SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue5Reliability of a questionnaire on substance use among adolescent students, BrazilAssociation of dental enamel lead levels with risk factors for environmental exposure author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.44 no.5 São Paulo Oct. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000500009 

ARTIGOS ORIGINAIS

 

Validação da versão brasileira do Youth Risk Behavior Survey 2007

 

Validación de la versión brasilera del Youth Risk Behavior Survey 2007

 

 

Dartagnan Pinto Guedes; Cynthia Correa Lopes

Centro de Educação Física e Esporte. Universidade Estadual de Londrina. Londrina, PR, Brasil

Correspondência | Correspondence

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Validar as propriedades psicométricas da versão brasileira do questionário Youth Risk Behavior Survey (YRBS), versão 2007.
MÉTODOS: Foram realizadas tradução para o português da versão original do YRBS2007 e retrotradução para o inglês. As versões do questionário foram analisadas por comitê de juízes. O comitê utilizou como critério de análise as equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual. Para identificação das propriedades psicométricas, a versão final do questionário YRBS2007 traduzida foi administrada em duas ocasiões com intervalo de duas semanas em amostra de 873 estudantes de ambos os sexos, do ensino médio, em Londrina, PR, em 2007. A confiabilidade teste-reteste foi analisada pelo cálculo do índice de concordância Kappa e da taxa de prevalência de cada comportamento de risco nas réplicas de aplicação. Teste de qui-quadrado foi empregado para identificar diferenças estatísticas entre a primeira e a segunda aplicações do questionário.
RESULTADOS: Após discretas modificações apontadas nos processos de tradução, o comitê de juízes considerou que a versão para o idioma português do YRBS2007 apresentou equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual. Diferenças significativas entre as taxas de prevalências de ambas as aplicações foram observadas em 23,4% dos itens. A identificação de 91% dos itens com índice de concordância Kappa entre moderado a substancial e valor médio desse índice de 68,6% indicou a qualidade das propriedades psicométricas do YRBS2007 traduzido para o idioma português.
CONCLUSÕES: A tradução, a adaptação transcultural e as qualidades psicométricas do questionário YRBS2007 foram satisfatórias, o que viabiliza sua aplicação em estudos epidemiológicos no Brasil.

Descritores: Tradução (Produto). Questionários. Comportamento do Adolescente. Psicometria. Reprodutibilidade dos Testes. Brasil.


RESUMEN

OBJETIVO: Validar las propiedades psicométricas de la versión brasileña del cuestionario Youth Risk Behavior Survey (YRBS), versión 2007.
MÉTODOS: Se realizó traducción al portugués de la versión original del YRBS-2007 y retrotraducción al inglés. Las versiones del cuestionario fueron analizadas por comité de árbitros. El comité utilizó como criterio de análisis las equivalencias semántica, idiomática, cultural y conceptual. Para identificación de las propiedades psicométricas, la versión final del cuestionario YRBS-2007 traducida fue administrada en dos ocasiones con intervalo de dos semanas en muestra de 873 estudiantes de ambos sexos, de la enseñanza de secundaria, en Londrina, Sur de Brasil, en 2007. La confiabilidad prueba-re-prueba fue analizada por el cálculo del índice de concordancia kappa y de la tasa de prevalencia de cada comportamiento de riesgo en las réplicas de aplicación. Se empleó la prueba de chi-cuadrado para identificar diferencias estadísticas entre la primera y la segunda aplicación del cuestionario.
RESULTADOS: Posterior a las discretas modificaciones señaladas en los procesos de traducción, el comité de árbitros consideró que la versión en el idioma portugués del YRBS-2007 presentó equivalencias semántica, idiomática, cultural y conceptual. Diferencias significativas entre las tasas de prevalencias de ambas aplicaciones fueron observadas en 23,4% de los ítems. La identificación del 91% de los ítems con índice de concordancia kappa entre moderado-a-sustancial y valor promedio de dicho índice de 68,6% indicaron la calidad de las propiedades psicométricas del YRBA-2007 traducido al idioma portugués.
CONCLUSIONES: La traducción, la adaptación transcultural y las calidades psicométricas del cuestionario YRBS-2007 fueron satisfactorias, lo que viabiliza su aplicación en estudios epidemiológicos en Brasil.

Descriptores: Traducción (Producto). Cuestionario. Conducta del Adolescente. Psicometría. Reproductibilidad de Resultados. Brasil.


