SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.97 issue1Rationality and methods: registry of clinical practice in high-risk cardiovascular patientsAssociated factors to total cholesterol: school based study in southern Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782X

Arq. Bras. Cardiol. vol.97 no.1 São Paulo July 2011  Epub May 13, 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2011005000060 

Ecocardiografia por Doppler tecidual no diagnóstico de rejeição após transplante cardíaco

 

 

Marcos Valério Coimbra Resende; Marcelo Luiz Campos Vieira; Fernando Bacal; José Lázaro Andrade; Noedir A. Stolf; Edmar Alcides Bocchi

Instituto do Coração (InCor), Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

FUNDAMENTO: A biópsia endomiocárdica (BEM) é o método padrão-ouro para o diagnóstico de rejeição celular (RC) após transplante cardíaco (TC).
OBJETIVO: Testar a hipótese de que o exame de imagem por Doppler tecidual (IDT) pode detectar RC > 3A e agregar informação diagnóstica, comparado ao Doppler convencional.
MÉTODOS: Cinquenta e quatro pacientes com TC foram submetidos à BEM e estudo ecocardiográfico através de IDT em até 24 horas. Comparamos os pacientes com TC e RC > 3A com pacientes com TC e RC < 3A, com um grupo controle normal (13 pacientes). Foram medidas através da IDT, as velocidades sistólica (S), diastólica precoce (e'), diastólica tardia (a') relação das velocidades e'/a' no anel ventricular esquerdo, nos segmentos basal e médio das paredes septal (SEP), lateral (LAT), inferior (INF) e no anel ventricular direito.
RESULTADOS: Os pacientes com TC mostraram RC > 3A em 39/129 (30,2%) das BEM. O melhor preditor isolado para o diagnóstico de RC foi a a'LAT, com sensibilidade de 76,3%, especificidade de 73,8% (p = 0,001). Na análise multivariada, a a'LAT (p = 0,001), a'SEP (p = 0,002), relação e'/a' LAT (p = 0,006), relação e'Mitral/ e'LAT (p = 0,014), SINF (p = 0,009) foram preditores de RC > 3A. Obtivemos um escore com sensibilidade de 88,2%, acurácia de 79,6%, e valor preditivo negativo de 92,9% para diagnosticar RC > 3A. O Doppler convencional (fluxo mitral e pulmonar venoso) não foi relevante para predizer a RC > 3A.
CONCLUSÃO: O estudo de IDT agregou informação diagnóstica para predizer RC > 3A quando comparado ao Doppler convencional. O modelo baseado em IDT pode ser tornar um método em potencial para detectar RC > 3A após TC. (Arq Bras Cardiol. 2011; [online].ahead print, PP.0-0)

Palavras-chave: Ecocardiografia Doppler, diagnóstico, rejeição de enxerto, transplante de coração.


 

 

Introdução

A despeito dos avanços na terapia imunossupressora na ultima década, a rejeição celular (RC) aguda do coração transplantado permanece um importante fator associado à morbidade e mortalidade de longo prazo1,2. Muitas técnicas não-invasivas para diagnóstico da rejeição tem sido investigadas, mas nenhuma mostrou ser suficientemente confiável para substituir a biópsia endomiocárdica (BEM) na prática clínica3.

Entretanto, a biópsia de rotina é uma grande inconveniência para os pacientes e também acarreta riscos e custos. A estratégia de realizar biópsias após o primeiro ano pós-transplante tem sido questionada e tentativas de reduzir sua frequência também tem sido relatadas. Contudo, a identificação da rejeição é extensamente baseada na biópsia realizada a intervalos pré-definidos4.

O exame de imagem por Doppler tecidual (IDT) é uma técnica ecocardiográfica que permite a mensuração das velocidades sistólica e diastólica dentro do miocárdio. A IDT pode aumentar a acurácia da ecocardiografia por Doppler convencional, pois integra a informação da função regional para estimar a função cardíaca global e parece não ser afetada de forma significante por variações nas condições de pré-carga5. Como a disfunção diastólica do ventrículo esquerdo (VE) é um evento precoce durante a rejeição do aloenxerto, essa técnica pode ser útil para detectar a rejeição de forma não-invasiva6.

