SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue3DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS DE RUGOSIDADE E RELAÇÕES ENTRE FLUXOS E GRADIENTES SOBRE FLORESTAAVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE CLASSE SÓCIOECONÔMICA MÉDIA E BAIXA DA CIDADE DE MANAUS : ESTUDO COMPARATIVO author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967On-line version ISSN 1809-4392

Acta Amaz. vol.22 no.3 Manaus July/Sept. 1992

https://doi.org/10.1590/1809-43921992223361 

MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS

LAGO AMAZONAS: FACT OR FANCY?

Hanna Tuomisto 1  

Kalle Ruokolainen 1  

Jukka Salo 2  

1Department of Biology, University of Turku, SF-20500 Turku, Finland.

2Korkeasaari Zoo, SF-00560 Helsinki, Finland.


ABSTRACT

It has been suggested that a huge lake, Lago Amazonas, covered a large part of the Amazon basin until as recently as two thousand years ago. According to this hypothesis, the topmost sediments in western Amazonia are almost universally young deposite of lacustrine and deltaic origin. The hypothesis has gained some attention among biologists because of its implications for biological phenomena in Amazonia, especially biogeography and biodiversity. According to the available geological data, however, Amazonia is geologically far more complex than assumed by the lake hypothesis. In the following discussion we will point out the weaknesses of the Lago Amazonas hypothesis, and indicate alternative explanations of the surface geology that are based on tectonically controlled fluvial deposition.

RESUMO

Foi proposta a idéia que uma parte importante da bacia do Amazonas foi coberta por um vasto lago, Lago Amazonas, até há época tão recente como dois mil anos atrás. Segundo esta hipótese os sedimentos de topo na região ocidental da Amazônia são quase universalmente depósitos recentes de origem lacustre e estuário. A hipótese tem chamado atenção dos biólogos pelas suas implicações com fenômenos biológicos na Amazônia, particularmente com a biogeografìa e a biodiversidade.

A Amazônia, apresenta, contudo, uma unidade geologicamente muito mais complexa do que pressupõe esta hipótese de lago, hipótese que nem tem apoio dos dados disponíveis sobre o tectonismo, a geomorfologia, a estratigrafia e os solos. Vastas áreas nas regiões do Peru e da Bolivia da bacia do Amazonas se caracterizam atualmente pela deposição fluvial, dominada pelos processos tectônicais. São processos que foram ativos durante dezenas de milhões de anos explicando assim a acumulação dos sedimentos Quaternários não-consolidados, característicos da região ocidental da Amazônia. Há uma variação extensa dos sedimentos de topo tanto pela sua composição como pela sua idade devido às influências locais de fatores diferentes. A hipótese que pressupõe o ambiente de depósitos ter no recente passado diferido basicamente do ambiente atual, precisava, para ser aceita, provas mais convincentes do que foi presentado pelos proponentes da hipótese de Lago Amazonas.

Devido à instalidade e heterogeneidade do meio ambiente da Amazônia, é preciso prudência quando se generaliza baseando-se nas observações duma área limitada. Sistemas de depósitos diferentes são capazes de produzir sedimentos estratigrafica mente semelhantes, independentemente um do outro. Sem ter provas evidentes tanto da continuidade como da deposição simultanea, estabelecer uma correlação entre formações de locais remotos parece muito arriscado.

Full text available only in PDF format.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.