SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 issue3Estudos sobre a vegetação das Campinas Amazonicas. IV Estudos ecológicos na Campina da Reserva Biológica INPA - SUFRAMA (Manaus-Caracaraí, km 62)Anatomia de Euterpe oleracea Mart. (Palmae da Amazônia) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967On-line version ISSN 1809-4392

Acta Amaz. vol.5 no.3 Manaus Dec. 1975

http://dx.doi.org/10.1590/1809-43921975053261 

BOTÂNICA

The history of the INPA capoeira based on ecological studies of Lecythidaceae

Ghillean T. Prance*  2 

*()— Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.

2B. A. Krukoff Curator of Amazonian Botany, The New York Botanical Garden.


Abstract

The Lecythidaceae of a 2500 m2 area of the secondary forest of INPA was studied. The 97 individuals of Lecythidaceae present indicated a high number of primary forest species. It is concluded that most of the area was not burnt when the original forest was cut, and the regeneration of primary forest species is much greater in areas which are not burnt over after felling. This is further supported by parallel studies of Bignoniaceae and Meliaceae of the same area.

Sumário

Fez-se um estudo das Lecythidaceas de uma área de capoeira de 2500m2, situada no Campus do INPA, Manaus. Foram encontrados 97 indivíduos de cinco espécies da família Lecythidaceae, sendo que 63 deles pertencem à espécie Eschweilera odora (Poepp.) Miers. Do total de indivíduos, 90 resultam de brotação de tocos das árvores originais. Observou-se que uma parte da área foi queimada, e lá ocorriam poucas Lecythidaceae, e muitas árvores típicas de capoeira. A parte que não sofreu a ação do fogo tem muitos representantes da família (Lecythidaceae), mas também ocorrem outras plantas características de mata primária, como por exemplo, espécimes das famílias Bignoniaceae e Meliaceae. Concluímos que grande parte da área nunca foi queimada, e nela a regeneração é muito mais rica em espécies de mata primária do que em uma área queimada. Isto porque muitas árvores têm capacidade de regeneração por brotação e muitas das sementes não chegam a ser destruídas.

Texto disponível apenas em PDF

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.