SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.92 issue2Opening frontiers at homeInfluence of leukocytes and glycemia on the prognosis of patients with acute myocardial infarction author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782X

Arq. Bras. Cardiol. vol.92 no.2 São Paulo Feb. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009000200002 

ARTIGO ORIGINAL
ARRITMIA CLÍNICA

 

Incidência de complicações relacionadas à massagem do seio carotídeo em 502 pacientes ambulatoriais

 

 

Gustavo de Castro LacerdaI, II; Roberto Coury PedrosaII; Renato Côrtes de LacerdaI; Marcela Cedenilla dos SantosI; Alfredo Teixeira BrasilI; Aristarco Gonçalves de Siqueira-FilhoII

IHospital Geral de Bonsucesso - Ministério da Saúde, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
IIUniversidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ - Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

FUNDAMENTO: A massagem do seio carotídeo (MSC) é uma técnica simples, de baixo custo e com muitas indicações.
OBJETIVO: Determinar a segurança da MSC em pacientes ambulatoriais com alta prevalência de doença aterosclerótica e de cardiopatia.
MÉTODOS: Estudo transversal. Critérios de inclusão: pacientes ambulatoriais com idade > 50 anos, encaminhados para realização de eletrocardiograma (ECG). Critérios de exclusão: indivíduos que não aceitaram participar de um estudo sobre a prevalência da resposta cardioinibitória à MSC, pacientes com demência, portadores de marca-passo, indivíduos com sopro carotídeo ou com história de AVC ou IAM nos últimos 3 meses. A MSC foi realizada na posição supina durante 10 segundos. Foram consideradas complicações da MSC a ocorrência de arritmias sustentadas e o aparecimento de déficit neurológico durante a MSC ou nas primeiras 24 horas após o seu término.
RESULTADOS: Foram selecionados aleatoriamente 562 pacientes de um total de 1.686 indivíduos com critérios de inclusão. Sessenta indivíduos apresentaram critérios de exclusão. Os 502 pacientes restantes (52% homens, idade média de 65 anos, 69% cardiopatas e 50% com doença aterosclerótica) foram submetidos a 1.053 MSC. Dois pacientes apresentaram complicações (0,4%; IC95%:0%-0,9%). Um homem de 71 anos apresentou monoparesia do braço esquerdo com regressão completa em 30 minutos. Outro homem, de 56 anos, apresentou hemianopsia homônima à esquerda que regrediu em 7 dias.
CONCLUSÃO: A incidência de complicações relacionadas à MSC foi pequena, particularmente quando se considerou que a população submetida à manobra era idosa e com alta prevalência de cardiopatia estrutural e de doença aterosclerótica.

Palavras-chave: Seio carotídeo, síncope, arritmias cardíacas/complicações.


 

 

Introdução

A massagem do seio carotídeo (MSC) é uma técnica simples, de baixo custo, realizada à beira do leito, com índice de complicações muito reduzida, que requer para a sua realização apenas um eletrocardiógrafo e um médico familiarizado com o método1. As indicações diagnósticas e terapêuticas são diversas1. No campo das indicações diagnósticas, destaca-se a pesquisa da hipersensibilidade do seio carotídeo (HSC) e da chamada síncope do seio carotídeo (SSC)1-3. Entre as indicações terapêuticas, destaca-se a possibilidade de reversão de crises de taquicardia paroxística supraventricular (TPSV)1,3. A reversão súbita de uma crise de TPSV, obtida por um leve toque de dedo abaixo da mandíbula, é uma situação muito gratificante para o médico, e uma surpresa agradável para o paciente, que se vê livre das palpitações angustiantes por um toque "mágico". Gratidão e admiração pelo médico são sentimentos habitualmente expressados pelos pacientes e costumam ser o início de uma boa relação entre ambos. Entretanto, nos últimos anos a MSC tem sido pouco empregada na reversão das TPSV e com o objetivo do diagnóstico da HSC4. Parece existir um temor irracional quanto aos seus riscos, o que diminui a familiaridade com a sua utilização e contribui para o seu esquecimento.

