SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 issue5Pattern of HIV/AIDS infection in Manaus, State of Amazonas, between 1986 and 2000Prevalence of the TEM, SHV and CTX-M families of extended-spectrum β-lactamases in Escherichia coli and Klebsiella spp at the University Hospital of Santa Maria, State of Rio Grande do Sul author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682On-line version ISSN 1678-9849

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.42 no.5 Uberaba Sept./Oct. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000500013 

ARTIGO ARTICLE

 

Enteropatógenos relacionados à diarréia em pacientes HIV que fazem uso de terapia anti-retroviral

 

Enteropathogens relating to diarrhea in HIV patients on antiretroviral therapy

 

 

Áurea Regina Telles Pupulin; Paula Galdino Carvalho; Letícia Nishi; Celso Vataru Nakamura; Ana Lucia Falavigna Guilherme

Departamento de Análises Clínicas, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A etiologia do processo diarréico na AIDS pode ser causada por vírus, bactérias, fungos, protozoários e helmintos, assim como pelo próprio HIV. Este trabalho avaliou enteropatogenos relacionados à diarréia em pacientes HIV que fazem uso de terapia anti-retroviral. Os métodos parasitológicos utilizados foram Faust, Hoffmann e Kinyoun. O isolamento e cultura dos fungos foram realizados conforme metodologia recomendada por NCCLS M27-A standard. A identificação das espécies de leveduras foi realizada através da reação em cadeia da polimerase. O isolamento de bactérias, foi feito em agar Mac Conkey e agar SS, a identificação das espécies através do Enterokit B (Probac do Brasil) e métodos bioquímicos. Foram avaliados 49 pacientes, 44,9% apresentaram enteroparasitas, 48,1% Candida sp com 61,5% Candida albicans, 7,6% Candida sp e 30,7% Candida não- albicans. Foram isoladas bactérias de 72% dos pacientes, 49% Escherichia coli, 13% Salmonella parathyphi, Klebsiella sp ou Proteus e 6% Citrobacter freundii ou Yersinia sp. Houve alta prevalência de Candida sp nos pacientes HIV com diarréia e foram isoladas espécies não albicans cuja presença pode ser entendida como cúmplice ou causa da infecção.

Palavras-chaves: Diarréias. Candidíase. HIV. Parasitoses.


ABSTRACT

The etiology of the diarrheic process in AIDS may be caused by viruses, bacteria, fungi, protozoa or helminths, as well as HIV itself. This study evaluated enteropathogens relating to diarrhea in HIV patients who were on antiretroviral therapy. The parasitological methods used were Faust, Hoffmann and Kinyoun. Isolation and culturing of fungi were carried out in accordance with the methodology recommended by the NCCLS M27-A standard. The yeast species were identified using the polymerase chain reaction (PCR). Bacteria were isolated on MacConkey and SS agar and the species were identified using Enterokit B (Probac do Brasil) and biochemical methods. Forty-nine patients were evaluated: 44.89% presented enteroparasites and 48.1% presented Candida sp, of which 61.5% were Candida albicans, 7.6% were Candida sp and 30.7% were Candida non-albicans. Bacteria were isolated from 72% of the patients, of which 49% were Escherichia coli, 13% Salmonella parathyphi, Klebsiella sp or Proteus and 6% Citrobacter freundii or Yersinia sp. There was high prevalence of Candida sp in HIV patients with diarrhea and non-albicans species were isolated. Their presence could be taken to mean that they were accomplices in or causes of the infection.

Key-words: Diarrhea. Candidiasis. HIV. Parasitosis.


 

 

Desde os primeiros casos descritos e compatíveis com a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), alterações clínicas relacionadas ao trato gastrintestinal tem sido de alta prevalência, destacando-se principalmente quadros diarréicos4.

O vírus da imunodeficiência humana (HIV) foi inicialmente considerado causa dos sintomas intestinais em pacientes HIV com ausência de patógenos causadores de diarréia. É comum em pacientes HIV/AIDS o encontro de apoptose, abcessos, atrofia das vilosidades, má absorção e digestão. A presença da diarréia patógeno-negativa depende de extensa investigação diagnóstica e da definição de diarréia. Muitos pacientes têm diarréia de pouco volume que é controlada espontaneamente ou com um agente antimotilidade, resposta esta que concorda com a síndrome do colon irritável4 17.

