SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 issue5Predatory activity of the nematophagous fungi Duddingtonia flagrans, Monacrosporium thaumasium and Arthrobotrys robusta on Strongyloides stercoralis infective larvaeParasitism by Amblyomma sp (Acari: Ixodidae) in humans in the city of Recife, state of Pernambuco, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.43 no.5 Uberaba Sept./Oct. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000500025 

COMUNICAÇÃO COMMUNICATION

 

Sepse, sepse grave e choque séptico: aspectos clínicos, epidemiológicos e prognóstico em pacientes de Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Universitário

 

Sepsis, severe sepsis and septic shock: clinical, epidemiological and prognostic characteristics of patients in an intensive care unit in a university hospital

 

 

Renan Henrique de CarvalhoI; Janaína Fernandes VieiraI; Paulo Pinto Gontijo FilhoI,II; Rosineide Marques RibasI

IInstituto de Ciências Biomédicas, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG
IIComissão de Controle de Infecção Hospitalar, Hospital de Clínicas, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

INTRODUÇÃO: Sepse é considerada doença grave com alta mortalidade. O objetivo desse estudo foi determinar a incidência e evolução da sepse em pacientes críticos.
MÉTODOS: Foi realizada vigilância prospectiva de sepse na Unidade de Terapia Intensiva de Adultos, de abril-dezembro de 2007.
RESULTADOS: A frequência de pacientes/dia foi 442. Setenta e cinco (18,6%) pacientes tinham sepse; destes, 72% hospitalar. As taxas de sepse grave e choque séptico por paciente/dia foram 5,0 e 3,1, respectivamente. A mortalidade total foi 34,6%. Sessenta e um por cento dos casos tinham diagnóstico microbiológico.
CONCLUSÕES: A sepse apresentou-se numa frequência maior, do que a usualmente descrita na literatura.

Palavras-chaves: Sepse grave. Choque séptico. Mortalidade.


ABSTRACT

INTRODUCTION: Sepsis is considered to be a severe disease with high mortality. The objective of this study was to determine the incidence and evolution of sepsis among critically ill patients.
METHODS: Prospective surveillance of sepsis was performed in the adult intensive care unit, between April and December 2007.
RESULTS: The patient frequency/day was 442. Seventy-five patients (18.6%) had sepsis and 72% of these cases were hospital-acquired. The rates of severe sepsis and septic shock per patient/day were 5.0 and 3.1, respectively. The total mortality was 34.6% and 61% of the cases had microbiological diagnoses.
CONCLUSIONS: Sepsis presented with higher frequency than is usually described in the literature.

Key-words: Severe sepsis. Septic shock. Mortality.


 

 

A sepse é a principal causa de morte nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e está entre as principais causas de morte nos Estados Unidos1,2, com taxas variando de 20% a 80%, dependendo da definição utilizada. Dados sobre a incidência e evolução da sepse em UTIs da América Latina incluindo o Brasil são raros. O Consenso Brasileiro de Sepse mostra uma incidência de sepse e choque séptico de 27% e 23%, respectivamente3.

No início do século XXI, busca-se ainda uma compreensão melhor da doença. Não se pode negar avanços em relação ao diagnóstico mais precoce, rastreamento microbiano mais eficaz que possibilita o rápido início do tratamento, o uso otimizado das variáveis hemodinâmicas e das técnicas de suporte orgânico4.

O objetivo desse estudo foi determinar as taxas de incidência de sepse, sepse grave e choque séptico, de natureza comunitária e hospitalar, primária e secundária com e sem critérios microbiológicos bem como sua evolução. Adicionalmente, foram analisados a etiologia, o espectro de resistência e a relação com o consumo de antibióticos, em UTI mista de adultos.

Os pacientes incluídos no estudo (nº = 403) estavam internados na UTI de adultos (15 leitos) do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia, que é um hospital de ensino, com 503 leitos que oferece nível terciário de atendimento. Os episódios de sepse foram classificados em: a) adquirido na comunidade: infecção identificada com menos de48 horas após a internação no hospital ou UTI; b) adquirida no hospital: infecção identificada após 48 horas de internação no hospital; c) adquirida na UTI: infecção que se manifesta após 48 horas de admissão na UTI. Além dessas,existem a de origem secundária: infecção com foco fora do sistema vascular e a de origem primária: sem foco conhecido.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de ética em Pesquisa da Universidade. As definições de sepse, sepse grave e choque séptico foram aquelas sugeridas pelo CDC5.

Foi realizado um estudo prospectivo de incidência de sepse e as prescrições de antibióticos foram consideradas como sendo de caráter terapêutico e profilático e, de acordo com a categoria e o número de prescrições/pacientes, estimando a dose diária definida (DDD) por 1.000 pacientes/dia, como proposto pela Organização Mundial de Saúde. A DDD por 1.000 pacientes/dia (DDDN) foi obtido de acordo com a seguinte fórmula:

DDD:

DDDN:

As coletas foram na maioria dos casos, quando da suspeita clínica de infecção e, geralmente, antes de iniciada a terapêutica antibiótica. As coletas de sangue no hospital são feitas usualmente pelo hub do catéter venoso central em dois momentos distintos. A hemocultura é realizada por sistema semiautomatizado (BacAlert).

As taxas de pacientes com sepse hospitalar e comunitária foram 72% e 28%, respectivamente, com a maior frequência no primeiro grupo (74%) adquirida na UTI. Foi verificada uma incidência de 442 pacientes/dia e uma incidência por 1.000 pacientes/dia de sepse, sepse grave e choque séptico de 8,2; 5,0 e 3,1, respectivamente. O tempo de internação dos pacientes com sepse (22 dias) foi três vezes maior do que naqueles sem essa síndrome (8,6 dias). A frequência de mortalidade nos pacientes com sepse foi 15,4%, 34,6% e 50% naqueles com sepse clínica, sepse grave e choque séptico, respectivamente, sendo 60% dos óbitos relacionados com a sepse hospitalar. Um total de 61,3% dos casos apresentou documentação microbiológica (Tabela 1).

 

 

A frequência total de sepse primária e secundária foi similar com 53,3% (primária) e 46,7% (secundária), como evidenciado na Tabela 1. O diagnóstico microbiológico foi confirmado em 58,6% dos casos de sepse primária e 57,1% nas secundárias. A presença de fenótipos epidemiologicamente importantes como Staphylococcus aureus resistente a meticilina, microrganismos da família Enterobacteriaceae resistentes a cefalosporinas de 3ª e 4ª geração e Pseudomonas aeruginosa resistente a imipenem foram expressivas (frequências superiores a 50%), dados demonstrados na Tabela 2.

 

 

A maior parte dos pacientes utilizaram algum antibiótico durante a internação, e nesses, cerca de 62% utilizaram dois ou mais antibióticos. O uso terapêutico e profilático foi de 73,6% e 26,7%, respectivamente, com uso incorreto (quando o antibiótico utilizado e o espectro de resistência não foram compatíveis) em 14,5% (Tabela 3).

 

 

Foi evidenciado um alto uso de cefalosporinas de amplo espectro (563,3), principalmente cefepima (463,8) seguido de carbapenêmicos (266,5) e vancomicina (119.0). Na Tabela 3, a presença de fenótipos de resistência foi expressiva (50%).

As infecções sanguíneas são classificadas em primárias e secundárias, baseada na ausência ou presença de foco de infecção conhecido fora do sistema vascular. O principal foco nas infecções secundárias é o pulmão, respondendo por 50% de todos os casos8. A sepse primária é usualmente (85%) relacionada com o catéter venoso central (CVC) e, apresenta uma taxa de mortalidade entre 12% e 25%, aumentando o tempo de hospitalização do paciente de 10 para 40 dias9. Nessa investigação, a taxa de sepse foi similar entre as primárias e secundárias (cerca de 50% cada), sendo o CVC nas primeiras, a principal origem do microrganismo com 65% dos casos, e o pulmão sendo a principal origem na sepse secundária com 37% dos casos.

