SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 issue5Prevalência de helmintos em escolares de 7-14 anos na cidade de SalvadorFase aguda da esquistossomose mansoni author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.6 no.5 Uberaba Sept./Oct. 1972

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821972000500005 

Fauna Triatominae no Estado da Bahia, Brasil. As espécies e distribuição geográfica

 

 

Ítalo A. Shetlock; Elizete M. Serafim

Prof. Assistente do Departamento de Parasitoiogia do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia

 

 


RESUMO

Este é a primeira de uma série de publicações sobre os triatomíneos do Estado da Bahia, com base nos dados obtidos na inspeção de 889.972 domicílios de 11.045 localidades do Estado, nos anos de 1957 a 1971, quando se coletaram 33.588 exemplares do hemíptero.
Foram identificadas 18 espécies pertencentes a 4 gêneros, conforme a seguir e relatado. Triatoma rubrovária, referida em antiga citação, não mais ocorre no Estado. Triatoma bahiensis perdeu sua validade específica, sendo considerada apenas urna variedade de T. pessoal. Existem também variedades de outras espécies, as quais serão estudadas com mais detalhes noutros trabalhes futuros.
Panstrongylus megistus é principalmente abundante na faixa litorânea do Estado, com florestas latifoleadas, onde as condições de umidade são elevadas e oclima, é tropical quente e úmido. É a espécie considerada de maior importância na transmissão da Doença de Chagas na Bahia.
T. brasiliensis foi encontrada comumente nas áreas de clima estépico com vegetação xerófila. A sua presença em áreas de clima, tropical quente e úmido, foi traduzida como sendo uma variedade da espécie. O seu encontro em áreas de florestas latifoleadas úmidas com clima de selvas, foi aceito como devido, possivelmente, ao transporte mecânico.
Verificou-se que T. infestans, antes limitada ao paralelo 16° nos climas mesotérmicos está se disseminando, provavelmente por ação mecânica para áreas possuidoras de características climáticas diversas.
T. sórdida foi encontrada somente nas áreas de clima seco seguindo de uma maneira geral o curso dos rios.
T. rubrofasciata permaneceu com sua distribuição limitada a duas cidades coloniais na zona litorânea, rarefazendo-se nestes últimos anos, provavelmente devido a higienização por que passam os locais de sua antiga penetração.
O gênero Rhodnius que é representado pelo R. negletus, constou de um só exemplar coletado num domicílio, em zona de clima, estéptico com vegetação xerófila.
Do género Psamolestes, foi considerada como a única espécie ocorrente o F. tertius. Esta espécie está disseminada por todo o Estado, dependendo provavelmente a sua distribuição da dos ninhos das aves nos quais colonizam.
As seguintes espécies também ocorrem, porém em menor densidade, às vezes sendo representadas por achados fortuitos, e tem limitadas áreas de distribuição no Estado: P. diasi. P. geniculatus, P. lutzi, T. costalimai, T. lenti, T maculata, T. melanocephala, P. pessoai, T. petrochii e T. tíbíamacuiata.


ABSTRACT

This is the first of a series on the Triatominae (Hemiptera. Reduviidae) of the State of Bahia, Brazil. Surveys were made, of 889,972 dwellings in 11,04s localities of the State and 33,588 bugs were collected. Four genera and eighteen species of Triatominae were identified, as follows.
Triatoma bahiensis Sherlock & Serafim, 1967 is here considered to be a synonym of subspecies of T. pessoai Sherlock & Serafim, 1967. Other subspecies or races of other Triatominae have been encountered in Bahia and will be considered fully elsewhere.
Panstrongylus megistus (Burmeister, 1835) is more abundant in the littoral areas with tropical climate, high humidity and broad-leaved forest vegetation. P. megistus is considered to be the most important vector of Chagas Disease in the State of Bahia.
T. brasiliensis Neiva, 1911 is principally found in areas with an arid climate and xerophilic vegetation. It was also found in some areas with tropical humid climate, where it maybe a different race. Some specimens were also caught in areas with a cooler climate and vegetation of moist broad-leaved forest. The spread of T. brasiliensis to this area is considered to be due to human agency.
T. iniestans Klug, 1834, once limited in Brazil to temperate areas south of the 16th parallel, has been spreading northward through areas with diverse climate characteristics, possibly due to accidental means.
T. sordida (Stal, 1859) was found to have a riverain distribution in areas with dry climate.
T. rubrofasciata (e Geer. 1773) is limited to two old colonial ports in the State. Years ago it was quite abundant in these places. Improvements in sanitary conditions in recent years probagly account for the present scarcity of ihis species in both localities.
The following species were found in small numbers and in limited areas: P. diasi (Pinto & Lent), P. geniculatus (Latreille), P. lutzi (Neiva & Lent), T. costalimai Verano & Galvao, T. lenti Sherlock & Serafim, T. maculata Erickson, T. melanocephala Neiva & Pinto, T. pessoai Sherlock & Serafim. T. petrochii Pinto & Barreto, and T. tibiamaculata Pinto.
A single specimen of Rhodnius neglectus Lent, 1940 was caught, for the first time, in a house in a dry area of the northwest part of the State.
Of the genus Psamolestes, only P. tertius Lent & Juberg, 1965 was found all over the State. This species was restricted to suitable bird nests, which are its normal habitat.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Referências Bibliográficas