Entretanto, o papel da IDT na avaliação dos indivíduos após o TC e para o diagnóstico de RC ainda precisa ser esclarecido7-9. Assim, o propósito desse estudo foi investigar anormalidades na IDT em velocidade miocárdicas de relaxamento e contração em pacientes submetidos à TC e também analisar a informação diagnóstica adicional da IDT, quando comparada ao Doppler convencional, em relação à RC significante.

 

Métodos

População do estudo

Entre dezembro de 2001 e abril de 2004, 59 pacientes consecutivos submetidos à TC, com idade > 4 anos foram encaminhados para realização de BEM no Instituto do Coração (InCor) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em São Paulo, Brasil pelo menos sete dias após a cirurgia. Os pacientes haviam sido submetidos à TC ortotópico devido à insuficiência cardíaca de qualquer etiologia. Os critérios de exclusão incluíram pacientes com imagens ecocardiográficas inadequadas, anormalidades de movimento de parede do VE, presença ou suspeita de rejeição humoral, doença vascular do enxerto, BEM com evidência de reativação de doença de Chagas, BEM com diagnóstico inconclusivo e fibrilação atrial.

A população final do estudo consistiu em 54 pacientes (34,9 ± 20,7, variando de 4 a 70) anos, 39 indivíduos do sexo masculino (72,2%), com uma média de 354 (variando de 7 a 3,570) dias pós-transplante na época da BEM. As etiologias para o TC eram cardiomiopatia idiopática dilatada - 19/54 (35,2%), doença de Chagas - 16/54 (29,6%), cardiomiopatia isquêmica - 6/54 (11,1%). Uma técnica cirúrgica bicaval foi realizada em 42 pacientes (77,8%). O protocolo do estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa Cientifica do Hospital e todos os participantes assinaram o termo de consentimento informado.

Desenho do estudo

O presente foi um estudo transversal, seguido por uma fase prospectiva envolvendo pacientes submetidos à TC que realizaram a BEM, comparados a um grupo de voluntários normais. Todos os pacientes foram submetidos à BEM e estudo ecocardiográfico através de IDT, realizado até 24 horas após a BEM. Os pesquisadores envolvidos nos dois procedimentos eram cegados para os resultados da outra técnica. A rejeição celular foi considerada de acordo com os critérios da International Society for Heart and Lung Transplantation (ISHLT)10,11: grau 0 = sem rejeição; grau IA = infiltrado focal (perivascular ou intersticial) sem dano aos miócitos; grau IB = infiltrado difuso, mas esparso sem dano aos miócitos; grau II = um foco apenas com infiltrados agressivos e/ou dano aos miócitos; grau IIIA = infiltrados multifocais agressivos e/ou dano aos miócitos; grau IIIB = processo inflamatório difuso com necrose de miócitos; grau IV = infiltrado polimorfo agressivo difuso com hemorragia e necrose de miócitos. Os achados do estudo ecocardiográfico foram correlacionados com os resultados da BEM, levando-se em consideração a presença ou ausência de RC significante (RC > 3A)10,11.a

Em pacientes que realizaram mais de uma BEM, as variações no estudo por IDT miocárdico foram analisadas a fim de compará-lo à diferentes exames histopatológicos. O grupo controle consistia em 13 voluntários saudáveis pareados por idade e sexo, sem sintomas e sem história prévia de doenças cardíacas. O exame clínico, eletrocardiograma (ECG) de repouso e o ecocardiograma foram considerados normais.

