SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue2Physical activity and correlates among adults living in Ribeirão Preto, Southeastern BrazilAvoidable deaths until months of age among children from the 2004 Pelotas birth cohort author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • text in Portuguese | English
  • English (pdf) | Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Rev. Saúde Pública vol.45 no.2 São Paulo Apr. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011000200011 

ARTIGOS ORIGINAIS

 

Confiabilidade do questionário Lista de Atividades Físicas em crianças

 

Confiabilidad del Cuestionario Lista de Actividades Físicas en niños

 

 

Fernando AdamiI; Fernanda CrucianiI; Michelle DouekII; Carolina Dumit SewellII; Aline Brandão MariathIII; Patrícia de Fragas HinnigIII; Silvia Rafaela Mascarenhas FreazaIII; Denise Pimentel BergamaschiIV

IPrograma de Pós-Graduação em Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
IICurso de Graduação em Nutrição. USP. São Paulo, SP, Brasil
IIIPrograma de Pós-Graduação em Nutrição em Saúde Pública. FSP-USP. São Paulo, SP, Brasil
IVDepartamento de Epidemiologia. Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil

Correspondência | Correspondence

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Avaliar a confiabilidade do questionário Lista de Atividades Físicas em crianças.
MÉTODOS: O estudo é parte da adaptação transcultural do questionário, realizado com 83 escolares de sete a dez anos, matriculados do segundo ao quinto ano do ensino fundamental da cidade de São Paulo, SP, em 2008. O questionário foi respondido pela criança por meio de entrevista individual, apresenta lista com 21 atividades físicas moderadas a vigorosas realizadas no dia anterior, é dividido em períodos (antes, durante e após a escola) e possui seção de avaliação da entrevista. O questionário permite quantificar: tempo em atividades físicas e sedentárias; e custos metabólicos total e ponderado. A confiabilidade foi avaliada comparando-se duas entrevistas realizadas com intervalo médio de três horas. Para a seção C (avaliação da entrevista), compararam-se dados da primeira entrevista e de um avaliador externo. Utilizaram-se a proposta de Bland & Altman e os coeficientes de correlação intraclasse e de correlação de concordância de Lin na avaliação da confiabilidade.
RESULTADOS: Os limites inferiores dos coeficientes de correlação intraclasse para os desfechos analisados variaram de 0,84 a 0,96. A precisão e concordância variaram, respectivamente, de 0,83 a 0,97 e de 0,99 a 1. A reta estimada a partir de pares de valores obtidos nas duas aplicações para atividade física indica elevada precisão dos dados. O item da entrevista com pior resultado foi a habilidade em estimar tempo (regular em 27,7% das entrevistas). Os itens da seção C apresentaram coeficientes de correlação intraclasse entre 0,60 e 0,70, exceto o nível de cooperação (0,46).
CONCLUSÕES: A Lista de Atividades Físicas apresenta alta confiabilidade para aferir atividade física e sedentária do dia anterior em crianças.

Descritores: Criança. Atividade Motora. Avaliação. Questionários. Reprodutibilidade dos Testes.


