SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue4Ectoparasites on cats and dogs from Manaus, Amazonas State, BrazilThe genusPhilipotabanusFairchild (Insecta: Diptera: Tabanidae) in the Amazon Region, with a key to the female species and description of P. obidensissp. nov. author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967On-line version ISSN 1809-4392

Acta Amaz. vol.36 no.4 Manaus Oct./Dec. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672006000400016 

ZOOLOGIA

 

Fauna de flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) em fragmentos de floresta ao redor de conjuntos habitacionais na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil. I. Estratificação Vertical

 

Sand flies fauna (Diptera: Psychodidae) in forest fragments around housing complexes in the Manaus municipality, state of Amazonas, Brazil. I. Vertical Stratification

 

 

Marlisson Augusto Costa Feitosa; Eloy Guillermo Castellón

Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - Coordenação de Pesquisas em Ciências da Saúde, INPA-CPCS Av. André Araújo, 2936 - 69083-000 Petrópolis, Manaus, Amazonas, Brasil. flebotomo@bol.com.br

 

 


RESUMO

No período de janeiro a agosto de 1999 foram realizadas coletas de flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) em duas áreas de floresta residual (Estrada do Turismo e Cidade de Deus), na periferia da cidade de Manaus (AM), tendo o objetivo de verificar as espécies e a estratificação vertical. Foram utilizadas armadilhas luminosas tipo CDC, colocadas nos fragmentos de florestas a um e dez metros de altura. Foram capturados 7.516 flebotomíneos distribuídos em 45 espécies; 4.836 espécimes, de 36 espécies, na estrada de Turismo e 2.680 exemplares, de 40 espécies, na Cidade de Deus. Predominaram na Estrada do Turismo Lutzomyia umbratilis e L. ubiquitalis e na Cidade de Deus, L. umbratilis e L. anduzei. A presença de algumas espécies, apenas em certas áreas, indica a adaptabilidade destes flebotomíneos em áreas sobre ação antrópica.

PALAVRAS-CHAVE: Diptera, Psychodidae, Flebotomíneos, Fragmentos Florestais.


ABSTRACT

Between January and August of 1999, a study was carried out on the phlebotomine (Diptera: Psychodidae) sand flies occurrence in two areas of residual forest (Estrada do Turismo and Cidade de Deus), in the periphery of Manaus, AM. The objective of this study was to verify the Phlebotominae sand fly fauna and vertical stratification. CDC light traps were placed in the forests, one to ten meters in height. A total of 7.516 sand flies, distributed in 45 species, were captured: 4.836 specimens of 36 species in the Estrada do Turismo and 2.680 individuals of 40 species in the Cidade de Deus.Predominant in the Estrada do Turismo were the species Lutzomyia umbratilis and L. ubiquitalis were as L. umbratilis and L. anduzei prevailed in the Cidade de Deus. Different Phlebotominae sand fly species in certain areas, showed an adaptation of these sand flies to areas of human activity.

KEYWORDS: Diptera, Psychodidae, Sand flies, Forest Fragment.


 

 

INTRODUÇÃO

Os dípteros da subfamília Phlebotominae são considerados vetores de agentes etiológicos que causam várias doenças de importância médica e veterinária. Segundo Young & Duncan (1994), estão presentes na região Amazônica aproximadamente 150 espécies de flebotomíneos pertencentes ao gênero Lutzomyia França, 1924. Na região Amazônica, apenas uma pequena parte desses dípteros pica o homem e é suspeita ou comprovadamente vetor dos agentes causadores de Leishmanioses (Young & Arias, 1992).

A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) no município de Manaus AM tem acompanhado as ocupações ou invasões populacionais ocorridas na periferia da cidade e ao longo das estradas BR174 (Manaus Boa Vista) e AM010 (Manaus Itacoatiara), onde ocorreram assentamentos para projetos agrícolas e conjuntos habitacionais (Guerra et al., 1998).

Segundo Barretto (1943) a distribuição dos flebotomíneos obedece aos limites das regiões faunísticas; algumas espécies vivem em associação íntima com o homem e os animais domésticos, enquanto que outras vivem em hábitats mais ou menos afastados de suas habitações. O autor relatou ainda que certas espécies vivem de preferência em floresta secundária, podendo, contudo, freqüentar habitações humanas e de animais domésticos situados no interior ou em suas proximidades e outras espécies vivem em florestas primárias, atacando o homem e os animais domésticos quando estes nelas penetram, ou quando suas moradias estão localizadas no interior ou na vizinhança das mesmas.

Na calha norte do rio Amazonas o principal agente etiológico de LTA é a Leishmania (Viannia) guyanensis Floch, 1954, sendo a preguiça (Choloepus didactylus Linnaeus, 1758) e o tamanduá (Tamandua tetradactyla Linnaeus, 1758) os hospedeiros incriminados, além de outros mamíferos silvestres de menor importância epidemiológica e próximos às moradias humanas. Na região de Manaus, o marsupial comensal mucura (Didelphis marsupialis Linnaeus, 1758) é considerado o reservatório urbano (Lainson, 1983). O principal vetor desta Leishmania é L. umbratilis Ward & Fraiha, 1977, inseto que durante a noite se localiza nas copas das árvores e repousa em troncos de árvores durante o dia, atacando o homem ao ser perturbado (Ready et al., 1985).

A estratificação vertical diária de L. umbratilis acontece da seguinte forma: durante as primeiras horas do amanhecer, quando acontece o aquecimento das copas das árvores, esta espécie migra para baixo, permanecendo em descanso na base dos troncos, próximos ao solo. Quando são perturbados, atacam picando e transmitem a LTA a hospedeiros secundários e ao homem (Lainson, 1983; Ready et al., 1986). Ao entardecer, com a redução da temperatura, L. umbratilis inicia o retorno às copas das arvores, em busca de alimento.