A etiologia do processo diarréico na AIDS é variável, podendo ser causada por vírus, bactérias, fungos, protozoários e helmintos4, assim como pelo próprio HIV que determina efeitos diretos sobre a mucosa intestinal, produzindo a enteropatia da AIDS4.

Muitas espécies de enteroparasitas passaram a ter importância como agentes potencialmente patogênicos para os pacientes infectados com o HIV, principalmente nos doentes com número de linfócitos T CD4 menor que 200 células/mm3.

Parasitas intestinais como o Cryptosporidium parvum, assumem lugar de destaque causando doenças graves nestes pacientes, destacando-se ainda microsporídiose e isosporíase17. Bactérias e fungos leveduriformes principalmente espécies do gênero Candida são também apontados como agentes de diarréias. A prevalência de Candida sp em pacientes HIV/AIDS varia de 7,6% a 39,1%5 12.

Devido ás condições socioeconômicas os países subdesenvolvidos e as nações em desenvolvimento como o Brasil apresentam maior contingente de casos de parasitoses intestinais tanto em imunodeprimidos quanto em imunocompetentes7.

A incidência de infecções hospitalares por fungos tem aumentado substancialmente nas últimas décadas acarretando altos índices de mortalidade que atingem até 60% dos óbitos por infecções hospitalares29. Até alguns anos atrás Candida albicans era a espécie de maior interesse clínico, contudo, paralelamente ao aumento geral das candidemias observou-se aumento das infecções de corrente sanguinea por espécies de Candida não-albicans, sendo Candida parapsilosis e Candida tropicalis os patógenos mais importantes. As razões para essa inversão no padrão de distribuição das espécies pode estar fortemente relacionadas com o potencial de virulência destes microrganismos e ao uso profilático e empírico de drogas antifúngicas25. Uma das principais causas de infecção por leveduras nos pacientes hospitalizados pode ser de origem endógena associada ás condições em que este paciente se encontra (pacientes internados em unidades de terapia intensiva, submetidos á procedimentos invasivos, entre outros)20. Entre os patógenos entéricos, a Escherichia coli foi reconhecida como sendo fortemente associada com a diarréia persistente. Além disso, pessoas infectadas com o vírus da imunodeficiência humana apresentam um grande risco de contrair salmoneloses quando comparados à população em geral. Devido à dificuldade de erradicar infecções causadas por Salmonella em pacientes portadores de HIV/AIDS o longo tratamento com antibióticos é justificado19 25.

No Paraná, o primeiro caso de AIDS foi notificado em 1984. A 15ª Regional de Saúde envolve 30 municípios da região Noroeste do Paraná com um total de 1.480 casos registrados até 2006, 925 masculino e 555 femininos, sendo Maringá o município com maior número de casos notificados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINANW/SE/15ªRS).

Este trabalho avaliou enteropatógenos relacionados a diarréia em pacientes HIV/AIDS considerando a inexistência de um estudo regional.

 

MATERIAL E MÉTODOS

A população em estudo constituiu-se de pacientes portadores de HIV atendidos em um Centro de Apoio Maringá-Paraná. A casa de Apoio atende pacientes de baixa renda que são encaminhados pela 15ª Regional de Saúde.

Para coleta de dados socioeconômicos foi aplicado um questionário constando os itens: hábitos de vida, renda familiar, escolaridade, uso de álcool/drogas ilícitas, uso de medicamentos, taxa de linfócitos TCD4+ e ocorrência de infecções oportunistas.

Para os exames parasitológicos foram coletadas três amostras fecais em frascos contendo conservante (formol 10%). As amostras eram coletadas em dias alternados e depois enviadas ao Laboratório de Parasitologia Básica do Departamento de Análises Clínicas da Universidade Estadual de Maringá para o exame copro-parasitológico. Os métodos parasitológicos utilizados foram Faust11, Hoffmann13 e coloração de Kinyoun para pesquisa de Cryptosporidium sp2.