A sepse grave e sua evolução para choque séptico é a causa mais freqüente de óbitos nas UTIs brasileiras. Dados de um estudo clínico brasileiro revelam que a incidência de sepse grave no país é cerca de 27% em pacientes com mais de 24 horas de internação3. Em nossa casuística, a definição de sepse seguiu os critérios do CDC5 e demonstra taxas mais altas do que as relatadas no Brasil, que incluem taxas de sepse (30,6%), sepse grave (42,7%) e choque séptico (26,7%).

Nesse estudo, a documentação microbiológica ocorreu na maioria (61,3%) dos casos. Nos casos de sepse, foram recuperadas 29 amostras de sepse primária, em que os cocos Gram-positivos predominaram (58,7%) e, 21 de sepse secundária onde os bacilos Gram-negativos foram os agentes mais frequentes (71,4%). Os microrganismos mais importantes recuperados foram Staphylococcus coagulase-negativa(SCN) representando 30% e, Pseudomonas aeruginosa (8%), dados similares de estudos recentes10,11. Comparando com outros patógenos importantes, a presença de Candidasp (6%) foi compatível com estudos americanos6, por outro lado a presença de Enterococcus sp foi incomum (3,7%).

Na nossa série, a maioria (cerca de 60%) dos pacientes estava usando antibióticos, como relatado previamente por Ribas e cols12 e Carvalho e cols13 na mesma unidade e também evidenciado no estudo multicêntrico no México7 e nas 19 UTIs avaliadas do Hospital de Clínicas da USP3. A DDD demonstrou que o consumo de cefalosporinas de amplo espectro, carbapenêmicos e vancomicina foram mais alto quando comparado com outros dados nacionais como, por exemplo, o de Santos e cols14, ou quando comparado com estudos do NNISS enfatizando uma ordem crescente de 138,7%; 200.3% and 705% para o uso de vancomicina, cefalosporinas e carbapenêmicos, respectivamente. Os valores foram também mais altos quando comparados a programa europeu de vigilância, SARI (programa de controle alemão), com uso de maior de vancomicina (687,8%), carbapenêmicos (499%) e cefalosporinas (220,3%)15.

Esse uso poderia ser justificado pela frequência elevada de fenótipos de resistência em microrganismos epidemiologicamente importantes como MRSA (50%), Pseudomonas aeruginosa resistentes ao imipenem (50%) e Enterobacteriaceae resistentes as cefalosporinas de terceira e quarta gerações (72,7%), como evidenciado nesse estudo. Nosso estudo, também, descreve a frequência de pacientes que evoluíram para óbito. Confirmamos o que foi publicado, recentemente, com taxas de mortalidade total nos casos de sepse, sepse grave e choque séptico de 16%, 20% e 46%, respectivamente14, na Europa, e 17% para sepse e 34% para sepse grave, nos estados6,15. Aqui, taxas similares foram descritas: 15,%, 34,6% e 50%, respectivamente.

A sepse se apresentou numa frequência mais alta do que relatado na literatura (18,6%), com distribuição similar entre as primárias e secundárias, com critérios microbiológicos em torno de 60% dos casos, em nossa UTI. Os estafilococos predominaram nas infecções primárias e os bacilos Gram-negativos nas secundárias, com frequências de resistência para oxacilina, cefalosporinas de amplo espectro e imipenem sendo superior a 50%, refletindo a pressão exercida por esses medicamentos, evidenciada pela elevada DDD quando comparada com UTIs de países desenvolvidos. Entretanto, a mortalidade total nos casos de sepse grave (35%) e choque séptico (50%) foram compatíveis com estudos multicêntricos.