Dentre os trabalhos realizados na Amazônia Brasileira, muitos abordaram o estudo da estratificação vertical e horizontal, destacando a importância de se observar o grau de exposição humana às espécies silvestres vetoras de LTA. Dentre eles podemos citar: Arias & Freitas (1977, 1978), Castellón et al. (1989, 1991, 1995, 1998), Silva (1993) que pesquisaram a fauna de flebotomíneos na Reserva Florestal Adolpho Ducke; Arias & Freitas (1982) e Genaro et al. (1986) os quais estudaram a estratificação vertical de flebotomíneos em floresta de terra firme; Barrett (1993) e Lainson et al. (1994) discutiram sobre a eco-epidemiologia da leishmaniose tegumentar no estado do Amazonas; Cabanillas et al. (1995), Cabanillas & Castellón (1999), Castellón et al. (1994) relataram os abrigos naturais e a preferência de flebotomíneos por árvores na Reserva Florestal Adolpho Ducke e na rodovia BR 319 (Manaus Humaitá), Estado do Amazonas; Pessoa (2000) relatou o efeito do corte seletivo de madeira sobre a fauna de flebotomíneos; Dias-Lima et al. (2002) estudaram a estratificação vertical de flebotomíneos em floresta primária na Amazônia Central, destacando maior presença das espécies vetoras L. umbratilis e L. anduzei Rozeboom (1942) na copa das árvores.

Segundo Paes (1991), os flebotomíneos que vivem em ambientes modificados tentam sobreviver se alimentando do sangue de seus hospedeiros mamíferos remanescentes nas matas residuais, e o homem e/ou animais que vivem no peridomicílio podem ser uma opção de repasto sanguíneo para estes dípteros.

A cidade de Manaus apresenta diversos fatores epidemiológicos favoráveis à disseminação ou aparecimento de novos surtos da leishmaniose tegumentar, com o surgimento de novos bairros e assentamentos populacionais, avançando em direção à floresta que circunda a cidade ao norte, a leste e a oeste. Estes assentamentos se tornam ambientes altamente receptíveis a transmissão de leishmaniose tegumentar, dando origem a surtos epidêmicos da doença, como ocorrido nos bairros São José, Cidade Nova e Zumbi.

A zona franca de Manaus e outros projetos desenvolvimentistas tem promovido uma imensa migração da zona rural para a cidade, acarretando o surgimento de áreas de invasão urbana (favelização) principalmente na sua periferia, como os bairros Jorge Teixeira, Armando Mendes, Cidade de Deus, Nova Luz, entre outros, onde ocorrem aproximadamente 10% dos casos de leishmaniose tegumentar no município (Paes et al., 1998). Esses autores enfatizaram ainda, que na medida que ocorrem invasões na periferia da cidade e novos conjuntos habitacionais são construídos, fragmentos de floresta de diferentes tamanhos ficam intercalados com as construções, isolando populações de flebotomíneos, podendo estar entre eles vetores de LTA.

Paes (1991) em coletas realizadas no bairro Cidade Nova em Manaus, em floresta próxima às residências e no interior das mesmas, encontrou 44 diferentes espécies de flebotomíneos, estando entre eles conhecidos vetores de LTA. Já Guerra et al. (2000) capturaram flebotomíneos num bairro de implantação antiga na margem da mata adjacente ao Aeroporto de Manaus, demonstrando uma possível adaptação destes dípteros a áreas sobre ação antrópica.

Segundo Biancardi (1981), a realização de estudos sobre epidemiologia e ecologia de leishmanioses, com incriminação de vetores e seus hábitos, são fundamentais a aplicação de medidas profiláticas.

Neste trabalho, é verificada a presença de flebotomíneos vetores de LTA, em fragmentos florestais próximos de conjuntos habitacionais de Manaus (AM), verificando o grau de exposição humana a estes vetores através de estudo da estratificação vertical, procurando verificar mudanças comportamentais desses dípteros em relação às espécies encontradas em floresta primária.

 

MATERIAL E MÉTODOS

ÁREA DE ESTUDO

Foram escolhidas duas áreas de floresta residual que apresentavam em suas proximidades conjuntos habitacionais (figura 1), além de relatos sobre casos recentes de leishmaniose tegumentar pela Fundação de Medicina Tropical do Amazonas (FMT/AM):

 

 

Área 1 localizada nas proximidades da estrada do Turismo (Tarumã), área de preservação da INFRAERO localizada no aeroporto internacional Eduardo Gomes, na zona Centro-oeste da cidade, (3º02'887"S, 60º02'319"W), localizada, aproximadamente, a 200 - 300 m de conjuntos habitacionais. Esta área apresenta sinais de desmatamento e presença de vegetação secundária, destacando também a atividade de caçadores clandestinos e extrativismo vegetal.

Área 2 Localizada nas proximidades do bairro Cidade de Deus, situado na periferia da cidade de Manaus, na Reserva Florestal Adolpho Ducke, em seu posto de vigilância Sabiá 2, zona leste da cidade, (S 03º00'555"; W 59º56'381"). Esta área tem sido desmatada nos últimos anos por invasão de população com baixa renda, para a construção de moradias. É destacado, também nessa área, a atividade de caçadores clandestinos e extração de madeira e areia.

CAPTURA DOS FLEBOTOMÍNEOS

As coletas de flebotomíneos foram realizadas no período de Janeiro a Agosto de 1999, compreendendo seis meses da estação chuvosa e dois da estação de estiagem.