Para o exame microbiológico, foram distribuídos potes estéreis identificados e a coleta era feita imediatamente antes do envio ao laboratório de Microbiologia Básica da Universidade Estadual de Maringá. O isolamento e cultura dos fungos foram realizados conforme metodologia recomendada por NCCLS M27-A standard16. As amostras de fezes foram diluídas em salina estéril para posterior semeadura em Agar Sabouraud dextrose com 0,02% de cloranfenicol. Os isolados foram cultivados em meio seletivo diferencial CHROMagar Candida (Difco do Brasil) para a identificação presuntiva das amostras. A cultura pura do isolado foi obtida a partir de uma única colônia. A identificação das espécies de leveduras foi realizada através da reação em cadeia da polimerase (PCR) descrita por Ahmad e cols1. Para o isolamento de bactérias, as fezes foram diluídas em salina estéril e caldo selenito para posterior semeadura em agar Mac Conkey e agar SS, respectivamente. A identificação das espécies foi realizada através do Enterokit B (Probac do Brasil) e de métodos bioquímicos complementares. As diferenças de proporção foram analisadas pelo teste do qui-quadrado.

O projeto foi aprovado pelo comitê de ética para pesquisa em seres humanos da Universidade Estadual de Maringá.

 

RESULTADOS

Dos 175 pacientes atendidos na casa de Apoio, 49 foram avaliados por apresentarem quadro diarréico ou relatarem episódios de diarréia.

Os dados sociodemográficos estão apresentados na Tabela 1. Quanto ao gênero, 28 (56%) eram do sexo masculino e 21 (42%) do sexo feminino. A idade das mulheres variou entre 22 e 56 anos (média de 36 anos) e dos homens variou de 20 a 56 (média de 37 anos).

 

 

A renda mensal da maioria é proveniente de aposentadorias e trabalhos esporádicos, apenas 20% tem trabalho fixo.

Em relação ao nível educacional, 30 (61,2%) possuíam ensino fundamental, 17 (34,7%) ensino médio e dois (4%) nunca frequentaram a escola. Desses, a escolaridade mais baixa foi observada no sexo feminino, 74% cursaram apenas ensino fundamental enquanto no sexo masculino esta frequência foi de 34%.

Quanto ao mecanismo de infecção, 17 (80,9%) das mulheres e 14 (50%) dos homens adquiriram o vírus através de contato heterossexual, 60 (21,4%) dos homens através de contato homossexual, enquanto uma (4,7%) das mulheres e 4 (14,3%) dos homens relataram contaminação através de drogas injetáveis. Duas mulheres tiveram contágio através de transfusão sanguínea e uma (4,8%) mulher e quatro (14,3%) homens não sabem como adquiriram a infecção. Relatam uso de álcool e/ou drogas ilícitas 59,7% pacientes.

Com relação aos exames parasitológicos de fezes 27 (55,1%) pacientes não apresentaram nenhum parasita intestinal e 22 (44,9%) apresentaram resultado positivo para algum parasita ou comensal intestinal. Os parasitas e comensais encontrados estão listados na Tabela 2.

 

 

Com relação aos exames microbiológicos, foram coletadas 27 amostras de fezes dos pacientes, sendo 14 homens e 13 mulheres. Obteve-se cultura positiva para Candida sp em 13 (48,1%) amostras. O exame para identificação de leveduras mostrou 8 (61,5%) pacientes com Candida albicans, 1 (7,6%) com Candida sp, 4 (30,7%) foram diagnosticados como Candida não-albicans sendo um Candida glabrata, dois Candida parapsilosis e um Candida tropicalis (Figura 1). Quanto ao isolamento de bactérias, do total de 18 pacientes foram isoladas bactérias de 13 (72%) pacientes. Destas, 49% foram identificadas como Escherichia coli, 13% como Salmonella parathyphi, Klebsiella sp ou Proteus e 6% Citrobacter freundii ou Yersinia sp (Figura 2).

 

 

 

 

Quanto ao nível de linfócitos TCD4+, 35 (71,4%) apresentaram valores acima de 200 células/mm3 e 14 (28,6%) valores igual ou abaixo. Entre os 14 pacientes com contagem abaixo de 200 células/mm3, quatro (28,6%) apresentaram algum tipo de parasitose incluindo os pacientes com diagnóstico para Strongyloides stercoralis, ancilostomídeos e Cryptosporidium sp. A candidíase foi diagnosticada em três pacientes que apresentaram taxa de linfócitos TCD4 <200 células/mm3.

