SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.71 issue4Coronary sinus atrial septal defect and ventricular septal defect with no left superior vena cavaVentriculectomia esquerda parcial. Paradigmas esquecidos author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782XOn-line version ISSN 1678-4170

Arq. Bras. Cardiol. vol.71 n.4 São Paulo Oct. 1998

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X1998001000011 

Correlação Anatomoclínica


 

Correlação Anatomoclínica

(Caso 5/98 - Instituto do Coração do Hospital das Clínicas - FMUSP)

 

Homem de 68 anos de idade, foi encaminhado ao hospital para tratamento cirúrgico de insuficiência tricúspide.

Em 1972, o paciente foi submetido a cirurgia de aneurisma de aorta torácica. Depois da operação, o paciente teve boa evolução com o tratamento clínico, apresentando dispnéia aos grandes esforços.

Em 1990 foi hospitalizado em razão de anasarca. Foram diagnosticadas insuficiência da valva tricúspide e fibrilação atrial. A anasarca foi atribuída à cirrose hepática, seguindo-se tratamento clínico.

Em 1991 foi submetido a colecistectomia. A biópsia hepática transoperatória revelou padrão inflamatório moderado e sinais de congestão crônica.

Cinco anos após (11/8/96) apresentou dor lombar intensa, bilateral e dispnéia. Procurou atendimento médico, tendo sido hospitalizado. Foram prescritos digoxina, dobutamina, furosemida e diclofenaco. Seguiu-se hipotensão arterial, oligúria e elevação da taxa sérica de creatinina para 3,5mg/dL.

Transferido para outro hospital, onde foi feito o diagnóstico de fibrilação atrial e bloqueio atrioventricular; foi instalado marcapasso provisório. A digoxinemia foi 3,8ng/mL (normal até 2,2ng/mL). Foi interrompida a administração de digoxina e foram administradas dobutamina e dopamina por via endovenosa, nitroglicerina por via transdérmica e heparina de baixo peso molecular por via subcutânea. A hipotensão arterial foi controlada e a função renal melhorada.

A endoscopia (12/8/96), revelou varizes de fino calibre em esôfago e gastrite enantemosa de moderada intensidade em corpo e antro do estômago.

O exame ultra-sonográfico do abdome (22/8/96) revelou hepatomegalia, ascite moderada, grande dilatação da veia cava inferior e esplenomegalia. Os achados foram considerados compatíveis com hepatopatia crônica e hipertensão portal.

A tomografia computadorizada do tórax e do abdome, sem uso de contraste, não revelou sinais de rotura de aorta torácica ou abdominal.

O ecocardiograma (22/8/96), revelou ventrículo esquerdo (VE) com 62mm de diâmetro diastólico, 40mm de sistólico, fração de ejeção de 0,64 e espessura de septo interventricular 10mm; o átrio esquerdo mediu 53mm e o diâmetro da aorta 37mm. Havia insuficiência tricúspide acentuada e dilatação de átrio direito, que apresentava 80mm de diâmetro. Não havia sinais de rotura valvar, nem de anomalia de Ebstein. A veia cava inferior estava acentuadamente dilatada.

Os exames laboratoriais revelaram 11g/dL de hemoglobina, 33% de hematócrito, contagem de leucócitos de 4.800/mm3, atividade de protrombina 52% do controle, taxas séricas de uréia 170mg/dL, de creatinina 1,7mg/dL, de glicose 93mg/dL, de bilirrubinas totais 6,1mg/dL, bilirrubina direta 3,9mg/dL e indireta 2,2mg/dL, de sódio 142mEq/L e de potássio 5,1mEq/L. As reações sorológicas para diagnóstico da hepatite B foram negativas.

Com o diagnóstico de insuficiência tricúspide acentuada com grande repercussão hemodinâmica e depois da melhora da hipotensão e da função renal foi encaminhado ao INCOR para estudo hemodinâmico, como avaliação para o tratamento cirúrgico da insuficiência da valva tricúspide.

