SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue5Phlebotominae (Diptera: Psychodidae) in area of transmission of american tegumentar leishmaniasis in the north coast of the State of São Paulo, BrazilEpidemiological and clinical study of 332 cases of cutaneous leishmaniasis in the north of Parana State from 1993 to 1998 author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682On-line version ISSN 1678-9849

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.35 no.5 Uberaba Sept./Oct. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822002000500003 

ARTIGO

Presença do papilomavirus humano em lesões malignas de mucosa oral

Presence of human papillomavirus in malignant oral lesions

 

Christiane Pienna Soares1, Iran Malavazi1, Rosana Inácio dos Reis1, Karina Antunes Neves2, José Antonio Sampaio Zuanon3, Carlos Benatti Neto2, Luis Carlos Spolidório2, Maria Rita Brancini de Oliveira2

 

 

Resumo O objetivo deste estudo foi investigar a prevalência do papilomavírus humano 6/11 e 16/18 em pacientes, com lesões orais clínicamente diagnosticadas como leucoplasias, atendidas na Faculdade de Odontologia de Araraquara, UNESP, Brasil. Após a inclusão em parafina, os cortes corados com H&E, foram selecionadas 30 biópsias e separadas em 3 grupos: lesões sem displasia (n=10), lesões com diferentes graus de displasia (n=10) e carcinoma espinocelular invasivo(n=10). As lesões que apresentaram displasia epitelial foram classificadas de acordo com os critérios histopatológicos propostos por Van Der Waal. As lesões foram investigadas para a presença de HPV por hibridização in situ com sondas biotiniladas de amplo espectro, 6/11 e 16/18. HPV 16/18 foi detectado em 20% (n=2) das biópsias com displasia severa. A presença de HPV 16/18 em lesões malignas sugere sua importância como fator de risco na carcinogênese oral.
Palavras-chaves: Papilomavírus Humano. Oral. Leucoplasia. Carcinoma espinocelular invasivo. Hibridização
in situ.

Abstract The purpose of this study was to investigate the prevalence of human papillomavirus 6/11 and 16/18 in patients, with oral lesions clinically diagnosed as leucoplakia, attending the School of Dentistry, University of São Paulo State/UNESP, Brazil. After paraffin embedded process, in the sections staining with H&E, 30 biopsies were screened and separated on 3 groups: 10 oral lesions without dysplasia, 10 with dysplasia, and 10 with invasive squamous cell carcinoma. The lesions with dysplasia were classified in agreement with Van Der Wall's histopathological standard method. Oral lesions were investigated for the presence of human papillomavirus (HPV) by in situ hybridization with wide-spectrum, 6/11 and 16/18 biotinylated probes. HPV 16/18 was found in 20% (n=2) of the leucoplakia with severe-degree dysplasia. The presence of HPV 16/18 in malignant lesions suggests its importance as a risk factor for oral carcinogenesis.
Key-words: Human papillomavirus. Oral. Leucoplakia. Invasive squamous cell carcinoma.
In situ hybridization.

 

 

O câncer bucal é um grave e crescente problema de saúde pública no Brasil, correspondendo a 4% de todos os tipos de câncer, ocupando o oitavo lugar entre os tumores que acometem o homem e o décimo primeiro entre as mulheres1. O carcinoma de células escamosas é a neoplasia mais comum na mucosa oral, representando 90% dos tumores malignos dessa região28. O diagnóstico do câncer oral é simples e deve ser precoce, pois sua evolução natural é rápida e num estágio avançado não é possível o tratamento, evoluindo para a morte do indivíduo13. Além disso, os pacientes apresentam seqüelas estéticas ou funcionais do aparelho estomatognático. Por outro lado, o diagnóstico tardio resulta no aumento dos custos com o tratamento e prolongado tempo de internação hospitalar do paciente, ocasionando severo impacto no sistema de saúde14.

O papilomavírus humano (HPV) é um vírus epiteliotrófico, capaz de infectar pele e mucosa em vários sítios corporais e, até o momento, já foram identificados 85 tipos totalmente sequenciados35. A associação entre câncer e infecção pelo HPV no epitélio do trato genital masculino e feminino já é bem conhecida. Na mucosa oral, entretanto, é ainda controversa com alguns estudos demonstrando a presença viral e sua correlação com a carcinogênese20 23 24 29, enquanto outros estudos não consideram sua participação no câncer oral5 21. A presença na mucosa oral dos tipos anogenitais, HPV 6/11 e 16/18, poderia significar transmissão oro genital, o que tornaria este vírus um importante cofator no desenvolvimento do cancer oral assim como é considerado no colo uterino23 26 31. A possibilidade da infecção por HPV ser a etiologia do câncer oral foi relatada por Syrjanen et al31 em 1987, e continua sendo alvo de vários estudos19 22 24 35. Nas lesões orais, entre elas as leucoplasias, fatores combinados incluindo a infecção pelo HPV, aumentam o risco de transformação maligna celular12 26 27. No presente estudo, utilizou-se reação de hibridização in situ (HIS) para verificar a presença de HPVs comuns no trato anogenital em lesões benignas, com displasia ou carcinoma epinocelular invasivo da mucosa oral.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Trinta biópsias de mucosa oral foram obtidas dos arquivos do Departamento de Fisiologia e Patologia da Faculdade de Odontologia de Araraquara (UNESP), de pacientes de ambos os sexos e com idade de 35 a 80 anos, atendidos nas Clínicas de Cirurgia desta faculdade nos anos 1992 a 1998. Os cortes foram corados pela hematoxilina/eosina (H&E) e classificados de acordo com critérios histopatológicos propostos por van der Waal e cols33 e separados em três grupos distintos, denominados LSD - lesões sem displasia (n=10), LCD - lesões com displasia epitelial (n=10) e CEI - carcinoma espinocelular invasivo de mucosa oral (n=10). As lesões sem displasia epitelial apresentavam hiperceratose e acantose. Cortes histológicos de 5mm foram colocados em lâminas silanizadas (3- aminopropil-trietoxisilano¾SIGMA) e submetidos a reação de hibridização in situ (HIS), utilizando sondas biotiniladas para HPV (amplo espectro, 6/11 e 16/18 ¾ DAKO). As biópsias positivas para sonda amplo espectro foram posteriormente submetidas à nova reação de HIS para a determinação do tipo viral. Primeiramente, foi realizada a desparafinização dos cortes e estes foram submetidos a banhos em tampão standard saline citrate duas vezes concentrado (2x SSC, 0,3M NaCl, 0,03M C6H5Na3O7 ), lavagem em solução recém preparada de HCl 0,2 N e nova lavagem em tampão 2x SSC. Em seguida, foi realizada digestão enzimática com proteinase K (20µg/ml - GIBCO), a 37°C por 4 minutos, nova lavagem em tampão 2x SSC, trietanolamina 0,1M com 0,6ml de anidrido acético (10 minutos a temperatura ambiente) e outra lavagem em tampão 2x SSC. Os cortes foram então submetidos a desidratação em álcool absoluto e procedimentos de desnaturação e hibridização, colocando-se sondas de amplo espectro ou 6/11 ou 16/18 sobre os cortes e aquecimento em placa a 95°C por 10 minutos. As lâminas foram resfriadas rapidamente e incubadas overnight, em câmara úmida a 37°C. Após a incubação, as lâminas sofreram lavagem estringente em tampão TRIS-HCl 0,05M em temperatura ambiente, seguida de lavagem em tampão 2x SSC, tampão 1x SSC (0,15M NaCl, 0,015M C6H5Na3O7 ) e 0,5x SSC (0,075M NaCl, 0.00075M C6H5Na3O7 ) previamente aquecidos (37°C) e, finalmente, lavagem em tampão TRIS-HCl 0,05M. Em seguida, as lâminas foram incubadas com Strepto-ABC (kit Genpoint, DAKO) a 37°C por 15 minutos, lavagem em tampão TRIS-HCl 0,05M, incubação com biotinil-tiramida (kit Genpoint, DAKO) a 37°C por 15 minutos, lavagem em tampão TRIS-HCl 0,05M, incubação com Strepto-Peroxidase (kit Genpoint, DAKO), a 37°C por 15min e lavagem em tampão TRIS-HCl 0,05M. A revelação da reação de HIS foi realizada com diaminobenzidina a 40mg% e peróxido de hidrogênio dissolvida em tampão salina fosfato e seguida de lavagem em água corrente e destilada. As lâminas foram então contracoradas com Hematoxilina de Mayer, lavadas em água amoniacal, água destilada, desidratadas e montadas em Entellan (MERCK).

As reações de HIS foram acompanhadas de controle positivo (Kit Genpoint ¾ DAKO), controle negativo (kit Genpoint ¾ DAKO, subtraindo-se a sonda) e controle de reação, utilizando-se biópsia de mucosa oral normal.

 

RESULTADOS

Os resultados estão demonstrados nas Figuras 1 a 5 e na Tabela 1. Carcinoma espinocelular de mucosa oral foi mais incidente em homens e na faixa etária de 50 a 70 anos para ambos os sexos (Figuras 1, 2 e 3). Nos trinta casos propostos para este estudo, dois casos de leucoplasia com displasia severa compatível com carcinoma in situ (20%) foram positivos para presença de HPV 16/18 (Tabela 1 e Figura 4D). As reações foram consideradas positivas quando o controle positivo apresentava células com núcleos castanhos (Figura 4A), o controle negativo contendo células com núcleos azuis (Figura 4B) e o controle de tecido normal negativo (Figura 4C).

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

No presente estudo, observou-se a maior incidência de lesões malignas de mucosa oral em homens e na faixa etária de 50 a 80 anos (Figuras 1 a 3). Estudos epidemiológicos no Brasil tem demonstrado que a incidência de câncer oral é cerca de cinco vezes maior nos homens e numa faixa etária mais tardia para ambos os sexos, variando de 35 a 97 anos e idade média de 59 anos1 4 10.

A leucoplasia é uma denominação clínica de lesões orais com aspectos histopatológicos com padrões e características microscópicas heterogêneas, variando de hiperceratose benigna ao carcinoma espinocelular invasivo28 33 34. No presente estudo foi detectada a presença do HPV em duas lesões orais com diagnóstico histopatológico de lesão com displasia severa (Tabela1). Estudos recentes demonstram a participação dos tipos de HPV anogenitais de alto risco em lesões pré-malignas e malignas de mucosa oral com resultados entre 11% a 80%, na dependência do método empregado6 7 9 11 18 19 21 26. Entretanto, a prevalência média de HPV na mucosa oral24 tem sido descrita entre 20 a 30%. No Brasil, Miguel et al21 obtiveram positividade para HPV 16 em 15% dos tumores de cabeça e pescoço.

O método de escolha para este estudo foi a reação de hibridização in situ (HIS) com sistema de amplificação de sinal genpoint (Figuras 4A e D). A presença de HPV na mucosa oral, utilizando a HIS como ferramenta molecular, tem apresentado resultados expressivos com porcentagem de detecção do DNA viral de 15% a 50%7 22 25. A utilização da HIS na detecção de HPV é controversa. Esta reação sempre foi considerada uma metodologia de baixa sensibilidade quando comparada aos métodos mais sensíveis como a reação de polimerização em cadeia (PCR)22 32. Entretanto, tem a vantagem de permitir a demonstração de informação genética específica dentro de um contexto morfológico e com grande aplicabilidade em materiais fixados e parafinizados32. De fato, no passado, a HIS apresentava pequena sensibilidade, permitindo a detecção de 20-100 cópias de HPV por célula (sondas radioativas) e de 200-800 cópias com sondas biotiniladas8 30. Recentemente, com o desenvolvimento de um novo sistema de amplificação, denominado genpoint, tornou-se possível a detecção mais sensível de HPV por HIS. O estudo de HPV em cultura de células demonstrou que a reação de HIS amplificada pelo sistema genpoint permite a detecção de 1-2 cópias virais17. Esse sistema contém o complexo de amplificação biotinil-tiramida, que permite melhorar o sinal de reação, garantindo forte coloração dos núcleos positivos e sensibilidade superior aos métodos de amplificação convencionais3 15 17 25.

Os resultados permitem concluir que a presença dos tipos anogenitais de alto risco (HPV 16/18) encontrados em lesões malignas de mucosa oral sugere o envolvimento do HPV na transformação maligna celular de mucosa oral. Entretanto, outros estudos são necessários para o melhor entendimento da participação deste vírus no processo de carcinogênese oral.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Araujo-Filho VJ, De Carlucci D, Sasaki SU, Montag E, Azato Cordeiro AC, Ferraz AR. Incidence of oral cancer profile at a general hospital in São Paulo. Revista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de São Paulo 53:110-113, 1998.        [ Links ]

2. Banoczy, J. Clinical and histopathological aspects of premalignant lesions. In: Van der Waal I, Snow GB (eds) Oral Oncology, 1st edition. The Hague: Martinus Nijhoff. p.13-18, 1984.        [ Links ]

3. Birner P, Bachiarty B, Dreier B, Schindl M, Joura EA, Breitneenecker OG. Signal-amplified colorimetric in situ hybridization for assessment of human papillomavirus infection in cervical lesions. Modern Pathology 14:702-709, 2001.        [ Links ]

4. Carvalho MB, Lenzi CN, Lehn AS, Fava A, Amar JL, Kanda F, Walder MB, Menezes AS, Franzi MR, Magalhães AO, Curioni R, Marcel S, Szeliga J, Sobrinho A, Rapoport A. Características clínico-epidemiológicas do carcinoma epidermóide de cavidade oral no sexo feminino. Revista da Associação de Medicina Brasileira 47:208-214, 2001.        [ Links ]

5. Chang F, Syrjänen S, Kellokoski J, Syrjänen K. Human papillomavirus (HPV) infection and their association with oral disease. Journal Oral. Pathology and Medicine, 20:305-417, 1991.        [ Links ]

6. D'costa J, Saranath D, Dedhia P, Sanghvi V, Mehta AR. Detection of HPV-16 genome in human oral cancers and potentially malignant lesions from India. Oral Oncology 34:413-420, 1998.        [ Links ]

7. Donofrio V, Lo Muzio L, Mignogna M D, Troncone G, Staibano A, Boscaino A, De Rosa G. Prognostic evaluation of HPV-associated precancerous and microinvasive carcinoma of oral cavity: combined use of nucleolar organizer regions (AgNOR) proliferating cell nuclear antigen (PCNA). Oral Oncology and European Journal of Cancer 31B: 174-180, 1995.        [ Links ]

8. Faulkner-Jones BE, Bellomarino VM, Borg AJ, Orzeszko K, Garland SM. Detection and typing of human papillomavirus using Vira Type in situ hybridization kit: comparision with a conventional dot blot technique. Journal Clinical Pathology 43: 913-917, 1990.        [ Links ]

9. Fornatora M, Jones AC, Kerpel S, Freedman P. Human papillomavirus-associated oral epithelial dysplasia (koilocytic dysplasia): an entity of unknown biologic potential. Oral Surgery Oral Medicine Oral Pathology Oral Radiology Endodontics 82:47-56,1996.        [ Links ]

10. Gervasio OL, Dutra RA, Tartaglia SM, Vasconcelos WA, Barbosa A, Aguiar MC. Oral squamous cell carcinoma: a retrospective study of 740 cases in a Brazilian population. Brazilian Dental Journal 12:57-61, 2001.        [ Links ]

11. Gonzalez-Moles MA, Ruiz-Avila I, Gonzalez-Moles S, Martinez I, Ceballos A, Nogales F . Detection of HPV DNA by in situ hybridization in benign, premalignant and malignant lesions of the oral mucosa. Bulletin du Groupement International pour la Recherche Scientifique en Stomatologie & Odontologie 37:79-85,1994.        [ Links ]

12. Kashima HK, Levin SL, Kutcher M, Kessis T, De Villiers EM, Shah K. Human Papillomavirus in squamous cell carcinoma, leukoplakia, lichen planus and clinically normal eithelium of oral cavity. Annals of Otology Rhinology and Laryngology 99:55-61, 1990.        [ Links ]

13. Kowalski LP, Carvalho AL. Influence of time delay and clinical upstaging in the prognosis of head and neck cancer. Oral Oncology 37:94-98, 2001.        [ Links ]

14. Kowalski LP, Franco EL, Torloni H, Fava AS, De Andrade Sobrinho, Ramos G, Oliveira BV, Curado MP. Lateness of diagnosis of oral and oropharyngeal carcinoma: factors related of the tumor, the pacient and health professionals.European Journal Cancer B Oral Oncology 30:167-173, 1994.        [ Links ]

15. Levenson C, Watson R, Sheldon EL. Biotinylated psoralen derivated for labeling nucleic acid hybridization probes. Methods in Enzimology 184: 577, 1990.        [ Links ]

16. Liu SC, Klein-Szanto AJP. Markers of proliferation in normal and leucoplakic oral epithelia. Oral Oncology 36:145-151, 2000.        [ Links ]

17. Lizard G, Demares-Poulet MJ, Roignot P, Gambert P. In situ hybridization detection of single-copy human papillomavirus on isolated cells, using catalyzed signal amplification system:Genpoint. Diagnostic Cytopathology 24:112-6, 2001.        [ Links ]

18. Lo Muzio L, Mignona MD, Staibano S, De Vico G, Salvatore G, Damiano S, Bucci E, Procaccini M, Mezza E, De Rosa G. Morphometric study of nucleolar organizer regions (AgNOR) in HPV-associated precancerous lesions and microinvasive carcinoma of the oral cavity. Oral Oncology 33: 247-259, 1997.        [ Links ]