 

DISCUSSÃO

Apesar da introdução da terapia antirretroviral de alta potência (HAART) estudos realizados nos últimos anos relatam diarréia crônica em grande parte dos pacientes, mesmo após recuperação imunológica3 17 22.

A diarréia é relatada como um importante problema clínico nos pacientes HIV que leva a uma progressiva deterioração do quadro clínico e piora na qualidade de vida deste. A alteração da lâmina própria intestinal predispõe estes pacientes às infecções entéricas; como resultado, estes são suscetíveis a níveis baixos de alguns patógenos, que produziriam somente infecções assintomáticas ou suaves em pessoas saudáveis. A incidência de Escherichia coli e Salmonella paratyphi pode estar associada a episódios de diarréia, que debilitam ainda mais a saúde do paciente portador de HIV/AIDS. Nossa avaliações mostraram elevada prevalência de Escherichia coli nesta população o que poderia estar contribuindo para diarréia crônica e até o desenvolvimento de outros patógenos.

Entre os diversos processos oportunistas que podem acometer os pacientes, as infecções parasitárias têm um papel de destaque na evolução de sua história natural. Embora as parasitoses intestinais não estejam diretamente relacionadas com a mortalidade nesses pacientes, os parasitos intestinais contribuem de forma significativa para a morbidade, através de quadros de desnutrição crônica e emagrecimento. Isso agrava ainda mais a imunossupressão, acelerando o curso da doença e, em última instancia a morte desses pacientes, geralmente motivados por outros processos oportunistas associados.

No início da epidemia, antes da introdução da terapia HAART, os estudos mostraram quadros diarréicos de difícil controle e com prevalência elevada de parasitoses intestinais com casos expressivos de Strongyloides stercoralis7 9 14 no Brasil, situação esta explicada por se tratar de uma doença endêmica nos paises em desenvolvimento. Este trabalho mostra um taxa de prevalência para Strongyloides strecoralis (9%) menor do que estudos realizados6 em outras regiões do Brasil, mas mantendo a mesma correlação com uma taxa de linfócitos TCD4+ <200 células/mm3.

Algumas espécies como o Cryptosporidium parvum e Cystoisopora belli atuam claramente como oportunistas provocando quadros de enterite em 15 a 50% dos pacientes com AIDS21 22 23. Neste trabalho, a prevalência de Cryptosporidium sp foi baixa e não houve casos de Cystoisospora sp, isto poderia ser explicado pelo uso contínuo da terapia profilática trimetropim-sulfametoxazol (TMP/SMX) pela maioria dos pacientes.

Assim como neste trabalho estudo realizado por Dias e cols10 mostrou taxas de amebíase e giardíase em pacientes com AIDS de 5,2% e 8,5%, respectivamente. Embora esta prevalência seja semelhante a outros grupos populacionais muitas vezes essas parasitoses mostram-se com quadros clínicos exacerbados nesta população.

A candidíase é uma das infecções mais comuns nos doentes HIV/AIDS, sendo Candida albicans a espécie mais frequentemente isolada. As infecções orais são as de maior incidência, seguidas das esofágicas. As células T e a imunidade de mediação celular constituem o principal mecanismo de defesa contra as infecções das mucosas por Candida albicans26, enquanto os polimorfonucleares são as células relacionadas à proteção contra candidemias. A diminuição acentuada das células T CD4 observada nos indivíduos infectados pelo HIV contribui decididamente para a localização superficial nas mucosas, das infecções por Candida sp. Embora a candidíase oral e esofágica reflitam a resposta imunitária do hospedeiro infectado pelo HIV, a profilaxia e os tratamentos prolongados com antifúngicos são fatores condicionantes das espécies de Candida sp bem como sua proliferação no intestino levando á ocorrência de um quadro diarréico crônico. A pressão seletiva exercida pelos antifúngicos pode favorecer a substituição da flora endógena sensível por espécies de menor sensibilidade ou mesmo resistentes. Candida dubliniensis é a espécie não albicans recolhida com maior frequência da cavidade oral de indivíduos infectados pelo HIV especialmente nos doentes com infecções de repetição10 15. Pouco se sabe ainda sobre o papel epidemiológico e o significado clínico destas leveduras não albicans dado que até finais do século passado eram identificadas como Candida albicans24. Nosso estudo reforça estas observações uma vez que foi alta a prevalência de Candida sp nos pacientes HIV com diarréia e foram isoladas espécies não albicans. Além disso, este estudo mostra um elevado percentual de pacientes com candidíase intestinal independente da taxa de linfócitos T CD4+<200células/mm3. A terapêutica HAART implementada nos últimos anos diminuiu acentuadamente a incidência das infecções oportunistas de etiologia fúngica, no entanto são cada vez mais frequentes trabalhos científicos evidenciando o surgimento de espécies de Candida não-albicans, cuja presença pode ser entendida como cúmplice na infecção ou causa da mesma.