Biópsia endomiocárdica

A biópsia endomiocárdica (BEM) foi realizada de acordo com o protocolo adotado na instituição, como descrito a seguir: semanalmente durante o primeiro mês pós-TC e depois, a intervalos maiores de acordo com a suspeita clínica de RC. As análises foram realizadas de acordo com os critérios da International Society for Heart and Lung Transplantation (ISHLT), utilizando o sistema de graduação padronizado para biópsia cardíaca11.

Estudo ecocardiográfico

O exames foram registrados através de um equipamento de ecocardiografia disponível comercialmente (Philips HDI 5000, Bothell, Washington, EUA) equipado com um software de imagem para Doppler tecidual. Todos os estudos foram realizados com os pacientes em decúbito lateral esquerdo a fim de obter as imagens nos cortes paraesternal e apical. Todas as medidas ecocardiográficas foram realizadas de acordo com as diretrizes da American Society of Echocardiography12 e cada valor é representado como uma média de três batimentos.

Doppler pulsado convencional

As medidas das velocidades de pico e parâmetros do perfil diastólico do fluxo mitral e sinais de fluxo venoso pulmonar foram realizadas como descritas anteriormente13.

Ecocardiografia por Doppler tecidual

As aquisições de IDT foram realizadas colocando-se o volume de amostra na região central do miocárdio, paralelo à direção do movimento da região de interesse. A curva espectral de velocidade foi obtida com um volume de amostra de 5 mm; o ganho foi minimizado para otimizar o sinal do tecido e para permitir um mínimo de ruído de fundo. O limite Nyquist foi ajustado para uma variação de velocidade de 16 a 20 cm/s.

Para o estudo das velocidades miocárdicas, empregamos um modelo com a análise de diferentes regiões dos ventrículos, nas quais os movimentos aconteciam na direção radial (corte paraesternal) e longitudinal (corte apical 4 câmaras e 2 câmaras). Em todas as áreas, medimos as velocidades sistólicas de pico (S), diastólica precoce (e') e tardia. Na parede posterior do VE e nas regiões do anel do VE e do ventrículo direito (VD), a relação e'/a' também foi obtida.

Nos cortes apicais, os segmentos dos anéis, basal e médio foram avaliados nas seguintes paredes: septal, lateral, inferior e anterior do VE e anel tricúspide do VD. Além disso, as velocidades nas fibras circunferenciais do eixo curto foram medidas no segmento médio-posterior. O movimento das fibras circunferenciais do eixo curto, determinado pela IDT pulsado tem sido empregado para estudar alguns tipos de distribuição hipertrófica que algumas vezes ocorre após TC14. O índice sugerido por Nagueh e cols.15 foi utilizado, o qual utiliza a relação entre a onda diastólica precoce do fluxo mitral (E mitral) e a onda diastólica precoce da parede lateral medida por IDT (e'LAT). Todas as medidas foram realizadas em apnéia expiratória.

Análise estatística

Todos os dados foram relatados como média ± DP (intervalos de confiança de 95%). O teste t de Student não-pareado foi utilizado para comparar variáveis contínuas e o teste t pareado para comparar o seguimento dos pacientes. Análises de regressão multivariada linear e stepwise foram utilizadas para verificar relações entre variáveis contínuas ou análises univariadas. Curvas ROC (receiver operator characteristic) foram empregadas para avaliar a capacidade clínica e epidemiológica de medidas selecionadas e um valor de p < 0,05 foi considerado significante.

 

Resultados

Estudo transversal

Biópsia endomiocárdica

Cento e vinte e nove BEM foram realizadas e 35/54 (64,8%) pacientes foram submetidos a mais de um procedimento, variando de um a oito, com uma média de 2,4 biópsias por paciente. Vinte e dois de 54 pacientes estudados (40,7%) apresentaram uma RC > 3A. Foram observados achados de RC > 3A em 39/129 BEM (30,2%). As características basais dos grupos controle e TC são mostradas na Tabela 1.

