SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.92 issue4Morphological description and clinical implications of myocardial bridges: an anatomical study in colombiansUse of resting myocardial scintigraphy during chest pain to exclude diagnosis of acute myocardial infarction author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

  • text in English | Spanish
  • pdf in English | Spanish | Portuguese
  • ReadCube
  • Article in xml format
  • Article references
  • How to cite this article
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation
  • Send this article by e-mail

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782X

Arq. Bras. Cardiol. vol.92 no.4 São Paulo Apr. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009000400003 

ARTIGO ORIGINAL
BIOLOGIA MOLECULAR

 

Homocisteína e polimorfismos dos genes MTHFR e VEGF: impacto na doença arterial coronariana

 

 

Alexandre Rodrigues GuerzoniI; Patrícia Matos BiselliI; Moacir Fernandes de GodoyI; Doroteia Rossi Silva SouzaI; Renato HaddadII; Marcos Nogueira EberlinII; Erika Cristina Pavarino-BertelliI; Eny Maria Goloni-BertolloI

IFaculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP, São José do Rio Preto, SP
IIFaculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas, SP - Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

FUNDAMENTO: Polimorfismos em genes relacionados ao desenvolvimento da aterosclerose, angiogênese e metabolismo da homocisteína (Hcy) podem ser fatores de risco para a doença arterial coronariana (DAC).
OBJETIVO: Avaliar o efeito dos polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T na DAC e a associação desses polimorfismos com a gravidade e a extensão das lesões ateroscleróticas e concentrações de Hcy.
MÉTODOS: 244 indivíduos foram avaliados através de angiografia coronariana e incluídos no estudo (145 com DAC e 99 indivíduos-controle). Os polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T foram investigados através das técnicas de PCR-SSCP e PCR-RFLP, respectivamente. Os níveis de homocisteína plasmática foram mensurados através de cromatografia líquida/espectrometria de massa seqüencial (CL/EMS).
RESULTADOS: Não houve diferença significante em relação à distribuição de alelos e genótipos entre os grupos, para ambos os polimorfismos. A análise univariada mostrou uma freqüência maior do genótipo VEGF -2578AA no grupo com doença em três vasos (p=0,044). Além disso, o genótipo VEGF -2578CA foi observado mais freqüentemente entre indivíduos com <95% de estenose (p=0,010). Após ajuste para outros fatores de risco para DAC em um modelo multivariado, observou-se que o polimorfismo VEGF C-2578A não era um correlato independente da DAC (p=0,688). O polimorfismo MTHFR não mostrou qualquer relação com a extensão e/ou gravidade da DAC. O polimorfismo MTHFR C677T não mostrou uma associação direta com hiperhomocisteinemia ou aumento das concentrações médias de Hcy no plasma.
CONCLUSÃO: Embora haja uma aparente associação entre o polimorfismo VEGF C-2578A e o desenvolvimento de aterosclerose coronariana, essa associação não é independente dos fatores de risco cardiovasculares convencionais.

Palavras-chave: Doença de artéria coronariana, aterosclerose, polimorfismo genético, homocisteína.


 

 

Introdução

O gene que codifica o fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) tem sido estudado no desenvolvimento de doenças coronarianas1-3. O VEGF, presente nas paredes dos vasos, promove a proliferação das células endoteliais vasculares e a angiogênese, mas seu papel na aterosclerose ainda é pouco entendido. Há estudos que apontam o VEGF como um fator de proteção no desenvolvimento da placa aterosclerótica, ao agir como um regulador da integridade endotelial da parede arterial coronariana4,5. Por outro lado, há estudos mostrando que a neovascularização, mediada pelo VEGF, influencia a patogênese das doenças arteriais6.

Alterações das concentrações de VEGF podem ser mediadas por polimorfismos genéticos7,8. Vários polimorfismos de nucleotídeo único (SNPs) foram descritos no gene VEGF. Renner e cols.7 descreveram três polimorfismos do gene VEGF (C702T, C936T e G1612A) e observaram níveis significantemente mais baixos de VEGF no plasma em carreadores do alelo 936T, quando comparados com não-carreadores. Os polimorfismos C702T e G1612 não mostraram associação com os níveis de VEGF. Níveis elevados também foram associados com o alelo G no nucleotídeo VEGF -11548. Em um estudo com pacientes submetidos à angiografia coronariana, o polimorfismo C-2578A foi considerado um fator de risco para o desenvolvimento de aterosclerose1. Essa variação genética já foi associada com uma menor expressão do VEGF8.

