SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue3A new species of Cerqueirellum Py-Daniel, 1983 (Diptera: Simuliidae) and proven new vector of mansonelliasis from the Ituxi River, Amazon basin, BrazilSoft rot of bunching onion plants caused by Pectobacterium carotovorumsubsp. carotovorum in Roraima, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967On-line version ISSN 1809-4392

Acta Amaz. vol.38 no.3 Manaus  2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672008000300023 

NOTAS E COMUNICAÇÕES

 

Larvas de Synoestropsis sp. (Trichoptera: Hydropsychidae) são predadoras?

 

Are Synoestropsis sp. larvae (Trichoptera: Hydropsychidae) predators?

 

 

Sunny Petiza Cordeiro BentesI; Ana Maria Oliveira PesII; Neusa HamadaIII; Ruth Leila Menezes Ferreira KepplerIV

IGrd. em Ciências Biológicas (UFAM), Rua Barcelos, 1290, Praça XIV de Janeiro, CEP 69020-200, Manaus-AM, Brasil. Fone : 3234-8443, sunnybio@gmail.com.br
IICoordenação de Pesquisas em Entomologia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, C.P. 478, CEP 69011-970, Manaus-AM, Brasil. Fone: 3643-3369 pesanamaria@yahoo.com.br
IIICoordenação de Pesquisas em Entomologia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, C.P. 478, CEP 69011-970, Manaus-AM, Brasil. Fone: 3643-3369 nhamada@inpa.gov.br
IVCoordenação de Pesquisas em Entomologia, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, C.P. 478, CEP 69011-970, Manaus-AM, Brasil. Fone: 3643-3369 ruth@inpa.gov.br

 

 


RESUMO

Características morfológicas sugerem que larvas de Synoestropsis sp. (Trichoptera: Hydropsychidae) são predadoras. Examinamos o conteúdo estomacal de 48 larvas de Synoestropsis sp. coletadas na época de estiagem de quatro rios de cerrado (Arraia, Cauamé, Cotingo e Ereu) do estado de Roraima para avaliar o hábito alimentar de larvas desse gênero. A alta freqüência de itens animais no conteúdo estomacal das larvas corrobora a hipótese de que esta espécie é predadora.

Palavras-chave: Insetos aquáticos, hábito alimentar, cerrado roraimense


ABSTRACT

Morphological characteristics of the Synoestropsis sp. larvae (Trichoptera: Hydropsychidae) suggests that this species is a predator. We examined the stomach contents of 48 Synoestropsis sp. larvae collected in four savannah rivers (Arraia, Cauamé, Cotingo and Ereu) in the state of Roraima during the dry season to evaluate their feeding habits. The high frequency of animal items in the stomach content confirmed the hypothesis that this specie is a predator.

Key-words: Aquatic insects, feeding habits, Roraima savannah


 

 

Os Trichoptera em seu estágio larval podem ser detritívoros, filtradores, coletores, cortadores e predadores, com tendência a serem onívoros (Angrisano, 1995; Wiggins, 1996a, 1996b). Devido a essa grande diversidade de hábitos, esses organismos possuem um importante papel na cadeia trófica dos cursos d' água (McCafferty, 1981).

No Brasil, autores com trabalhos sobre comunidades lóticas em diferentes ecossistemas aquáticos têm reportado a família Hydropsychidae como a mais abundante entre os Trichoptera (Uieda e Gajardo, 1996; Bispo e Oliveira, 1998). Oliveira e Fröehlich (1996), em estudos com dois gêneros de Hydropsychidae (Leptonema e Smicridea) no "Cerrado" paulista observaram que as larvas em seus primeiros estádios alimentam-se de sedimentos e algas capturadas em sua rede, porém, as de último estádio ingerem pequenos macroinvertebrados aquáticos e fragmentos vegetais, classificando-os de generalistas.

Algumas estruturas morfológicas das larvas de Synoestropsis sp. sugerem que essas larvas são predadoras. Essas estruturas são: primeiro par de pernas robusto (com fêmur expandido e diversas cerdas rígidas na face interna), fêmur junto com tíbia e tarso formando uma estrutura preênsil (Figuras 1 e 2), cabeça afilada, mais longa que larga, mandíbulas fortes e pontiagudas (Figuras 1 e 3) e ausência de escova de cerdas no labro (presente em outros gêneros de Hydropsychidade filtradores como Macrostemum, Leptonema e Smicridea). Estas características associadas ao comportamento de vida livre sugerem hábito alimentar predador para as larvas do gênero Synoestropsis, semelhante à larva de Plectromacronema que também é indicada como predadora (Flint, 1983).

