia.
RESUMO

OBJETIVO:
Estimar a prevalência de fissuras orais no Brasil, segundo etiologia e região geográfica.

MÉTODOS:
Foram levantados os registros de casos de fissura oral entre recém-nascidos no período de 1975 a 1994. As fontes de dados foram o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo, o Ministério da Saúde ¾ Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) e a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

RESULTADOS/CONCLUSÕES:
Foram encontrados 16.853 casos novos de fissura oral, estimando-se a prevalência de 0,19 por mil nascidos vivos, com tendência ascendente para os qüinqüênios do período. As regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul apresentaram as maiores taxas. A fissura labial ou lábio-palatina foi mais freqüente (74%) do que a fissura palatina isolada (26%).

KEYWORDS
Cleft lip, epidemiology.# Cleft palate, epidemiology.# Prevalence. - Cleft of lip and palate. Oral cleft, epidemiology.
ABSTRACT

OBJECTIVE:
To estimate the prevalence of oral clefts in Brazil categorized by etiology and geographical region.

METHODS:
Case reports of oral cleft in newborns in the period 1975¾1994 were included in the study. Data was collected using the morbidity certificates of the Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (Craniofacial Abnormalities Rehabilitation Hospital), Ministry of Health data (Datasus), and Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Brazilian Census Bureau).

RESULTS/CONCLUSIONS:
There were 16,853 new cases of oral clefts, with a total prevalence of 0.19 per 1,000 births, and there was an increased prevalence every five years. The highest prevalence were observed in the Midwest, southeast, and south regions. As for the studied categories, cleft lip (or the cleft of lip and palate) was seen in 74% of the cases and isolated cleft palate was seen in 26% of them.

 

 

INTRODUÇÃO

Entre as anomalias congênitas da boca, destacam-se as fissuras orais, que podem ocorrer como transtornos isolados ou associados a outras anomalias de gravidade variável.10 No Brasil existem três estudos a respeito dessa ocorrência: (1) um deles foi realizado em 1968, entre escolares de Bauru, SP, obtendo-se a prevalência de 1,54 por 1.000;7 (2) Souza et al16 analisaram 12.782 prontuários de maternidades e encontraram a prevalência de 0,47 por 1.000 nascidos vivos; (3) e em Porto Alegre, RS, para o período de 1970 a 1974, foi encontrada a prevalência de 0,88 por 1.000 nascidos vivos.1

Existem vários estudos sobre a ocorrência da anomalia em diferentes países, sendo que alguns incluem aspectos referentes à sazonalidade,3,8 à classe social,3 à etnia,9 à idade dos pais,17 ao peso ao nascer,2 ao tabagismo,13 à ingestão de medicamentos15 e à procedência.12 No Brasil, há um trabalho pioneiro sobre possíveis fatores de risco para o aparecimento da anomalia,5 que inclui uma análise quantitativa de alguns dos aspectos citados e outros referentes a poluição, ocupação, consumo de bebida alcoólica, ingestão de drogas, doenças na mãe, exposição a herbicida/pesticida na lavoura, exposição a raio-X na gestação e hereditariedade. Com referência às fissuras labiais ou lábio-palatais, foram apontadas como fatores de risco as variáveis hereditariedade, epilepsia na mãe e ingestão de antiinflamatório na gestação com riscos relativos de, respectivamente, 4,96, 2,39 e 2,59.5 Quanto às fissuras palatinas, as variáveis hereditariedade e poluição foram fatores de risco, com riscos relativos de 2,82 e 2,58, respectivamente.5

O objetivo do presente estudo foi estimar a prevalência de fissuras lábio- palatais no Brasil, segundo região geográfica e tipo etiológico.

 

MÉTODOS

Constituíram material de estudo os registros de casos de fissura oral entre recém-nascidos no Brasil, ocorridos no período de 1º de janeiro de 1975 a 31 de dezembro de 1994.

Foram coletados os registros de casos novos de fissura oral atendidos em um hospital de reabilitação de anomalias craniofaciais, localizado no município de Bauru, SP, segundo ano e procedência. Também foi consultado o Sistema de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) do Ministério da Saúde para o número de casos, segundo ano e procedência.

Para dados de nascidos vivos, foi consultada a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo ano e região geográfica.

Os casos de fissura oral foram analisados segundo as variáveis:

• regiões administrativas do Brasil: agrupadas em região Norte, região Nordeste, região Centro-Oeste, região Sudeste e região Sul;

• etiologia da fissura, agrupada em fissura labial ou lábio-palatina ¾ FL(P) ¾ e fissura palatina ¾ FP.