O exame físico (29/8/96), revelou paciente em regular estado geral, hidratado, dispnéico, acianótico, afebril. Havia aumento da pressão venosa jugular +++/4+. A freqüência cardíaca foi 88bpm e a pressão arterial 190 x 60mmHg. Os pulsos eram amplos em artérias carótidas, braquial e radial esquerdas, ausente em radial direita e diminuídos em membros inferiores. O exame dos pulmões revelou estertores crepitantes em ambas as bases. O exame do coração revelou ritmo cardíaco irregular, de fibrilação atrial, ausência de bulhas anormais e presença de sopro sistólico +++/4+, em bordo esternal esquerdo baixo. O fígado foi palpado a 8cm do rebordo costal e havia sinais de ascite discreta. Os membros inferiores apresentavam edema ++/4+.

O eletrocardiograma (ECG) (29/8/96) revelou fibrilação atrial com freqüência média de 90 bpm, SÂQRS - 30o para trás.

Os exames laboratoriais são apresentados na tabela I.

 

 

O ecocardiograma (30/8/96), revelou VE com disfunção discreta de diâmetro diastólico 64mm, a sistólico 47mm e a fração de ejeção 0,60. Havia insuficiência mitral moderada. O ventrículo direito (VD) era dilatado (32mm) e difusamente hipocinético. A valva tricúspide estava espessada e com acentuada insuficiência. Não foram visualizados sinais de trombos endocavitários. A pressão sistólica de artéria pulmonar, estimada pelo Doppler, foi 68mmHg.

O estudo hemodinâmico e cineangiográfico (30/8/96) revelou irregularidades em artérias coronárias, dilatação e hipocinesia discreta de VE. As pressões são apresentadas na tabela II. A aortografia demonstrou suboclusão da porção descendente da aorta torácica.

 

 

Durante o estudo hemodinâmico apresentou edema agudo dos pulmões e houve necessidade de intubação orotraqueal para manter ventilação satisfatória. O paciente evoluiu com insuficiência renal necessitando de 13 sessões de hemodiálise na última internação a qual durou 30 dias.

Depois de dois dias (30/8/96), o abdome tornou-se difusamente doloroso e distendido e houve desaparecimento dos ruídos hidroaéreos (5/9/96), que reapareceram no dia seguinte, a distensão persistiu por mais quatro dias (10/9/96) o quadro abdominal foi atribuído a isquemia mesentérica.

O paciente apresentou sangramentos em cavidade oral, no tubo digestivo e na traquéia atribuídos à plaquetopenia e consumo de fatores de coagulação por síndrome de coagulação intravascular disseminada atribuída à insuficiência cardíaca.

A ultra-sonografia de abdome (3/9/96) revelou hepatomegalia, esplenomegalia e ascite de quantidade moderada.

Houve como complicação de punção para passagem de cateter venoso central pequeno pneumotórax à esquerda, que não necessitou intervenção. Para manter via de administração de medicações, foi indicada a dissecção de veia no membro superior direito. Na dissecção de veia houve dificuldade de cateterização (3/9/96), e foi feito o diagnóstico de trombose de veia cefálica direita.

O ECG (12/9/96) revelou ritmo de fibrilação atrial com freqüência média de 100bpm, SÂQRS -30o para trás e sobrecarga ventricular esquerda.

Houve crescimento de Enterococcus faecalis na hemocultura (2/9/96) e Candida albicans em cultura de secreção traqueal em (25/9/96). O paciente recebeu diferentes antibióticos na evolução: ceftazidima, metronidazol, ceftriaxona, perfloxacina.

Foram administrados durante a internação hemoderivados como parte do tratamento dos sangramentos: 19 unidades de concentrado de hemácias, 250 unidades de plaquetas, 172 unidades de crioprecipitado e 32 unidades de plasma fresco.

Foi feito o diagnóstico de suboclusão de aorta torácica, levando ao quadro clínico apresentado pela paciente. Foi cogitado o tratamento cirúrgico da suboclusão da aorta descendente. Entretanto, na evolução apresentou sangramentos abundantes e freqüentes pelo brônquio esquerdo com necessidade de aspirações para manutenção de ventilação satisfatória. Seguiu-se intenso sangramento traqueal, bradicardia e óbito cerca de 30 dias decorridos da hospitalização.

 

Discussão

Aspectos clínicos - Homem, 68 anos, com história de aneurisma de aorta torácica operado, evoluiu com insuficiência cardíaca direita predominante. Demonstrou-se insuficiência tricúspide acentuada, desproporcional ao grau de hipertensão pulmonar. Outro achado incluiu a suboclusão da aorta torácica descendente.

O interesse clínico em valvopatia tricúspide tem crescido na literatura1. A possibilidade de correção cirúrgica altera favoravelmente a evolução natural da doença.

A insuficiência tricúspide pode ser funcional quando ocorre em conseqüência à dilatação do VD, ou orgânica quando há lesão direta do aparelho valvar tricuspídeo.

A insuficiência tricúspide funcional é a causa mais comum de insuficiência tricúspide 1, encontrada na hipertensão pulmonar secundária a doenças que acometem o coração esquerdo, como na estenose mitral. A insuficiência tricúspide funcional também é encontrada em pacientes com doença vascular pulmonar (hipertensão pulmonar primária), em cardiopatias congênitas (síndrome de Eisenmenger, entre outras) e em doenças do VD (displasia arritmogênica do VD).

No presente caso o cateterismo não revelou hipertensão pulmonar, portanto, o diagnóstico mais provável é de insuficiência tricúspide de origem orgânica.

Dentre as formas orgânicas, o diagnóstico diferencial inclui:

a) insuficiência tricúspide reumática, quase sempre em associação com valvopatias mitral ou aórtica. Embora dois terços dos pacientes com valvopatia mitral reumática tenham evidência anatomopatológica de lesão tricuspídea, é pouco comum insuficiência tricúspide clinicamente significante 1. Neste caso, não havia história de doença reumática nem evidência de lesão mitro-aórtica associada, o que descarta esse diagnóstico;

b) a insuficiência tricúspide isquêmica - infarto, rotura ou isquemia dos músculos papilares no VD em insuficiência coronária são causas significativas de insuficiência tricúspide 1. O paciente em questão, foi submetido a cinecoronariografia que demonstrou coronárias normais. Este dado, associado à ausência de história de infarto miocárdico, afasta esse diagnóstico;

c) anomalia de Ebstein - a insuficiência tricúspide é componente freqüente desta anomalia que se caracteriza pela implantação apical dos folhetos tricuspídeos septal e posterior 1. Com isso há a "atrialização" de porção variável do VD e uma gama de alterações envolvendo o folheto anterior e o septal. Esta anomalia congênita é incomum e está associada com comunicação interatrial, cianose, disfunção ventricular direita e arritmias. Os exames por imagem descartaram esse diagnóstico no caso em questão;

d) endocardite de valva tricúspide - particularmente aquela de etiologia estafilocócica, ocorre com maior freqüência em usuários de droga injetável, ou induzida por cateter venoso central. A endocardite tricúspide pode ocorrer também em portadores de comunicações intracardíacas 1 e também em queimados e outras condições que levam à imunossupressão, quando se deve considerar a etiologia fúngica e outras bactérias. Abscesso envolvendo o anel tricúspide, rotura de cordoalha e perfuração valvar produzem a insuficiência valvar. O paciente não era usuário de drogas injetáveis, nem tampouco era imunodeprimido ou portador de comunicação intracardíaca. Esses dados afastam também essa hipótese ;

e) prolapso valvar tricúspide - é visto quase exclusivamente associado ao prolapso da valva mitral (PVM) 1-3. Ocorre em 50% dos portadores de PVM 1. Embora existam relatos de prolapso valvar tricúspide isolado 2,3, esta entidade ainda permanece mal definida. A insuficiência tricúspide acentuada não tem sido observada no prolapso tricuspídeo. No caso atual, o ecocardiograma transtorácico, tanto no modo M quanto no bidimensional, não demonstrou esta condição nem PVM que poderia aumentar a possibilidade de um prolapso valvar tricúspide associado;

