SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número2Investigação sobre a passagem transplacentária de microfilárias de Wuchereria bancrofti em recém-nascidos de mães microfilarêmicasT lymphocyte subsets evaluation in patients with pulmonary tuberculosis using theophylline modulation índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

versão On-line ISSN 1678-9946

Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo v.33 n.2 São Paulo mar./abr. 1991

https://doi.org/10.1590/S0036-46651991000200003 

ARTIGOS ORIGINAIS

 

Anatomopatologia e imunofluorescência direta e indireta das lesões de pênfigo foliáceo endêmico resistentes à corticoterapia(1)

 

Pathology, direct and indirect immunofluorescent test of lesions of pemphigus foliaceous resistent to corticotherapy

 

 

Vitor Manoel Silva dos ReisI; Luiz Carlos CucéII; Evandro Ararigbóia RivittiIII

IProf. Adjunto de Dermatologia da Faculdade de Medicina de Santo Amaro (OSEC). São Paulo, SP, Brasil
IIProf. Titular de Dermatologia da Faculdade de Medicina de Santo Amaro (OSEC). São Paulo, SP, Brasil
IIIProf. Titular de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP, Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

São estudados 16 doentes de pênfigo foliáceo endêmico (PFE), sob tratamento com corticosteróides, que ainda apresentavam lesões eritemato-pápulo-verrucosas, geralmente hiperpigmentadas, que foram caracterizadas como lesões resistentes à corticoterapia (LRC).
O estudo destas lesões foi feito através de anatomopatologia e de imunofluorescência direta (IFD).
Anatomopatologicamente essas lesões mostraram tendência à hiperplasia epitelial e clivagem em níveis variáveis na epiderme o que difere dos achados nas lesões recentes do PFE e coincide com os achados nas lesões crônicas do PFE da era pré-corticóide.
A IFD da pele lesada foi positiva para IgG em 93,75% dos casos, como ocorre nas fases iniciais do PFE, tendo sido negativa no único caso em que não houve clivagem.
Adicionalmente, em oito desses doentes, foram estudados a IFD da pele sã e a imunofluorescência indireta (IFI). A IFD foi positiva em três destes casos e a IFI foi negativa nos oito.

Unitermos: Pênfigo foliáceo; Corticóide; Imunofluorescência; Anatomopatologia.


SUMMARY

A group of 16 patients with endemic pemphigus foliaceus under corticotherapy and still showing erythematous, papulous, verrucous, in general hyperpigmented lesions, which were characterized as cortico therapy resistant lesions, were studied.
Such study was made through anatomopathology and direct immunofluorescence (DIF).
Anatomopathologically, such lesions showed tendencies to epitelial hyperplasia and cleavage in variable levels at the epidermis what differs from the early lesions of EPF and coincides with the chronic injuries of the EPF of the pre-corticoid era.
The DIF of the injured skin was positive for IgG in 93.75% of cases, as it happens in the early stages of EPF, being negative in a simple case in which there was not cleavage.
In addition, in eight of those patients, the DIF of the healthy skin and the indirect immunofluorescence (IIF) were studied. The DIF was positive in three of these cases and in all eight the IIF was negative.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 


AGRADECIMENTOS

Agradecemos à Dra. Helena Müller e ao Dr. Gilles Landman pela colaboração nos exames anatomopatológicos, e à Bióloga Lucy Miyauchi pela colaboração nos testes de imunofluorescên-cia.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ALAYON, F.L. — Contribuição ao estudo do pênfigo foliáceo no Brasil. Rev. Med. Cirurg. S. Paulo, 8: 385-466, 1948.        [ Links ]

2. ALEIXO, J. — Introdução ao estudo dos aspectos residuais do pênfigo foliáceo. Belo Horizonte, Imprensa Oficial, 1962.         [ Links ]

3. CASTRO, R.M. & PROENÇA, N.G. — Semelhanças e diferenças entre fogo selvagem e pênfigo foliáceo de Cazenave. An. bras. Derm., 58: 137-139, 1983.         [ Links ]

4. CHORZELSKI, T.P.; JABLONSKA, S. & BLANZCYR, R. — Immunopathological investigations in the Senear-Usher Syndrome (coexistence of pemphigus and lupus erythematosus). Brit. J. Derm., 80: 211-217, 1968.        [ Links ]

5. FRIEDMAN, H. — Contribuição à padronização da reação de imunofluorescência indireta para o pênfigo foliáceo endémico. Brasília, 1988. (Dissertação de mestrado - Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília).         [ Links ]

6. FURTADO, F.A. — Histopathology of pemphigus foliaceus. Arch. Derm., 80: 60-71, 1959.         [ Links ]

7. HADLER, W.A. — Classificação do pénfigo foliáceo baseada em dados anátomo-clínicos e hematológicos. Arq. Derm. Sif. S. Paulo, 11: 29-56, 1947.         [ Links ]

8. LEVER, W.F. — Histopathology of skin. 5ª. ed. Philadelphia, J.B. Lippincott Company, 1975. Cap. 7, p. 112-113.         [ Links ]

9. MATIS, W.L.; ANHALT, G.J.; DIAZ, L.A.; RIVITTI, E.A. & BERGER, R.S. — Calcium enhances the sensitivity of immunofluorescence for pemphigus antibodies. J. invest. Derm., 89: 302-304, 1987.         [ Links ]

10. NANNI, M.E. — Pênfigo foliáceo sulamericano — estudo histopatológico das lesões resistentes à corticoterapia. Campinas, 1976. (Dissertação de Mestrado - Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas).         [ Links ]

11. PROENÇA, N.G.; NANNI, M.E. & CASTRO, R.M. — Estudo clínico das lesões resistentes à corticoterapia em doentes de pênfigo foliáceo sulamericano. Derm. ibero lat. amer., 3: 213-222, 1971.         [ Links ]

12. PROENÇA, N.G. — Declínio do pênfigo foliáceo no Estado de São Paulo (Brasil). Rev. paul. Med., 89: 97-100, 1977.         [ Links ]

13. VIEIRA, J.P. — Considerações sobre pênfigo foliáceo. São Paulo, Empresa Gráfica da "Revista dos Tribunais". 1948.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dr. Vitor Manoel Silva dos Reis
Av. Santo Amaro, 6554
CEP 04702, São Paulo, SP, Brasil

Recebido para publicação em 26/7/1990.
Aceito para publicação em 4/3/1991.

 

 

(1) Dissertação de Mestrado apresentada à Escola Paulista de Medicina. Curso de Pós-Graduação. Área de Dermatologia. São Paulo, SP, Brasil.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons