SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue2Pulmonary actinomycosis simulating Tobias-Pancoast tumorDisseminated Mycobacterium abscessus infection in an AIDS patient author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.44 no.2 Uberaba Mar./Apr. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011000200029 

CARTA AO EDITOR LETTER TO EDITOR

 

Dengue silvestre: devemos nos preocupar?

 

Sylvatic dengue: should we be worried?

 

 

Carlos Brisola MarcondesI; Pedro Luiz TauilII

IDepartamento de Microbiologia e Parasitologia, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC
IIFaculdade de Medicina, Universidade de Brasília, Brasília, DF

Endereço para correspondência

 

 

Prezado Editor:

A transmissão de vírus de dengue é efetuada quase sempre em áreas urbanas e por Aedes aegypti. O vírus passou a ocorrer com grande intensidade, na Ásia, a partir da Segunda Guerra Mundial, com a migração humana para as cidades na região do Pacífico e, com o aumento no tráfego aéreo e marítimo, também passou a causar epidemias nas cidades do continente americano1.

A febre amarela veio para o continente americano, por via marítima, provindo da África, desde o final do século XV, causando grandes epidemias urbanas. A partir do início do século XX, foi sendo notada a ocorrência de casos em florestas, tendo sido bem estudado um surto no Vale de Canaã, no Estado do Espírito Santo2.

O problema do dengue, já bastante grave com a transmissão urbana, poderá ser maior se os vírus tiverem um refúgio permanente em áreas silvestres, como na febre amarela, especialmente por não se dispor de uma vacina para nenhum dos quatro sorotipos. Um ciclo silvestre tornaria impossível eliminar o dengue de várias áreas do continente americano.

Tem sido observado ciclo silvestre de dengue, envolvendo primatas não humanos, no oeste da África e na Malásia3. Primatas de várias espécies mostraram-se susceptíveis à infecção experimental por DEN-1 e DEN-2, não atingindo viremia suficiente para infectar mosquitos por via oral4. O encontro de infecção em índios Ayoreos, na Bolívia, em área sem Aedes aegypti fez suspeitar de ciclo silvestre5, e Aedes mediovittatus tem boas condições para ser um vetor6.

Na Guiana Francesa, tem sido constatada infecção por vírus de dengue em tatus, marsupiais, roedores e cervos7 e em três espécies de roedores, três de marsupiais e três de morcegos8. Ainda que algumas das amostras não fossem exatamente iguais às que circulam atualmente em humanos, foram encontrados vírus dos quatro sorotipos, com suspeita de que alguns destes vírus tenham sido introduzidos no ciclo silvestre no início do século XX, a partir de imigrantes da Ásia8.

São necessários estudos mais detalhados para avaliar qual é o papel dos mamíferos silvestres como reservatórios de vírus de dengue9. No entanto, certamente está ocorrendo transmissão silvestre dos vírus nas áreas estudadas. Como Haemagogus de várias espécies e alguns sabetinos (Sabethes sp.) são os principais vetores de vírus de febre amarela no Brasil e tanto este vírus quanto os de dengue são flavivírus, sobre estes mosquitos poderiam recair suspeitas. O relato de infecção de Haemagogus leucocelaenus por DEN-1 na Bahia, por meio de RT-Heminested-PCR10, indica a necessidade de investigar o envolvimento de Haemagogus e outros mosquitos em um provável ciclo silvestre. Foi obtida transmissão vertical de vírus de dengue tipo 1 em mosquitos Haemagogus equinus, indicando uma boa adaptação ao mosquito.

Se a duração da viremia, que em humanos costuma ser maior em dengue que em febre amarela, for similar em mamíferos silvestres, a taxa básica de reprodução de casos será provavelmente maior em dengue que nesta última virose. Seria útil avaliar a infecção experimental em vários animais silvestres.

Ainda que Aedes aegypti possa ocorrer nas bordas de florestas, tem pouca tendência a penetrar neste ambiente, mas Aedes albopictus tem maior tendência a circular entre este e a área modificada pela ação humana11, podendo eventualmente servir como ligação entre ambos os ambientes.