 

 

INTRODUÇÃO

O Youth Risk Behavior Surveillance System (YRBSS) é um programa de vigilância, idealizado no final da década de 1980 pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC). É direcionado a monitorar os comportamentos de risco que contribuem para as principais causas de problemas sociais, morbidades e mortalidade entre os jovens norte-americanos. Os dados que o norteiam são obtidos mediante aplicação do questionário auto-administrado Youth Risk Behavior Survey (YRBS), que envolve questões relacionadas a seis categorias de comportamentos: a) lesões não-intencionais e violência; b) uso de tabaco; c) consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas; d) comportamento sexual voltado à gravidez indesejada e às doenças sexualmente transmissíveis; e) hábitos alimentares; e f) prática de atividade física.7

A primeira versão do questionário YRBS resultou de extensiva pesquisa e testagem de campo, e foi utilizada pelo CDC na condução do primeiro levantamento nacional em 1991. Os levantamentos são realizados bienalmente, os questionários são revisados e eventuais modificações são propostas antes de cada coleta de dados. Em 1997, o CDC elaborava os objetivos do Healthy People 2010 e, para garantir as informações necessárias a esse programa, sugeriu modificações na versão YRBS1999 que geraram 16 novas questões, eliminação de 11 e adaptações em outras 14.3 As versões de 2001, 2003, 2005 e 2007 apresentaram modificações discretas.

No Brasil, não existem programas sistematizados de vigilância do conjunto de comportamentos de risco para a saúde da população jovem. Os estudos concentram resultados em comportamentos isolados, como consumo de bebidas alcoólicas e uso de tabaco,11,13,18,21 consumo de drogas ilícitas,8,15,19 hábitos alimentares1,6,16,20 e prática de atividade física.9,14,16,17 Instrumentos padronizados em português para o levantamento das informações não são facilmente identificados. Questionários específicos para cada estudo são elaborados a partir de adaptações de diferentes instrumentos, o que pode comprometer a qualidade das propriedades psicométricas e dificultar comparações entre estudos.

Carlini-Cotrin et al5 traduziram e aplicaram o questionário YRBS1995 em estudantes de duas salas de aula de sexto e sétimo anos do ensino fundamental de uma escola estadual da cidade de São Paulo, SP, com o intuito de testar sua clareza e adequação. Realizaram discretas modificações para adaptar o questionário à realidade brasileira. Apesar de relevante, o estudo não ofereceu a devida atenção ao rigor metodológico aos processos de tradução e adaptação de questionários para outras culturas. Tais limitações sugerem cautela na utilização do questionário traduzido e adaptado nessas condições.

O objetivo do presente estudo foi validar as propriedades psicométricas da versão brasileira do instrumento Youth Risk Behavior Survey, versão 2007.

 

MÉTODOS

Os protocolos de tradução e adaptação transcultural acompanharam procedimentos sugeridos por Guillemin et al.10 A tradução inicial do idioma original (inglês) para o português foi realizada de maneira independente por dois pesquisadores especialistas no YRBS. Os dois docentes tinham como idioma nativo o português e amplo domínio do idioma inglês, com experiência em traduções de textos acadêmicos. Além da tradução, foi solicitado que registrassem expressões que poderiam oferecer dúbia interpretação.

Um grupo bilíngüe formado por três pesquisadores da área da saúde comparou os textos traduzidos, uniformizando o uso de expressões divergentes, e foi produzida uma versão única do questionário, que sintetizou as duas anteriores. Em seguida, ocorreu a retrotradução do questionário por dois outros tradutores de maneira independente. Os tradutores escolhidos para essa etapa tinham como idioma nativo o inglês, domínio do idioma português e atuação como docente universitário em instituição brasileira. Solicitou-se aos tradutores que registrassem expressões que pudessem gerar dúvidas no processo de retrotradução. O grupo bilíngüe comparou ambos os textos retrotraduzidos, produzindo versão única.

Um comitê analisou o processo de tradução e os resultados alcançados nas etapas anteriores. O comitê foi formado por nove membros, incluindo os autores do estudo, tradutores que participaram do processo de tradução/retrodução e três docentes universitários da área de saúde, todos bilíngües inglêsportuguês. O comitê realizou revisão das sete versões do questionário YRBS disponível: versão original em língua inglesa, duas versões traduzidas para o idioma português, versão síntese de ambas as traduções para o idioma português, duas versões de retrotradução e versão síntese de ambas as retrotraduções.

O comitê realizou apreciação dos tipos de equivalências entre o questionário original e a versão em português. Os membros receberam orientações por escrito sobre o objetivo do estudo e as definições adotadas para as equivalências. Cada um respondeu individualmente a um formulário de análise que comparava cada questão com a respectiva opção de resposta do questionário original, da versão síntese traduzida para o idioma português e da versão síntese de retrotradução, em relação às equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual. O formulário de análise foi estruturado mediante escala diferencial com alternativas discretas: "inalterada", "pouco alterada", "muito alterada" e "completamente alterada".

Foi realizada testagem do questionário traduzido para o português, com o intuito de investigar dificuldades e sugestões dos jovens quanto à compreensão das questões. O questionário foi aplicado experimentalmente pelos autores do estudo em 140 jovens de 14 a 18 anos (81 do sexo feminino e 59 do sexo masculino), estudantes do ensino médio de escolas de Londrina, PR, em abril de 2007. Os resultados foram considerados após nova apreciação pelos membros do comitê de análise bilíngüe.

Para identificação das propriedades psicométricas, foi investigado aspecto de confiabilidade relacionado à reprodutibilidade, mediante réplicas de aplicação do questionário YRBS Versão 2007 traduzido. A população-alvo do estudo foi constituída por estudantes de ambos os sexos, de 14 a 21 anos, matriculados em escolas da rede pública de ensino médio de Londrina. De acordo com informações da Secretaria de Educação do Estado do Paraná, no ano letivo de 2007, essa população era estimada em aproximadamente 20 mil estudantes. A amostra representativa foi obtida por processo probabilístico por conglomerados, tendo como referência o número de estudantes quanto a sexo, idade, série e turno em que estava matriculado em cada escola. O tamanho da amostra foi estabelecido assumindo prevalências de 50%, intervalo com 95% de confiança (IC 95%), erro amostral de 3% e acréscimo de 10% para eventuais recusas e perdas na coleta dos dados. Definiu-se efeito do delineamento da amostra (deff) equivalente a 1,5, prevendo amostra mínima de 820 escolares. A amostra final foi composta por 873 adolescentes. A coleta de dados foi realizada entre agosto e novembro de 2007. As características demográficas são apresentadas na Tabela 1.

 

 

A sala de aula sorteada foi visitada pelos pesquisadores e os estudantes foram esclarecidos quanto aos objetivos da pesquisa, princípios de sigilo, de não-identificação no estudo e de não-influência no desempenho escolar.

A sala de aula foi revisitada e aqueles escolares que apresentaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido assinado receberam um envelope contendo duas cópias do questionário YRBS Versão 2007 traduzido para o português com a mesma codificação. Os estudantes retiraram uma cópia do questionário, colocaram seus respectivos nomes na parte externa dos envelopes e devolveram aos pesquisadores que acompanhavam a aplicação. Em seguida, receberam as instruções para o autopreenchimento do questionário e a informação quanto à disposição dos pesquisadores para eventuais esclarecimentos. Após o preenchimento e a devolução do questionário codificado, este foi armazenado em uma urna juntamente com os demais.

Após 14 dias, ocorreu a réplica de aplicação do questionário. A sala de aula foi revisitada, os estudantes que participavam do estudo receberam o envelope com seu nome e foram instruídos a retirar o questionário, a rasgar e a colocar no lixo os envelopes. As orientações seguintes foram idênticas às da primeira aplicação.

Dois procedimentos foram utilizados para a análise da reprodutibilidade: o cálculo do índice de concordância Kappa tradicional e as taxas de prevalência da primeira e da segunda aplicação do questionário. O cálculo do índice de concordância Kappa, acompanhado dos respectivos IC 95%, foi determinado para cada um dos itens do questionário, exceto para os itens 6 e 7, classificados como variáveis numéricas e que, portanto, implicaram no cálculo do coeficiente de correlação intraclasse. Concordância de grupos de itens do YRBS2007 traduzido para o português de acordo com indicadores demográficos, período de referência e categoria de comportamento de risco foi analisada mediante valores de mediana e média dos índices Kappa. As taxas de prevalência da primeira e da segunda aplicações foram determinadas a partir de uma das alternativas de respostas de cada item do questionário, seguindo as orientações metodológicas do YRBSS em dicotomizar as respostas em "com risco" e "sem risco".4 Diferenças estatísticas entre as taxas de prevalência da primeira e da segunda aplicações foram estimadas mediante teste de qui-quadrado (χ2). Os dados foram analisados utilizando-se o pacote estatístico SPSS versão 15.0.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Estadual de Londrina (Parecer nº 073/07). O Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foi assinado pelos pais ou responsáveis dos participantes.

