SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 issue3Depression and depressive symptoms: conceptual confusion author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal Brasileiro de Psiquiatria

Print version ISSN 0047-2085

J. bras. psiquiatr. vol.59 no.3 Rio de Janeiro  2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852010000300016 

RESENHA DE LIVRO

 

Cinema e loucura – conhecendo os transtornos mentais através dos filmes

 

Cinema and madness – introducing mental disorders through movies

 

 

Ruy Castro

Jornalista e escritor

Endereço para correspondência

 

 

 

FILMES MUITO LOUCOS

Exceto pelos filmes de Shirley Temple, Rin-Tin-Tin e, possivelmente, Xuxa, o cinema sempre foi o veículo por excelência dos transtornos mentais – cognitivos, psicóticos, dissociativos, sexuais –, sem falar nos transtornos relacionados a substâncias (álcool, anfetaminas, alucinógenos, opioides) e outros que tiram o personagem da "norma" e o tornam tão atraente (ou assustador) para a plateia.

Mas, não sendo o cinema uma ciência exata, como saber se, por exemplo, Norman Bates, o protagonista de Psicose, é um psicopata ou uma vítima de transtorno de identidade? Como identificar as inúmeras parafilias exploradas em filmes como Lolita, Janela indiscreta e Tudo que você sempre quis saber sobre sexo? E como classificar o comportamento de Glenn Close em Atração fatal? (Uma dica: ela era borderline.)

Neste surpreendente Cinema e loucura – Conhecendo os transtornos mentais através dos filmes1, os professores Jesus Landeira-Fernandez (PUC-Rio e UNESA) e Elie Cheniaux (UERJ e UFRJ) propuseram-se uma tarefa pioneira: usar personagens de 184 filmes clássicos e modernos, inclusive brasileiros, para ensinar ao leitor o mecanismo desses desvios que conduzem a tantos sofrimentos concretos.

Pela primeira vez, os filmes de Alfred Hitchcock, Billy Wilder, Woody Allen, Stanley Kubrick, Martin Scorsese, Roman Polanski e outros grandes diretores são analisados à luz – ou às trevas – das doenças mentais. Agora você vai saber por que nós somos loucos por eles.

 

REFERÊNCIA

1. Landeira-Fernandez J, Cheniaux E. Cinema e loucura: conhecendo os transtornos mentais através dos filmes. Porto Alegre: Artmed; 2010.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Ruy Castro
Rua Santa Clara, 50/1213 – 22041-012 – Rio de Janeiro, RJ
E-mail: cinemaeloucura@gmail.com

 

 

Recebido em 28/7/2010
Aprovado em 30/7/2010

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License