A captura dos flebotomíneos foi realizada com a utilização de armadilhas luminosas tipo CDC, efetuadas durante quatro dias consecutivos por mês, simultaneamente nas duas áreas, entre as 18:00h e 6:00h.

Para verificar a composição faunística e a estratificação vertical dos flebotomíneos, em floresta residual, foram selecionadas três árvores existentes nesta área e, para tal, foram levados em consideração os critérios sugeridos por Cabanillas & Castellón (1999), que relataram maior presença de flebotomíneos em árvores que apresentavam raízes tabulares, rugosidade em suas cascas e diâmetro acima de 50 cm. Em cada árvore selecionada foram montadas duas armadilhas, fixadas a um e a dez metros de altura.

As fêmeas e os machos foram identificados em nível especifico, segundo os critérios de Young & Duncan (1994).

Os resultados encontrados no estudo foram analisados pelo teste T - student, do programa Systat 7.0, sendo verificada a significância estatística das espécies encontradas nas estratificações de um e de dez metros.

 

RESULTADOS

Um total de 7.516 flebotomíneos foi coletado, distribuídos em 45 espécies, pertencentes ao gênero Lutzomyia, em dez subgêneros e cinco grupos de espécies. Na estrada do Turismo (área 1) foram capturados 4.836 exemplares de flebotomíneos distribuídos em 36 espécies (tabela 1); e no Bairro Cidade de Deus (área 2) 2.680 exemplares, pertencentes a 40 espécies (tabela 2).

 

 

 

 

Composição faunística da Estrada do Turismo (Área 1)

As 36 espécies de flebotomíneos obtidas nesta área estão identificadas em dez subgêneros e quatro grupos de espécies. As mais abundantes pertenciam ao subgênero Trichophoromyia, que apresentou 2.222 espécimes, seguidas pelos subgêneros Nyssomyia e Psychodopygus com 1.857 e 799 espécimes, respectivamente.

O subgênero Trichophoromyia teve L. ubiquitalis Mangabeira, 1942 com 1.305 espécimes (26,99%), como espécie mais representada nesta área, seguida por L. eurypyga Martins, Falcão & Silva, 1963 (11%), L. ruii Arias & Young, 1982 (6,82%) e L. brachipyga Mangabeira, 1942 (0,87%); na estratificação de um metro foi coletado apenas um exemplar de L. gibba.

Entre as espécies do subgênero Nyssomyia, L. umbratilis foi a mais abundante com 846 espécimes (17,49%). Dentre as demais espécies desse subgênero, também foram capturadas: L. anduzei, L. olmeca nociva Young & Arias, 1982e L. Antunesi Coutinho, 1939, sendo esta última registrada apenas no estrato de dez metros (Tabela 1).

Entre as espécies do subgênero Psychodopygus, que foram coletadas com freqüência nesta área, L. davisi Root, 1934 foi a mais abundante, com 364 (7,53%) exemplares. Entre as demais espécies deste subgênero, L. amazonensis Root, 1934, L. ayrozai Barretto & Coutinho, 1940 foram coletados com certa freqüência e L. s. squamiventris Lutz & Neiva, 1912, L. geniculata Mangabeira, 1941e L. paraensis Costa-Lima, 1941 com poucos exemplares (Tabela 1).

As demais espécies de outros subgêneros e grupos de espécies somaram juntas menos de 10%, sendo capturados em pequenas quantidades durante todo o período de coleta, foi destacado entre essas L. (Trichopygomyia) trichopyga Floch & Abonnenc, 1945 com 129 indivíduos (2,67%)e L. (Evandromyia) infraspinosa Mangabeira, 1941 com 126 exemplares (2,61%). A espécie L. dreisbachi Causey & Damasceno, 1945 do grupo dreisbachi, foi registrada apenas nesta área (Tabela 1).

Composição faunística da Cidade de Deus (Área 2)

Nesta área, foram registradas 40 espécies que compõem dez subgêneros e quatro grupos de espécies; os flebotomíneos do subgênero Nyssomyia foram os mais abundantes, com 1.950 espécimes, seguidos dos subgêneros Trichophoromyia (573 espécimes) e Psychodopygus (402 espécimes).

Entre as espécies do subgênero Nyssomyia capturadas nesta área, L. umbratilis apresentou o maior número de flebotomíneos coletados, com 650 espécimes (24,25%). As outras espécies desse subgênero, L. anduzei, L. flaviscutellata Mangabeira, 1942e L. olmeca nociva foram pouco capturadas.

A espécie mais abundante no subgênero Trichophoromyia, nesta área, foi L. eurypyga com 347 indivíduos (12,95%), seguida de L. ruii (7,69%). As demais espécies apresentando uma ocorrência muito pequena.

As espécies do subgênero Psychodopygus foram capturadas com regularidade nesta área, L. davisi foi a espécie mais numerosa, apresentando 286 (10,67%) espécimes. Outras espécies menos numerosas deste subgênero, coletados nessa área foram: L. amazonensis, L. ayrozai, L. s. squamiventris, L. geniculata e L. paraensis.

As demais espécies de outros subgêneros e grupos de espécies somaram juntas menos de 20%. Foram destacadas entre essas L. (Evandromyia) infraspinosa com 148 exemplares (5,52%), L. (Trichopygomyia) trichopyga que apresentou 221 espécimes (8,25%) e L. (Oswaldoi) rorotaensis Floch & Abonnenc, 1944 com 78 indivíduos (2,91%); a espécie L. pilosa Damasceno & Causey, 1944,do grupo Pilosa, foi capturada apenas nesta área.

ESTRATIFICAÇÃO VERTICAL NA ESTRADA DO TURISMO (ÁREA 1)

Na estratificação de um metro foram obtidos 2.926 flebotomíneos, pertencentes a 35 espécies, houve nesse estrato um pequeno predomínio de machos (53,38%) em relação às fêmeas (46,62%). Verificando que as espécies coletadas neste estrato, L. ubiquitalis (26,21%) e L. eurypyga (14,05%) se destacaram como as mais abundantes, seguidas por L. umbratilis (13,60%), L. anduzei (8,48%) L. davisi (8,41%) e L. ruii (8,30%) (Tabela 1).

No estrato a dez metros foi capturado um total de 1.910 flebotomíneos de 32 espécies. Com relação ao sexo, os machos (51,83%) foram subiguais às fêmeas (48,17%). Dentre as espécies coletadas nessa altura, L. ubiquitalis (28,17%) e L. umbratilis (23,46%) foram as mais abundantes, também sendo representativas as espécies, L. anduzei (8,06%), L. eurypyga (6,34%) e L. davisi (6,18%) (Tabela 1).

Dentre os subgêneros, foi observado que as espécies do subgênero Trichophoromyia foram mais abundantes em número de espécimes na estratificação a um metro de altura, nas espécies do subgênero Nyssomyia, ocorreu predominância na altura de um metro do solo, com exceção de L. umbratilis que apresentou maior abundância no estrato a dez metros, as espécies do subgênero Trichophoromyia apresentaram distribuição uniforme em ambos estratos; dentre as espécies do subgênero Psychodopygus no estrato a um metro, houve maior presença de L. davisi, porém as demais espécies desse subgênero, L. amazonensis, L. ayrozai e L. geniculata, foram mais abundantes na estratificação a dez metros (Tabela 1).

Não houve diferença estatística significante, (P > 0,05), entre os números totais de espécies coletadas nas estratificações de um e dez metros nessa área. A análise por espécies e subgêneros entre as estratificações também revelou não ser significativa na área em questão.

ESTRATIFICAÇÃO VERTICAL NA CIDADE DE DEUS (ÁREA 2)

A um metro de altura do solo, foram obtidos 1.705 (46,91%) flebotomíneos, distribuídos em 40 espécies, havendo uma maior abundância de fêmeas (58,42%) em relação aos machos (41,58%). Dentre as 40 espécies capturadas nessa estratificação, L. umbratilis (21,58%), L. anduzei (14,90%)e L. eurypyga (13,14%) foram destacadas como as mais abundantes. Outras que também estiveram representadas neste estrato foram L. trichopyga (9,44%), L. ruii (8,39%), L. infraspinosa (8,33%) e L. davisi (6,86%).

Na estratificação de dez metros foi capturado um total de 975 flebotomíneos, distribuídos em 40 espécies. As fêmeas com 59,08% foram mais abundantes do que os machos com 40,92%. L. umbratilis (28,92%) se destacou como a mais abundante de todas as espécies presentes nessa estratificação. Dentre as demais espécies L. davisi (17,33%), L. eurypyga (12,62%), e L. anduzei (10,56%) foram também representadas (Tabela 2).

Quando observada a abundância dos subgêneros, referente à estratificação foi constatado que o Nyssomyia foi mais abundante a um metro, com todas as suas espécies capturadas nesta área. Do mesmo modo as espécies do subgênero Trichophoromyia foram representativas nesta estratificação, com L. eurypyga e L. ruii mais abundantes no estrato a um metro do que na altura de dez metros (Tabela 2).

As espécies do subgênero Psychodopygus foram mais capturadas no estrato a dez metros do que a um metro, sobretudo L. davisi, que foi a mais coletada. As demais: L. amazonensis, L. ayrozai, L. geniculata e L. paraensis apresentaram o mesmo comportamento, sendo que L. s. squamiventris foi coletada somente nesse estrato (Tabela 2).

Nessa área não houve diferença estatística significativa, (P > 0,069), entre os flebotomíneos coletados nas estratificações de um e dez metros.

 

DISCUSSÃO

COMPOSIÇÃO FAUNÍSTICA

A composição específica de uma população de insetos descreve as espécies entre si e a população dentro de uma área limitada em particular ou habitat. Assim, a composição de espécies de uma população de flebotomíneos pode ser influenciada pela resultante das condições geográficas, meteorológicas e microclimáticas, do tipo de solo e vegetação presente em determinada área. Deste modo, similaridade dentro da composição específica, pode ser esperada em lugares que possuam condições similares, utilizando métodos de coletas iguais (Feliciangeli, 1987).

Segundo Young & Arias (1992) a maior diversidade de espécies do gênero Lutzomyia é encontrada em matas de zonas de baixas latitudes da América Central e do Sul, onde em um hectare de floresta podem ocorrer até 50 espécies.

No presente estudo foram capturados flebotomíneos distribuídos em 44 espécies, em duas áreas (Estrada do Turismo e Cidade de Deus), sendo que na primeira foram capturadas 36 espécies e na segunda 40 espécies. Um total de 34 espécies foi comum nas duas áreas. As espécies L. dreisbachi, L. williamsi, L. fluviatilis e L. gibba foram obtidas exclusivamente na Estrada do Turismo (Área 1) e as espécies L. inpai, L. begonae, L. migonei, L. pacae, L. pilosa e L. ratcliffei foram coletadas somente na Cidade de Deus (Área 2).

Paes (1991) também coletou 44 espécies de flebotomíneos, em uma área de floresta alterada para construção de conjunto habitacional, localizada entre as duas áreas de nosso estudo, porém, coletou 12 espécies (L. nordestina, L. abonnenci, L. runoides, L.claustrei, L. spinosa, L. punctigeniculata, L. guyanensis, L. triachanta, L. micropyga, L. barrettoi, L. walkeri e L. sp. sériecruciata)que não foram aqui registradas. Em floresta primária de terra-firme Dias-Lima et al. (2002) utilizou armadilhas CDC a um metro, dez metros e vinte metros e capturou 39 espécies de flebotomíneos, com cinco espécies (Brumptomyia pintoi, L. bispinosa, L. pennyi, L. cayannensis e L. verrucarun) que também não se fizeram presentes nas áreas aqui pesquisadas, portanto, a ocorrência ou não de certas espécies de flebotomíneos nestas áreas, demonstra que algumas espécies de flebotomíneos são mais resistentes do que outras a áreas de mata remanescente que sofrem ação antrópica.

Silva (1993) realizou um levantamento faunístico de flebotomíneos, na Reserva Florestal Adolpho Ducke, utilizando diversos métodos de coletas, entre eles armadilhas CDC instaladas a um, cinco e dez metros e coletas em bases de árvores; como resultado coletou 43 espécies, das quais 12 (Brumptomyia sp., L. abonnenci, L. bacula, L. claustrei, L. shawi, L. longispina, L. guyanensis, L. triachanta, L. corossoniensis, L. walkeri, L. hirsuta e L. chagasi) não foram capturadas nas áreas aqui estudadas.

Arias & Freitas (1977, 1978) em trabalho realizado na rodovia AM 010 (Manaus Itacoatiara) Km 30, coletaram 25 espécies de flebotomíneos, usando iscas humana e eqüina e capturadas nas bases de árvores; dentre elas (L. hirsuta, L. bispinosa, L. carrerai, L. guyanensis, L. s. maripaensis, L. punctigeniculata, L. spinosa, L. (Walkeri) sp., L. panamensis e L. (Longipalpis) sp.)não foram aqui registradas. Talvez a ausência dessas espécies, nas áreas estudadas neste trabalho, seja devido ao constante desmatamento por ação antrópica (extrativista, caça, ou pela construção de conjuntos habitacionais), ocasionando a diminuição de animais silvestres que são a fonte de alimentação dos flebotomíneos.

Dentre os flebotomíneos capturados, 71% das 36 espécies coletadas na área 1 (Estrada do Turismo) e 77,5% das 40 espécies capturadas na área 2 (Cidade de Deus) picam o homem, conforme lista das espécies antropofílicas de Young & Arias (1992).

Nas espécies capturadas neste estudo, é destacada, entre as envolvidas com transmissão de parasitos ao homem, L. umbratilis, que é considerado como o principal vetor dos protozoários causadores da leishmaniose tegumentar (Leishmania guyanensis) para o homem da Amazônia Central (Lainson, 1983), sendo inclusive a espécie mais numerosa entre as coletadas nas áreas investigadas e uma das poucas espécies presente em todos os ambientes estudados.

Os flebotomíneos do subgênero Psathyromyia: L. dendrophyla, L. scaffi e L. shannoni foram raramente atraídos por armadilhas luminosas CDC em Balbina, Amazonas, Brasil (Barrett, 1993), fato confirmado por Dias-Lima et al. (2002) na Estação Experimental da Silvicultura Tropical (BR 174, Manaus - Boa Vista, Km 45) e igualmente comprovado pelos resultados obtidos neste trabalho.

Entre as espécies do subgênero Trichophoromya, é destacada L. ubiquitalis, que foi a segunda mais numerosa neste estudo, porém grande maioria de seus espécimes foi coletada na área 1 (tabela 1) e na área 2 foram registrados apenas dois exemplares (tabela 2). Esta espécie é incriminada como vetora na transmissão de Leishmania lainsoni no estado do Pará por Lainson et al. (1992).

A espécie L. rorotaensis, capturada em todos os ambientes (floresta a um e dez metros), tem sido encontrada com infecções por Tripanosomatídeos, provavelmente um parasita de répteis (Lainson & Shaw, 1979). Em L. tuberculata foi encontrado um tipo desconhecido de Leishmania, integrante do subgênero Viannia (KillickKendrick, 1990).

Entre os demais flebotomíneos encontrados na Amazônia e coletados nas áreas estudadas, é citado um grupo de prováveis vetores de leishmânias: Lutzomyia furcata (Leishmania deanei), L. ayrozai, L. paraensis e L. migonei (L. braziliensis) , L. tuberculata (L. guyanensis) , L. shannoni e L. gomezi (L. panamensis), L. ayrozai e L. paraensis (L. naiffi), segundo Killick-Kendrick (1990).

As espécies do subgênero Psychodopygus, L. davisi (a mais numerosa desse subgênero neste estudo) e L. ayrozai foram indicadas como prováveis vetoras de L. naiffi, causadoras de leishmaniose cutânea na Amazônia (Lainson & Shaw, 1989). Outra espécie desse subgênero que chamou a atenção foi L. s. squamiventris, capturada com boa freqüência durante todo o período de coleta na Estrada do Turismo (área 1), no entanto, na área 2 (Cidade de Deus) foi capturado apenas uma exemplar. Estes resultados são semelhantes ao encontrado em áreas de floresta por DiasLima et al. (2002), que coletaram L. davisi, L. amazonensis e L. squamiventris como os mais numerosos entre os Psychodopygus capturados e similar ao estudo de Arias & Freitas (1982) que capturaram L. davisi e L. squamiventris como as de maior freqüência entre as espécies do subgênero Psychodopygus.

Ready et al. (1985) não encontraram diferenças quanto à composição e abundância de fauna de flebotomíneos em áreas de recente ocupação humana na cidade de Manaus, com ambientes florestais não alterados estudados por outros pesquisadores (Arias & Freitas, 1982). Paes (1991) encontrou resultados similares aos de Ready et al. (1985), em áreas de florestas adjacentes ao conjunto habitacional da Cidade Nova, mas verificou algumas mudanças com L. umbratilis, quanto à proporção de fêmeas e densidade populacional no peridomicílio, onde encontraram diferenças entre áreas de ocupação mais recente e áreas mais antigas.

A captura de certas espécies em número reduzido e com presença em apenas uma das áreas estudadas e a diferença significativa no número de espécimes coletados de L. ubiquitalis e L. s. squamiventris entre as duas áreas de estudo, leva a crer que possa ocorrer, entre os flebotomíneos, graus de adaptabilidade diferenciada a ambientes de fragmentos florestais alterados e isolados devido à expansão urbana.

É possível que a diferença numérica (densidade e diversidade) desses flebotomíneos em área periurbana esteja relacionada ao hábito alimentar mais eclético de algumas espécies do que de outros coletados exclusivamente em áreas de floresta. Mais estudos relacionados a avaliar o impacto ambiental humano nesses ecossistemas sobre a flora e a fauna silvestres, além dos que consideram aspectos de comportamento, fisiologia e dispersão destes psicodídeos, elucidarão as mudanças quanto à dominância e a composição faunística observados no presente estudo.

ESTRATIFICAÇÃO VERTICAL

Em uma floresta tropical, o nível do solo e da copa das árvores pode ser visto como diferentes habitats, com componentes físicos e biológicos distintos. A copa é um sítio primário de florescência e frutificação. Além de abrigar diversos animais vertebrados, as condições climáticas na copa e ao nível do solo, bem como os microclimas são diferentes na floresta úmida. (Chaniotis et al., 1971). Segundo os mesmos autores, a distribuição vertical dos flebotomíneos é provavelmente uma resposta a fatores físicos e biológicos dos microhabitats, como condições de temperatura, umidade relativa, intensidade de luz e composição espectral, movimento do ar e taxa de CO2.

Neste estudo, foram capturados nas armadilhas CDC colocadas em fragmentos de floresta na área 1 (Estrada do Turismo), 36 espécies (31 comuns a 1m e dez metros) sendo que espécies L. fluviatilis, L. scaffi, L. tuberculata e L. gibba foram registradas somente a um metro de altura e L. antunesi apenas na estratificação a dez metros. Na área dois (Cidade de Deus) foram capturadas 40 espécies nessas armadilhas, sendo registradas 28 espécies comuns nas estratificações a um metro e dez metros de altura do solo. As espécies L. choti, L. dendrophyla, L. gomezi, L. migonei, L. pacae, L. pilosa, L. scaffi, L. spathotrichia e L. ubiquitalis foram encontradas apenas na estratificação a um metro e as espécies L. s. squamiventris, L. trispinosa e L. begonae somente a dez metros de altura do solo. Estes resultados demonstraram que, nas duas áreas de estudo, ocorreu maior diversidade de espécies na estratificação mais baixa.

Arias & Freitas (1982) estudaram a estratificação vertical de diversas espécies, destacando entre o subgênero Psychodopygus:L. ayrozai, L. davisi, L. amazonensis e L. paraensis, coletados mais freqüentemente a quinze metros de altura do solo. Nesse estudo, o comportamento destas espécies foi semelhante, com exceção de L. davisi e L. amazonensis (área 1) que foi encontrado com mais freqüência no estrato a 1 metro e semelhante ao observado por Silva (1993). Outra espécie pertencente a este subgênero coletado na área um foi L. s. squamiventris capturada com diferença mínima entre as estratificações. Esta espécie foi capturada em maior número na estratificação a um metro por Arias & Freitas (1982) e Silva (1993), porém diferente do obtido por Dias-Lima et al. (2002) que capturaram esta espécie em maior quantidade em estratos a dez metros.

No presente estudo, as espécies L. tuberculata e L. trichopyga foram coletadas em maior número na estratificação a um metro, semelhante ao que encontrou Silva (1993). Todavia, diferente do encontrado por Arias & Freitas (1982), que coletou estas espécies em maior freqüência nas estratificações mais altas, nesse mesmo trabalho os autores constataram maior presença de L. rorotaensis e L. monstruosa nas coletas com CDC a um metro, comportamento também demonstrado por estas espécies, nas duas áreas componentes desse estudo.

Em investigação realizada na reserva florestal Adolpho Ducke, Arias & Freitas (1982) encontraram maior presença de L. umbratilis e L. anduzei na estratificação de 15 metros, fato também verificado por Ready et al. (1986) no Pará e Barrett (1993) em Balbina (AM). Contudo, os resultados desse estudo foram discordantes daqueles, devido às espécies terem sido capturadas em maior número no estrato a um metro em ambas as áreas concordando com os resultados de Silva (1993), entretanto, na área 1, L. umbratilis prevaleceu no estrato a dez metros concordando assim, com os autores acima citados.

As demais espécies do subgênero Nyssomyia (L. olmeca nociva e L. flaviscutellata) foram capturadas com mais freqüência na estratificação a um metro de altura do solo, indo de encontro com os resultados observados por Arias e Freitas (1982) e Castellón et al. (1994).

Entre as espécies do subgênero Trichophoromyia (L. ubiquitalis, L. ruii, L. eurypyga e L. brachipyga) o comportamento demonstrado foi o mesmo observado por Barrett et al. (1996), em que as espécies desse subgênero foram encontradas em maior densidade nas estratificações mais baixas, mas diferentes dos obtidos por Castellón et al. (1994) em relação a L. brachipyga e L. ubiquitalis. Arias & Freitas (1982) verificaram que L. ruii, estava mais representada nas estratificações mais altas.

