SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.95 número1Efeitos do treinamento resistido sobre a pressão arterial de idososMiocárdio não compactado, Doença de Chagas e disfunção: relato de caso índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

versão impressa ISSN 0066-782X

Arq. Bras. Cardiol. vol.95 no.1 São Paulo jul. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010001100021 

CORREÇÃO CLÍNICO-RADIOGRÁFICA

 

Caso 4/2010 - Lactente de 7 meses, do sexo feminino, com transposição das grandes artérias e comunicação interventricular subpulmonar (anomalia de Taussig-Bing)

 

 

Edmar Atik; Lucilia S. Faria; Marcelo Jatene

Hospital Sírio Libanês, São Paulo, SP - Brasil

Correspondência

 

 


Palavras-chave: Lactente, cardiopatias congênitas, transposição dos grandes vasos, comunicação interventricular, dupla via de saída do ventrículo direito.


 

 

Dados clínicos

A paciente apresentava cansaço desde o nascimento com progressão mais nítida há dois meses, além de dificuldade para ganhar peso e tosse persistente desde um mês de idade. Uso de medicação específica (digoxina, furosemida e captopril) desde três meses de idade não alterou a progressão dos sintomas.

Ao exame físico, a paciente apresentava mal estado geral, dispneia +++, acianótica, muito irritada e com pulsos normais. A saturação arterial era de 60% em vigília e de 95% após sedação. A aorta não era palpada na fúrcula.

No precórdio havia impulsões e abaulamento acentuados na borda esternal esquerda e no 4º e 5º espaços intercostais e o ictus cordis estava desviado. As bulhas cardíacas eram hiperfonéticas e auscultava-se sopro holossistólico, ++ de intensidade, nos dois hemitóraces, acompanhado de frêmito nos mesmos locais. O fígado era palpado a 5 cm do rebordo costal direito e do apêndice xifóide. Nos pulmões, não havia ruídos adventícios.

O eletrocardiograma mostrava ritmo sinusal e sinais de sobrecarga atrial esquerda e biventricular. AQRS estava a +110º, AP: +50º, AT: +60º (Figura 1).

 

 

Imagem radiográfica

Mostra área cardíaca acentuadamente aumentada com arco ventricular esquerdo muito deslocado, arco médio abaulado +++ e vasculatura pulmonar aumentada, principalmente nos hilos pulmonares (Figura 1).

 

Impressão diagnóstica

A imagem é compatível com o diagnóstico de cardiopatia que se acompanha de acentuado desvio de sangue da esquerda para a direita, tipo comunicação interventricular e/ou canal arterial.

 

Diagnóstico diferencial

Todas as demais cardiopatias, tanto acianogênicas (CIA, DVSVD+CIV subaórtica, fístulas arteriovenosas) quanto as cianogênicas (DVSVD+CIV subpulmonar, atresias das valvas atrioventriculares sem estenose pulmonar, transposição das grandes artérias com CIV e a DATVP) devem também ser lembradas.

 

Confirmação diagnóstica

Os elementos clínicos foram decisivos para o diagnóstico de cardiopatia cianogênica dada a acentuada insaturação arterial, mesmo revertida com a sedação, decorrente de congestão acentuada venocapilar pulmonar, como ocorre na transposição das grandes artérias com CIV. O ecocardiograma confirmou esse diagnóstico estando os vasos arteriais lado a lado, com aorta à direita e com grande CIV subpulmonar. As cavidades esquerdas estavam muito aumentadas, assim como o tronco e as artérias pulmonares.

 

Conduta

Por dois dias, antes da operação corretiva, a paciente foi mantida em ventilação mecânica com oxigênio a 50%, e com dobutamina e furosemida, a fim de se obter maior compensação do quadro clínico, com grande congestão e hipoxemia. A seguir, a operação foi considerada inevitável, apesar da possibilidade de hipertensão pulmonar associada, obrigatória em lactente já com 7 meses de idade, portadora de TGA+CIV.

A insuficiência cardíaca congestiva decorrente do acentuado hiperfluxo pulmonar reforçou a conduta cirúrgica, tendo, a partir daí, até sido dispensada a confirmação diagnóstica hemodinâmica.

Na cirurgia, em CEC de 180', a técnica empregada foi a de Jatene, direcionando-se o VE para o TP através a CIV subpulmonar. Tratamento intenso com dobutamina, milrinone, óxido nítrico, nitroprussiato de sódio, adrenalina, sildenafila, furosemida, digoxina e diálise peritonial com cateter de Tenkoff mantiveram a pressão pulmonar dentro de limites normais (Gráfico 1).

 

 

A paciente foi extubada da ventilação mecânica após 6 dias, em tratamento de acentuada hipersecreção pulmonar. Após 15 dias, obteve alta em boas condições clínicas.

 

Comentários

As cardiopatias cianogênicas com hiperfluxo pulmonar podem ser confundidas facilmente com as acianogênicas, tipo CIV e/ou PCA, em face da discreta insaturação arterial. No entanto, maior diminuição da saturação de oxigênio pode ocorrer em situações de agravamento da congestão pulmonar.

Em todas essas anomalias cianogênicas e ainda em evolução mais prolongada, como na TGA, a presença de sinais de insuficiência cardíaca congestiva (dispneia, cardiomegalia, taquicardia, hepatomegalia, e ainda com sopro cardíaco intenso) pode orientar à conduta operatória, mesmo com hipertensão pulmonar supostamente presente.

 

 

Correspondência:
Edmar Atik
Rua Dona Adma Jafet, 74 conj.73 - Bela Vista
01308-050 - São Paulo, SP - Brasil
E-mail: conatik@incor.usp.br, eatik@cardiol.br

Artigo aceito em 30/07/09; revisado recebido em 12/11/09; aceito em 12/11/09.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons