SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número1Síndrome pulmonar e cardiovascular por Hantavirus: aspectos epidemiológicos, clínicos, do diagnóstico laboratorial e do tratamentoUm estudo longitudinal em infecções enteropathogenic dos animais domésticos em Trinidad índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versão impressa ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. v.34 n.1 Uberaba jan./fev. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822001000100004 

ARTIGO

Retardo do crescimento em crianças com reação intradérmica positiva para leishmaniose: resultados preliminares

Growth retardation in children with positive Montenegro (leishmanin) test: preliminary results

 

Daniel Ferreira da Cunha, Vítor Carvalho Lara, Jacqueline Pontes Monteiro, Héctor Dardo Romero e Selma Freire de Carvalho da Cunha

 

 

Resumo O objetivo deste trabalho foi comparar a ingestão alimentar habitual e a freqüência de retardo do crescimento de crianças com reação intradérmica positiva para leishmaniose (Montenegro-positivas), com um grupo Montenegro-negativo. A ingestão alimentar habitual foi avaliada pelo recordatório de 24 horas e o retardo do crescimento definido segundo critérios da OMS. Crianças Montenegro-positivo (n = 9) e Montenegro-negativo (n = 17) ingeriam, respectivamente, quantidades similares de energia (1456,8 ± 314,8 vs 1316,2 ± 223,8kcal/dia) e proteínas (50,4 ± 16,7 vs 49,9 ± 13,9g/dia). Déficit de altura foi mais comum em crianças Montenegro-positivas (44,4 vs 5,9). Estes dados sugerem que a infecção prévia pela Leishmania sp afeta desfavoravelmente o estado nutricional de crianças vivendo em área endêmica.
Palavras-chaves: Leishmaniose. Estado nutricional. História alimentar.

Abstract The objective of this study was to compare growth retardation frequency, and 24-h food intake data of children with or without positive Montenegro (leishmanin) test, examined in Porteirinha town, Brazil. Daily nutrient intake was determined by 24-h food intake recall and the anthropometric data were compared to the standard values from WHO. Montenegro-positive (n = 9) and Montenegro-negative (n = 17) groups showed similar age (5.5 ± 1.9 vs 6.7 ± 2.3y), and energy (1,456.8 ± 314.8 vs 1,316.2 ± 223.8kcal) and protein (50.4 ± 16.7 vs 49.9 ± 13.9g) daily consumption, respectively. Montenegro-positive children had higher percentage of stunting than their Montenegro-negative counterparts (44.4 vs 5.9), suggesting that previous Leishmania sp infection had negative impact on children's nutritional status.
Key-words: Leishmaniasis. Nutritional status. Food intake recall.

 

 

A alimentação inadequada é uma das causas mais comuns de retardo do crescimento em crianças. Adultos e crianças subnutridos apresentam graus variados de disfunção da imunidade, em especial a mediada por células T, o que os predispõem a infecções oportunísticas, incluindo a leishmaniose visceral (LV)1 2. A LV clássica cursa com quadro de subnutrição grave provocada, entre outros fatores, pela anorexia e pelo aumento do gasto energético e do catabolismo protéico, associados com o aumento de secreção e atividade de interleucinas3. São escassos os trabalhos descrevendo o estado nutricional de crianças com sintomatologia inespecífica, indefinida para leishmaniose, subsistindo em áreas com alto risco de reinfecções pela Leishmania. A hipótese do presente estudo é que crianças com reação intradérmica de Montenegro positiva (considerados como tendo sido infectadas por Leishmania sp) teriam maior prevalência de retardo do crescimento. O objetivo deste trabalho foi comparar a ingestão alimentar habitual e a freqüência de retardo do crescimento de crianças Montenegro-positivas com um grupo de crianças Montenegro-negativas.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi realizado em Porteirinha, MG, região de alta endemicidade para leishmaniose visceral. Foram incluídas todas as crianças (idade entre 3 e 9 anos) que compareceram ao Posto de Saúde durante o mês de julho de 1998, para acompanhamento médico de rotina. Foram registradas as informações das crianças cujos pais concordaram com sua participação no estudo, além de antropometria que incluiu a determinação de peso, altura, circunferência do braço e prega cutânea tricipital, realizados de acordo com Rombeau4. O recordatório alimentar de 24 horas6 foi obtido das mães das crianças no mesmo dia do atendimento médico, sendo os dados obtidos analisados com o auxílio de um software baseado em banco de dados contendo alimentos consumidos pela população brasileira. Os grupos Montenegro-positivo e Montenegro-negativo foram comparados pelo teste "t" de Student. A freqüência de retardo do crescimento, definida pela relação altura/idade menor que 2 escores "z" em relação ao padrão para crianças normais5, foi determinada em cada um dos grupos, e as diferenças de proporção entre os grupos foram comparadas pelo teste exato de Fisher. Diferenças com p < 0,05 foram consideradas significantes.

 

RESULTADOS

Nenhuma das 26 crianças apresentou quadro clínico de leishmaniose, incluindo hepato ou esplenomegalia. Os grupos Montenegro-positivo e Montenegro-negativo apresentaram condições socioeconômicas similares, o mesmo ocorrendo com os parâmetros antropométricos (Tabela 1). Documentou-se maior porcentagem de crianças com retardo de crescimento no grupo Montenegro-positivo (44,4 vs 5,9%, risco relativo: 7,56, com intervalo de confiança de 0,99-57,93; p = 0,03). Os dados antropométricos, similares entre os grupos Montenegro-positivos e Montenegro-negativos indicam suficiência do consumo alimentar recente, dado corroborado pela ingestão adequada de energia e proteínas.

 

 

DISCUSSÃO

O retardo do crescimento é comum em crianças vivendo em áreas endêmicas para leishmaniose; os resultados deste estudo preliminar sugerem que as crianças Montenegro-positivas constituem o grupo de maior risco nutricional. Limitações metodológicas deste trabalho não permitem inferir se a subnutrição precedeu ou não a infecção pela Leishmania, mas desde que não há evidência clínica de doença em atividade, pode-se especular que a maior porcentagem de retardo do crescimento (stunting) no grupo Montenegro-positivo decorreria das repercussões metabólicas da interação hospedeiro-Leishmania, eventualmente associado à repercussão subclínica de retardo do crescimento.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Cerf BJ, Jones TC, Badaro R, Sampaio D, Teixeira R, Johnson WD. Malnutrition as a risk factor for severe visceral leishmaniasis. The Journal of Infectious Diseases 156:1030-1033, 1987.         [ Links ]

2. Harrison LH, Naidu TG, Drew JS, Alencar JE, Pearson RD. Reciprocal relationships between undernutrition and the parasitic disease visceral leishmaniasis. Reviews of Infectious Diseases 8:447-453, 1986.         [ Links ]

3. Pearson RD, Cox G, Jeronimo SM, Castracane J, Drew JS, Evans T, Alencar JE. Visceral leishmaniasis: a model for infection-induced cachexia. American Journal of Tropical Medicine 47 (suppl): 8-15, 1992.         [ Links ]

4. Rombeau JL, Caldwell MD, Forlaw L, Guenter PA. Atlas of nutritional support techniques. Little, Brown and Co, Boston, 1989.         [ Links ]

5. Waterlow JC. Classification and definition of protein-calorie malnutrition. British Medical Journal 2:566-569, 1972.         [ Links ]

6. Witschi JC. Short-term dietary recall and recording methods. In: Willett W (ed) Nutritional epidemiology, Oxford, New York, p. 52-68, 1989.         [ Links ]

 

 

Disciplina de Nutrologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG.
Apoio financeiro: Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba (FUNEPU).
Endereço para correspondência: Prof. Daniel Ferreira da Cunha. Hospital Escola/FMTM. Av. Getúlio Guaritá 130, 38025-440 Uberaba, MG, Brasil.
Telefax: 55 34 3318-5335.
e-mail: dfcnutro@mednet.com.br
Recebido para publicação em 22/2/2000.