A hiperhomocisteinemia, isto é, aumento da concentração de homocisteína (Hcy) no sangue, é considerada um fator de risco independente para a aterosclerose e doença arterial coronariana (DAC)9. O aumento das concentrações de Hcy é encontrado em 40% dos pacientes com doença arterial coronariana, arterial cerebral ou arterial periférica e em apenas 15% de indivíduos saudáveis10.

O mecanismo através do qual a hiperhomocisteinemia induz o desenvolvimento de lesões vasculares ainda é pouco conhecido. Evidências experimentais sugerem que a Hcy pode estar envolvida na aterogênese e trombogênese, levando à hiperplasia da célula muscular e fibrose10,11. Concentrações anormais de Hcy podem resultar da interação de fatores genéticos e nutricionais12. A enzima metilenotetrahidrofolato redutase (MTHFR), que tem um papel importante no metabolismo da Hcy, apresenta diminuição da atividade como resultado do polimorfismo na posição 677 do gene MTHFR e leva ao aumento das concentrações de Hcy13. A variante alélica MTHFR 677T tem sido encontrada com alta freqüência em pacientes com doenças vasculares14-17.

No presente estudo, analisamos a freqüência dos polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T em pacientes com DAC e em um grupo de indivíduos sem sinais angiográficos da doença e avaliamos a associação entre esses polimorfismos e a gravidade e extensão das lesões ateroscleróticas e as concentrações plasmáticas de Hcy.

 

Métodos

Sujeitos do estudo

O presente estudo foi aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP, DF, Brasil. Após a obtenção do Consentimento Livre e Informado, 244 indivíduos caucasóides foram incluídos no estudo (145 com DAC e 99 sem a doença). O diagnóstico de DAC foi confirmado ou eliminado através de angiografia coronariana, analisada por dois observadores independentes em uma análise cega quantitativa feita no Laboratório de Cateterismo. Indivíduos que haviam sido submetidos à cirurgia cardíaca e aqueles com prótese coronária foram excluídos do estudo. Embora a miscigenação no Brasil seja disseminada, consideramos como Caucasóides aqueles indivíduos que não apresentavam outros grupos étnicos nas três gerações precedentes18.

A extensão da DAC foi determinada de acordo com o número de vasos coronários envolvidos (0 a 3) e a gravidade através do grau de obstrução arterial (estenose <50%, >50-75%, >75-95%, e >95%). A fração de ejeção (FE) < 40% foi considerada como dano ventricular. Angina típica foi considerada como presente ou ausente. Os fatores de risco clássicos para DAC também foram investigados. Os critérios para a definição de diabetes foram o uso de agentes hipoglicemiantes orais ou tratamento com insulina, ou níveis glicêmicos >126 mg/dl; para hipertensão, o uso de medicação anti-hipertensiva ou pressão arterial >140/90 mmHg; para sedentarismo, a ausência de exercícios regulares e controlados; para alcoolismo, a ingestão de álcool com uma freqüência definida sem uma análise quantitativa; indivíduos que haviam fumado >100 cigarros durante a sua vida e no momento fumavam todos os dias ou em alguns dias, foram considerados fumantes.

Análise bioquímica

Amostras de sangue periférico dos pacientes foram coletadas durante o exame angiográfico, após jejum de 12 horas. A separação do plasma foi feita em até uma hora após a coleta do sangue para a mensuração da Hcy, de acordo com o método de cromatografia líquida/espectrometria de massa seqüencial (CL/EMS)19. As concentrações de Hcy >15µmol/ml foram consideradas como caracterizadoras de hiperhomocisteinemia20. Os procedimentos para determinação do perfil lipídico foram Feitos No Laboratório de Análises Clínicas do Hospital de Base da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.