São imprescindíveis estudos sobre a possível ocorrência de ciclo silvestre de dengue no continente americano1; no Brasil, especialmente, na Amazônia e em cidades situadas em área originalmente de Mata Atlântica. Qual seria, por exemplo, a situação em matas do Rio de Janeiro, em bairros de alta incidência de dengue, como Freguesia, Vargem Pequena e Jacarepaguá e na Mata do Buraquinho, em João Pessoa, com muitos casos de dengue nos bairros próximos? Haemagogus e outros mosquitos silvestres, possivelmente susceptíveis à infecção por vírus de dengue têm sido coletados no Parque Estadual da Pedra Branca, próximo a Jacarepaguá (JA Alencar: comunicação pessoal, 2010).

Ainda que não tenham sido registrados surtos de dengue com transmissão silvestre, similares aos de febre amarela, esta é uma possibilidade que não pode ser desconsiderada, devendo ser estudados mosquitos e mamíferos em matas com vários graus de preservação. As arboviroses que atingem os humanos certamente provieram de outros animais1, e uma nova arbovirose pode ser devida a adaptação a novos hospedeiros, no chamado tráfico viral12.

 

REFERÊNCIAS

1. Vasilakis N, Weaver SC. The history and evolution of human dengue emergence. Adv Virus Res 2008; 72:1-76.         [ Links ]

2. Soper FL, Penna H, Cardoso E, Serafim Jr J, Frobisher Jr M, Pinheiro J. Yellow fever without Aëdes aegypti. Study of a rural epidemic in the Valle do Chanaan, Espirito Santo, Brazil, 1932. Am J Hyg 1933; 18:555-587.         [ Links ]

3. Gubler DJ. The changing epidemiology of yellow fever and dengue, 1900 to 2003: full circle? Comp Immunol Microbiol Infect Dis 2004; 27:319-330.         [ Links ]

4. Rosen L. Experimental infection of New World monkeys with dengue and yellow fever viruses. Am J Trop Med Hyg 1958; 7:406-410.         [ Links ]

5. Roberts DR, Peyton EL, Pinheiro FP, Balderrama F, Vargas R. Associations of arbovirus vectors with gallery forests and domestic environments in southeastern Bolivia. PAHO Bull 1984; 98:417-430.         [ Links ]

6. Gubler DJ, Novak RJ, Vergne E, Colon NA, Velez, M, Fowler J. Aedes (Gymnometopa) mediovittatus (Diptera: Culicidae), a potential maintenance vector of dengue viruses in Puerto Rico. J Med Entomol 1985; 22:469-475.         [ Links ]

7. Thoisy B, Dussart P, Kazanji M. Wild terrestrial rainforest mammals as potential reservoirs for flaviviruses (yellow fever, dengue 2 and St Louis encephalitis viruses) in French Guiana. Trans R Soc Trop Med Hyg 2004; 98:409-412.         [ Links ]

8. Thoisy B, Lacoste V, Germain A, Muñoz-Jordán J, Colón C, Mauffrey J-F, et al. Dengue infection in Neotropical forest mammals. Vector-Borne Zoon Dis 2008; 9:157-170.         [ Links ]

9. Lavergne A, Lacoste V, Germain A, Matheus S, Dussart P, Deparis X, et al. Infection par le virus de la dengue de mammifères sauvages en région néotropicale: hôtes accidentels ou réservoirs potentiels? Med Trop 2009; 69:345-350.         [ Links ]

10. Figueiredo ML, Gomes AC, Amarilla AA, Leandro AS, Orrico AS, Araujo RF, et al. Mosquitoes infected with dengue viruses in Brazil. Virol J 2010; 12:152.         [ Links ]

11. Maciel-de-Freitas R, Neto RB, Goncalves JM, Codeco CT, Lourenço-de-Oliveira R. Movement of dengue vectors between the human modified environment and an urban forest in Rio de Janeiro. J Med Entomol 2006; 43:1112-1120.         [ Links ]

12. Morse SS. Examining the origin of emerging viruses. In: Morse SS, editor. Emerging viruses. New York: Oxford University Press; 1993. p. 10-28.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Dr. Carlos Brisola Marcondes
Depto de Microbiologia e Parasitologia/CCB/UFSC
Campus Trindade
88040-900 Florianópolis, SC
Tel: 55 48 3721-5208
e-mail: cbrisola@mbox1.ufsc.br

Recebido para publicação em 17/08/2010
Aceito em 04/11/2010