RESUMEN

OBJETIVO: Evaluar la confiabilidad del cuestionario Lista de Actividades Físicas en niños.
MÉTODOS: El estudio es parte de la adaptación transcultural del cuestionario, realizado con 83 escolares de siete a diez años, matriculados del 2º al 5º año de enseñanza fundamental de la ciudad de Sao Paulo, Sureste Brasil, en 2008. El cuestionario fue respondido por el niño por medio de entrevista individual, presenta lista con 21 actividades físicas moderadas a vigorosas realizadas en el día anterior, es dividido en períodos (antes, durante y posterior a la escuela) y posee sección de evaluación de la entrevista. El cuestionario permite cuantificar: tiempo en actividades físicas y sedentarias; y costos metabólicos total y ponderado. La confiabilidad fue evaluada comparándose dos entrevistas realizadas con intervalo promedio de tres horas. Para la Sección C (evaluación de la entrevista), se compararon datos de la primera entrevista y de un evaluador externo. Se utilizaron propuesta de Bland y Altman y los coeficientes de correlación intraclase y de correlación de concordancia de Lin en la evaluación de la confiabilidad.
RESULTADOS: Los límites inferiores de los coeficientes de correlación intraclase para los resultados analizados variaron de 0,84 a 0,96. La precisión y depuración variaron, respectivamente, de 0,83 a 0,97 y de 0,99 a 1. La recta estimada a partir de pares de valores obtenidos en las dos aplicaciones para actividad física indica elevada precisión de los datos. El ítem de la entrevista con peor resultado fue la habilidad en estimar tiempo (regular en 27,6% de las entrevistas). Los itens de la Sección C presentaron coeficientes de correlación intraclase entre 0,60 y 0,70, excepto el nivel de cooperación (0,46).
CONCLUSIONES: La Lista de Actividades Físicas presenta alta confiabilidad para contrastar actividad física y sedentaria del día anterior en niños.

Descriptores: Niño. Actividad Motora. Evaluación. Cuestionario. Reproducibilidad de Resultados.


 

 

INTRODUÇÃO

É conhecida a associação da prática de atividade física com desfechos de saúde em todas as idades, sobretudo no tratamento e prevenção da obesidade infantil.12,18

A aferição da atividade física é um processo complexo por ser um construto com mais de um domínio - lazer, doméstica, transporte e ocupacional - e sua quantificação depende do tipo, intensidade, duração e freqüência da atividade.4,15 O Physical Activity Checklist Interview (PACI)23 é um questionário para aferição de atividades físicas de crianças. Seguindo procedimentos de adaptação transcultural propostos por Herdman et al10,11 (1997, 1998) e de operacionalização segundo Reichenheim & Moraes19 (2007), Cruciani et al6 (2011) propuseram sua versão brasileira, denominada "Lista de Atividades Físicas" (LAF). Para tal, cumpriram-se as etapas de apreciação das equivalências conceitual, de itens e semântica.

O objetivo do presente estudo foi avaliar a confiabilidade do LAF em crianças, como parte da apreciação de suas propriedades psicométricas.

 

MÉTODOS

Participaram do estudo alunos do segundo ao quinto ano do ensino fundamental na cidade de São Paulo, SP, em 2008. Calculou-se o tamanho amostral em 83 escolares, sorteados segundo uma amostra aleatória simples do total (n = 240), com o objetivo de estimar o coeficiente de correlação intraclasse populacional (ρI) com intervalo de 95% de confiança, unicaudal, ρ0= 0,85, precisão de 10% e duas réplicas.24

O LAF foi aplicado por meio de entrevista individual em dia escolar e permitiu aferir atividade física e sedentária do dia anterior. O instrumento contém uma parte inicial com orientações gerais e instruções para a entrevista (Anexo).

Para reforçar a habilidade da criança em estimar o tempo em atividade física, são utilizados um relógio analógico e figuras geométricas que representam 5, 15 e 30 minutos. São fornecidos exemplos de atividades cotidianas, questionando-se quais duram mais ou menos que cinco minutos.

O questionário divide-se em seções A, B e C. Na seção A são preenchidos os dados da criança, série, horário de início e fim da entrevista. A seção B destina-se ao preenchimento do tempo de engajamento (minutos) em 21 tipos de atividades moderadas a vigorosas (engajamento por cinco ou mais minutos) realizadas nos períodos antes, durante e depois da escola, bem como do tempo em atividades sedentárias (assistindo televisão/vídeo ou usando computador/videogame antes e depois da escola). A seção C é destinada à avaliação da entrevista quanto à atenção da criança, habilidade para se lembrar do tipo de atividade e tempo de engajamento, cooperação, credibilidade da entrevista e avaliação geral, e deve ser preenchida pelo entrevistador após o término da entrevista.

O LAF quantifica: tempo (min) em atividades sedentárias (AS); tempo (min) em atividades físicas moderadas a vigorosas (AF); custo metabólico total das atividades relatadas (min x valor de MET de cada atividade física - CMT); e custo metabólico total ponderado (min x valor de MET x ajuste pela percepção do esforço - CMTp).

A percepção de esforço para cada atividade física é dada por meio da pergunta: "Quando você <andou de bicicleta> por 5 minutos ou mais ontem <antes da escola>, você sentiu dificuldade para respirar ou sensação de cansaço nunca, às vezes ou na maior parte do tempo?". Se a intensidade da atividade física for de leve a moderada (MET até 5,9), multiplica-se por 1,1 (às vezes) ou 1,25 (maior parte do tempo). Para atividades com intensidade vigorosa (MET > 6), multiplica-se por 0,75 (nunca) ou 1,25 (na maior parte do tempo).23 Os valores de MET foram obtidos do Compêndio de Atividades Físicas de Ainsworth et al1 (1993).

Foram realizadas duas aplicações do LAF por dois entrevistadores, com intervalo médio de três horas entre as aplicações (antes e após o intervalo escolar). As seções A, B e C foram preenchidas pelos entrevistadores e a seção C também foi preenchida por um avaliador externo. Entrevistadores e avaliadores externos participaram de um treinamento que compreendia a explicitação dos objetivos da pesquisa, o estudo do LAF e discussões sobre as "Instruções para Entrevista".

Os dados dos questionários foram digitados em duplicata, com verificação de validade da digitação.ª Utilizou-se o programa Stata, versão 10.0, para a análise estatística.b

Na avaliação de confiabilidade, compararam-se os valores das duas entrevistas (seção B) e, para a avaliação da entrevista (seção C), foram comparados os dados da primeira entrevista com os do avaliador externo. O coeficiente de correlação intraclasse (CCI) e o respectivo intervalo de 95% de confiança (IC95%),8 a abordagem de Bland & Altman2 (1999) e o coeficiente de correlação de concordância de Lin13,14 (1989, 2000) foram utilizados na análise.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (12/11/2007, Protocolo nº 1598). Os responsáveis pelas crianças assinaram termo de consentimento livre e esclarecido.

 

RESULTADOS

Dos 83 escolares participantes, 42 eram meninos e 41 meninas, com idade média de 9,3 anos (valor mínimo = 7,1; valor máximo = 10,9; desvio-padrão - dp = 1,0 ano). Devido à ocorrência de outliers, identificados por diferenças excessivas nos resultados entre a primeira e a segunda entrevista, optou-se pela exclusão de três escolares das análises de atividade física e nove das análises de atividades sedentárias; um escolar apresentou problema em ambos: basquete antes da escola (1ª entrevista - E = 30 min; 2ª E = 5 min); futebol antes da escola (1ª E = 90 min; 2ª E = 60 min); vôlei antes da escola (1ª E = 60 min; 2ª E = 7 min); brincadeiras antes da escola (1ª E = 0 min; 2ª E = 90 min); brincadeiras ao ar livre antes da escola (1ª E = 30 min; 2ª E = 0 min); pular corda antes da escola (1ª E = 30 min; 2ª E = 10 min); tarefas ao ar livre antes da escola (1ª E = 30 min; 2ª E = 0 min); brincadeiras ao ar livre durante a escola (1ª E = 30 min; 2ª E = 0 min).

Não existe diferença entre sexos para as variáveis de estudo (Tabela 1). Em ambos os sexos, o tempo médio em atividade física moderada a vigorosa (AF) foi de 88 min (IC95%: 75;101) e de atividade sedentária (AS), 104 min (IC95%: 80;127). O valor médio e o IC95% do CMT foi de 528,5 MET (445,2;611,7) e do CMTp, 503,1 MET (424,2;582,0).

Comparando-se os valores de AF, AS, CMT e CMTp nas duas entrevistas, observa-se que o limite inferior do CCI variou entre 0,84 e 0,96. Os valores de precisão (r) e acurácia em relação à concordância perfeita (Cb) variaram, respectivamente, de 0,826 a 0,972 e de 0,985 a 1 (Tabela 2).