 

RESULTADOS

Discretas divergências no uso de expressões foram observadas nas etapas do processo de tradução. As divergências foram discutidas no comitê de análise e prevaleceram as expressões de mais fácil compreensão e de uso freqüente entre os jovens, para facilitar o entendimento. Na formulação de questões em que a tradução literal revelou questionamentos na utilização da expressão "quão freqüentemente", gramaticalmente correta no idioma português, porém, de uso pouco comum entre os adolescentes, optou-se pela expressão "com que freqüência". As dificuldades e sugestões apresentadas pelo grupo de jovens não apontaram necessidade de alterações.

Dos 87 itens que compõem o YRBS, em 79% deles os membros do comitê de análise apontaram como "inalterada" as equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual. Nos 21% restantes, os membros do comitê apontaram como "pouco alterada" pelo menos uma das equivalências. A Tabela 2 apresenta a síntese dos ajustes realizados nesses itens. Nenhum item da versão traduzida do questionário YRBS Versão 2007 apresentou as opções "muito alterada" ou "completamente alterada" assinaladas em comparação com a versão original.

Os indicadores estatísticos associados às propriedades psicométricas são apresentados na Tabela 3. O índice de concordância Kappa variou de 31,6% a 100%, com valor médio de 68,6% e mediana 68,5%. Recorrendo às considerações qualitativas sugeridas por Landis & Koch,12 68,3% dos itens alcançaram no mínimo reprodutibilidade "substancial" (Kappa > 61%), e 90,6% dos itens alcançaram pelo menos reprodutibilidade "moderada" (Kappa > 41%). Oito itens (9,4%) apresentaram índice de concordância Kappa < 41%. Baseando-se no teste de χ2, 23,4% dos itens mostraram taxas de prevalências nas réplicas de aplicação do questionário significativamente diferentes. Entre os 19 itens que apresentaram diferenças significativas entre as taxas de prevalências da primeira e da segunda aplicações, nove itens apresentaram índice de concordância Kappa menor que 61%. Os itens relacionados ao auto-relato das medidas de massa corporal e estatura apresentaram coeficiente de correlação intraclasse 0,98 e 0,97, respectivamente.

A Tabela 4 apresenta valores de mediana, média e IC 95% dos índices de concordância Kappa de grupos de itens do YRBS2007 traduzido para o português, de acordo com indicadores demográficos, período de referência e categoria de comportamento de risco. A análise de reprodutibilidade indica que estudantes de ambos os sexos do período diurno, em comparação com os rapazes e os estudantes do período noturno, tenderam a apresentar índice de concordância Kappa de maior magnitude; no entanto, as diferenças encontradas não foram apontadas estatisticamente. Os escores de Kappa entre as séries e os grupos etários foram similares. Quanto ao período de referência, os itens envolvendo "sete dias" apresentaram escores para o índice de concordância Kappa significativamente menores quando comparados aos itens de períodos mais prolongados. Os itens que apontaram períodos de referência equivalentes a "30 dias" e a "12 meses" apresentaram escores de Kappa similares, enquanto aqueles com período referente a "durante a vida" e sem referência a tempo apresentaram os maiores escores para os índices Kappa.

 

 

Hábitos alimentares e prática de atividade física apresentaram escores equivalentes aos índices Kappa significativamente menores que as demais categorias. A categoria comportamento sexual obteve o maior escore de Kappa, seguida pelo uso de tabaco, consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas, outros tópicos relacionados à saúde e lesões não-intencionais e violência. Dos itens que fazem referência ao período equivalente a "sete dias", oito referem-se aos hábitos alimentares e dois à prática de atividade física. Exceto para período de referência "sete dias", hábitos alimentares e prática de atividade física, os grupos apresentaram escores equivalentes aos índices Kappa substanciais (> 61%).

 

DISCUSSÃO

A etapa de tradução do questionário não apresentou dificuldades na sua realização devido à metodologia adotada e à estrutura simples e objetiva de formulação dos itens do YRBS2007. A tradução inicial realizada pelos dois tradutores foi pouco modificada nas etapas subseqüentes. A retrotradução, quando comparada ao questionário original, apresentou discretas discrepâncias, resultantes de ajustes realizados para atender a especificidades de determinados itens. A análise das equivalências semântica, idiomática, cultural e conceitual, equivalente à adaptação transcultural, como a etapa de tradução, indicou que o questionário foi de fácil tradução.

