SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue3Parâmetros clínicos relevantes para o diagnóstico diferencial entre leishmaniose cutâneo-mucosa e paracoccidioidomicosePrevalência, índices de infecção e hábitos alimentares de triatomíneos capturados em uma área de vigilância epidemiológica author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.25 no.3 Uberaba July/Sept. 1992

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821992000300005 

ARTIGOS

 

Prevalência de parasitoses intestinais entre os usuários do centro de saúde do Distrito de Sousas, Campinas, SP (1986-1990)

 

 

Ismael Gioia

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A prevalência das parasitoses intestinais foi levantada nos usuários do Centro de Saúde do Distrito de Sousas, Campinas, SP entre 1986 e 1990. Dentre 770 prontuários observados constatou-se 114 casos positivos (14,8%) para protozoários, helmintos ou comensais. Ascaris lumbricoides (48,2%) seguido de Giardia lamblia (30,7%), Trichuris trichiura (18,4%) e Enterobius vermicularis (9,6%) foram mais prevalentes na faixa etária dos pré-escolares. Os adultos, em maior número na amostra, apresentam-se pouco parasitados. Os demais parasitos e comensais, concorrem com prevalência proporcional aos inquéritos tradicionais realizados na população brasileira, à exceção da ausência de tenídeos e baixa prevalência de Aneylostomatidae. Sugere-se a realização de exame protoparasitológico de rotina entre os pré-escolares e a utilização de dados dos postos de atendimento primário nos inquéritos parasitológicos.

Palavras-chave: Parasitas intestinais. Helmintos. Prevalência. Inquérito parasitológico.


ABSTRACT

The prevalence of intestinal parasites was carried onusersoftheHealth Center of Sousas District, Campinas, SP (1986-1990). From 770observedmedicalrecords we verify 114 positive cases (14.8%)for protozoa, helminths and comensals. Ascaris lumbricoides (48.2%), Giardia lamblia (30.7%), Trichuris trichiura (18,4%) and Enterobius vermicularis (9.6%) were more prevalent in pre-school children. The adults, what are the most numerous class, appeared few parasitised. The other parasites and comensais appeared with a prevalence like the traditional braiilian population surveys, except for the absence of tenids and low prevalence of Ancylostomatidae. We propose the realization of routine stool parasitological examinations among the pre-school children and the use of the primary health care data in parasitological survey.

Keywords: Intestinal parasites. Helminths. Occurrence. Parasitological survey.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Baruzzi RG, Coutinho JO. Geografia médica das helmintíases e geografia médica das protozooses In: Lacaz CS, Baruzzi RG, Siqueira Jr W (ed) Introdução à Geografia Médica do Brasil. Editora Edgard Blücher Ltda, p.568, 1972.         [ Links ]

2. Beaver PC. Observations on the epidemiology of Ascariasis in a region of high hookworm endemic- ity. Parasitology 38:445-453, 1952        [ Links ]

. 3. Botero D. Persitencia de parasitoses intestinais endemicas en America Latina. Boletin dela Oficina Sanitaria Panamericana 90:39-47, 1981.         [ Links ]

4. Camillo-Coura L. Contribuição ao estudo das geohelmintiases. Tese de Livre Docência, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1970.         [ Links ]

5. Castro C, Molina LA. As parasitoses intestinais na população do município de Mambaí em dois períodos distintos, 1974 e 1986. Brasil Médico 25:5-7,1988.         [ Links ]

6. Chieffi PP, Waldman EA, Waldman CCS, Sakata EE, Gerbi LJ, Rocha AB, Aguiar PR. Aspectos epidemiológicos das enteroparasitoses no Estado de São Paulo, Brasil. Revista Paulista de Medicina 99:34-36, 1982.         [ Links ]

7. Coutinho JO,Silvany Filho A. Notas sobre inquérito coprológico efetuado em pacientes internados no Hospital de Santa Isabel, Salvador, Bahia. Anais da Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo 25:56-64, 1950.         [ Links ]

8. Evangelista A, Komma MD, Santos MAQ. Prevalência de parasitoses intestinais em Goiânia. Revista de Patologia Tropical 1:51-61, 1972.         [ Links ]

9. Gonçalves A, Andrade JCR, Giribola L, Oliveira MC. Levantamento das parasitoses intestinais e condições sócio-econômicas e sanitárias em bairro de Botucatu, SP. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 7:25-43, 1973.         [ Links ]

10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IX Recenseamento Geral do Brasil - 1980, São Paulo, v1 t3, n° 17 p.90, 1982.         [ Links ]

11. Kosoff P, Hernandez F, Pardo V, Visconti M, Zimmerman M. Urban helminthiasis in two socioeconomically distinct Costa Rican communities. Revista de Biologia Tropical 37:181-186, 1989.         [ Links ]

12. Mello A, Mello NR, Bourroul GP, Gomes LFS. Verificações helmintológicas em 3.000 exames de fezes. Revista do Instituto Adolfo Lutz 19:75-85, 1959.         [ Links ]

13. Mello NR, Mello A, Bourroul GP, Gomes LFS. Protozoários em 3.000 exames de fezes. Revista do Instituto Adolfo Lutz 19:87-95, 1959.         [ Links ]

14. Nwosu ABC. The community ecology of soil- transmitted helminth infections of humans in a hyperendemic area of Southern Nigeria. Annals of Tropical Medicine and Parasitology 75:197-203, 1981.         [ Links ]

15. Pedrazzani ES, Mello DA, Pripas S, Fucci M, Barbosa CAA, Santos MCM. Helmintoses intestinais. II. Prevalência e correlação com renda, tamanho da famflia, anemia e estado nutricional. Revista de Saúde Pública 22:384-389, 1988.         [ Links ]

16. Perez MD, Artigas PT, Lollo N. Levantamento parasitológico realizado na cidade de Bragança Paulista (Estado de São Paulo), com contribuição ao levantamento dacartaplanorbídicado Estado deSão Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 7:167-176, 1973.         [ Links ]

17. Pessoa SB, Martins AV. Pessoa - Parasitologia Médica. 11a edição, Editora Guanabara Koogan, 1982.         [ Links ]

18. Santos RV, Coimbra Junior CEA, Ott AMT. Estudos epidemiológicos entre grupos indígenas de Rondônia. III. Parasitoses intestinais nas populações dos vales dos rios Guaporé e Mamoré. Cadernos de Saúde Pública 1:467-477, 1985.         [ Links ]

19. Schenone H, Rojas A, Galdames M, Villarroel F. Aspectos epidemiologicos de las infecciones humanas por protozoos y helmintos intestinales en Chile (1970-1980). Boletin Chileno de Parasito logia 36:44- 48, 1981.         [ Links ]

20. Sole TD, Croll NA. Intestinal parasites in man in Labrador, Canada. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene 29:364-368, 1980.         [ Links ]

21. Vinha C. Necessidade de uma política sanitária nacional para o combate às parasitoses intestinais. Revista da Sociedade Brasileira deMedicina Tropical 10:297-301, 1975.         [ Links ]

22. World Health Organization. WHO Expert Committee on prevention and control of intestinal protozoan and helminthic infections. WHO Technical Report Series n0p 666, 1981.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Prof. Ismael Gioia.
Depto. de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas.
Caixa Postal 6109
13081-970
Campinas, SP.

 

 

Recebido para publicação em 11/05/92.

 

 

Trabalho da Escola Paulista de Medicina, São Paulo, SP.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License