A Figura 1 mostra que a reta proveniente dos dados apresenta estimativas de inclinação e intercepto similares aos da reta de 45º, indicando alta concordância (precisão) dos dados provenientes do LAF. A Figura 2 indica independência entre a magnitude e a dispersão dos valores das medidas de AF das duas entrevistas.

As diferenças médias de AF, CMT, CMTp e AS foram de 4,48 min, 17,8 MET, 25,8 MET, e 1,35 min, respectivamente. A partir dos limites de concordância, observa-se que a primeira aplicação subestima AF em 95% das vezes em até 50 minutos; CMT em até 294,6 MET; CMTp em até 298,4 MET; e AS em até 47,4 min (Figura 2, Tabela 2).

A duração média da entrevista foi de 27 minutos (dp = 7 min). Na avaliação geral da seção C (Tabela 3), 13,3% das entrevistas foram classificadas como regulares e 86,7% como boas, muito boas ou excelentes. Os seguintes itens foram classificados como bons, muito bons ou excelentes: atenção do participante (95,2%) e nível de cooperação (96,4%). A habilidade dos participantes em lembrar as atividades realizadas no dia anterior e a credibilidade das entrevistas apresentaram resultados semelhantes, com 14,5% classificadas como regulares. A habilidade para estimar tempo apresentou maior percentagem de casos classificados como regulares (27,7%); o restante apresentou conceito bom, muito bom ou excelente.

Os valores de CCI variaram entre 0,60 e 0,70, exceto para "nível de cooperação" (CCI = 0,46) (Tabela 3). Os intervalos de confiança para todos os itens foram amplos, indicando baixa precisão no processo de estimação dos parâmetros.

Na categoria "outras atividades", foram citadas: alongamento (n = 10), karatê (n = 4), skate (n = 2), handebol, ioga, cabo de guerra, andar de patins e brincadeira de luta (n = 1).

 

DISCUSSÃO

As estimativas pontuais do CCI para AF, CMT, CMTp e AS foram menores no estudo original:23 0,64, 0,65, 0,65 e 0,75, respectivamente, quando comparadas aos limites inferiores das estimativas por intervalo no estudo atual (0,84 a 0,96). Tais diferenças podem ser justificadas pelas diferentes metodologias utilizadas. No original, os valores do PACI foram obtidos por meio de entrevista individual e a segunda aplicação foi autopreenchida por toda a classe. No presente estudo, procurou-se criar condições experimentais idênticas nas duas aplicações.

As estimativas de confiabilidade do presente estudo são superiores a grande parte dos resultados de questionários do dia anterior para crianças, que apontam valores de CCI de 0,17,27 0,59,25 0,6022 e 0,94.20 No estudo de Ridley et al20 (2006), o instrumento foi usado em 32 crianças australianas de nove a 13,5 anos, com intervalo médio de 4 horas entre aplicações, enquanto para os outros instrumentos estas foram realizadas em dias separados. Segundo Patterson17 (2000), o intervalo de tempo entre as aplicações em um estudo de confiabilidade deve ser de tal forma que os dias avaliados se sobreponham, evitando-se variabilidade devido ao dia da semana.

O período de aferição captado pelo instrumento constitui objeto de estudos, e os mais utilizados para aferir atividade física de crianças são os questionários do dia anterior.26 Para Cale3 (1994), instrumentos que solicitam a lembrança de atividades realizadas em períodos como a última semana, mês ou ano podem ser inapropriados para crianças. Assim, um ponto positivo do LAF é diminuir a chance de viés de memória.