 

 

Ecocardiografia convencional

As medidas da ecocardiografia bidimensional e por Doppler pulsado (p < 0,05) nos grupos controle e TC com ou sem RC > 3A são mostradas na Tabela 1. A análise univariada dos parâmetros de Doppler pulsado, considerando a área da curva ROC para o diagnóstico de RC > 3A, descreveu a velocidade de onda mitral A como o melhor parâmetro (p = 0,013). Considerando um ponto de corte de 35,2cm/s, obtivemos uma acurácia de 59,8%, sensibilidade de 59,5%, especificidade de 60%, valor preditivo positive de 40,7% e valor preditivo negativo de 75%. Os parâmetros do fluxo da veia pulmonar superior direita não agregaram informação diagnóstica para RC > 3A. Além disso, as velocidades de fluxo mitral não demonstraram relevância estatística na análise multivariada para predizer RC > 3A.

Imagem por Doppler tecidual

O estudo por IDT foi realizado com sucesso em todos os pacientes e regiões estudadas. As velocidades da onda e', onda a' e onda S, relação e'/a' na IDT e (REL e'Mitral / Rel e'LAT) no grupo controle, RC > 3A e sem RC > 3A no anel do VE e anel lateral tricúspide estão listadas nas Tabelas 2, 3 e 4.

 

 

 

 

 

 

Doppler tecidual e rejeição cardíaca celular > 3A

Nenhum parâmetro do anel lateral do VD à IDT apresentou diferença significante entre os grupos com e sem RC > 3A. Na parede posterior do VE, uma diferença significante foi encontrada apenas na velocidade tardia (a' médio-posterior) entre os grupos com e sem RC > 3A. Nas paredes do VE analisadas no corte apical, as velocidades das ondas a' eram significantemente menores em todas as regiões, com exceção do segmento médio do septo interventricular.

As velocidades das ondas e' eram menores em pacientes com RC > 3A somente no anel septal. As velocidades das ondas S eram significantemente menores em pacientes com RC > 3A no anel e na região basal do septo e parede lateral do VE. Nos outros segmentos, não havia diferenças significantes nas velocidades sistólicas.

Na análise univariada pela curva ROC, a melhor área foi obtida com as velocidades diastólicas tardias do anel lateral do VE (a'LAT) (Figura 1). Com um ponto de corte de 5,6 cm/s, foram observados acurácia de 74,6%, sensibilidade de 76,3%, especificidade de 73,8%, valor preditivo positivo de 58% e valor preditivo negativo de 86,8% para o diagnóstico de RC > 3A.

Análise multivariada

Usando regressão logística, um modelo com seis parâmetros preditivos foi obtido para predizer RC > 3A: a velocidade tardia do anel lateral (ALAtan) e septal do VE (a' SEP), a velocidade sistólica do anel inferior (SINF), a velocidade diastólica precoce do segmento médio-lateral (e'LATmed), a relação e'/a' LAT e a relação e'mitral/e'LAT quando todas as variáveis foram analisadas conjuntamente (Tabela 5). O seguinte escore preditivo foi adotado:

 

 

Escore = 16,923 - (1,068 x a'SEP - 1,118 x a'LAT - 1,508 x Relação e'/a'LAT - 0,488 x Relação e' Mitral/e'LAT + 0,570 x SINF - 0,264 x e' LAT med).

O ponto de corte obtido pela análise da curva ROC foi igual à 0,619039.

A distribuição das variáveis na análise multivariada mostraram uma sensibilidade de 88,2%, especificidade de 75,4%, acurácia de 79,6%, valor preditivo positivo de 63,8% e valor preditivo negativo de 92,9% para o diagnóstico de RC > 3A .

Fase prospectiva do estudo

Considerando os pacientes submetidos a mais de uma BEM, estabelecemos os dois grupos: 1) grupo de 29 pacientes, inicialmente não apresentando RC > 3A à primeira BEM; 2) grupo de 25 pacientes, que apresentavam RC > 3A à época da primeira BEM. Observamos o comportamento de (a'LAT) nesses grupos e encontramos variações significantes na evolução da variável de acordo com as alterações histológicas (Tabela 6), (Figura 2).