Foram estimadas as prevalências, apresentadas em tabelas e gráficos de tendência. Para essa estimativa (p), utilizou-se a fórmula a seguir, segundo ano e região geográfica do País:

Para se verificar se existiu uma diferença significante entre duas estimativas de prevalência, foi calculada a razão entre elas (Rp), e construído o respectivo intervalo de 95% de confiança, definido como:

onde:

• Rp = razão de prevalências entre dois períodos ou entre duas áreas;

• C1 = número de casos de fissura oral no período 1 ou da área 1;

• C2 = número de casos de fissura oral no período 2 ou da área 2.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Para o período de 1975 a 1991, segundo os dados do hospital consultado, foram registrados 13.777 casos novos de fissura oral (Tabela 1). Já para o período de 1992 a 1994, observou-se uma discrepância na freqüência de ocorrência de casos registrados segundo duas fontes: o hospital, que registrou 3.076, e o Datasus, 2.777. Optou-se, para o cálculo da prevalência, pelo número máximo de casos registrados por elas que foi de 3.076 casos.

 

 

Era de se esperar que as duas fontes de casos de fissura oral levassem a discrepâncias nos dados apresentados, mesmo porque, para o hospital, seu banco de dados está restrito aos atendimentos lá realizados. No entanto, poderia estar ocorrendo uma subestimação do número de casos existentes, segundo as duas fontes consultadas, tendo como fatores contributários a ocorrência de óbito do portador de fissura oral anteriormente à prestação de assistência médica e, até mesmo, a não acessibilidade dessa assistência.

Prevalência no Brasil

No período de janeiro de 1975 a dezembro de 1994, foram registrados, no País, 16.853 casos novos de fissura oral, tendo a região Sudeste contribuído com 61% deles.

Naquele período, a prevalência foi estimada em 0,19 por 1.000 nascidos vivos; apresentou tendência ascendente, pois valeu 0,11, 0,17, 0,23 e 0,28, respectivamente aos qüinqüênios de 1975 a 1980, 1980 a 1985, 1985 a 1990 e 1990 a 1995. Essa tendência pode ser observada na Figura 1.

 

 

Tomando como referência o período inicial (1975 a 1980), as razões de prevalências foram calculadas, obtendo-se:

• para o período 1980 a 1985, Rp=1,58 (IC: 1,51 a 1,66);

• para o período 1985 a 1990, Rp=2,11 (IC: 2,01-2,21);

• para o período 1990 a 1995, Rp=2,58 (IC: 2,46- 2,70).

Assim, nos últimos 20 anos, a prevalência aumentou em 2,58 vezes. Conjectura-se se tal tendência é decorrente de melhoria contínua na obtenção da informação com o aumento das notificações ou se é decorrente do aumento real do número de casos.

Prevalência segundo região geográfica

Os coeficientes de prevalência, segundo região geográfica, foram calculados ano a ano (Tabela 2).

 

 

O procedimento para a representação gráfica (Figura 2) foi por distribuição do período de estudo em quatro classes: 1975 a 1980, 1980 a 1985, 1985 a 1990 e 1990 a 1995. Dessa forma, haveria mais estabilidade dos dados, permitindo a comparação entre as regiões geográficas e até mesmo entre os períodos para cada região geográfica.

 

 

As regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul apresentaram taxas de prevalência ascendentes no período de estudo. As maiores taxas foram as verificadas para as regiões Centro-Oeste e Sudeste, valendo, respectivamente, 0,48 e 0,47 por 1.000 nascidos vivos, no período de 1990 a 1995.

Embora não se disponha de dados sobre a prevalência das fissuras orais no Brasil, Souza et al16 estudaram anomalias congênitas em sete maternidades do Estado de São Paulo, uma do Rio de Janeiro e uma de Santa Catarina, nos anos de 1981 e 1982, encontrando uma prevalência de 0,47 por 1.000 nascidos vivos ao examinar 12.782 prontuários. Na atual pesquisa, o resultado de prevalência, para a região Sudeste, assemelha-se ao obtido por Souza et al.16 Em Bauru, SP,7 em 1968, a prevalência foi de 1,54 por 1.000 escolares, no primeiro estudo epidemiológico sobre a ocorrência da fissura. Cândido1 analisou os prontuários de hospitais de Porto Alegre, RS, no período de 1970 a 1974, encontrando uma prevalência de 0,88 por 1.000 nascidos vivos.

A região Norte apresentou uma discreta tendência de declínio, e a região Nordeste se apresentou estável, com as menores taxas de prevalência do País (Tabela 2).

Análise da razão de prevalências, para o qüinqüênio 1990 a 1995, entre as regiões Sudeste e Norte, encontrou Rp=4,02 ( IC: 3,33 - 4,70 ), mostrando que a prevalência para a região Sudeste é significativamente maior do que a verificada para a região Norte. As discrepâncias regionais podem ser imputadas à menor exposição da população da região Norte aos fatores de risco ou, o que é mais provável, às falhas na notificação dos casos.