As pequenas diferenças médias encontradas nos valores obtidos das duas aplicações para AF, CMT, CMTp e AS (4,48 min; 17,8 MET; 25,8 MET e 1,35 min, respectivamente) indicam boa confiabilidade do LAF. Entretanto, os limites de concordância de Bland & Altman2 (1999) apresentam grande amplitude. É possível que o LAF seja mais apropriado para a caracterização de atividade física de grupos populacionais do que individuais. Apoiando essa hipótese, tem-se os valores semelhantes de limites de concordância descritos por Ridley et al20 (2006), que, pela estratégia de Bland & Altman2 (1999), observaram valores de -53,4 e 51,2 minutos. Ridley et al20 (2006) argumentam que, apesar do alto CCI, seus resultados revelam ampla variação nos limites de concordância, sugerindo que o instrumento possa ser mais confiável para estimativas de grupos do que individuais.

Ao comparar os resultados da avaliação da entrevista (seção C) do PACI23 com os do presente estudo, observa-se que os percentuais de entrevistas avaliadas como muito boas ou excelentes foram similares (respectivamente): atenção do participante: 67% vs 60,3%; habilidade para lembrar as atividades: 54% vs 56,7%; habilidade para estimar o tempo: 41% vs 36,1%; nível de cooperação: 83% vs 77,1%; credibilidade da entrevista: 53% vs 57,8%; avaliação geral da entrevista: 56% vs 57,8%. Em ambos os estudos, os resultados apontam que crianças têm dificuldade em estimar o tempo das atividades realizadas no dia anterior.

Contudo, os itens da seção C do LAF apresentaram baixos valores de confiabilidade. Sugere-se que tal seção seja utilizada para identificar crianças com escores baixos e assim realizar outra entrevista.

O compêndio de Ainsworth et al1 (1993) foi utilizado para o cálculo dos escores de atividades físicas (ponderado e não ponderado), assim como no estudo original, o que permite comparar valores de confiabilidade entre os estudos. Esse compêndio1 foi proposto para a população adulta e, ainda que Ridley et al21 (2008) tenham publicado um específico para crianças e adolescentes, ainda não há estudos suficientes que adotem tal compêndio para reforçar sua utilização.

O formato do LAF tem como referência o período escolar (antes, durante e após a escola); portanto, não permite a aferição de atividades físicas realizadas no final de semana. O ambiente escolar é descrito na literatura como favorecedor de maior nível de atividade física, uma vez que as crianças têm a oportunidade de participar de brincadeiras, jogos e de aulas que promovam atividade física, incluindo educação física.7 Essa pode ser uma das razões pelas quais crianças parecem ser mais ativas durante a semana do que em finais de semana.7,9,16 Do ponto de vista do LAF, o efeito de quantificar a AF somente durante a semana interfere na estimativa semanal. Entretanto, em estudos de associação e correlação é possível que não haja necessidade da quantificação semanal, mas sim de identificar crianças mais ou menos ativas. Acredita-se que a análise da AF durante os dias escolares possa produzir informações suficientes para qualificar grupos populacionais relativos à quantidade de atividade física.

O relato da atividade física depende da maturidade cognitiva do respondente,15 conforme observado na exclusão de 11 crianças, sugerindo que as informações fornecidas antes da entrevista não seriam suficientes para contornar tal situação. Como a maioria das exclusões refere-se às atividades sedentárias (n = 9), supõe-se que a dificuldade na quantificação esteja relacionada à baixa percepção na identificação dos momentos de início e fim de realização das atividades sedentárias. Tornam-se necessários estudos adicionais que explorem estratégias para minimizar a dificuldade de aferição desse tipo de atividade.

Pode-se aplicar o LAF em crianças que freqüentem a escola no turno da manhã; entretanto, o período após a escola será maior do que no formato original. Do ponto de vista da aferição da atividade física, esse fato não interfere nos resultados, uma vez que os indicadores de atividade física são propostos originalmente para o dia como um todo e não por períodos.

O LAF apresenta características importantes para instrumentos de aferição de atividade física específicos para crianças:3,5 administração por entrevista, avaliação do dia anterior, questionário respondido pela própria criança, questionário com lista de atividades físicas e divisão do dia em períodos, além de instruções que orientam o entrevistador.