Triglicérides (TG), colesterol total (CT), lipoproteínas de alta densidade (HDLc) e lipoproteínas de baixa densidade (LDLc) foram mensurados pelo método colorimétrico enzimático.

Determinação de genótipo

DNA genômico foi extraído de leucócitos de sangue periférico21. O polimorfismo VEGF C-2578A foi investigado através do método de Reação de Polimerase em Cadeia - Polimorfismo Conformacional de Fita Simples (PCR-SSCP), de acordo com Brogan e cols.22. Trinta ciclos de amplificação (95ºC por 30s, 62ºC por 30s, e 72ºC por 60s) foram feitos para amplificar um produto de 309 pb. Então, 6 µl do produto da PCR foram denaturados a 95ºC por 5 minutos com 6 µl de solução corante para eletroforese (80% v/v formamida; 10mM NaOH; 1 mM EDTA, pH 8,0; 0,1% w/v de azul de bromofenol e 1,1% xilenocianol). Os produtos denaturados foram analisados por eletroforese em gel de poliacrilamida e visualizados após coloração com nitrato de prata.

A genotipagem para o polimorfismo MTHFR C677T foi feita através de PCR, seguida por digestão enzimática16. Trinta e cinco ciclos (94ºC por 60s, 58ºC por 60s, e 72ºC por 60s) foram executados para amplificar um produto de 198 pb. Os produtos de PCR forma digeridos com a enzima de restrição Hinf I e os fragmentos foram analisados em gel de poliacrilamida a 9,6% após coloração com nitrato de prata. O alelo C não foi digerido, enquanto o alelo T foi cortado em dois fragmentos de 175 e 23 pb, respectivamente.

Análise estatística

Os dados são apresentados como médias ± desvios-padrão (DP) ou números (porcentagens). A comparação entre os grupos foi feita utilizando-se o teste de Qui-quadrado, teste t de Student ou teste de Mann-Whitney, como apropriado. A análise de dependência foi utilizada para examinar as diferenças das freqüências de genótipo entre os grupos com uma, duas ou três artérias afetadas, e entre grupos com diferentes graus de estenose. Os valores de Hcy foram modelados baseando-se em uma distribuição normal na escala logarítmica. A concentração de Hcy em relação ao polimorfismo MTHFR foi avaliada através de análise de variância (ANOVA). A relação independente dos polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T com os fatores de risco na presença de DAC foi testada através de análise de regressão logística múltipla. Um valor de p < 0,05 foi utilizado para estabelecer a significância estatística.

Suporte financeiro

Fundação de Apoio à Pesquisa do estado de São Paulo (FAPESP).

 

Resultados

As características da população estudada são apresentadas na Tabela 1. Os resultados significantemente diferentes obtidos para indivíduos com e sem DAC estão de acordo com os fatores de risco cardiovascular previamente estabelecidos.

 

 

Polimorfismo do gene do fator de crescimento endotelial vascular (VEGF)

Não houve diferença significante entre os grupos em relação às freqüências de alelos (p=0.995) e genótipo (p=0.254) do polimorfismo VEGF C-2578A. Os cálculos para o teste de equilíbrio de Hardy-Weinberg (EHW) mostraram que a distribuição genotípica observada foi similar à esperada, no grupo com DAC e no grupo controle (x21=3,12; p=0,077 e x21=0,46; p=0,496, respectivamente).

As freqüências genotípicas de acordo com o número de vasos envolvidos e o grau de obstrução arterial são apresentadas nas Tabelas 2 e 3, respectivamente. Uma freqüência significantemente mais alta do genótipo VEGF -2578AA foi observada em indivíduos com três artérias afetadas (p=0,044). Em relação ao grau de obstrução arterial, o genótipo VEGF -2578CA foi observado mais freqüentemente em indivíduos com < 95% de estenose (p=0,010).

 

 

 

 

Polimorfismo do gene da metilenotetrahidrofolato redutase (MTHFR) e concentrações de homocisteína

Não houve diferença significante entre os grupos em relação às freqüências de alelos (p=0,895) e genótipo (p=0,884) do polimorfismo MTHFR C677T. A distribuição genotípica observada foi similar à esperada no grupo controle (x21=2,23; p=0,135), mas no grupo com DAC, mostrou desequilíbrio de Hardy-Weinberg, com uma diferença significante entre as freqüências observada e esperada (x21=5,76; p=0,016).