 

 

 

 

Para testar a hipótese de que estas larvas apresentam hábito predador, como sugere a morfologia, identificamos os itens alimentares de 48 larvas de último estádio de Synoestropsis sp. coletadas em quatro rios de Cerrado (12 larvas de cada rio) no estado de Roraima durante o período de estiagem: rio Arraia (03º21'02"N/59º54'15"W), rio Cauamé (02º52'52"N/60º44'25"W), rio Cotingo (04º20'22"N/60º29'12"W) e rio Ereu (04º02'02"N/61º23'11"W). Os exemplares coletados e o conteúdo estomacal analisado foram fixados em microtúbulos contendo álcool etílico 96% e estão depositados na Coleção de Invertebrados do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

A dissecção do tubo digestivo foi feita com o auxílio de microtesoura e alfinetes entomológicos, iniciando o corte desde o protórax até o último segmento abdominal. Os itens alimentares foram analisados por freqüência de ocorrência na dieta de Synoestropsis sp.

A dieta de Synoestropsis sp. nos rios Arraia, Cauamé, Cotingo e Ereu foi constituída principalmente por alimentos de origem animal (fragmentos animais de insetos aquáticos, espícula de espongiários e colônias de briozoários) constituindo mais de 50% do total ingerido. Os itens de origem mineral e vegetal (sedimentos, fragmentos vegetais e algas) provavelmente pertencem ao conteúdo alimentar de presas, como Ephemeroptera (Leptophlebiidae). As larvas desse Ephemeroptera são filtradora-raspadoras (Salles, 2006) e, foram observadas com alta freqüência no conteúdo de larvas de Synoestropsis sp. (Tabela 1). Assim, nossos resultados sugerem que esta espécie é predadora.

 

 

Obs.: NT - número total de larvas analisadas em cada rio; NF -freqüência de ocorrência de cada item alimentar; % - Percentual de cada item alimentar.

 

AGRADECIMENTOS

Ao MCT/INPA (CPEN) e ao CNPq pelo auxílio financeiro parcial desta pesquisa.

 

BIBLIOGRAFIA CITADA

Angrisano, E.B. 1995. Insecta Trichoptera. In: Lopretto, E.C.; Tell, G. (Eds). Ecosistemas de aguas continentales, metodologia para su estudio. Tomo III. Ediciones Sur. La Plata, Argentina. p. 1199-1237.         [ Links ]

Bispo, P.C.; Oliveira, L.G. 1998. Distribuição espacial de insetos aquáticos (Ephemeroptera, Plecoptera e Trichoptera) em córregos de cerrado do Parque Ecológico de Goiânia, Estado de Goiás. In: Nessimian, J.L.; Carvalho, A.L. (Eds). Ecologia de Insetos Aquáticos. Vol 5. Série Oecologia Brasiliensis. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. p. 175-189.         [ Links ]

Flint, Jr. O.S., 1983. Studies of Neotropical caddisflies, XXXIV: The genus Plectromacronema (Trichoptera: Hydropsychidade). Proceedings of the Entomological Society of Washington, 96(2):225-237.         [ Links ]

McCafferty, W.P. 1981. Aquatic Entomology. Jones and Bartlett Publishers, INC., Boston, USA. 448pp.         [ Links ]

Oliveira, L.G.; Fröehlich, C.G. 1996. Natural hystory of three Hydropsychidae (Trichoptera, Insecta) in a "Cerrado" stream from Notheastern São Paulo, Brazil. Revista brasileira de Zoologia, 13(3):755-762.         [ Links ]

Salles, F.F. 2006. A ordem Ephemeroptera no Brasil (Insecta): taxonomia e diversidade. Tese de doutorado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais. 300pp.         [ Links ]

Uieda, V.S.; Gajardo, I.C.S.M. 1996. Macroinvertebrados perífiticos encontrados em poções e corredeiras de um riacho. Naturalia, 21: 31-47.         [ Links ]

Wiggins, G.B. 1996a. Larvae of the North American Caddisfly genera (Trichoptera). 2a ed., University of Toronto Press Incorporated, Toronto, Canada. 457pp.         [ Links ]

Wiggins, G.B. 1996b. Trichoptera families. In.: Merrit, R.W.; Cummins, K.W. An Introduction to the aquatic insects of North America. 3a ed. Dubuque. Kendall/Hunt Publishing Company, USA. p. 309-385.         [ Links ]

 

 

Recebido em 28/08/2007
Aceito em 01/04/2008

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License