f) síndrome carcinóide - a insuficiência tricúspide resulta de depósitos de tecido fibroso nas cúspides 1. As placas fibrosas também podem se depositar nas câmaras cardíacas e íntima das grandes veias e seio coronário. Tais placas são mais extensas nas câmaras direitas, onde o depósito ocorre na superfície ventricular da valva tricúspide, provocando sua aderência à parede do VD e levando à insuficiência. O acometimento cardíaco na síndrome carcinóide ocorre em mais da metade dos casos 1. Esta síndrome geralmente é encontrada nos argentafinomas gastrointestinais, e também nos agentafinomas primários de pulmão ou ovário. Neste caso, o paciente não apresentava quadro clínico sugestivo, nem evidência de qualquer processo neoplásico que pudesse induzir essa síndrome;

g) lúpus eritematoso sistêmico - a insuficiência tricúspide de moderada a acentuada pode complicar 25% dos casos de lúpus. Em geral, é resultado de hipertensão pulmonar produzida por vasculite pulmonar 1 , a qual não foi detectada no paciente em questão. Endocardite de Libman-Sacks que envolve a valva tricúspide é muito rara, mas pode produzir insuficiência tricúspide;

h) outras causas mais raras de insuficiência tricúspide podem ser citadas - tumores cardíacos, particularmente o mixoma de átrio direito; trauma penetrante intracardíaco com lesão de músculo papilar, cordoalha e/ou folhetos; endomiocardiofibrose; pericardite constritiva; valvopatia induzida por metisergide e tireotoxicose, mas pouco prováveis, neste caso;

i) a insuficiência tricúspide secundária à dilatação do anel atrioventricular, não associada a dilatação do VD por hipertensão pulmonar, ocorre na síndrome de Marfan. O acometimento cardiovascular ocorre em pelo menos 60% dos adultos afetados por essa síndrome. A dilatação do anel aórtico é a mais freqüente e a dissecção de aorta, a complicação mais grave 4. Entretanto, têm sido descritas grandes variações do espectro do acometimento, principalmente em aorta e em valvas cardíacas 4-6.

A insuficiência mitral é encontrada com freqüência em adultos acometidos por essa síndrome e ocorre devido à redundância das cúspides e cordas tendíneas que levam ao prolapso valvar 1. Em estudos ecocardiográficos, o PVM parece ser mais comum que a insuficiência aórtica 6, contudo, calcificação maciça do anel mitral também pode ocorrer.

No caso em questão, o paciente não possuía história familiar de síndrome de Marfan, nem fenótipo característico. Contudo, nem todos os portadores de síndrome de Marfan apresentam todas as características músculo-esqueléticas e oculares típicas. A expressão clínica é variável mesmo entre os membros de uma mesma família 7-9. Em 85% dos casos, a síndrome é de origem familiar, transmitida por herança autossômica dominante; os outros casos são esporádicos e decorrem de mutações novas 7. Embora descrita a coarctação da aorta associada à síndrome de Marfan, o aneurisma e a dissecção de aorta são as doenças de aorta mais freqüentes 10. Os portadores desta doença morrem em média entre os 30 e 40 anos de idade, geralmente em conseqüência da rotura de aneurismas da aorta 4.

Duas outras doenças do tecido conjuntivo, além da síndrome de Marfan, podem apresentar comprometimento da aorta e da valva tricúspide: síndrome de Ehlers-Danlos e pseudoxantoma elástico 11.

Na síndrome de Ehlers-Danlos a ocorrência de aneurisma de aorta é incomum. Em geral, há rotura aórtica, sem dissecção. Hiperelasticidade da pele e hipermobilidade das articulações, que são características fundamentais desta síndrome, não estavam presentes no paciente em questão.

Em relação ao pseudoxantoma elástico, não foram descritos os pseudoxantomas em pele e as estrias angióides em coróide neste paciente. As alterações cardiovasculares mais comuns desta doença são a fibroelastose endocárdica e coronariopatia difusa 11, ambas ausentes no caso em questão.

(Augusto Hiroshi Uchida)

Hipótese diagnóstica - Síndrome de Marfan.