 

 

Levando em consideração todos os pacientes sem RC > 3A à época da primeira BEM, estabelecemos, com a curva ROC, que uma queda de 7% no valor inicial da a'LAT apresentava uma acurácia de 79%, sensibilidade de 81,8%, especificidade de 77,8%, valor preditivo positivo de 69,2% e valor preditivo negativo de 87,5% para o diagnóstico de RC > 3A (Figura 1).

 

Discussão

Nossos resultados mostraram a viabilidade do estudo através de IDT para o diagnóstico precoce de rejeição celular significante e que a IDT agregou informações diagnósticas em relação ao ecocardiograma convencional para essa questão. Observamos variações regionais no VE em pacientes com RC > 3A, o que pode sugerir deficiência do processo infeccioso no enxerto. Além disso, a análise seriada do estudo por IDT mostrou boa acurácia diagnóstica na detecção de RC > 3A, demonstrando diferentes comportamentos das velocidades a'LAT de acordo com as alterações histológicas.

Grupo transplante cardíaco versus grupo normal no Doppler tecidual

Pelo que sabemos, esse é o primeiro relato de estudo através de IDT que caracterizou quantitativamente vários segmentos do enxerto pareado com um grupo normal. Em relação à função sistólica do VD, nossos dados sugerem a presença de alteração contrátil, o que está em desacordo com um relato anterior16. O aumento no volume e espessura do VD do enxerto, logo após o TC, é um mecanismo de adaptação à hipertensão pulmonar, geralmente presente no receptor. A regressão de tais alterações com o tempo já é conhecida. Entretanto, a função sistólica do VD parece estar preservada em pacientes estáveis sem RC. A evidência de insuficiência tricúspide, comum em pacientes submetidos à TC, pode superestimar os parâmetros funcionais na ecocardiografia convencional17,18. O estudo por IDT não parece ser afetado por essa influência, como pode ser observado em nossa série, com velocidades sistólicas muito baixas do anel tricúspide em pacientes transplantados.

Levando em consideração a função diastólica do VD, observamos que a redução das velocidades das ondas e' e a' no anel tricúspide pode sugerir um grau mais avançado de deficiência da função diastólica do VD o grupo com TC. Em acordo com nosso estudo, Valantine e cols.19 mostraram alterações na função diastólica do VD em pacientes pós-TC no Doppler convencional, com redução nas velocidades de onda a´ do fluxo tricúspide em pacientes transplantados.

No estudo da função sistólica do VE, nossos resultados indicaram acentuadas alterações regionais no septo interventricular relativas ao grupo controle, o que não foi observado em dados ecocardiográficos convencionais reportados anteriormente20. A disfunção diastólica ventricular esquerda foi confirmada pela redução nas velocidades de onda e' e a' em relação ao grupo controle, especialmente nas regiões septal e anterior. Essas velocidades são inversamente proporcionais ao grau de disfunção diastólica21.

É sabido que as alterações na função diastólica ocorrem em pacientes pós-TC e nossos achados estão de acordo com aqueles demonstrados anteriormente, nos quais foi observada a ocorrência precoce de padrão fisiológico restritivo, nas primeiras semanas após o implante do enxerto, com regressão parcial no período de acompanhamento22.

Doppler pulsado e diagnóstico de rejeição celular > 3A

A falta de relevância estatística dos parâmetros ecocardiográficos convencionais estudados na análise multivariada para predizer RC > 3A pode ser entendida levando-se em consideração a influência hemodinâmica em tais questões. Esses achados estão em acordo com estudos anteriores22,23.

Acreditamos que a falta de utilidade do uso do Doppler Pulsado para predizer a RC > 3A pode estar relacionada à algumas razões, como anteriormente citado por Stengel e cols.9: primeiramente, o Doppler pulsado poderia sofrer certas influências importantes tais como idade, frequência cardíaca e condições de carga; segundo, a denervação de pacientes transplantados poderia levar à algum padrão restritivo de enchimento, o que poderia estar relacionado à disfunção diastólica sem evidência de rejeição cardíaca.

Doppler tecidual e diagnóstico de rejeição celular > 3A

Esse é o primeiro estudo, que seja de nosso conhecimento, que avaliou o diagnóstico de RC > 3A usando um modelo multiregional de IDT, incluindo os segmentos médio e basal das paredes do VE. A importância da IDT para predizer RC > 3A é enfatizada pela súbita redução da velocidade de onda a' em 12 regiões, bem como pela diminuição da velocidade da onda S em 5 regiões, da velocidade da onda e' em 1 região e pela definição de 6 preditores independentes no modelo multivariado.

No VE, cerca de 75% dos pacientes no grupo com RC > 3A apresentavam velocidades a'SEP e a'LAT abaixo do nível do limite superior do primeiro quartil no grupo de pacientes com RC. Nossos resultados estão de acordo com um estudo publicado mais recentemente9, que foi o primeiro a demonstrar o benefício da velocidade de onda diastólica tardia (a') no diagnóstico de RC > 3A. Em outro estudo, as velocidade de onda a' no anel mitral foram significantemente menores no grupo de pacientes com RC, em concordância com nosso estudo23. Assim, acreditamos que a disfunção atrial no enxerto pode ser observada ao estudarmos as velocidades de onda a' na IDT e também que a disfunção atrial no enxerto pode ser considerada uma das principais consequências funcionais de agressão ao miocárdio em RC significante.

A despeito de relatos anteriores, observamos uma menor importância da velocidade de onda diastólica precoce (e') para o diagnóstico de RC > 3A, o que pode ser explicado pela ênfase no movimento radial do coração ou técnica unidimensional da IDT utilizada em tais estudos24,25.

Em relação à função sistólica durante a RC > 3A, diferenças regionais encontradas em nosso estudo podem sugerir uma forma heterogênea de deficiência muscular nesse tipo de lesão cardíaca. Nenhum estudo publicado até hoje mostrou uma maior importância das variáveis sistólicas, comparadas aos parâmetros diastólicos, para predizer a RC. Nosso modelo multiregional chegou a um escore que compreende características sistólicas e diastólicas, o que poderia levar a um melhor entendimento de uma situação complexa tal como a RC.

Fase evolutiva do estudo

Esse é o primeiro estudo, que seja de nosso conhecimento, que envolve IDT pulsado e o uso da onda (a') para o diagnóstico de RC > 3A, que sequencialmente avaliou pacientes transplantados de acordo com a evolução histológica. Em relação ao nosso estudo, poderíamos supor que a variável a'LAT seria útil para estabelecer a ocorrência de RC > 3A, e esse parâmetro não parece estar sob a influência de alterações anteriores na função diastólica. Outros estudos observacionais não analisaram as ondas a' e encontraram variações significantes nas ondas S e e' 8,26. Os parâmetros de Doppler tecidual (relações e'/e' mitral e tricúspide) tem sido reportados como medidas não-invasivas para eliminar a rejeição em pacientes pediátricos recipientes de transplante cardíacos26. Eventualmente, a análise ecocardiográfica similar pode ser útil para excluir a rejeição do transplante na população adulta.

Estudos anteriores que utilizaram ecocardiografia analisaram a rejeição aguda de aloenxerto27. Entretanto, pode haver algum tipo de viés em relação a tais dados. Por exemplo, alguns estudos tem pequenos tamanhos de amostra, outros definem de forma deficiente as informações demográficas ou técnicas cirúrgicas ou demonstram comparações não-cegas28. Outro ponto importante é a apresentação de dados técnicos ecocardiográficos de forma clínica abrangente. Em nosso estudo, em relação à estudos de Doppler tecidual repetitivos, uma redução de 7% no valor inicial da a'LAT mostrou alta sensibilidade (81,8%), bem como alto valor preditivo negativo (87,5%) para o diagnóstico de RC > 3A.