Em conclusão os resultados deste estudo mostram que á medida que a terapêutica HAART e o uso de medicamentos profiláticos tem reduzido consideravelmente a incidência das infecções oportunistas nos indivíduos HIV/AIDS e aumentado à sobrevida destes pacientes outras espécies de enteropatógenos tem mostrado importância como agentes etiológicos de diarréias nestes pacientes.

É de nosso entender que os estudos epidemiológicos deverão ser amplamente realizados para melhor compreender o efeito dos antiretrovirais e dos medicamentos profiláticos (antimicóticos e antibióticos) no equilíbrio da flora microbiana intestinal.

 

REFERÊNCIAS

1. Ahmad S, Khan Z, Mustafa AS, Khan ZU. Seminested PCR for diagnosis of candidemia: Comparison with culture, antigen detection, and biochemical methods for species indentification. Journal of Clinical Microbiology 40: 2483-2489, 2002.         [ Links ]

2. Baxby D, Blundell N, Hart CA. The development and performance of a simple, sensitive method for the detection of Cryptosporidium oocysts in daces Journal of Hygiene, Epidemiology, Microbiology & Immunology 92:317-319, 1984.         [ Links ]

3. Becker ML, Cohen CR, Cheang M, Washington RG, Blanchard JF, Moses S. Diarrheal disease among HIV-infected adults in Karnataka, India: evaluation of risk factors and etiology. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene 76:718-722, 2007.         [ Links ]

4. Blanshard C, Gazzard BG. Natural history and prognosis of diarrhea of unknown cause in patients with acquired immunodeficiency syndrome. AIDS 36:283-286, 1995.         [ Links ]

5. Cannon R, Chaffin WL. Oral Colonization by Candida albicans. Critical Reviews in. Oral Biology & Medicine 10: 359-383, 1999.         [ Links ]

6. Cimerman S, Castaneda CG, Juliano WA, Palácios R. Perfil das enteroparasitoses diagnosticadas em pacientes com infecção pelo vírus HIV na era da terapia antiretroviral potente em um centro de referencia em São Paulo, Brasil. Parasitologia Latinoamericana 57: 111, 2002.         [ Links ]

7. Cimerman S, Cimerman B, Lewi DS. Parasitoses intestinais. Visão critica de sua importância em nosso meio. Ars Curandi 31: 5-9, 1998.         [ Links ]

8. Cimerman S, Cimerman B, Lewi DS. Avaliação da relação entre parasitoses intestinais e fatores de risco para o HIV em pacientes com AIDS. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 32: 181-185, 1999.         [ Links ]

9. Cimerman S, Cimerman B, Lewi DS. Prevalence of intestinal parasitic infections in patients with acquired immunodeficiency syndrome in Brazil. International Journal of Infectious Diseases 3: 203-206, 1999.         [ Links ]

10. Dias RMDS, Pinto WP, Chieffi PP, Magini ACS, Torres DNMAGV, Del Bianco R, Ferrari L. Enteroparasitoses em pacientes acometidos pela Sindrome de imunodeficiência adquirida (AIDS). Revista Adolfo Lutz 48: 63-67, 1988.         [ Links ]