1. AGUIRRE, G. H. - Palestra proferida no Congresso Estadual de prefeitos em março de 1954. Salvador - Bahia (Mimeografada), 1954.         [ Links ]

2. ANDRÉA, R. - Chuvas na Bahia. Publicação do Departamento Nac. de Obras Contra Secas. 4o Distrito, Estado da Bahia, 26 mapas, 180 tabelas. 1962.         [ Links ]

3. Anônimo - Campanha contra a Doença de Chagas em Salvador. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 4: 202, 1952.         [ Links ]

4. ARAGÃO, J. M. B. de: AGUIRRE, G. H.: LEAL, J. M. & SERAFIM, E. - Contribuição ao conhecimento da distribuição geográfica dos triatomíneos domiciliários e seus índices de infecção natural pelo Schizotrypanum cruzi no Estado da Bahia. Rev. Brasil. Mal. D. Trop., 7: 409-421. 1955.         [ Links ]

5. ARAGÃO, M. B. - Aspectos climáticos da Doença de Chagas II. A área de ocorrência do Panstrongylus megistus (Burmeister 1935). Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 13: 171-193, 1961.         [ Links ]

6. ARAGÃO, M. B. - Correspondência científica. Rev. Brasil. Mal. D. Trop., 16: 419-425, 1964.         [ Links ]

7. ARAGÃO, M. B. & DIAS, E. - Aspectos climáticos da Doença de Chagas. I - Considerações sobre a distribuição geográfica do Triatoma infestans. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 5: 633-642, 1956.         [ Links ]

8. BARROS BARRETO, A. L. & PONDÉ, A. - Doença de Chagas na Bahia. Dois casos parasitologicamente confirmados, Brasil Médico 39: 394-397, 397, 1945.         [ Links ]

9. BARRETO. M. P. - Reservatórios e vetores do Tryvanosoma cruzi no Brasil. Arq. Hig. Saúde Púb. (São Paulo) 28: 43-66, 1963.         [ Links ]

10. BRUMPT. E. & PIRAJÁ DA SILVA - Existence du Schizotrypanum cruzi Chagas, 1909, à Bahia. (Mata de São João) . Biologie du Conorhinus megistus. Bull. Soc. Pathol. Exotique. 5: 22-26, 1912.         [ Links ]

11. BUSTAMANTE, F. M. de - Distribuição geográfica dos transmissores da Doença de Chagas no Brasil e sua relação com certos fatores climáticos. Epidemiologia e Profilaxia da Enfermidade. Rev. Brasil. Mal. D. Trop 9: 191-21. 957.         [ Links ]

12. CARVALHO, A. G. & BARBOSA. J. A. - Zoogeografia de Triatominae Neotropicais. Rev. Goian. Méd. 3: 181-196, 1957.         [ Links ]

13. CORREA, R. R. -Informe sobre a Doença de Chagas no Brasil, e em especial no Estado de São Paulo. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 20: 39-81, 1958 1968.         [ Links ]

14. CORREA, R. R. & SPINOLA, H. N - Descrição de Triatoma pseudomaculata. nova espécie de Triatomineo de Sobral, Ceará (Hemiptera. Reduvii dae) . Arq. Hig. Saúde Pública 29 : 115-127. 1964.         [ Links ]

15. COSTA, A. L. - Triatomineos e tripanosomas por eles veiculados em zona Central da Cidade do Salvador - Bahia. Tese Fac. Med. Univ. Bahia. 81 pp., 1955.         [ Links ]

16. COSTA LIMA, A. da - Insetos do Brasil. 29 tomo. 1940.         [ Links ]

17. DEANE, L. M. - Animal reservoirs of Trypanosoma cruzi in Brazil. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 16: 27-48, 1962.         [ Links ]

18. DIAS, E. - Chagas - Krankheit (Chagas' Disease) in Welt - Sechen Atlas. Hamburg, 135-40, 1954.         [ Links ]

19. DIAS, E. & SEREBRENICK, S. - Aspectos climáticos da distribuição dos transmissores da Doença de Chagas no vale do Rio São Francisco. Mem. Inst. O. Cruz, 56; 407-16, 1958.         [ Links ]

20. DOBBIN, Jr., J. E. & CRUZ, A. E. - Sobre o encontro do Triatoma infestans (Klug) em Pernambuco. Notulae Biologicae. 1: 3-5, 1965.         [ Links ]