O escore do ecocardiograma derivado desse estudo, que compreende informações de diferentes segmentos do VE combinando parâmetros diastólicos e sistólicos, pode ser uma ferramenta útil para o diagnóstico de RC > 3A. Seu uso demonstrou altos valores em relação à sensibilidade (88,2%) e valor preditivo negativo (92,9%) para excluir a rejeição cardíaca grave. Além disso, o uso de tal escore agregou informação diagnóstica (valores mais altos de sensibilidade, especificidade, acurácia, valor preditivo negativo, valor preditivo positivo) quando comparado ao melhor parâmetro univariado derivado da IDT (a'LAT) para detectar a RC > 3A. Estamos absolutamente conscientes da complexidade do formato de tal escore, mas talvez ele apenas reflita o processo complexo da rejeição cardíaca no TC.

Limitações

Há limitações específicas da técnica de IDT, tais como as resultantes do ângulo de inclinação do estudo Doppler e os movimentos complexos do coração, o que pode interferir com o registro da velocidade miocárdica.

Entretanto, movimentos longitudinais, como estudados em nossa série, podem resultar em menor interferência. Outra limitação dessa investigação pode estar relacionada à presença de anormalidades de movimento de parede regional em pacientes transplantados, o que levou à exclusão desse tipo de paciente de nosso estudo.

Uma nova técnica ecocardiográfica que poderia ser utilizada para superar algumas das limitações da IDT, tais como a dependência do ângulo, poderia ser o emprego do strain e do strain rate, o que certamente adicionaria alguma informação ao diagnóstico de rejeição cardíaca.

 

Conclusão

Esse estudo baseado em IDT multiregional provou ser clinicamente viável e adicionou informações diagnósticas para predizer a RC > 3A, quando comparado ao Doppler convencional. O modelo multivariado apresenta melhor acurácia do que os parâmetros isolados de IDT para o diagnóstico de RC > 3A. O uso do escore de IDT multiregional pode ser uma nova opção diagnóstica não-invasiva para a identificação de RC > 3A, o que pode levar à diminuição nos custos e riscos relacionados aos procedimentos da biópsia endomiocárdica.

 

Referências

1. Taylor DO, Edwards LB, Boucek MM, Trulock EP, Keck BM, Hertz MI. The registry of International Society for Heart and Lung Transplantation: twenty-first. Official adult heart transplant report-2004. J Heart Lung Transplant. 2004;23(7):796-803.         [ Links ]

2. Boucek MM, Edwards LB, Keck BM, TrulockEP, Taylor DO, Hertz MI. Registry for the International Society for Heart and Lung Transplantation: seventh official pediatric report-2004. J Heart Lung Transplant. 2004;23(8):933-47.         [ Links ]

3. Bocchi EA, Mocelin AV, Moraes AV, Menegheti C, Higuchi ML, Bacal F. Comparison between two strategies for rejection detection after heart transplantation: routine endomyocardial biopsy versus Gallium-67 cardiac imaging. Transplant Proc. 1997;29(1-2):586-8.         [ Links ]

4. Mehra MR, Uber PA, Uber WE, Park MH, Scott RL. Anything but a biopsy: noninvasive monitoring for cardiac allograft rejection. Curr Opin Cardiol. 2002;17(2):131-6.         [ Links ]

5. Yu CM, Lin H, Yang H, Kong SL, Zhang Q, Lee SW. Progression of systolic abnormalities in patients with "isolated" diastolic heart failure and diastolic dysfunction. Circulation. 2002;105(10):1195-201.         [ Links ]

6. St Goar FG, Gibbons R, Schnittger I, Valantine HA, Popp RL. Left ventricular diastolic function. Doppler echocardiographic changes soon after cardiac transplantation. Circulation. 1990;82(3):872-8.         [ Links ]

