SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 número3Melioidosis in a little rural community of Ceará StateGergorio Volcán índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión On-line ISSN 1678-9849

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. v.38 n.3 Uberaba mayo/jun. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822005000300019 

IMAGENS EM DIP

 

Mielorradiculopatia na esquistossomose mansônica aguda

 

 

José Roberto Lambertucci; Sílvio Roberto Sousa-Pereira; Luciana Cristina dos Santos Silva

Serviço de Doenças Infecciosas da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG

Endereço para Correspondência

 

 

O paciente, de 22 anos, chegou ao hospital com queixas de febre, diarréia, dor lombar irradiando para os membros inferiores, parestesia e fraqueza de início havia dois dias. Quarenta dias antes do início da doença, ele e outros sete colegas banharam-se em um riacho, cerca de 100km ao norte de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Três dos sete companheiros que participaram do passeio também desenvolveram febre e diarréia e foram admitidos em outros hospitais. Em todos, ovos de S. mansoni foram identificados nas fezes. A doença neurológica progrediu rapidamente e ele desenvolveu paraparesia (era incapaz de andar sem ajuda) e retenção urinária. O hemograma revelou leucocitose com eosinofilia (924 células/mm3). O liquor mostrou celularidade aumentada (62 células/mm3), com 8% de eosinófilos (5 células). A ressonância magnética da medula espinhal documentou alargamento moderado do cone medular na seqüência ponderada T1, com aumento de sinal após a injeção intravenosa de gadolinium (Figura A, corte sagital – seta). A figura B (seta), em projeção axial, após a administração intravenosa de contraste, revela intensa impregnação granular do contraste na medula espinhal, em região torácica baixa. O paciente foi tratado com praziquantel por via oral (50mg/kg de peso em dose única) e recebeu terapia de pulso com metilprednisolona (1g/dia) por cinco dias, seguido de prednisona oral (1mg/kg de peso) por seis meses. Houve rápida melhora clínica e dois meses depois ele apresentava recuperação completa, sem limitações. Nessa ocasião, o paciente ainda queixava-se de discreta parestesia em perna direita.

 

 

 

 

REFERENCES

1. Nobre V, Silva LC, Ribas JG, Rayes A, Serufo JC, Lana-Peixoto MA, Marinho RF, Lambertucci JR. Schistosomal myeloradiculopathy due to Schistosoma mansoni: report on 23 cases. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 96 (Suppl): 137-141, 2001.

2. Silva LC, Maciel PE, Ribas JG, Pereira SR, Serufo JC, Andrade LM, Antunes CM, Lambertucci JR. Schistosomal myeloradiculopathy. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 37: 261-272, 2004.

3. Silva LCS, Maciel PE, Ribas JGR, Sousa-Pereira SR, Antunes, CM, Lambertucci JR. Treatment of schistosomal myeloradiculopathy with praziquantel and corticosteroids and evaluation by magnetic resonance imaging: a longitudinal study. Clinical Infectious Diseases 39: 1618-1624, 2004.

 

 

Endereço para Correspondência
Prof. José Roberto Lambertucci
Faculdade de Medicina/UFMG
Av. Alfredo Balena 190
30130-100 Belo Horizonte, MG, Brazil
e-mail: lamber@uai.com.br

Recebido para publicação em 1/4/2005
Aceito em 6/4/2005

Creative Commons License