A análise das equivalências mostrou que os domínios do YRBS2007 são apropriados e os atributos utilizados na versão original do questionário são igualmente válidos para a cultura-alvo, o que atende à equivalência cultural. A equivalência conceitual indicou que poucos itens necessitaram de ajustes. Os itens puderam ser considerados de maneira semelhante ao formato original, indicando, mais uma vez, que a estrutura de formulação dos itens do YRBS2007 foi bem elaborada. No que se refere à equivalência idiomática, a versão traduzida mostrou que aproximadamente 80% das questões foram avaliadas como "inalterada" e as demais como "pouco alterada" entre as versões original e retrotraduzida do questionário. Nenhum membro do comitê de análise considerou algum item como "pouco alterado", quando da comparação entre as versões dos questionários original, traduzido e retrotraduzido, o que sugere equivalência semântica.

Brener et al2 administraram a versão YRBS1991 por duas ocasiões, com intervalo de 14 dias, em estudantes norte-americanos. Os resultados apontaram escores do índice de concordância Kappa entre 14,5% e 91,1%, com 72% dos itens apresentando Kappa > 61%. Não foram identificadas diferenças significativas entre as prevalências de réplicas de aplicação do questionário. Neste mesmo estudo, a análise por grupo etário mostrou que melhor consistência nas respostas foi encontrada entre os jovens com idades > 12 anos. Estudo com delineamento semelhante foi realizado envolvendo a versão original do YRBS1999,3 em que os resultados mostraram escores do índice kappa entre 23,6% e 90,5%, com média de 60,7%, e 47,2% dos itens com Kappa > 61%. Aproximadamente 22% dos itens apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre as prevalências da primeira e da segunda aplicações do questionário.3

O índice de concordância Kappa na réplica de aplicação do questionário traduzido para o português apontou reprodutibilidade de moderada a substancial na maioria dos itens. A proporção 68,3% dos itens com índice de concordância Kappa > 61% foi inferior ao encontrado na análise do YRBS1991 (72%) e superior ao encontrado na análise do YRBS1999 (47,2%). Isso sugere que esta proporção encontra-se no limite esperado. Brenner et al2,4 assumiram os valores do Kappa dos estudos como adequados para instrumentos do tipo questionário. A média do índice Kappa encontrada no YRBS2007 traduzido (68,6%) foi superior à média do índice Kappa da versão original do YRBS1999 (60,7%). Os dados das versões originais do YRBS1999 e do YRBS2007 traduzidas foram semelhantes: 23,4% dos itens do YRBS2007 no idioma português e 22% dos itens do YRBS1999 na versão original apresentaram diferenças significativas entre as prevalências da primeira e da segunda aplicações. Os itens que apresentaram diferenças significativas entre as taxas de prevalência de réplicas de aplicação do questionário e índice de concordância Kappa < 61% mostraram reprodutibilidade questionável, sendo necessária cautela ao interpretar suas informações.

Não foram apontadas diferenças estatisticamente significativas quanto ao sexo, ao ano de estudo e ao grupo etário nos indicadores de reprodutibilidade entre a versão traduzida do YRBS2007 e a original. Quanto ao período de referência de tempo, "sete dias" apresentou índice Kappa significativamente menor que os outros períodos de referência. Os períodos de referência "30 dias" e "12 meses" apresentaram valores similares e os períodos de referência "durante a vida" e sem referência a tempo apresentaram os mais elevados escores para os índices Kappa. A versão YRBS1999 não apresenta o período de referência "sete dias"; em ambos os estudos o período de referência "durante a vida" destacou-se quanto à magnitude do índice Kappa. Os hábitos alimentares e a prática de atividade física apresentaram os menores índices Kappa, como no YRBS1999. Enquanto no YRBS1999 a categoria uso de tabaco apresentou o maior índice Kappa, no YRBS2007 traduzido o comportamento sexual apresentou o maior índice Kappa, seguido do uso de tabaco, consumo de bebidas alcoólicas e outras drogas, outros tópicos relacionados à saúde e lesões não-intencionais e violência. No grupo dos itens que apresentaram diferenças significativas entre as taxas de prevalência de réplicas de aplicação do questionário e índice Kappa < 61%, mais da metade são itens associados aos hábitos alimentares, à prática de atividade física e a outros tópicos relacionados à saúde.