Em situações semelhantes, estão as regiões Norte e Nordeste e, comparativamente às demais regiões, carecem de mais recursos relativos à assistência médico-hospitalar, assim como de acesso às informações, o que pode ocasionar a subestimação do número de casos de fissura oral.

Ocorrência da fissura segundo tipo etiológico

Do total de 16.853 casos de fissura oral registrados no Brasil nos últimos 20 anos, 4.413 se referiram à fissura palatina isolada.

Verificou-se maior proporção de fissuras lábio-palatinas (74%), o que já era esperado, pois esse fato tem sido relatado na maioria dos trabalhos de pesquisa publicados: no Japão8 correspondeu a 78,8%; na Suécia,11 69,1%; na Islândia,6 68,7%; e na Nigéria,4 81%. Exceção seja feita à Finlândia, onde, segundo Saxén12 e Saxén & Lahti,14 verificou-se proporção maior de fissura palatina (57%) devido às características morfológicas distintas que poderiam estar associadas à maior susceptibilidade de sua ocorrência.

No Brasil há poucas publicações sobre a prevalência de fissuras orais. No presente estudo, foi possível estimar sua prevalência pelos dados do hospital responsável pela reabilitação da maioria dos casos e pelo Datasus, que poderia lhe conferir uma limitação. Porém, espera-se que a uniformidade de registros de anomalias congênitas seja alcançada para que se tenha a real dimensão da prevalência da fissura oral.

 

REFERÊNCIAS

1. Cândido TT. Epidemiologia das fendas de lábio e/ou palato: estudo de recém-nascidos em dois hospitais de Porto Alegre, no período de 1970 a 1974 [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 1978.         [ Links ]

2. Conway H, Wagner KJ. Incidence of clefts in New York City. Cleft Palate J 1966;3:384-90.         [ Links ]

3. Fraser FC. Etiology of cleft lip and palate. In: Grabb WC, Rosenstein SW, Bzoch KR, editors. Cleft lip and palate: surgical, dental and speech aspects. Boston: Little Brown; 1971. p. 54-65.         [ Links ]

4. Iregbulen LM. The incidence of cleft lip and palate in Nigeria. Cleft Palate J 1982;19:201-5.         [ Links ]

5. Loffredo LCM, Souza JMP de, Yunes J, Souza-Freitas JA de, Spiri WC. Fissuras lábio-palatais: estudo caso-controle. Rev Saúde Pública 1994;28:213-7.         [ Links ]

6. Moller P. Cleft lip and cleft palate in Iceland. Arch Oral Biol 1965;10:407-20.         [ Links ]

7. Nagem Filho H, Moraes N, Rocha RGF. Contribuição para o estudo da prevalência das más formações congênitas lábio-palatais na população escolar de Bauru. Rev Fac Odontol São Paulo 1968;6:111-28.         [ Links ]

8. Natsume N, Kawai T. Incidence of cleft lip and cleft palate in 39, 696 Japanese babies born during 1983. Int J Oral Maxillofac Surg 1986;15:565-8.         [ Links ]

9. Neel JV. A study of major congenital defects in Japanese infants. Am J Hum Genet 1958;10:398-445.         [ Links ]

10. Pannbacker M. Congenital malformations and cleft lip and palate. Cleft Palate J 1968;5:334-9.         [ Links ]

11. Rintala AE. Epidemiology of orofacial clefts in Finland: a review. Ann Plast Surg 1986;17:456-9.         [ Links ]

12. Saxén I. Cleft lip and palate in Finland: parental histories, course of pregnancy and selected environmental factors. Int J Epidemiol 1974;3:263-70.         [ Links ]

13. Saxén I. Epidemiology of cleft lip and palate: an attempt to rule out chance correlations. Br J Prev Soc Med 1975;29:103-10.         [ Links ]

14. Saxén I, Lahti A. Cleft lip and palate in Finland: incidence, secular, seasonal and geographical variations. Teratology 1974;9:217-23.         [ Links ]

15. Shapiro S, Hartz SC, Siskind V, Mitchell AA, Slone D, Rosenberg L et al. Anticonvulsants and parental epilepsy in the development of birth defects. Lancet 1976;7:272-5.         [ Links ]

16. Souza JMP, Buchalla CM, Laurenti R. Estudo da morbidade e da mortalidade perinatal em maternidades. III-Anomalias congênitas em nascidos vivos. Rev Saúde Pública 1987;21:5-12.         [ Links ]

17. Woolf CM. Paternal age effect for cleft lip and palate. Am J Hum Genet 1963;15:389.         [ Links ]

 

Correspondência para/Correspondence to:
Leonor de Castro Monteiro Loffredo
Departamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia da Unesp
Rua Humaitá, 1680, Caixa Postal 331
14801-903 Araraquara, SP
E-mail: lloffred@foar.unesp.br

Pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq ¾Processo nº 300952/94-5.

Recebido em 14/7/2000. Reapresentado em 12/7/2001. Aprovado em 27/8/2001.