Genaro et al. (1986) ao estudarem estratificação vertical, coletaram 45 espécies e demonstraram que a maioria delas ocorreu a cinco metros e a maior densidade entre cinco e dez metros, semelhante aos resultados de Castellón et al. (1994) que coletaram 52 espécies na BR 319 (Manaus - Humaitá) e obtiveram um número maior de exemplares no estrato de seis metros de altura do solo. Neste estudo, foi obtido a maior concentração e densidade de flebotomíneos na estratificação a um metro de altura do solo, resultado obtido em ambas áreas estudadas (Estrada do Turismo e Cidade de Deus). São destacadas em ambas as áreas os subgêneros Trichophoromyia, Nyssomyia e Psychodopygus, onde o número de espécies coletadas foi semelhante para ambos os estratos (um e dez metros), com exceção de Trichophoromyia a dez metros de altura do solo na área dois (Tabela 2). É possível que as diferenças encontradas, tanto de espécies quanto de indivíduos entre as áreas, sejam devidas à ocorrência de diferenças na vegetação dessas áreas com microhabitats e condições microclimáticas distintos que, segundo Chaniotis et al. (1971), influenciam na distribuição das espécies de flebotomíneos.

Interessante destacar a ocorrência de espécies de hábitos aerodendrofilos (L. anduzei e L. umbratilis) serem capturadas no estrato mais baixo. É possível que haja uma mudança na preferência alimentar das espécies, uma vez que as alterações antrópicas na área podem ter afastado sua fonte de repasto sangüíneo, fazendo com que os flebotomíneos busquem fontes alternativas, inclusive o homem, para se adaptar ao meio ambiente.

 

CONCLUSÃO

Este trabalho destaca que a prevalência incomum de algumas espécies de vetores de leishmaniose tegumentar (L. umbratilis e L. anduzei) na estratificação a um metro de altura do solo, nas áreas aqui estudadas, pode indicar que estas espécies começam a mudar seu comportamento, para procurar fontes alternativas de repasto sanguíneo como o homem. Além disso, a captura de algumas espécies apenas em uma das áreas estudadas, sugere a ocorrência de um isolamento destas espécies em certos fragmentos de floresta, ou a ocorrência de maior adaptabilidade de algumas espécies de flebotomíneos a áreas que sofrem ação humana.

 

BIBLIOGRAFIA CITADA

Arias, J.R.; Freitas, R. A. 1977. Flebotomíneos da Amazônia Central do Brasil. 1: Resultados obtidos das capturas feitas com isca humana e eqüina (Diptera: Psychodidae). Acta Amazonica, 7(4): 507-527.         [ Links ]

Arias, J.R.; Freitas, R. A. 1978. Sobre os vetores de leishmaniose cutânea na Amazônia Central do Brasil. 2: Incidência de flagelados em flebotomíneos selváticos. Acta Amazonica, 8(3): 387-396.         [ Links ]

Arias, J.R.; Freitas, R. A. 1982. On the vectors of cutaneous leishmaniasis in central amazon of brasil. 3. Phlebotomine sand fly stratificacion in a terra firme forest. ActaAmazonica, 12 (3): 599-603.         [ Links ]

Barrett, T. V. 1993. Cutaneous leishmaniasis in Amazonas state, Brasil: eco-epidemiology and questions of control. Proceedings of Nacional Workshop Reserch and Control of Leismaniasis in Brazil, Recife, 31-34.         [ Links ]

Barretto, M.P. 1943. Observação sobre a biologia em condições naturais, dos flebótomos do estado do São Paulo (Diptera: Psychodidae). Tese de Concurso à docência livre da cadeira de parasitologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Brasil. 162pp.         [ Links ]

Biancardi C.M.A.B. 1981. Aspecto da epidemiologia da leishmaniose cutânea na Rodovia BR 364, Território Federal de Rondônia. Dissertação de Mestrado. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Universidade Federal do Amazonas, Manaus, Amazonas. 190pp.         [ Links ]

Cabanillas, M.R.S.; Castellón, E.G. 1999. Distribution of sandflies (Diptera: Psychodidae) on Tree-trunks in a Non-flooded area of the Ducke Forest Reserve, Manaus, AM, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 94(3): 289-296.         [ Links ]

Cabanillas, M.R.S.; Castellón, E.G.B.; Alencar, M. 1995. Estudo sobre os abrigos naturais dos flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) na Reserva Florestal Ducke Manaus, AM, Brasil. Bol. Dir. Malariol. y San. Amb., XXXV(Supl.1): 63-76.         [ Links ]

Castellón, E. G.; Araújo , N. A.; Fé, N. F.; Alves, J. M. C. 1989. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) no Estado de Roraima, Brasil. I. Espécies coletadas na região sul e central. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 84(4): 95-99.         [ Links ]

Castellón, E. G.; Araújo , N. A.; Fé, N. F.; Alves, J. M. C. 1991. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) no Estado de Roraima, Brasil. II. Espécies coletadas na região norte. Acta Amazônica, 21: 45-50.         [ Links ]

Castellón, E. G.; Araújo , N. A.; Fé, N. F.; Alves, J. M. C. 1998. Sand flies (Diptera: Psychodidae) of the ilha de Maracá. In: Milliken W.; Ratter, J. A. (Eds.) Maracá:the biodersity and enviroment of on Amazonian Rainforest. Ed. Willey, USA. 508pp.         [ Links ]

Castellón, E. G.; Arias, J.R.; Freitas, R. A.; Naiff, R. D. 1994. Os flebotomíneos da região Amazônica, estrada Manaus Humaitá, estado do Amazonas, Brasil (Diptera: Psychodidae; Phlebotominae). Acta Amazônica, 24(1/2): 91-102.         [ Links ]

Castellón, E. G.; Silva, N. A.; Fé, N. F. 1995. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) no Estado de Roraima, Brasil. Distribuição geográfica no estado. Proceedings of the II ISOPS, 35(suppl. 1): 85-100.         [ Links ]

Chaniotis, B. N.; Correa, M.A.; Tesh., R.B; Johnson, K.M. 1971. Daily and seasonal man-biting activity of Phlebotominae sandflies in Panamá. J. Med. Ent., 8(4): 415-420.         [ Links ]

Dias-Lima, A.G.; Castellón, E. G.; Medeiros, J.F.; Skerlock, I. 2002. Estratificação vertical da fauna de flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) numa floresta primária de terra firme da Amazônia central, Estado do Amazonas, Brasil. Cad. Saúde Pública, 18(3): 823-832.         [ Links ]

Feliciangeli, M. D. 1987. Ecology of sandflies (Diptera: Psychodidae) in a restricted focus of cutaneous leishmaniasis in northern Venezuela, I. Description of the study area, catching methods and species composition. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 82(1): 119-124.         [ Links ]

Genaro, O.; Freitas, R. A.; Naiff, R.D.; Arias, J. R. 1986. Estratificação vertical de vetores da leishmaniose em floresta de terra firme, Amazonas. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., 19(suppl. 1): 79-79.         [ Links ]

Guerra, J.A.O.; Barros, M.L.B.; Guerra, M.V.F.; Talhari, S.; Paes, M.G. 1998. Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) no Município de Manaus - Aspectos epidemiológicos. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., 31(supl. 1): 72-72.         [ Links ]

Guerra, J. A. O.; Fé, N.F.; Fé, F. A. 2000. Leishmaniose Tegumentar em bairro de população humana estável na cidade de Manaus, Amazonas, Brasil Resultados de um ano de estudos dos transmissores. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 33(supl. 1): 35-35.         [ Links ]

Killick-Kendrick, R. 1990. Phlebotomine vectors of leishmaniasis: a review. Med. Vet. Entomol., 4: 1-24.         [ Links ]

Lainson, R. 1983. The American Leishmaniose: some observation on their ecology and epidemiology. Trans. Roy. Soc. Trop. Med. Hyg., 77(5): 569-596.         [ Links ]

Lainson, R.; Shaw, J.J. 1979. The role of animals in the epidemiology of South American Leishmaniasis, In Lumsden W.H.R.; Evans D.A. (Eds.) Biology of Kinetoplastida. Academic Press vol. 2. 738pp.         [ Links ]

Lainson, R.; Shaw, J. J. 1989. Leishmania (Viannia) naiffi sp.n. a parasite of the armadillo, Dasypus novencinctus (L.) in Amazonian Brazil. Ann. Parasitol. Hum. Comp., 64(1): 3-9.         [ Links ]

Lainson, R.; Shaw, J.J.; Silveira, F.T.; Souza, A.A.A.; Braga, R.R.; Ishikawa, E.A.Y. 1994. The dermal leishmaniasis of Brazil, with special reference to the eco-epidemiology of the disease in Amazonia. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 89(3): 435-443.         [ Links ]

Lainson, R.; Shaw, J.J.; Souza, A.A.A.; Silveira, F.T.; Falqueto, A. 1992. Further observations on Lutzomyia ubiquitalis (Psychodidae Phlebotominae), the sandfly vector of Leishmania (Viannia) lainsoni. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 87(3): 437-439.         [ Links ]

Paes, M. G. 1991. Estudo de quatro espécies de Lutzomyia França, 1924 (Diptera: Psychodidae), em área endêmica de Leishmaniose Tegumentar Americana na periferia de Manaus (Amazonas Brasil). Dissertação de Mestrado. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Universidade Federal do Amazonas. 128pp.         [ Links ]

Paes, M.G.; Barros, M.L.B.; Toledo, L.M. 1998. Considerações sobre a produção da Leishmaniose Tegumentar Americana no estado do Amazonas. In: Rojas, L. I. (Ed.) Espaço e doenças: um olhar sobre o Amazonas. Ed. FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 175pp.         [ Links ]

Pessoa, F.A.C. 2000. Efeitos da extração seletiva de madeira sobre flebotomíneos (Diptera: Psychodidae) em uma floresta de produção: Abundância relativa das espécies em troncos de árvores e prevalência de Tripanosomatídeos (Kinetoplastida: Trypanosomatidae). Dissertação de Mestrado. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Universidade Federal do Amazonas. 88pp.         [ Links ]

Ready, P.D.; Arias, J. R.; Freitas, R. A. 1985. A pilot study to control Lutzomyia umbratilis (Diptera: Psychodidae), the major vector of Leishmania braziliensis guyanensis, in a peri-urban rainforest of Manaus, Amazonas state, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz, 80(1): 27-36.         [ Links ]

Silva, B. M. 1993. Levantamento da fauna flebotômica da Reserva Florestal Ducke usando diferentes tipos de armadilhas e iscas. Dissertação de Mestrado. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Universidade Federal do Amazonas. 116pp.         [ Links ]

Young, D. G.; Arias, J. R. 1992. Flebotomíneoss vectores de leishmaniasis en las americas. OPAS, caderno técnico (3). 28pp.         [ Links ]

Young, D. G.; Duncan, M.A. 1994. Guide to identification and geographic distribution of Lutzomyia sandflies im México, West Indies, Central and South America (Diptera: Psychodidae). Associated Publishers, American Entomological Institute. 881pp.         [ Links ]

 

 

Recebido em 19/07/2005
Aceito em 06/11/2006

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License