Era esperado que a análise da reprodutibilidade do YRBS1999 em sua versão original e do YRBS2007 traduzido apontasse menor concordância entre réplicas de aplicação do questionário para os itens ligados aos hábitos alimentares, à prática de atividade física e a outros tópicos relacionados à saúde. Comportamentos relacionados ao uso de substâncias, como tabaco, bebidas alcoólicas e drogas, à atividade sexual e às condutas que envolvem rebeldia, como direção perigosa e violência, podem ser mais proeminentes e considerados de maior importância entre os jovens que comportamentos relacionados ao cotidiano (hábitos alimentares e prática de atividade física). Os baixos escores para o índice Kappa (< 41%) e a inconsistência entre as taxas de prevalência de réplicas de aplicação do questionário podem refletir mudanças de comportamento no período de 14 dias.

Jovens maiores de 17 anos e que freqüentavam as aulas no período diurno apresentaram escores mais elevados do índice Kappa em comparação aos jovens de 14 a 17 anos e que freqüentavam as aulas no período noturno. Estudos envolvendo o YRBS apontaram maior reprodutibilidade entre jovens com mais idade.2,3 Quanto ao período de estudo, parece haver diferenciação entre os estudantes do ensino médio que freqüentavam as escolas nos períodos diurno e noturno, em razão do desempenho de trabalho remunerado por estudantes. Na amostra selecionada para o presente estudo, 22,1% dos estudantes que freqüentavam as aulas no período diurno afirmaram realizar algum tipo de trabalho remunerado, em comparação com 64,9% dos estudantes que freqüentavam as aulas no período noturno, e, entre estes, 37% realizava trabalho em tempo integral (40 horas/semana). Os alunos do período noturno têm mais idade e, por estarem no mercado de trabalho, permanecem mais próximos de um ambiente adulto não-familiar, apresentam certa independência e podem apresentar comportamentos menos rotineiros, influenciando a mudança de comportamentos em prazos relativamente curtos, como o intervalo de 14 dias entre as aplicações do questionário.

O YRBS2007 traduzido para o português mostrou ser um questionário capaz de reunir informações relacionadas aos comportamentos de risco para a saúde de jovens brasileiros. A metodologia de tradução adotada proporcionou qualidade e segurança à tradução. A estrutura simples e objetiva de formulação dos itens da versão original do YRBS2007 contribuiu para o êxito desta fase.

A adaptação transcultural indicou que os domínios abordados pelo questionário são apropriados à cultura dos jovens brasileiros e que alguns itens necessitaram de pequenos ajustes. A identificação das propriedades psicométricas da versão traduzida para o idioma português do YRBS2007 apontou elevada reprodutibilidade dos itens.

 

REFERÊNCIAS

1. Andrade RG, Pereira RA, Sichieri R. Consumo alimentar de adolescentes com e sem sobrepeso do município do Rio de Janeiro. Cad Saude Publica. 2003;19(5):1485-95. DOI:10.1590/S0102-311X2003000500027        [ Links ]

2. Brener ND, Collins JL, Kann L, Warren CW, Williams BI. Reliability of the Youth Risk Behavior Survey Questionnaire. Am J Epidemiol. 1995;141(6):575-80.         [ Links ]

3. Brener ND, Kann L, McManus T, Kinchen SA, Sundberg EC, Ross JG. Reliability of the 1999 Youth Risk Behavior Survey Questionnaire. J Adolesc Health. 2002;31(4):336-42. DOI:10.1016/S1054-139X(02)00339-7        [ Links ]

4. Brener ND, Kann L, Kinchen SA, Grunbaum JA, Whalen L, Eaton D, et al. Methodology of the Youth Risk Behavior Surveillance System. MMWR Recomm Rep. 2004;53(RR-12):1-13.         [ Links ]

5. Carlini-Cotrim B, Gazal-Carvalho C, Gouveia N. Comportamentos de saúde entre jovens estudantes das redes pública e privada da área metropolitana do Estado de São Paulo. Rev Saude Publica. 2000;34(6):636-45. DOI:10.1590/S0034-89102000000600012        [ Links ]