 

Necropsia

O coração pesou 700g. Externamente havia aumento da área cardíaca, com predominância das câmaras direitas. Aos cortes, foi evidenciada acentuada dilatação do átrio e VDs e também do anel da valva tricúspide, que mediu 5,5cm de diâmetro (fig. 1). As cúspides da valva tricúspide estavam discretamente espessadas e com enrolamento da borda livre, sem fusão de comissuras, com cordas tendíneas finas e delicadas e, ao estudo microscópico, foram observadas fibrose e degeneração mucóide do estroma valvar de grau discreto. Não foram encontrados trombos intracavitários. Na porção inicial da aorta descendente, distalmente ao óstio da artéria subclávia esquerda, encontrou-se um aneurisma sacular, medindo 10cm de diâmetro, firmemente aderido à pleura visceral do pulmão esquerdo. Na luz do aneurisma, observamos grande trombo mural organizado, que envolvia um tubo de dácron colocado em cirurgia e que se interpunha entre o segmento distal da aorta ascendente e a aorta descendente, formando uma nova luz neste segmento aórtico com exclusão da luz do aneurisma da circulação sistêmica. O tubo de dácron mediu 14,0cm de comprimento por 4,0cm de diâmetro e sua luz estava pérvia. O exame histológico da parede do aneurisma revelou deposição de cristais de colesterol e calcificação da íntima; fibrose, afilamento e destruição das fibras elásticas e espessamento fibroso da túnica média; foram observados ainda moderado infiltrado inflamatório linfomononuclear, fibrose e alteração de arteríolas na adventícia. Placas ateroscleróticas, muitas calcificadas e ulceradas, estavam presentes em toda a aorta, principalmente na região abdominal. O fígado pesou 2500g, com cirrose macro e micronodular com sinais de atividade leve, notando-se pequenos focos de agressão dos hepatócitos da placa limitante portal por infiltrado inflamatório linfomononuclear (fig. 2). A veia porta apresentava intensa dilatação da luz, contudo se mostrou pérvia e sem trombos luminais. Macroscopicamente observou-se intensa congestão esplênica (peso do baço = 950g) e grande quantidade de sangue no interior do estômago, intestinos delgado e grosso. O estudo microscópico do esôfago mostrou a presença de varizes esofágicas. Foram retirados 500ml de líquido ascítico sero-sanguinolento. Os pulmões pesaram 2000g em conjunto, apresentando dano alveolar difuso, com intenso componente hemorrágico, além de alterações vasculares compatíveis com hipertensão pulmonar grau II de Heath-Edwards.

 

 

 

 

(Dra. Léa Maria Macruz Ferreira Demarchi)

Diagnósticos anatomopatológicos - 1) Insuficiência da valva tricúspide; 2) cor pulmonale; 3) varizes esofágicas rotas; 4) cirrose hepática; 5) aneurisma da aorta descendente operado.

 

Comentários

Trata-se de caso de cirrose hepática com discreta atividade, com características histológicas sugestivas de etiologia viral, em paciente submetido a tratamento cirúrgico de aneurisma da aorta ascendente, 24 anos antes do óbito. As alterações inespecíficas observadas nos cortes histológicos do aneurisma da aorta descendente podem corresponder à seqüela de aortite sifilítica, causa bastante freqüente de aneurismas aórticos nesta localização ou, mesmo, aterosclerose complicada 12-17. Alterações decorrentes da hipertensão portal, como intensa congestão esplênica e varizes esofágicas, foram observadas na necropsia. A causa do óbito foi anemia aguda por hemorragia digestiva alta, cuja intensidade pode ser avaliada pela grande quantidade de sangue no interior do estômago, intestinos delgado e grosso e, muito provavelmente, causada por rotura das varizes esofágicas. As alterações vasculares pulmonares encontradas são consistentes com hipertensão pulmonar grau II de Heath-Edwards e, neste caso, podem estar associadas à hepatopatia crônica 18-21 Porém, nos parecem pouco intensas para justificar cor pulmonale e a intensa insuficiência tricúspide observados.

(Dra. Léa Maria Macruz Ferreira Demarchi)

 

Referências

1. Hoit MD, Brian D. Tricuspid Valve Disease. In: Lange Current Diagnosis and Treatment in Cardiology. New Jersey: Prentice Hall; 1985: 128-39.         [ Links ]

2. Weinreich DJ, Burke JF, Bharati S, Lev M - Isolated prolapse of the tricuspid valve. J Am Coll Cardiol 1985; 6: 475 - 81.         [ Links ]

3. Jackson D, Gibbs HR, Zee-cheng CS - Isolated tricuspid valve prolapse diagnosed by echocardiography. Am J Med 1986; 80: 281 - 4.         [ Links ]

4. Roberts W C, Honig HS - The spectrum of cardiovascular disease in the Marfan's syndrome: A clinico-pathologic study of 18 necropsy patients and comparison to 151 previously reported necropsy patients. Am Heart J 1982; 104: 115-35.         [ Links ]

5. Mckusick VA - The cardiovascular aspects of Marfan's syndrome: A heritable disorder of conective tissue. Circulation 1955; 11: 321-9.         [ Links ]

6. Mcleod M, Willians AW - The cardiovascular lesions in Marfan's syndrome. Arch Pathol 1956; 61:143-50.         [ Links ]

7. Golden RL, Lakin H - The formes frustes in Marfan's syndrome. N Engl J Med 1959; 260: 797-805.         [ Links ]

8. Tuna N, Thai AP - Some unusual features of the Marfan syndrome. Report of four cases. Circulation 1961; 24: 1154-7.         [ Links ]

9. Pyeritz RE, Mckusick VA - The Marfan syndrome: Diagnosis and management. N Engl J Med 1979; 300: 772- 7.         [ Links ]

10. Elridge R - Coarctation in the Marfan syndrome. Arch Intern Med 1964; 113: 342-9.         [ Links ]

11. Bennis A, Mehadji BA, Soulami S, Tahiri A, Chraibi N - Cardiovascular manifestations of hereditary dysplasias of connective tissue. Ann Cardiol Angeiol 1993; 42: 173-81.         [ Links ]

12. Pressler V, McNamara JJ - Thoracic aortic aneurysm. J Thorac Cardiovas Surg 1980; 79: 489-98.         [ Links ]

13. Pressler V, McNamara JJ - Aneurysms of the thoracic aorta. J Thorac Cardiovasc Surg 1985; 89: 50-4.         [ Links ]

14. Bickerstaff LK, Pairolero PC, Hollier LH et al - Thoracic aortic aneurysms: a population-based study. Surgery 1982; 92: 1103-8.         [ Links ]

15. McNamara JJ, Pressler V - Natural history of atherosclerotic thoracic aortic aneurysms. Ann Thoracic Surg 1978; 26: 468-73.         [ Links ]

16. Heggtveit HÁ - Syphilitic aortitis: a clinicopathologic autopsy study of 100 cases, 1950 to 1960. Circulation 1964; 29: 346-55.         [ Links ]

17. Heggtveit HA - Syphilitic aortitis:autopsy experience at the Ottawa General Hospital since 1950. Canad Med Assoc J 1965; 92: 880-1.         [ Links ]

18. Segel N, Kay JM, Bayley TJ, Paton A - Pulmonary hypertension with hepatic cirrhosis. Br Heart J 1968; 30: 575-78.         [ Links ]

19. Lebrec D, Capron JP, Dhumeaux D, Benhamou JP - Pulmonary hypertension complicating portal hypertension. Am Rev Respir Dis 1979; 120: 849-56.         [ Links ]

20. Edwards BS, Weir EK, Edwards WD, Ludwig J, Dykoski RK, Edwards JE - Coexistent pulmonary and portal hypertension: morphologic and clinical features. J Am Coll Cardiol 1987; 10: 1233-8.         [ Links ]

21. Robalino BD, Moodie DS - Association between primary pulmonary hypertension and portal hypertension: analysis of its pathophysiology and clinical, laboratory and hemodynamic manifestations. J Am Coll Cardiol 1991; 17: 492-8.         [ Links ]

 

 

Editor: Alfredo José Mansur
Editores associados: Desidério Favarato; Vera Demarchi Aiello
Correspondência: Alfredo José Mansur – Incor – Av. Dr. Enéas C. Aguiar, 44 – 05403-000 – São Paulo, SP

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License