 

CONFLITO DE INTERESSE

Os autores declaram não haver nenhum tipo de conflito de interesse no desenvolvimento do estudo.

 

SUPORTE FINANCEIRO

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

 

REFERÊNCIAS

1. Gastmeier P, Kampf G, Wischnewski N, Hauer T, Schulgen G, Schumacher M, et al. Prevalence of nosocomial infection in representative german hospitals. J Hosp Infect 1998; 38:37-49.         [ Links ]

2. Gerlach H, Keh D. Recent progress in sepsis epidemiology - have we learned enough? Crit Care 2003; 7:333-334.         [ Links ]

3. Silva E, Pedro MA, Sogayar ACB, Mohovic T, Silva CLO, Janiszewski M, et al. Brazilian Sepsis Epidemiological Study (BASES study). Crit Care 2004; 8:251-260.         [ Links ]

4. Kollef MH. Time to get serious about infection prevention in the ICU. Chest 2006; 130:1293-1296.         [ Links ]

5. Hugonnet S, Sax H, Eggimann P, Chevrolet JC, Pittet D. Nosocomial bloodstream infection and clinical sepsis. Emerg Infect Dis 2004; 10: 76-81.         [ Links ]

6. Diekema DJ, Beekmann SE, Chapin KC, Morel KA, Munson E, Doern GV. Epidemiology and outcome of nosocomial and community-onset bloodstream infection. J Clin Microbiol 2003; 41:3665-3660.         [ Links ]

7. de Leon-Rosales SP, Molinar-Ramos F, Dominguez-Cherit G, Rangel-Frausto MS, Vazquez-Ramos VG. Prevalence of infections in intensive care units in Mexico: A multicenter study. Crit Care Med 2000; 28:1316-1321.         [ Links ]

8. Eggimann P, Pittet D. Infection control in the ICU. Chest 2001; 120:2059-2093.         [ Links ]

9. Harbarth S, Ferriere K, Hugonnet S, Harbarth S, Ferriere K, Hugonnet S. Epidemiology and prognostic determinants of bloodstream infections in surgical intensive care. Am Med Assoc 2007; 137:1353-1359.         [ Links ]

10. Epidemiology and prognostic determinants of bloodstream infections in surgical intensive care. Am Med Assoc 2007; 137:1353-1359.         [ Links ]

11. Banerjee SN, Emori TG, Culver DH. Secular trends in nosocomial primary blood-stream infections in the United States, 1980-1989: National Nosocomial Infections Surveillance System. Am J Med 1991; 91(suppl):86S-89S.         [ Links ]

12. Verbist L. Epidemiology and sensitivity of 8625 ICU hematology/oncology bacterial isolates in Europe. Scand J Infec Dis 1993; 91(suppl):14-24.         [ Links ]

13. Ribas RM, Freitas C, Almeida AB, Gontijo Filho PP. Prevalência de infecção e uso de antibióticos em uma Unidade de Terapia Intensiva de Adultos de um hospital universitário brasileiro. 2º Congresso Mineiro de Infectologia, Uberlândia, MG; 2006. p. 26-26.         [ Links ]

14. Carvalho RH, Gontijo Filho PP. Bactérias resistentes e multirresistentes a antibióticos nos pacientes internados em uma UTI de adultos de hospitais universitários brasileiro. Dissertação de Mestrado. Imunologia e Parasitologia Aplicadas, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG; 2007.         [ Links ]

15. Meyer E, Jonas D, Schwab F, Rueden H, Gastmeider P, Daschner FD. Design of a surveillance system of antibiotic use and bacterial resistance in German intensive care unit (SARI). Infect 2003; 31:208-215.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Drª Rosineide Marques Ribas
ICIBIM/UFU
Rua Nordau Gonçalves de Melo 1245
38408-218 Uberlândia, MG
Telefax: 55 34 3218-2236
e-mail: rosi_ribas@yahoo.com.br

Recebido para publicação em 10/12/2009
Aceito em 14/04/2010