Relatos de casos isolados parecem ser responsáveis por grande parte do temor excessivo e injustificado que envolve a prática da MSC. Não há fundamento científico para que a MSC não seja utilizada sob a alegação de que é arriscada. Em cinco grandes séries de casos (tab. 1), nenhuma complicação cardiológica relacionada ao procedimento foi observada5-9. Nessas séries, a incidência de complicações cerebrovasculares da MSC também foi pequena, variando de 1,7‰ a 9‰5-9.

 

 

O presente estudo é o primeiro trabalho realizado fora do continente europeu com o objetivo de avaliar a incidência de complicações relacionadas à MSC em pacientes ambulatoriais, com idade >50 anos e com alta prevalência de cardiopatia estrutural e de doença aterosclerótica.

 

Métodos

Desenho

Estudo transversal, realizado no ambulatório de cardiologia do Hospital Geral de Bonsucesso (HGB), um hospital público de nível terciário. A população avaliada foi recrutada durante estudo que objetivava avaliar a prevalência e os preditores da resposta cardioinibitória à MSC10. Esse estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição. Nele foram selecionados, de modo aleatório, 562 pacientes ambulatoriais com idade >50 anos, encaminhados para registro do eletrocardiograma (ECG) precedendo consulta cardiológica de rotina, e pacientes que por solicitação de médicos de outras especialidades, clínicas ou cirúrgicas, haviam sido encaminhados para realização do ECG.

Foram excluídos do estudo pacientes que não assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido, indivíduos obesos, portadores de traqueostomia ou com feridas no pescoço, pacientes com demência, indivíduos com bradiarritmia sintomática, portadores de marca-passo definitivo e pacientes com histórico de arritmia ventricular complexa. Pacientes com sopro carotídeo ou com Doppler de carótidas prévio documentando estenose carotídea >50%, indivíduos com história de infarto agudo do miocárdio (IAM) nos últimos 3 meses e aqueles com história de acidente vascular cerebral (AVC) ou ataque isquêmico transitório (AIT) nos últimos 3 meses também foram excluídos.

A MSC foi realizada em ambiente com desfibrilador cardíaco, marca-passo transcutâneo e todo material necessário para realização de ressuscitação cardiopulmonar. Em todos os casos, o primeiro autor deste estudo foi o responsável pela realização da MSC.

A MSC foi realizada apenas na posição supina, primeiramente do lado direito. Exerceu-se uma pressão com movimentos longitudinais no ponto onde é palpada a máxima impulsão do pulso carotídeo, imediatamente acima da cartilagem tireóide e abaixo do ângulo da mandíbula, por um período de 10 segundos. Nos casos sem complicação imediata, o procedimento foi repetido após um minuto do lado esquerdo.

Após o término da MSC, todos os indivíduos foram reavaliados e questionados sobre a presença de sintomas. Antes de serem liberados, os pacientes foram orientados a procurar o primeiro autor do estudo pessoalmente no Serviço do Coração do HGB, ou pelo telefone, caso surgissem dúvidas ou complicações relacionadas ao estudo ou à MSC. Os indivíduos com complicações relacionadas à MSC foram identificados e tratados na enfermaria de cardiologia do HGB.

Complicações da MSC foram definidas antes do início do estudo, como a ocorrência de arritmias ventriculares ou supraventriculares sustentadas (aquelas com duração superior a 30 segundos ou que necessitassem de intervenção médica para seu controle), a ocorrência de assistolia prolongada que viesse a requerer manobras de ressuscitação e o aparecimento de déficit neurológico (AVC ou AIT) durante a MSC ou nas primeiras 24 horas após o término da massagem.

 

Resultados

Descrição da população

Durante o período de recrutamento, 1.686 pacientes com idade >50 anos foram atendidos no setor de eletrocardiografia do ambulatório do HGB. Selecionaram-se de modo aleatório 562 (33,3%). Sessenta pacientes foram excluídos do estudo (fig. 1).

 

 

As características dos 502 pacientes submetidos à MSC estão resumidas na tabela 2. A resposta cardioinibitória à MSC estava presente em 52 pacientes (prevalência: 10,4%; IC95%: 7,7%-13%). As características desses 52 pacientes e os preditores da resposta cardioinibitória podem ser encontrados em artigo publicado nesta revista10.

 

 

A mortalidade e as complicações cardiológicas relacionadas à MSC foram nulas. Dois pacientes apresentaram déficit neurológico (0,4%; IC95%: 0%-0,9%).