Nenhuma associação foi observada entre o polimorfismo MTHFR C677T e o número de vasos envolvidos e/ou o grau de obstrução arterial (Tabelas 2 e 3). A concentração média de Hcy não diferiu significantemente entre os grupos (p=0,222), bem como a presença de hiperhomocisteinemia (p=0,266). A média da concentração de Hcy não apresentou nenhuma associação com o número de vasos envolvidos (p= 0,793) ou o grau de obstrução arterial (p=0,700).

O polimorfismo MTHFR C677T não mostrou relação direta com a hiperhomocisteinemia (p=0,860) ou aumento da concentração média de Hcy (p=0,758).

Análise multivariada

A regressão logística múltipla foi utilizada para testar os correlatos independentes para a presença de DAC. O modelo incluiu: fumo, hipertensão, diabetes, níveis de HDLc e os polimorfismos VEGF C-2578A e MTHFR C677T. Fumo (p=0,006), diabetes (p=0,041), e níveis de HDLc <40 mg/dL (p=0,0008) foram correlatos independentes da presença de DAC. A hipertensão mostrou uma tendência à associação com DAC (p=0,061). Os polimorfismos VEGF C-2578A (p=0,688) e MTHFR C677T (p=0,981) não foram preditores independentes de DAC.

 

Discussão

No presente estudo, a freqüência alélica e a genotípica do polimorfismo VEGF C-2578A não diferiram entre pacientes com e sem DAC. Entretanto, uma maior freqüência do genótipo VEGF-2578AA foi observada em indivíduos com três artérias afetadas. Este resultado corrobora os achados de um estudo recente de Howell e cols.1 no qual o genótipo VEGF-2578AA foi considerado um fator de risco para o desenvolvimento de aterosclerose, enquanto o genótipo VEGF -2578CC mostrou ter um efeito protetor. De acordo com esse estudo, a freqüência do genótipo VEGF -2578AA aumentou gradualmente com o número de vasos envolvidos, quando comparada com o genótipo selvagem (wild-type) VEGF -2578CC, sugerindo que a redução da expressão do VEGF resultante do genótipo VEGF-2578AA poderia promover o desenvolvimento de aterosclerose. A maior freqüência do genótipo VEGF -2578CA entre indivíduos com <95% de estenose sugere uma associação entre esse genótipo e a progressão mais lenta da lesão aterosclerótica, possivelmente devido à presença do alelo selvagem. Entretanto, nenhuma associação foi encontrada em relação ao genótipo selvagem VEGF -2578CC, possivelmente devido ao número reduzido de indivíduos na amostra.

Embora nossos resultados em relação ao polimorfismo do VEGF e a gravidade e extensão da DAC sejam significantes, após o ajuste para outros fatores de risco em um modelo multivariado, a associação positiva entre o polimorfismo VEGF C-2578A e a gravidade da DAC perdeu significância estatística. Já que o polimorfismo VEGF C-2578A não foi um fator de risco independente para a DAC, esses dados não confirmam a ligação casual entre o polimorfismo VEGF C-2578A e aterosclerose coronariana.

O papel do VEGF na aterosclerose é motivo de debate na literatura. Alguns estudos mostraram que a administração de VEGF humano recombinante em animais aumenta a progressão das placa aterosclerótica23, enquanto outros observaram que ele age como um fator anti-aterosclerótico, promovendo a re-endotelização, reduzindo o espessamento da camada íntima e prevenindo a formação de coágulos5.

