SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 número3Acidente por Rhopalurus agamemnon (Koch, 1839) (Scorpiones, Buthidae) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versão impressa ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.43 no.3 Uberaba maio/jun. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000300028 

IMAGENS EM DIP

 

Empiema  epidural relacionado a miíase dorsal

 

 

Júlio Leonardo Barbosa PereiraI; Gervásio Teles Cardoso de CarvalhoI, II; Mauro Cruz Machado BorgoI

ISanta Casa de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG
IIFaculty of Medical Sciences of Minas Gerais, Belo Horizonte, MG

Address to

 

 

O empiema epidural representa, aproximadamente, uma em 20.000 admissões hospitalares, sendo uma entidade infecciosa incomum. O diagnóstico imediato tem grande relevância para o tratamento precoce, diminuindo a morbidade. Paciente masculino, de 22 anos, previamente hígido, com história de lesão cutânea na região dorsal. Foi submetido à avaliação médica inicial, e realizada extração de uma larva, tendo diagnóstico de miíase (Figura A). Após quinze dias, evoluiu com quadro de dor na região dorsal, com irradiação para o hemitórax anterior à esquerda, seguido de paraparesia progressiva de rápida evolução, incontinência urinária e fecal, além de nível sensitivo correspondendo ao dermátomo de T8. Apresentava-se afebril neste período, e o hemograma mostrou uma leucocitose com desvio para esquerda e o PCR estava elevado. A sorologia para HIV foi negativa, e o paciente negou o uso de drogas endovenosas. Foi realizada a ressonância magnética da coluna torácica que evidenciou uma imagem sugestiva de empiema epidural estendendo de T8 a T11, sendo então encaminhado para nosso serviço (Figuras B e C). O paciente foi submetido à hemilaminectomia de T8 a T11 com drenagem do empiema epidural, seguido de antibioticoterapia. A hemocultura sem crescimento de microorganismo e cultura da secreção evidenciou crescimento de Staphylococcus aureus. O paciente evoluiu no pós-operatório com melhora da incontinência fecal e urinária, tendo recuperação parcial da sensibilidade. Porém, manteve com paraparesia grau 2/5. O aspecto inusitado, neste caso, foi a porta de entrada para o empiema epidural ter sido uma miíase na região dorsal num paciente jovem e hígido previamente. Pelo exposto, conclui-se que o empiema epidural se mantém um desafio diagnóstico e terapêutico, em virtude da inespecificidade dos sinais clínicos e laboratoriais

 

 

 

REFERENCES

1. Darouiche RO. Spinal epidural abscess. N Engl J Med 2006; 355:2012-2020.         [ Links ]

2. Reihsaus E, Waldbaur H, Seeling W. Spinal epidural abscess: a meta-analysis of 915 patients. Neurosurg Rev 2000; 23:175-204.         [ Links ]

3. Marquez AT, Mattos MS, Nascimento SB. Miíases associadas com alguns fatores sócio-econômicos em cinco áreas urbanas do Estado do Rio de Janeiro. Rev Soc Bras Med Trop 2007; 40:175-180.         [ Links ]

 

 

Address to:
Dr. Júlio Leonardo Barbosa Pereira
Av. Francisco Sales 1813/602
30150-221 Belo Horizonte, MG, Brasil
Phone: 55 31 8515-4111
e-mail: juliommais@yahoo.com.br

Received in 11/12/2009
Accepted in 25/01/2010