Um homem, de 71 anos, hipertenso e dislipidêmico, com passado de revascularização miocárdica cirúrgica em dezembro de 2005 e com duplex scan de carótidas e vertebrais dessa época sem lesões significativas, apresentou assitolia de 4.380 ms durante a MSC direito. A manobra foi interrompida 9 segundos após o seu início, quando o paciente referiu "moleza e dormência" por todo o corpo. Menos de 1 minuto após o término da manobra, percebeu-se a presença de disartria com discreta diminuição da força do membro superior esquerdo. O paciente foi medicado com ácido acetilsalicílico, o distúrbio da fala regrediu em menos de 5 minutos, e a monoparesia desapareceu em 30 minutos. Um novo duplex scan de carótidas demonstrou a presença de irregularidades parietais difusas. Trinta dias após a MSC, o paciente permanecia assintomático e sem seqüelas neurológicas (fig. 2).

 

 

Outro paciente do sexo masculino, de 56 anos, hipertenso, dislipidêmico, com passado de IAM e com ecocardiograma-Doppler documentando disfunção ventricular grave, queixou-se de sensação de embriaguez de início 30 minutos após o término da MSC. No exame clínico, identificou-se a presença de hemianopsia homônima à esquerda, sem nenhuma alteração motora, da sensibilidade ou do equilíbrio. Foi medicado com ácido acetilsalicílico e internado na enfermaria de cardiologia do HGB. A tomografia computadorizada do crânio confirmou a presença de AVC isquêmico (pequeno infarto na região occipital direita). Sete dias após o íctus, o paciente não apresentava nenhum déficit no campo visual. O duplex scan das carótidas demonstrou a presença de placa mista com obstrução de 50% da luz do ramo interno da carótida direita, e o ecocardiograma-Doppler confirmou a presença de disfunção ventricular grave, sendo indicado uma cineangiocoronariografia. O procedimento foi realizado 14 dias após a MSC, revelando lesão estenótica moderada na artéria circunflexa. Não havia doença aterosclerótica na artéria descendente anterior e na coronária direita. Imediatamente após o cateterismo, percebeu-se a presença de monoplegia do membro superior esquerdo. Trinta dias após a realização da coronariografia, apresentava força normal na região proximal do braço com monoparesia da mão esquerda (fig. 3).

 

 

Discussão

As complicações da MSC são bem conhecidas1-3, cabe ao médico que realiza a técnica informar a sua indicação e os seus riscos. Complicações arrítmicas graves e ameaçadoras da vida são consideradas extremamente raras1-3. São, em sua maioria, secundárias aos efeitos da MSC sobre os nódulos sinusal e atrioventricular. A manobra pode provocar períodos prolongados de assistolia, interrompidos por batimentos de escape, que raramente degeneram para arritmias mais graves.

Muitas séries de casos foram publicadas sobre a segurança da MSC5-9. Nesses trabalhos, mais de 10 mil pacientes foram submetidos à MSC. Nenhuma dessas séries relatou episódios de arritmia ventricular maligna ou de assistolia prolongada que necessitasse de intervenção médica5-9. No entanto, casos isolados de pacientes que desenvolveram fibrilação ventricular foram descritos11. Esses casos motivaram recomendações para disponibilização do desfibrilador cardíaco nos locais onde o procedimento é realizado2,3.

As complicações cerebrovasculares da MSC são muito temidas. O primeiro caso foi relatado por Weiss e Baker na década de 193012. Nos anos 1960, Lown e Levine1 apresentaram sua experiência com a técnica referindo que suas complicações são extremamente raras1. Esses autores relatam ter realizado a manobra em milhares de pacientes e descrevem apenas uma complicação: um episódio de paralisia facial que não deixou seqüelas1.

Outros casos isolados de pacientes com déficit neurológico provocado pela MSC foram descritos13. Em muitas publicações, não há registro da técnica empregada para estimulação do seio carotídeo. É possível que, em certas ocasiões, a duração da massagem tenha sido demasiadamente longa e que, em algumas situações, o procedimento tenha sido realizado em pacientes que atualmente seriam considerados portadores de contra-indicações à manobra.