As correlações entre genótipos e expressão não foram analisadas em nosso estudo. Entretanto, um estudo feito por Shahbazi e cols.8 com receptores de transplante renal, encontrou uma associação entre o alelo selvagem VEGF 2578C e o aumento das concentrações de VEGF. Outros polimorfismos do gene VEGF já foram associados com variações na expressão da proteína7,8. De acordo com Howell e cols.1, o genótipo VEGF -2578AA poderia ser considerado um fator de risco para aterosclerose devido à redução da expressão da proteína. Esse resultado é consistente com a ação do VEGF na regulação endógena da integridade endotelial da parede da artéria coronariana4. Por outro lado, a neovascularização da placa aterosclerótica, mediada pelo VEGF, disponibiliza nutrientes e componentes da placa, aumentando seu volume. Em paredes arteriais com oclusão total por placas ateroscleróticas, como observado em estudo prospectivo, microvasos chamados vasa vasorum foram correlacionados, em sua anatomia e quantidade, ao grau de inflamação da placa intimal24. Moulton e cols.25 observou uma redução na progressão da aterosclerose secundária à inibição da neovascularização mediada pelo VEGF. Assim, mais estudos são necessários para esclarecer o verdadeiro papel do VEGF na DAC.

Nesse estudo, as freqüências alélica e genotípica do polimorfismo MTHFR C677T não foram diferentes entre pacientes e controles. Entretanto, no grupo com DAC, a distribuição genotípica observada foi diferente da esperada de acordo com o equilíbrio de Hardy-Weinberg (EHW). Estudos de caso-controle com análise de SNPs mostraram fuga do EHW em pacientes, em controles ou em ambos os grupos26-28. Esse desequilíbrio pode ser esperado para várias doenças genéticas, considerando que provavelmente haja uma contribuição genética significante em doenças complexas29. Embora alguns estudos tenham encontrado evidência de associação entre o alelo polimórfico MTHFR 677T e doenças vasculares, aterosclerose carotídea, doença arterial oclusiva e infarto do miocárdio15-17,30-32, outros não confirmaram essas hipóteses11,33.

Cerca de 40% dos pacientes com DAC apresentavam hiperhomocisteinemia34. Em nosso estudo, 49,7% dos pacientes com DAC e 45,2% dos controles apresentavam concentrações de Hcy >15 µmol/l, e essa diferença não foi significante. Outro estudo brasileiro mostrou uma diferença significante em concentrações de Hcy entre o grupo controle e o grupo com ateromatose grave. Esses autores também observaram uma correlação positiva entre níveis mais altos de Hcy e DAC35. Em nosso estudo, concentrações médias mais altas de Hcy foram encontradas no grupo com DAC quando comparados com o grupo controle, mas a diferença não foi significante (dados não mostrados), o que está de acordo com os achados de Yilmaz e cols.36.

Estudos clínicos envolvendo tratamentos para reduzir os níveis de homocisteína têm demonstrado que a suplementação com folato não reduziu o risco de complicações e morte por causas cardiovasculares, apesar de uma redução substancial nos níveis plasmáticos totais de Hcy37,38. Embora estudos observacionais tenham demonstrado que o nível plasmático total de Hcy é um preditor de eventos cardiovasculares39, nenhum papel causativo da Hcy foi substanciado pelos resultados de estudos de intervenção envolvendo tratamento para redução de níveis de homocisteína.

No estudo prospectivo de Frederiksen e cols.40, a concentração média de Hcy era mais alta em portadores do genótipo MTHFR 677TT quando comparados a outros genótipos; entretanto, o polimorfismo MTHFR C677T não foi associado com doença isquêmica cardiovascular ou tromboembolismo. Observações similares foram relatadas por Huh e cols.41 e Yilmaz e cols.36 em estudos de DAC. Nas populações estudadas por nós, o polimorfismo MTHFR C677T não apresentou uma relação direta com a hiperhomocisteinemia ou aumento das concentrações médias de Hcy, nos grupos com DAC ou controle. Uma correlação entre a presença dessa mutação e a hiperhomocisteinemia também foi observada por Lima e cols.35, em um estudo brasileiro.

O tamanho da amostra é um fator importante em estudos de caso-controle, principalmente em investigações de polimorfismos genéticos com alta freqüência na população em geral. Embora o número de indivíduos avaliados nesse estudo seja suficiente para demonstrar uma diferença estatística na distribuição do genótipo entre os subgrupos com diferentes graus de obstrução arterial e número de artérias envolvidas, nenhuma diferença foi observada entre o grupo com DAC e o grupo controle. Os estudos na literatura utilizam amostras maiores, principalmente para avaliar a associação entre polimorfismos e DAC ou Hcy. Além disso, a investigação de alterações em outras enzimas envolvidas no metabolismo da Hcy e nas concentrações plasmáticas de folato e vitaminas B6 e B12, e ingestão de vitaminas, poderia fornecer dados mais consistentes para a discussão sobre o efeito dos polimorfismos nas concentrações de Hcy.

Em resumo, há uma aparente associação entre o polimorfismo VEGF C-2578A e o desenvolvimento de aterosclerose; entretanto, essa associação não é independente dos fatores de risco cardiovascular convencionais.

Agradecimentos

Os autores agradecem a Celso Pereira Reis Filho pelo gerenciamento do banco de dados e ao Prof. Dr. José Antônio Cordeiro pela análise estatística e reconhecem o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Potencial Conflito de Interesses

Declaro não haver conflito de interesses pertinentes.

Fontes de Financiamento

O presente estudo foi financiado por FAPESP e CNPq.

Vinculação Acadêmica

Este artigo é parte de tese de Doutorado de Alexandre Rodrigues Guerzoni pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP.

 

Referências

1. Howell WM, Ali S, Rose-Zerilli MJ, Ye S. VEGF polymorphisms and severity of atherosclerosis. J Med Genet. 2005; 42: 485-90.         [ Links ]

2. Fleisch M, Billinger M, Eberli FR, Garachemani AR, Meier B, Seiler C. Physiologically assessed coronary collateral flow and intracoronary growth factor concentrations in patients with 1- to 3-vessel coronary artery disease. Circulation. 1999; 100: 1945-50.         [ Links ]

3. Inoue M, Itoh H, Ueda M, Naruko T, Kojima A, Komatsu R, et al. Vascular endothelial growth factor (VEGF) expression in human coronary atherosclerotic lesions: possible pathophysiological significance of VEGF in progression of atherosclerosis. Circulation. 1998; 98: 2108-16.         [ Links ]

4. Tsurumi Y, Murohara T, Krasinski K, Chen D, Witzenbichler B, Kearney M, et al. Reciprocal relation between VEGF and NO in the regulation of endothelial integrity. Nat Med. 1997; 3: 879-86.         [ Links ]

5. Van Belle E, Tio FO, Chen D, Maillard L, Chen D, Kearney M, et al. Passivation of metallic stents after arterial gene transfer of phVEGF165 inhibits thrombus formation and intimal thickening. J Am Coll Cardiol. 1997; 29: 1371-9.         [ Links ]

6. Bayer IM, Caniggia I, Adamson SL, Langille BL. Experimental angiogenesis of arterial vasa vasorum. Cell Tissue Res. 2002; 307: 303-13.         [ Links ]

7. Renner W, Kotschan S, Hoffmann C, Obermayer-Pietsch B, Pilger E. A common 936 C/T mutation in the gene for vascular endothelial growth factor is associated with vascular endothelial growth factor plasma levels. J Vasc Res. 2000; 37: 443-8.         [ Links ]

8. Shahbazi M, Fryer AA, Pravica V, Brogan IJ, Ramsay HM, Hutchinson IV, et al. Vascular endothelial growth factor gene polymorphisms are associated with acute renal allograft rejection. J Am Soc Nephrol. 2002; 13: 260-4.         [ Links ]

9. Stanger O, Herrmann W, Pietrzik K, Fowler B, Geisel J, Dierkes J, et al. Clinical use and rational management of homocysteine, folic acid, and B vitamins in cardiovascular and thrombotic diseases. Z Kardiol. 2004; 93: 439-53.         [ Links ]

10. Welch GN, Upchurch GJR, Loscalzo J. Hyperhomocyst(e)inaemia and atherothrombosis. Ann NY Acad Sci. 1997; 811: 48-58.         [ Links ]

11. Hankey GJ, Eikelboom JW. Homocysteine and vascular disease. Lancet. 1999; 354: 407-13.         [ Links ]

12. Verhoef P, de Groot LC. Dietary determinants of plasma homocysteine concentrations. Semin Vasc Med. 2005; 5: 110-23.         [ Links ]

13. Pisciotta L, Cortese C, Gnasso A, Liberatoscioli L, Pastore A, Mannucci L, et al. Serum homocysteine, methylenotetrahydrofolate reductase gene polymorphism and cardiovascular disease in heterozygous familial hypercholesterolemia. Atherosclerosis. 2005; 179: 333-8.         [ Links ]

14. Schwartz SM, Siscovick DS, Malinow MR, Rosendaal FR, Beverly RK, Hess DL, et al. Myocardial infarction in young women in relation to plasma total homocysteine, folate, and a common variant in the methylenetetrahydrofolate reductase gene. Circulation. 1997; 96: 81-9.         [ Links ]

15. Tsai MY, Welge BG, Hanson NQ, Bignell MK, Vessey J, Schwichtenberg K, et al. Genetic causes of mild hyperhomocysteinemia in patients with premature occlusive coronary artery diseases. Atherosclerosis. 1999; 143: 163-70.         [ Links ]

16. Bova I, Chapman J, Sylantiev C, Korczyn AD, Bornstein NM. The A677V methylenetetrahydrofolate reductase gene polymorphism and carotid atherosclerosis. Stroke. 1999; 30: 2180-2.         [ Links ]

17. Jee SH, Song KS, Shim WH, Kim HK, Suh I, Park JY, et al. Major gene evidence after MTHFR-segregation analysis of serum homocysteine in families of patients undergoing coronary arteriography. Hum Genet. 2002; 111: 128-35.         [ Links ]

18. Arruda VR, Siqueira LH, Goncalves MS, von Zuben PM, Soares MC, Menezes R, et al. Prevalence of the mutation C677-->T in the methylenetetrahydrofolate reductase gene among distinct ethnic groups in Brazil. Am J Med. 1998; 78: 332-5.         [ Links ]

19. Haddad R, Mendes MA, Hoehr NF, Eberlin MN. Amino acid quantitation in aqueous matrices via trap and release membrane introduction mass spectrometry: homocysteine in human plasma. Analyst. 2001; 126: 1212-5.         [ Links ]

20. Arnadottir M, Hultber, B, Vladov V, Nilsson-Ehle P, Thysell H. Hyperhomocysteinemia in cyclosporine-treated renal transplant recipients. Transplantation. 1996; 61: 509-12.         [ Links ]

21. Abdel-Rahman SZ, Nouraldeen AM, Ahmed AE. Molecular interaction of 2,3-[14C]-acrylonitrile with DNA in gastric tissues of rat. J Biochem Toxicol. 1994; 9: 121-8.         [ Links ]

22. Brogan IJ, Khan N, Isaac K, Hutchinson JA, Pravica V, Hutchinson IV. Novel polymorphisms in the promoter and 5´UTR regions of the human vascular endothelial growth factor gene. Hum Immunol. 1999; 60: 1245-9.         [ Links ]

23. Celletti FL, Waugh JM, Amabile PG, Brendolan A, Hilfiker PR, Dake MD. Vascular endothelial growth factor enhances atherosclerotic plaque progression. Nat Med. 2001; 7: 425-9.         [ Links ]

24. Srivatsa SS, Edwards WD, Boos CM, Grill DE, Sangiorgi GM, Garratt KN, et al. Histologic correlates of angiographic chronic total coronary artery occlusions. J Am Coll Cardiol. 1997; 29: 955-63.         [ Links ]

25. Moulton KS, Vakili K, Zurakowski D, Soliman M, Butterfield C, Sylvin E , et al. Inhibition of plaque neovascularization reduces macrophage accumulation and progression of advanced atherosclerosis. Proc Natl Acad Sci USA. 2003; 100: 4736-41.         [ Links ]

26. Xu J, Turner A, Little J, Bleecker ER, Meyers DA. Positive results in association studies are associated with departure from Hardy-Weinberg equilibrium: hint for genotyping error? Hum Genet. 2002; 111: 573-4.         [ Links ]

27. Song Y, Stampfer MJ, Liu S. Meta-analysis: apolipoprotein E genotypes and risk for coronary heart disease. Am Coll Phys. 2004; 141: 137-47.         [ Links ]

28. Wittke-Thompson J, Pluzhnikov A, Cox NJ. Rational inferences about departures from Hardy-Weinberg equilibrium. Am J Hum Genet. 2005; 76: 967-86.         [ Links ]

29. Llorca J, Prieto-Salceda D, Combarros O, Dierssen-Sotos T, Berciano J. Competing risks of death and Hardy-Weinberg equilibrium in case-control studies of gene-disease association. Gac Sanit. 2005; 19: 321-4.         [ Links ]

30. Williams JK, Armstrong ML, Heistad DD. Vasa vasorum in atherosclerotic coronary arteries: responses to vasoactive stimuli and regression of atherosclerosis. Circ Res. 1988; 62: 515-23.         [ Links ]

31. Dedoussis GV, Panagiotakos DB, Pitsavos C, Chrysohoou C, Skoumas J, Choumerianou D, et al. ATTICA Study Group. An association between the methylenetetrahydrofolate reductase (MTHFR) C677T mutation and inflammation markers related to cardiovascular disease. Int J Cardiol 2005;100:409-14.         [ Links ]

32. Morita H, Taguchi J, Kurihara H, Kitaoka M, Kaneda H, Kurihara Y, et al. Gene polymorphism of 5,10-methylenetetrahydrofolate reductase as a coronary risk factor. J Cardiol. 1997; 29: 309-15.         [ Links ]

33. Couffinhal T, Kearney M, Witzenbichler B, Chen D, Murohara T, Losordo DW, et al. Vascular endothelial growth factor/vascular permeability factor (VEGF/VPF) in normal and atherosclerotic human arteries. Am J Pathol. 1997; 150: 1673-85.         [ Links ]

34. Austin RC, Lentz SR, Werstuck GH. Role of hyperhomocysteinemia in endothelial dysfunction and atherothrombotic disease. Cell Death Differ. 2004; 11 (Suppl 1): 56-64.         [ Links ]

35. Lima LM, Carvalho MG, Fernandes AP, Sabino Ade P, Loures-Vale AA, da Fonseca Neto CP, et al. Homocysteine and methylenetetrahydrofolate reductase in subjects undergoing coronary angiography. Arq Bras Cardiol. 2007; 88 (2): 167-72.         [ Links ]

36. Yilmaz H, Isbir S, Agachan B, Ergen A, Farsak B, Isbir T. C677T mutation of methylenetetrahydrofolate reductase gene and serum homocysteine levels in Turkish patients with coronary artery disease. Cell Biochem Funct. 2006; 24: 87-90.         [ Links ]

37. Bonaa KH, Njolstad I, Ueland PM, Schirmer H, Tverdal A, Steigen T, et al. Homocysteine lowering and cardiovascular events after acute myocardial infarction. N Engl J Med. 2006; 354: 1578-88.         [ Links ]

38. Lonn E, Yusuf S, Arnold MJ, Sheridan P, Pogue J, Micks M, et al. Homocysteine lowering with folic acid and B vitamins in vascular disease. N Engl J Med. 2006; 354: 1567-77.         [ Links ]

39. The Homocysteine Studies Collaboration. Homocysteine and risk of ischemic heart disease and stroke: a meta-analysis. JAMA. 2002; 288: 2015-22.         [ Links ]

40. Frederiksen J, Juul K, Grande P, Jensen GB, Schroeder TV, Tybjaerg-Hansen A, et al. Methylenetetrahydrofolate reductase polymorphism (C677T), hyperhomocysteinemia, and risk of ischemic cardiovascular disease and venous thromboembolism: prospective and case-control studies from the Copenhagen City Heart Study. Blood. 2004; 104: 3046-51.         [ Links ]

41. Huh HJ, Chi HS, Shim EH, Jang S, Park CJ. Gene-nutrition interactions in coronary artery disease: correlation between the MTHFR C677T polymorphism and folate and homocysteine status in a Korean population. Thromb Res. 2006; 117: 501-6.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Patrícia Matos Biselli
Av. Brigadeiro Faria Lima, 5416
São Pedro, 15.090-000
São José do Rio Preto, SP - Brasil
E-mail: patriciabiselli@famerp.br

Artigo em 15/06/07; revisado recebido 17/10/07; aceito 27/01/08.