6. Dalla Costa MC, Cordoni Jr L, Matsuo T. Hábito alimentar de escolares adolescentes de um município do oeste do Paraná. Rev Nutr. 2007;20(5):461-71. DOI:10.1590/S1415-52732007000500002        [ Links ]

7. Eaton DK, Kann L, Kinchen S, Shanklin S, Ross J, Hawkins J, et al. Youth risk behavior surveillance-United States, 2007. MMWR Surveill Summ. 2008;57(4):1-131.         [ Links ]

8. Galduróz JCF, Noto AR, Nappo SA, Carlini EA. Trends in drug use among students in Brazil: analysis of four surveys in 1987, 1989, 1993 and 1997. Braz J Med Biol Res. 2004;37(4):523-31. DOI:10.1590/S0100-879X2004000400009        [ Links ]

9. Guedes DP, Guedes JERP, Barbosa DS, Oliveira JA. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Rev Bras Med Esporte. 2001;7(6):187-99. DOI:10.1590/S1517-86922001000600002        [ Links ]

10. Guillemin F, Bomabardier C, Beaton D. Cross-cultural adaptation of health-related quality of life measures: literature review and proposed guidelines. J Clin Epidemiol. 1993;46:1417-32. DOI:10.1016/0895-4356(93)90142-N        [ Links ]

11. Horta RL, Horta BL, Pinheiro RT, Morales B, Strey MN. Tabaco, álcool e outras drogas entre adolescentes em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil: uma perspectiva de gênero. Cad Saude Publica. 2007;23(4):775-83. DOI:10.1590/S0102-311X2007000400005        [ Links ]

12. Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1997;33(1):159-74. DOI:10.2307/2529310        [ Links ]

13. Machado Neto AS, Cruz AA. Tabagismo em amostra de adolescentes escolares de Salvador Bahia. J Pneumol. 2003;29(5):264-72. DOI:10.1590/S0102-35862003000500004        [ Links ]

14. Matsudo SMM, Araújo TL, Matsudo VKR, Andrade DR, Vaquer W. Nível de atividade física em crianças e adolescentes de diferentes regiões de desenvolvimento. Rev Bras Ativ Fis Saude. 1998;3(4):14-26.         [ Links ]

15. Muza GM, Bettiol H, Muccillo G, Barbieri MA. Consumo de substâncias psicoativas por adolescentes escolares de Ribeirão Preto, SP (Brasil). I Prevalência do consumo por sexo, idade e tipo de substância. Rev Saude Publica. 1997;31(1):21-9. DOI:10.1590/S0034-89101997000100005        [ Links ]

16. Nunes MMA, Figueiroa JN, Alves JGB. Excesso de peso, atividade física e hábitos alimentares entre adolescentes de diferentes classes econômicas em Campina Grande (PB). Rev Assoc Med Bras. 2007;53(2):130-4. DOI:10.1590/S0104-42302007000200017        [ Links ]

17. Silva RCR, Malina RM. Nível de atividade física em adolescentes do município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saude Publica. 2000;16(4):1091-7. DOI:10.1590/S0102-311X2000000400027        [ Links ]

18. Souza DPO, Silveira Filho DX. Uso recente de álcool, tabaco e outras drogas entre estudantes adolescentes trabalhadores e não trabalhadores. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(2):276-87. DOI:10.1590/S1415-790X2007000200015        [ Links ]

19. Tavares BF, Béria JU, Lima MS. Fatores associados ao uso de drogas entre adolescentes escolares. Rev Saude Publica. 2004;38(6):787-96. DOI:10.1590/S0034-89102004000600006        [ Links ]

20. Toral N, Slater B, Cintra IP, Fisberg M. Comportamento alimentar de adolescentes em relação ao consumo de frutas e verduras. Rev Nutr. 2006;19(3):331-40. DOI:10.1590/S1415-52732006000300004        [ Links ]

21. Vieira PC, Aerts DRGC, Freddo SL, Bittencourt A, Monteiro L. Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares em município do sul do Brasil. Cad Saude Publica. 2008;24(11):2487-98. DOI:10.1590/S0102-311X2008001100004        [ Links ]

 

 

Correspondência | Correspondence:
Dartagnan Pinto Guedes
Campus Universitário CEFE/UEL
Rod. Celso Garcia Cid (PR 445) Km 380
86051-990 Londrina, PR, Brasil
E-mail: darta@sercomtel.com.br

Recebido: 21/5/2009
Aprovado: 12/4/2010

 

 

Os autores declaram não haver conflito de interesses.