No presente estudo, a mortalidade e as complicações cardiológicas relacionadas à manobra foram nulas. Dois pacientes apresentaram déficit neurológico. Essa incidência de complicações (4‰) não diferiu de modo significativo daquela descrita em 5 grandes séries de casos5-9 (tab. 1). Nesses estudos, 10.711 pacientes foram submetidos a aproximadamente 42 mil MSC e somente 35 apresentaram complicações (3,2 complicações neurológicas por 1.000 pacientes)5-9. A incidência de complicações com seqüelas foi ainda menor (0,74‰)5-9.

Richardson e cols.7 consideram que o número de complicações descritas em algumas séries possa ter sido subestimado7. O desenho retrospectivo de 4 delas suscita dúvidas a esse respeito5,6,8,9. Essa diferença no desenho dos estudos, as características distintas das populações avaliadas e as disparidades entre as técnicas empregadas para a realização da MSC podem ter contribuído para a diferença na incidência de complicações que variou de 1,7‰ a 9‰.

Quando a MSC é realizada em indivíduos idosos, dislipidêmicos e portadores de doença aterosclerótica, o risco de complicações neurológicas é maior. A possibilidade de infarto embólico é maior nessa população. Teoricamente, o risco de complicações também seria maior em pacientes com doença aterosclerótica intracraniana e naqueles com infartos lacunares prévios. Nesses indivíduos, um episódio de hipotensão arterial prolongada poderia provocar anóxia cerebral e déficit neurológico9. É possível que esse mecanismo tenha atuado na gênese da complicação apresentada por um dos pacientes do HGB, no qual o duplex scan de carótidas revelou apenas irregularidades parietais difusas. No outro paciente, com placa mista de 50% na carótida interna direita, a complicação cerebrovascular teve claramente origem embólica. Nesse indivíduo, a hemianopsia homônima à esquerda apareceu 30 minutos após o término da MSC.

O aparecimento de déficit neurológico tardio pode fazer com que a verdadeira incidência de complicações da MSC seja subestimada. No estudo de Davies e Kenny, 10 dos 11 indivíduos com complicação foram identificados imediatamente após o término da MSC. Porém, em um deles o déficit neurológico só apareceu 2 horas depois6. Após a realização da MSC, os pacientes do HGB foram orientados a entrar em contato com o autor do presente estudo pessoalmente ou por telefone em caso de novos sintomas. É improvável que pacientes com déficit neurológico tardio tenham procurado assistência em outros locais, visto que a população assistida no HGB tem pouco acesso a outros serviços de saúde.

Pacientes com sopro carotídeo ou com duplex scan de carótidas prévio documentando estenose carotídea >50% foram excluídos do presente estudo. Ressalta-se que a grande maioria dos indivíduos não possuía duplex scan de carótidas prévio. Esse foi o caso do paciente que desenvolveu hemianopsia homônima à esquerda. Esse indivíduo não tinha sopro carotídeo e nunca havia sido submetido à avaliação ultra-sonográfica das carótidas. A realização rotineira do duplex scan de carótidas precendendo a MSC e a exclusão dos pacientes com estenose superior a 50% da luz do vaso teria reduzido em 50% a incidência de complicações observadas no presente estudo. No entanto, a maioria dos pesquisadores não preconiza a realização rotineira do duplex scan de carótidas precedendo a MSC2,3,5-9.

Richardson e cols.14 demonstraram que a MSC pode ser considerada segura mesmo nos pacientes com lesão carotídea documentada pelo duplex scan14. Esses autores identificaram 167 pacientes com quedas recorrentes ou inexplicadas e sopro carotídeo. Todos foram submetidos à avaliação ultra-sonográfica das carótidas. Quarenta e seis pacientes (28%) foram excluídos do estudo (34 com estenose carotídea >70%, 4 com história de AVC nos últimos 3 meses e 8 por outros motivos). Os 121 pacientes restantes foram submetidos à MSC. Nos 18 indivíduos com estenose >50% e <70%, a MSC foi realizada exclusivamente na posição supina. Nos pacientes com estenose <50%, a manobra foi executada da forma usual, isto é, nas posições supina e ortostática durante 5 segundos. Nenhum dos 121 pacientes submetido à MSC desenvolveu déficit neurológico persistente4.