21. DUPUIS, C. - Les genitalia des Hémipteres. Heteropteres. Mem. Mus. Nat. Hist. Serv. A. Zool. 6: 183-278, 1955.         [ Links ]

22. DUPUIS, C. - Progrés recente de l'e- tude des genitalia dos Hétéropteres (Etude bibliographique critique). These à Facultaté des Sciences de l'Université, Paris, 100 pp. Mus. Nat. His. Natur. Paris ed Paris, 1963.         [ Links ]

23. FERREIRA, M. - Epidemiologia da Doença de Chagas na Bahia. Bol. Hospital Clínicas Fac. Med. Univ. Bahia, 4: 2-11, 1958.         [ Links ]

24. FORATTINI, O. P. - Notícia sobre o Panstrongylus geniculatus (Latreille, 1811). Rev. Brasil. Entomol. 9: 177-80, 1960.         [ Links ]

25. GALVÄO, A. B. - Triatoma brasiliensis macromelasoma n. subsp. (Reduviidae. Hemiptera) . Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 7: 455-457, 1955.         [ Links ]

26. GALVÃO, A. B. - Chave ilustrada para adultos das espécies brasileiras do gênero Panstrongylus Berg. 1879 (Hemiptera, Reduviidae. Triatominae). Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 8: 431-432, 1956.         [ Links ]

27. GESTEIRA, M. - Sinópse das atividades do Departamento Nacional da Criança em 1951. Programa de Trabalho para 1951. Bol. Inst. Puericultura 9: 11-41, 1951.         [ Links ]

28. GONÇALVES, A. E. - Contribuição para o estudo do Mal de Chagas na Bahia. These apresentada à Faculdade de Medicina da Bahia para o grau de Doutor em Medicina, 1912.         [ Links ]

29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1958.         [ Links ]

30. LEAL, J. M., SHERLOCK, I. A. & SERAFIM, E. M. - Observações sobre o combate aos triatomíneos domiciliários com BHC, em Salvador, Bahia. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 17: 65-73, 1965.         [ Links ]

31. LENT, H. - Sobre a biologia, systemática e distribuição geográfica do Psamolestes coreodes Bergroth, 1911, encontrado em ninhos de aves do Brasil. (Hemiptera. Reduviidae. Triatominae). Rev. Ent. Rio de Janeiro 5. 381-96, 1935.         [ Links ]

32. LENT, H. - Distribuição geográfica mundial dos insetos transmissores da Moléstia de Chagas. Ciência e Cultura, 3: 257, 1951.         [ Links ]

33. LENT, H. - Zoogeografia dos transmissores da Doença de Chagas. Proc. Intern. Cong. Trop. Med. Mal. 6th, 3: 110-31, 1948.         [ Links ]

34. LENT, H. - Sobre dois pretensos reduviideos hematoíagos africanos do gênero "Panstrongylus" Berg. 1879. (Reduviidae. Triatominae) . Rev. Brasil. Biol. 20: 163-170, 1960.         [ Links ]

35. LENT, H. - Estado atual dos estudos sobre os transmissores da Doença de Chagas (Relatório) . An. Congr. Intern. Doença Chagas. 3: 739-760, 1962.         [ Links ]

36. LENT, H. & JUBERG, J. - O gênero Psamolestes, B., 1911, com Estudo sobre genitália das espécies (Hemiptera. Reduviidae. Triatominae) . Rev. Brasil. Biol. 25: 376-94, 1965.         [ Links ]

37. LENT, H. & JUBERG, J. - Estudo morfológico comparativo de Panstrongylus geniculatus (Latreille, 1811) e Panstrongylus megistus (Burmeister, 1935) e suas genitálias externas (Hemiptera. Reduviidae. Triatominae) . Rev. Brasil. Biol. 28: 499-520, 1968.         [ Links ]

38. LENT, H.. & JUBERG, J. - O gênero Rhodnius Stal, 1859, com um estudo sobre a genitália das espécies (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae). Rev. Brasil. Biol. 29: 487-560, 1969.         [ Links ]

39. LUTZ, A. & MACHADO, A. - Viagem pelo Rio São Francisco e por alguns dos seus afluentes entre Pirapora e Juazeiro. Mem. Inst. O. Cruz. 7: 5- 50. 1915.         [ Links ]

40. LUCENA, D. T. - Ecologia dos triatomíneos do Brasil. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 11: 577-635, 1959.         [ Links ]

41. LUCENA, D. T. - Introdução do T. infestans (Klug, 1834) em Pernambuco. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 17: 401-13, 1965.         [ Links ]

42. LUCENA, D. de - Estudo sobre a Doença de Chagas no Nordeste do Brasil. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 22: 3-173, 1970.         [ Links ]