O LAF apresenta alta confiabilidade para aferição de atividade física em crianças de sete a dez anos. Por ser uma adaptação transcultural de um instrumento validado na cultura do país de origem, é recomendada a apreciação de sua validade na cultura-alvo.

 

AGRADECIMENTOS

Ao Prof. Vanderlei Pinheiro Bispo, diretor, e à Profª Luciana Sedano de Souza, orientadora pedagógica, pela autorização para a realização do estudo na Escola de Aplicação da Universidade de São Paulo.

 

REFERÊNCIAS

1. Ainsworth BE, Haskell WL, Leon AS, Jacobs Jr DR, Montoye HJ, Sallis JF, et al. Compendium of physical activities: classification of energy costs of human physical activities. Med Sci Sports Exerc. 1993;25(1):71-80. DOI:10.1249/00005768-199301000-00011        [ Links ]

2. Bland JM, Altman DG. Measuring agreement in method comparison studies. Stat Methods Med Res. 1999;8(2):135-60. DOI:10.1191/096228099673819272        [ Links ]

3. Cale L. Self-report measures of children's physical activity: recommendations for future development and a new alternative measure. Health Educ J. 1994;53(4):439-53. DOI:10.1177/001789699405300408        [ Links ]

4. Caspersen CJ, Powell KE, Christensen GM. Physical activity, exercise and physical fitness: Definitions and distinction for health-related research. Public Health Rep. 1985;100(2):126-31.         [ Links ]

5. Corder K, Ekelund U, Steele RM, Wareham NJ, Brage S. Assessment of physical activity in youth. J Appl Physiol. 2008;105(3):977-87. DOI:10.1152/japplphysiol.00094.2008        [ Links ]

6. Cruciani F, Adami F, Assunção NA, Bergamaschi DP. Equivalência conceitual, de itens e semântica do Physical Activity Checklist Interview (PACI). Cad. Saude Publica. 2011;27(1):19-34. DOI:10.1590/S0102-311X2011000100003        [ Links ]

7. Deforche B, Bourdeaudhuij ID, D'hondt E, Cardon G. Objectively measured physical activity, physical activity related personality and body mass index in 6-to 10-yr-old children: a cross-sectional study. Int J Behav Nutr Phys Act. 2009;14:6-25.         [ Links ]

8. Fleiss JL. The design and analysis of clinical experiments. New York: John Wiley & Sons; 1986.         [ Links ]

9. Gavarry O, Giacomoni M, Bernard T, Seymat M, Falgairette G. Habitual Physical Activity in children and adolescents during school and free days. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(3):525-31. DOI:10.1249/01.MSS.0000053655.45022.C5        [ Links ]

10. Herdman M, Fox-Rushby J, Badia X. "Equivalence" and the translation and adaptation of health-related quality of life questionnaires. Qual Life Res. 1997;6(3):237-47. DOI:10.1023/A:1026410721664        [ Links ]

11. Herdman M, Fox-Rushby J, Badia X. A model of equivalence in the cultural adaptation of HRQoL instruments: the universalist approach. Qual Life Res.1998;7(4):323-35. DOI:10.1023/A:1008846618880        [ Links ]

12. Katzmarzyk PT, Baur LA, Blair SN, Lambert EV, Oppert JM, Riddoch C. International conference on physical activity and obesity in children: summary statement and recommendations. Int J Pediatr Obes. 2008;3(1):3-21. DOI:10.1080/17477160701789679        [ Links ]

13. Lin LI. A concordance correlation coefficient to evaluate reproducibility. Biometrics. 1989;45(1):255-68. DOI:10.2307/2532051        [ Links ]

14. Lin LI. A note on the concordance correlation coefficient. Biometrics. 2000;56(1):324-5.         [ Links ]

15. Livingstone MBE, Robson PJ, Wallace JMW, McKinley MC. How active are we? Levels of routine physical activity in children and adults. Proc Nutr Soc. 2003;62(3):681-701. DOI:10.1079/PNS2003291        [ Links ]

16. Nader PR, Bradley RH, Houts RM, McRitchie SL, O'Brien M. Moderate-to-Vigorous Physical Activity From Ages 9 to 15 years. JAMA. 2008;300(3):295-305.         [ Links ]

17. Patterson P. Reliability, Validity and Methodological Response to the Assessment of Physical Activity Via Self-Report. Res Q Exerc Sport. 2000;71(2 Suppl):15-20.         [ Links ]

18. Pedersen BK, Saltin B. Evidence for prescribing exercise as therapy in chronic disease. Scand J Med Sci Sports. 2006;16(Suppl 1):S3-63. DOI:10.1111/j.1600-0838.2006.00520.x        [ Links ]

19. Reichenheim ME, Moraes CL. Operacionalização de adaptação transcultural de instrumentos de aferição usados em epidemiologia. Rev Saude Publica. 2007;41(4):665-73. DOI:10.1590/S0034-89102006005000035        [ Links ]

20. Ridley K, Olds TS, Hill A. The Multimedia activity recall for children and adolescents (MARCA): development and evaluation. Int J Behav Nutr Phys Act. 2006;3:10. DOI:10.1186/1479-5868-3-10        [ Links ]

21. Ridley K, Ainsworth BE, Olds TS. Development of a compendium of energy expenditures for youth. Int J Behav Nutr Phys Act. 2008;5:5-45. DOI:10.1186/1479-5868-5-45        [ Links ]

22. Sallis JF, Buono MJ, Roby JJ, Micale FG, Nelson JA. Seven-day recall and other physical activity self-reports in children and adolescents. Med Sci Sports Exerc. 1993;25(1):99-108. DOI:10.1249/00005768-199301000-00014        [ Links ]

23. Sallis JF, Strikmiller PK, Harsha DW, Feldman HA, Ehlinger S, Stone EJ, et al. Validation of interviewer-and self-administered physical activity checklists for fifth grade students. Med Sci Sports Exerc. 1996; 28(7):840-51. DOI:10.1097/00005768-199607000-00011        [ Links ]

24. Shoukri MM. Measures of interobserver agreement. Boca Raton: CRC Press; 2004.         [ Links ]

25. Treuth MS, Sherwood NE, Baranowski T, Butte NF, Jacobs Jr DR, McClanahan B, et al. Physical activity self-report and accelerometry measures from the Girls health Enrichment Multi-site Studies. Prev Med. 2004;38 (Suppl):43-9. DOI:10.1016/j.ypmed.2003.01.001        [ Links ]

26. Welk GJ, Corbin CB, Dale D. Measurement issues in assessment of physical activity in children. Res Q Exerc Sport. 2000;71(Suppl 2):59-73.         [ Links ]

27. Welk GJ, Wickel E, Peterson M, Heitzler CD, Fulton JE, Potter LD. Reliability and Validity of Questions on the Youth Media Campaign Longitudinal Survey. Med Sci Sports Exerc. 2007;39(4):612-21. DOI:10.1249/mss.0b013e3180305c59        [ Links ]

 

 

Correspondência | Correspondence:
Denise Pimentel Bergamaschi
Av. Doutor Arnaldo, 715
Cerqueira César
01246-904 São Paulo, SP, Brasil
E-mail: denisepb@usp.br

Recebido: 6/4/2010
Aprovado: 8/9/2010
Pesquisa financiada pelo Programa de Incentivo à Pesquisa da Universidade de São Paulo (Nº Processo: 2006-1.24313.1.4).

 

 

Parte da tese de doutorado de Adami F, a ser defendida na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.
Os autores declaram não haver conflitos de interesse.
a Dean AG, Arner TG, Sunki GG, Friedman R, Lantinga M, Sangam S, et al. Epi Info, a database and statistics program for public health professionals. Atlanta: Centers for Disease Control and Prevention; 2002
b StataCorp. Stata Statistical Software: Release 7.0. College Station: Stata Corporation; 2001.

 

 


Anexo - Clique aqui para ampliar

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License