SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.84 issue3Pheochromocytoma in childhoodDiretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento e para Obtenção de Certificação em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782X

Arq. Bras. Cardiol. vol.84 no.3 São Paulo Mar. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2005000300015 

RELATO DE CASO

 

Volumosas fístulas de ambas coronárias para a artéria pulmonar. Embolização percutânea com micro-molas e balões destacáveis

 

 

Antenor Portela; Benjamim Pessoa Vale; Raldir Bastos; João Francisco de Sousa; Itamar Costa; Jayro Paiva
Teresina - PI

Serviço de Cardiologia Intervencionista do Hospital São Marcos

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Mulher de 43 anos, sintomática (dispnéia e palpitações), apresentava múltiplas fístulas de alto débito de ambas coronárias para a artéria pulmonar, embolizadas percutaneamente com micro-molas de liberação controlada e balões destacáveis, com sucesso.


 

 

As fístulas coronárias são comunicações entre essas artérias e as cavidades cardíacas ou outros vasos mediastinais; são, freqüentemente, desvios do desenvolvimento embrionário1. Múltiplas fístulas de ambas coronárias para a artéria pulmonar, como na nossa paciente, são entidades clínicas raras2. Fístulas com acentuada repercussão hemodinâmica, levando ao surgimento de sintomas de insuficiência cardíaca e dor torácica anginosa são, classicamente, tratadas por ligação cirúrgica3. Oclusão por cateterismo intervencionista tem se tornado cada vez mais freqüente4-8.

 

Relato do Caso

Mulher de 43 anos de idade procurou atendimento cardiológico por palpitações taquicárdicas freqüentes e dispnéia aos médios esforços, com sintomas progredindo nos últimos anos. Exame clínico específico revelou sopro cardíaco contínuo, bem audível, na borda esternal esquerda na altura do 3º e 4º espaços intercostais. O eletrocardiograma de 12 derivações revelou bloqueio completo de ramo esquerdo. O ecodoppler realizado em outro serviço diagnosticou persistência de canal arterial de grande calibre e hipertensão arterial pulmonar. Com este diagnóstico a paciente foi encaminhada a estudo hemodinâmico. A manometria revelou discreta elevação das pressões nas câmaras direitas e artéria pulmonar. Havia salto oximétrico ao nível do tronco da artéria pulmonar. Não foi encontrada persistência de canal arterial. A cinecorona riogradia revelou volumosas fístulas da coronária direita (fig.1) e da coronária esquerda (fig. 2) para a artéria pulmonar.

 

 

 

 

Decidiu-se por embolização percutânea, utilizando-se como via de acesso punção da artéria femoral direita, com cateter-guia JR 4 6F (Cordis, brite tip) para a coronária direita e JL 4 6F para coronária esquerda. Após administração endovenosa de 5000 U de heparina não fracionada, volumosa fístula do óstio da coronária direita foi microcateterizada seletivamente (Excelsior microcatheter, Boston Scientific). Foram liberados coils de liberação controlada até oclusão da fístula (MicroPlex, Microvention), usando-se microcateteres para a catererização seletiva de duas volumosas fístulas nos terços proximal e médio da artéria descendente anterior, sucessivamente ocluídas com o mesmo tipo de micro-molas. Esses coils são produzidos pela Microvention, novas micro-molas de platina introduzidas no mercado em 2002 para embolização de aneurismas cerebrais. Foram usadas ao todo 11 desses dispositivos para embolização das fístulas, 2 microplex 4mm/8cm, 2 de 6mm/15cm, 2 de 8mm/20cm, 1 de 4mm/10cm, 1 de 5mm/12cm, 1 de 7mm/18cm, 1 de 7mm/30cmm e 1 de 9/30cm (fig. 3).

 

 

Restou um fluxo residual na fístula da coronária direita por um ramo lateral que emergia antes do local de onde as molas foram liberadas. A paciente tolerou bem o procedimento sob anestesia local. Não se observou embolização distal para os ramos das coronárias.

Após o procedimento a paciente relatou uma grande melhora dos sintomas, recebendo alta hospitalar após dois dias do procedimento em uso de atenolol 25mg/dia.

O ecodopplercardiograma realizado oito meses após o procedimento, apresentou cavidades normais sem fluxos anômalos. O eletrocardiograma mostrou reversão do bloqueio completo do ramo esquerdo. A cinecoronariogradia tardia de controle revelou oclusão completa das duas fístulas da coronária esquerda (fig 4). O ramo lateral da fístula da coronária direita não trombosou, como esperado, persistiu e desenvolveu-se. Apesar da paciente se encontrar assintomática, optamos por novo procedimento de embolização com balões destacáveis. Após cateterização seletiva do ramo fistuloso com JR 4 8F, a fístula foi ocluída com dois balões (GVB 16, Cathnet-Science) (fig. 5).