19. Mao EJ. Prevalence of human papillomavirus 16 and nucleolar organizer region counts in oral exfoliated cells from normal and malignant epithelia. Oral Surgery Oral Medicine Oral Pathology Oral Radiology and Endodontics 80:320-329, 1995.        [ Links ]

20. Mcglennen R.C. Human papillomavirus oncogenesis. Clinics in Laboratory Medicine 20: 383-406, 2000.        [ Links ]

21. Miguel RE, Villa LL, Cordeiro AC, Prado JC, Sobrinho JS, Kowalski LP. Low prevalence of human papillomavirus in a geographic region with a high incidence of head and neck cancer. American Journal Surgery 176:428-429, 1998.        [ Links ]

22. Miller CS. Herpes simples virus and Human papillomavirus infection of the oral cavity. Seminars in Dermatology 13:108-117, 1994.        [ Links ]

23. Miller CS, Johnstone BM. Human papillomavirus as a risk factor for oral squamous cell carcinoma: a meta-analysis, 1982-1997. Oral Surgery Oral Medicine Oral Pathology 91:622-635, 2001.        [ Links ]

24. Miller CS, White DK. Human papillomavirus expression in oral mucosa, premalignant conditions, and squamous cell carcinoma: a retrospective review of the literature. Oral Surgery Oral Medicine Oral Pathology Oral Radiology and Endodontics 82:57-68, 1996.        [ Links ]

25. Nielsen H, Norrild B, Vedtofre P, Praetorius F, Reibel J, Holmstrup P. Humana Papilomavirus in oral premalignant lesions. Oral Oncology and European Journal of Cancer 32B: 264-270, 1996.        [ Links ]

26. Palefsk JM, Silvermam S, Abdel-Salaam M, Daniles T, Greenspan JS. Association between proliferative verrucous leukoplakia and infection with human papilomavirus type 16. Oral Pathology Medicine 24:193-197, 1995.        [ Links ]

27. Regezi JÁ, Sciubba JJ. White lesion in 2nd edittion. In: Oral Pathology. Saunders, Philadelphia, PA p.93-195, 1993.        [ Links ]

28. Sand L, Jalouli J, Larsson PA e Hirsch JM. Human papillomaviruses in oral lesions. Anticancer Research 20: 1183-1188, 2000.        [ Links ]

29. Scully C, Field J, Tanzawa H. Genetic aberrations in oral or head and neck squamous cell carcinoma(SCCHN):1. Carcinogen metabolism, DNA repair and cell cicle control. Oral Oncology 36: 256-263, 2000.        [ Links ]

30. Syrjanen S, Partnen P, Mantatyjarvi R, Syrjanen K. Sensitivity of in situ hybridization techniques using biotin-??? 35S-labeled human papillomavirus (HPV) DNA probe. Journal Virology and Methods, 19: 225-238, 1988.        [ Links ]

31. Syrjanen SM. Human Papillomavirus infection in the oral cavity. In: Syrjanen KJ, Gissmann L, Koss LG (eds) Papillomaviruses and Human Disease. Heidelberg: Springer-Verlag. p.104 -137, 1987.        [ Links ]

32. Unger ER. In situ diagnosis of human papillomavirus. Clinics in Laboratory Medicine 20: 289-301, 2000.        [ Links ]

33. Van der Waal J, Schepmam KP, Van der Mey EH. A modified classification and staging system for oral leukoplakia. Oral Oncology 36: 264-266, 2000.        [ Links ]

34. Verbin RS, Bouquot JE, Guggenheimer J, Barnes LP, Peell L. Cancer of the oral cavity and orophrynx. In: Barnes L (ed) Surgical pathology of the head and neck. M. Dekker, New York, p 303-401, 1993.        [ Links ]

35. Zur Hausen H: Papillomavirus causing cancer: Evasion from host-cell control in early events in carcinogenesis. Review. Journal National Cancer Institute 92:690-699, 2000        [ Links ]

 

 

1. Departamento de Análises Clínicas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara da Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP. 2. Departamento de Fisiologia e Patologia da Faculdade de Odontologia de Araraquara da Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP. 3. Instituto de Química de Araraquara da Universidade Estadual de São Paulo, Araraquara, SP.
Apoio financeiro: Auxílio à Pesquisa/FAPESP
Endereço para correspondência: Profa. Christiane Pienna Soares. Depo de Análises Clínicas/Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara/ UNESP. R. Expedicionários do Brasil 1621, Centro,14801-902 Araraquara, SP.
Tel: 16 201-6559, Fax: 16 232-0880
E-mail: soarescp@hotmail.com
Recebido para publicação em 16/4/2002.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License