11. Faust EC, Russel PF, Jung RC. Craig and Faust's Clinical parasitology. 8ª edition. La Febiger. Philadelphia, 1970.         [ Links ]

12. Greenspan D, Greenspan JS. HIV-related oral disease. Lancet 348:729-733, 1996.         [ Links ]

13. Lutz A. O Schistosomum mansoni e a schistosomatidae Segundo observações feitas no Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 11: 121-155, 1919.         [ Links ]

14. Lessnau KD, Can S, Talavera N. Disseminated Strongyloides stercoralis in human immunodeficiency virus infected patients. Treatment failure and a review of the literature. Chest 104: 119-122, 1993.         [ Links ]

15. Martinez M, Lopez-Ribot JL, Kirkpatrick WR, Coco BJ, Bachmann SP, Patterson TF. Replacement of Candida albicans with C. dubliniensis human immunodeficiency virus-infected patients with oropharyngeal candidiasis treated with fluconazole. Journal of Clinical Microbiology 40: 3135-3139, 2002.         [ Links ]

16. National Committee for Clinical Laboratory Standards. Development of in vitro susceptibility testing criteria and quality control parameters. Approved guideline M27-A. National Committee for Clinical Laboratory Standards, Villanova, PA, 1994.         [ Links ]

17. Pelletier G. Pathophysiology of tropical diarrhea. Presse Medjournal 36:687-693, 2007.         [ Links ]

18. Petersen C. Cryptosporidium. AIDS File 8: 1-3, 1994.         [ Links ]

19. Puthucheary SD, Hafeez A, Raja NS, Hassan HH. Salmonellosis in persons infected with human immunodeficiency virus: a report of seven cases from Malaysia. Southast Asian Journal of Tropical Medicine and Public Health 35:361-365, 2004.         [ Links ]

20. Reagan DR, Pfaller SA, Hollis RJ, Wenzel RP. Evidence of nosocomial spread of Candida albicans causing boodstream infection in a neonatal intensive care unit. Diagnostic Microbiology and Infectious Disease 4: 191-194, 1995.         [ Links ]

21. Rossit AR, de Almeida MT, Nogueira CA, da Costa Oliveira JG, Barbosa DM, Moscardini AC, Mascarenhas JD, Gabbay YB, Marques FR, Cardoso LV, Cavasini CE, Machado RL. Bacterial, yeast, parasitic and viral enteropathogens in HIV-Infected children from São Paulo State, Southeastern Brazil. Diagnostic Microbiology and Infectious Disease 57: 59-66, 2007.         [ Links ]

22. Siddiqui U, Bini EJ, Chandarana K, Leong J, Ramsetty S, Schiliro D, Poles M. Prevalence and impact of diarrhea on health-related quality of life in HIV-infected patients in the era of highly active antiretroviral therapy. Journal of Clinical Gastroenterology 41: 484-490, 2007.         [ Links ]

23. Soave R, Jonhson Jr WD. AIDS commentary: Cryptosporidium and Isospora belli infections. The Journal of Infectious Disease 157:225-229, 1988.         [ Links ]

24. Sullivan DJ, Westerneng TJ. Haynes KA, Bennet DE, Coleman DC. Candida dubliniensis sp.nov: phenotypic and molecular characterization of a novel species associated with oral candidiasis in HIV-infected individuals. Microbiology 141: 1507-1521, 1995.         [ Links ]

25. Tsang CS, Samaranayake LP. Oral yeasts and coliforms in HIV-infected individuals in Hong Kong. Mycoses 43:303-308, 2000.         [ Links ]

26. Vargas GK, Joly S. Carriage frequency intensity of carriage and strains of oral species vary in the progression to oral candidiasis in human immunodeficiency virus-positive individuals. Journal of Clinical Microbiology 40: 341-350, 2002.         [ Links ]

27. White TC, Marr KA, Bowswn RA. Clinical, cellular and molecular factors that contribute to antifungal drug resistence. Clinical Microbiology Reviews 11: 382-402, 1998.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dra Aurea Regina T. Pupulin
DAC/UEM
Av. Colombo 5790, 87020-900 Maringá-PR
e-mail: artpupulin@uem.br

Recebido para publicação em 10/07/08
Aceito em 28/08/2009

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License