 

Conclusão

Como visto, no estudo do HGB a realização do duplex scan de carótidas precedendo a MSC e a exclusão dos pacientes com estenoses superiores a 50% teria diminuído a incidência de complicações relacionadas ao método. No entanto, ainda que tivesse sido rotineiramente empregado, o duplex scan não teria sido capaz de evitar uma das duas complicações observadas. O presente estudo confirma a baixa incidência de complicações relacionadas à MSC, mesmo quando esta é realizada fora de centros de excelência e em pacientes idosos com alta prevalência de cardiopatia estrutural e de doença aterosclerótica.

 

Agradecimentos

Agradecemos aos colegas do Serviço do Coração do Hospital Geral de Bonsucesso pelo incentivo e pela colaboração prestada durante a realização deste trabalho.

Potencial Conflito de Interesses

Declaro não haver conflito de interesses pertinentes.

Fontes de Financiamento

O presente estudo não teve fontes de financiamento externas.

Vinculação Acadêmica

Este artigo é parte de tese de Mestrado de Gustavo de Castro Lacerda pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

Referências

1. Lown B, Levine SA. The carotid sinus: clinical value of its stimulation. Circulation. 1961; 23: 766-89.         [ Links ]

2. Guidelines on management (diagnosis and treatment of syncope – update 2004 ) The Task force on Syncope, European Society of Cardiology. Europace. 2004; 6 (6): 467-537.         [ Links ]

3. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes para avaliação e tratamento de pacientes com arritmias cardíacas. Arq Bras Cardiol. 2002; 79 (supl 5): 1-50.         [ Links ]

4. Disertori M, Brignole M, Menozzi C, Raviele A, Rizzon P, Santini M, et al. Management of patients with syncope referred urgently to general hospitals. Europace. 2003; 5 (3): 283-91.         [ Links ]

5. Munro N, McIntosh S, Lawson J, Morley C, Sutton R, Kenny R. The incidence of complications after carotid sinus massage in older patients with syncope. J Am Geriatr Soc. 1994; 42: 1248-51.         [ Links ]

6. Davies G, Kenny R. Frequency of neurological complications following carotid sinus massage. Am J Cardiol. 1998; 81: 1256-7.         [ Links ]

7. Richardson D, Bexton R, Shaw F, Steen N, Bond J, Kenny R. Complications of carotid sinus massage – a prospective series of older patients. Age Ageing. 2000; 29: 413-7.         [ Links ]

8. Puggioni E, Guiducci V, Brignole M, Menozzi C, Oddone D, Donateo P, et al. Results and complications of the carotid sinus massage performed according to the "method of symptoms". Am J Cardiol. 2002; 89 (5): 599-601.         [ Links ]

9. Walsh T, Clinch D, Costelloe A, Moore A, Sheehy T, Watts M, et al. Carotid sinus massage – how safe is it? Age Ageing. 2006; 35 (5): 518-20.         [ Links ]

10. Lacerda G, Pedrosa R, Lacerda R, Santos M, Perez M, Teixeira A, et al. Prevalência e preditores da resposta cardioinibitória à massagem do seio carotídeo em 502 pacientes ambulatoriais. Arq Bras Cardiol. 2008; 90 (3); 163-71.         [ Links ]

11. Deepak M, Jenkins N, Davidson N, Bennett D. Ventricular fibrillation induced by carotid sinus massage without preceding bradycardia. Europace. 2005; 7 (6): 638-40.         [ Links ]

12. Weiss S, Baker J. The carotid sinus reflex in health and disease: its role in the causation of faitining and convulsions. Medicine. 1933; 12: 297.         [ Links ]

13. Beal F, Park S, Fisher M. Cerebral atheromatous embolism following carotid sinus pressure. Arch Neuro. 1981; 38: 310-2.         [ Links ]

14. Richardson D, Shaw F, Bexton R, Steen N, Kenny R. Presence of a carotid bruit in adults with unexplained or recurrent falls: implications for carotid sinus massage. Age Ageing. 2002; 31: 379-84.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Gustavo de Castro Lacerda
Rua Hadock Lobo, 369, Sl. 308, Estácio
20260-131, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
E-mail: glacerda@cardiol.br

Artigo recebido em 08/03/08; revisado recebido em 22/04/08; aceito em 28/04/08.