43. MANGABEIRA, FILHO, O. - Doença de Chagas em Salvador. Conferência no Congresso Regional da Associação Bahiana de Medicina, em Feira de Santana, outubro-novembro de 1952; não publicada.         [ Links ]

44. NEIVA, A. - Contribuição para o estudo dos reduvídeos hematophagos. I - Nota sobre os reduvídeos hematóphagos da Bahia com descrição de nova espécie; II - Evolução do Trypanossoma cruzi na Triatoma rubrofasciata (De Geen. Mem. Inst. Osw. Cruz. 6: 35-39, 1914,         [ Links ]

45. NEIVA, A - Revisão do gênero Triatoma Lap. Tese Fac. Med. Rio de Janeiro, 80 pp. Tp. Jornal do Comércio. 1914.         [ Links ]

46. NEIVA, A. & LENT, H. - Notas e comentários sobre Triatomineos. Lista de especies e sua distribuição geográfica. Rev. Entomol., 6: 153-190, 1936.         [ Links ]

47. NEIVA, A. & LENT, H. - Sinopse dos Triatomineos. Rev. Entomol. Rio de Janeiro, 12; 61-92, 1941.         [ Links ]

48. NEIVA, A. & PENNA, B. - Viagem científica pelo Norte da Bahia, Sudoeste de Pernambuco, Sul do Piauí e do Norte ao Sul de Goiás. Mem. Inst. O. Cruz. 8: 74-224, 1916.         [ Links ]

49. NEIVA, A. & PINTO, C. - Chave dos Reduviideos hematophagos brasileiros; hábitos, synonimia e distribuição. Brasil. Med. 37; 8-98, 1923.         [ Links ]

50. NEIVA, A. & PINTO, C. - Dos hemípteros hematophagos do Norte do Brasil com descrição de duas novas espécies. Brasil Méd. 37; 73-76, 1923.         [ Links ]

51. PIRAJÁ DA SILVA - Notas de Parasitologia, O Barbeiro (Conorhinus megistus Burm), na Bahia. Arch. Brasil. Med. 1: 627-32, 1911.         [ Links ]

52. PONDÉ, A. et Alli - A doença de Chagas na Bahia. Arquivo da Universidade da Bahia, Faculdade de Medicina 1; 333-456, 1947.         [ Links ]

53. PONDÉ, R., MANGABEIRA FILHO, O. & JANSEN, G. - Alguns dados sobre a Leismaniose visceral Americana e Doença de Chagas no Nordeste Brasileiro. Mem. Inst. O. Cruz. 37; 333- 352, 1942.         [ Links ]

54. PORTO. J. J. M. - Mais três casos agudos de moléstia de Chagas nos Municípios de Santo Amaro e Coração de Maria. Estado da Bahia. Rev. Médica da Bahia. 15; 194-199, 1957.         [ Links ]

55. SEREBRENICK, S. - Distribution géographique de triatomides dans la vallée du São Francisco et ses rapports avec les conditions climâtiques. Proc. 6th Inst. Cong. Trop. Med. Mal. 5; 131-49, 1958.         [ Links ]

56. SHERLOCK, I, A. & ALMEIDA, S. P - Nota sobre a armadilha com luz negra para captura de P. megistus, em S. Felipe, Bahia (Hemiptera. Reduviidae) . Rev. Brasil Mal. D. Trop tem publicaçao» . 1971         [ Links ]

57. SHERLOCK, I. A. & GUITTON, N - Sobre o Triatoma petrochii Pinto & Barreto, 1925 (Hemiptera, Reduviidae) Rev. Brasil. Mal D. Trop. 19; 625-632, 1967,         [ Links ]

58. SHERLOCK, I. A. & SERAFIM, E. M. - Triatoma lenti sp.n., Triatoma pessoai. sp.n e Triatoma bahiensis sp. n do Estado da Bahia, Brasil (Hemiptera, Reduviidae.) Gaz Méd. Bahia. 67; 75-92, 1967.         [ Links ]

59. SILVA, G. R. da - Doença de Chagas em famílias de duas áreas restritas da cidade do Salvador. Bahia. Tese Faculdade Med. Univ. S. Paulo. 123 pp., 1966.         [ Links ]

60. TRICART, T. --As zonas morfológicas climáticas do Nordeste Brasileiro. Publicacões da Universidade da Bahia. 8; 15 pp., 1951,         [ Links ]

61. VENTOCILLA, J. A. & SILVA, P. - Triatomineos capturados em armadilha luminosa na área Cacaueira da Bahia. Rev. Brasil. Mal. D. Trop. 20; 161-187, 1968.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 10.6.72.

 

 

Trabalho do Núcleo de Pesquisas da Bahia do Instituto de Endemias Rurais da Fundação Instituto Oswaldo Cruz. e do Setôr Bahia da SUCAM.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License