 

 

 

 

Discussão

As fístulas coronárias podem ocorrer entre essas artérias e as câmaras cardíacas ou outros vasos, podendo ter origem congênita, traumática ou iatrogênica1. A repercussão hemodinâmica depende do sítio de origem, término e tamanho da fístula2. Fístulas de ambas coronárias representam apenas 5% do total.

A maioria das fístulas coronárias é pequena, sem repercussão hemodinâmica. Nas fístulas maiores pode haver roubo de fluxo, com isquemia resultante no segmento do miocárdio perfundido pela coronária distal à fístula. Há dilatação compensatória do segmento proximal.

As fístulas de alto débito podem resultar em sintomas ou seqüelas3. Nas alterações que podem ser encontradas incluem-se: isquemia miocárdica crônica e angina, insuficiência cardíaca e cardiomiopatia, infarto do miocárdio, hipertensão pulmonar, endocardite, arritmias, trombose da fístula e ruptura, que é rara.

Muitos pacientes são referidos devido a sopro contínuo na borda esternal esquerda. Nas fístulas grandes pode haver alterações eletrocardiográficas. O ecocardiograma transtorácico não consegue, na maioria dos casos em adultos, determinar os locais de início e término do shunt, sendo o ecotransesofágico mais adequado para um diagnóstico preciso.

O tamanho e característica anatômica das fístulas podem ser estabelecidos com precisão pela angiografia coronariana.

Fístulas sem repercussão, clinicamente silenciosas não merecem tratamento. A profilaxia para endocardite é controversa.

Fístulas volumosas devem ser ligadas3. Os métodos cirúrgicos têm bons resultados9,10.

Nos últimos anos, a despeito dos bons resultados com a cirurgia, os métodos percutâneos menos invasivos têm se tornado o tratamento de escolha. Vários dispositivos têm sido empregados, incluindo coils de Gianturco, coils destacáveis, balões destacáveis, polyvinil álcool, double umbrellas, duto oclusor de Amplatzer4-8. O risco do tratamento percutâneo inclui infarto do miocárdio e embolização dos dispositivos para estruturas vasculares extracardíacas.

No caso presente, a cinecoronariogradia de controle tardio mostrou completa oclusão das fístulas da coronária esquerda e a fístula residual da coronária direita pôde ser tratada com sucesso com balões destacáveis. O uso de dispositivos percutâneos variados para oclusão de múltiplas fístulas de ambas coronárias, cursando com sintomas de insuficiência cardíaca, torna este caso peculiar.

 

Referências

1. Spaedy TJ, Wilensky RL. Coronary artery fistulas: clinical implications. ACC Current Journal Review. 1994; 3:24.         [ Links ]

2. Hoffman, JI. Congenital anomalies of the coronary vessels and the aortic root. In: Heart disease in infants, children and adolescents, 5th ed, Williams and Wilkins, Baltimore 1995, p. 780.         [ Links ]

3. Liberthson RR, Sagar K, Bertokeben JP, et al. Congenital coronary arteriovenous fistula. Report of 13 patients, review of the literature and delineation of management. Circulation. 1979; 59: 849.         [ Links ]

4. Armsby LR, Keane JF, Sherwood MC, et al. Management of coronary artery fistulae. Patient selection and results of transcatheter closure. J Am Coll Cardiol. 2002; 39: 1026.         [ Links ]

5. Reidy JF, Anjos RT, Qureshi SA, et al. Transcatheter embolization in the treatment of coronary artery fistulas. J Am Coll Cardiol. 1991; 18:187.         [ Links ]

6. Perry SB, Rome J, Keane JF, et al. Transcatheter closure of coronary artery fistulas. J Am Coll Cardiol. 1992; 20:205.         [ Links ]

7. Ogoh Y, Akayi T, Abe T, et al. Succesful embolization of coronary arteriovenous fistula using an interlocking detachable coil. Pediatr Cardiol. 1997; 18: 152.         [ Links ]

8. Hakim F, Madani A, Goussons Y, et al. Transcatheter closure of a large coronary arteriovenous fistula using the new Amplatzer duct occluder. Cathe Cardiovasc Diagn. 1998; 45:155.         [ Links ]

9. Urrutia-S CO, Falschi G, Ott DA, Cooley DA. Surgical management of 56 patients with congenital coronary artery fistulas. Amm Thorac Surg. 1983; 35:300.         [ Links ]

10. Cheung DC, Au WK, Cheung HH, et al. Coronary artery fistulas: long-term results of surgical correction. Amm Thorac Surg. 2001; 71:190.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Dr. Antenor Portela
Rua Olavo Bilac, 2300
Cep 64001280
Hospital São Marcos Teresina - PI
E-mail: antenorportela@uol.com.br

Enviado em 01/07/2004 - Aceito em 03/09/2004