7. Fabregas RI, Crespo-leiro MG, Muniz J, Regueiro M, Rodrigues JA, Alvarez N, et al. Usefulness of pulsed Doppler tissue imaging for noninvasive detection of cardiac rejection after heart transplantation. Transplant Proc. 1999;31(6):2545-7.         [ Links ]

8. Puleo JA, Aranda JM, Weston MW, Cintron G, French M, Clark L. Noninvasive detection of allograft rejection in heart transplant recipients by use of Doppler tissue imaging. J Heart Lung Transplant. 1998;17(2):176-84.         [ Links ]

9. Stengel SM, Alleman Y, Zimmerli M, Lipp E, Kutcher N, Mohacsi P, et al. Doppler tissue imaging for assessing left ventricular diastolic dysfunction in heart transplant rejection. Heart. 2001;86(4):432-7.         [ Links ]

10. Miller WM, Schlant RC, Kobashigawa J, Kubo S, Renlund DG. 24th Bethesda conference: Cardiac transplantation. Task Force 5: Complications. J Am Coll Cardiol. 1993;22(1):41-54.         [ Links ]

11. Billingham ME, Cary NR, Hammond ME, Kemnitz J, Marboe C, McCallister HA, et al. A working formulation for the standardization of nomenclature in the diagnosis of heart and lung rejection: Heart rejection study Group. The International Society for Heart Transplantation . J Heart Transplant. 1990;9(6):587-93.         [ Links ]

12. Schiller NB, Shah PM, Crawford M, De Maria A, Devereux R, Feingenbaum H, et al. Recommendations for quantitation of the left ventricle by two-dimensional echocardiography. American Society of Echocardiography Committee on Standars, Subcommittee on quantitation of two-dimensional echocardiograms. J Am Soc Echocardiogr. 1989;2(5):358-67.         [ Links ]

13. Apleton CP, Jensen JL, Hatle LK, Oh JK. Doppler evaluation of left and right ventricular diastolic function; a technical guide for obtaining optimal flow velocity recordings. J Am Soc Echocardiogr. 1997;10(3):271-97.         [ Links ]

14. Tabata T, Oki T, Yamada H, Abe M, Onose Y, Thomas JD. Subendocardial motion in hypertrophic cardiomyopathy: assessment from long- and short-axis views by pulsed tissue Doppler imaging. J Am Soc Echocardiogr. 2000;13(2):108-15.         [ Links ]

15. Nagueh SF, Middleton KJ, Kopelen HA, Zoghbi WA, Quinones MA. Doppler tissue imaging: a technique for evaluation of left ventricular relaxation and estimation of filling pressures. J Am Coll Cardiol. 1997;30(6):1527-33.         [ Links ]

16. Gorcsan J 3rd, Snow FR, Paulsen W, Arrowood JA, Thompson JA, Nixon JV. Echocardiographic profile of the transplanted human heart in clinically well recipients. J Heart Lung Transplant. 1992;11(1 Pt 1):80-9.         [ Links ]

17. Borow KM, Neumann A, Arensman FW, Yacoub MH. Left ventricular contractility and contractible reserve in humans after cardiac transplantation. Circulation. 1985;71(5):866-72.         [ Links ]

18. Bhatia SJ, Kirshenbaum JM, Shemin RJ, Cohn LH, Collins JJ, Di Sesa VJ, et al. Time course of resolution of pulmonary hypertension and right ventricular remodeling after orthotopic cardiac transplantation. Circulation. 1987;76(4):819-26.         [ Links ]

19. Valantine HA, Appleton CP, Hatle LK, Hunt SA, Billingham ME, Shumway NE, et al. A hemodynamic and Doppler echocardiographic study of ventricular function in long-term cardiac allograft recipients: etiology and prognosis of restrictive-constrictive physiology. Circulation. 1989;79(1):66-75.         [ Links ]

20. Tischler MD, Lee RT, Plappert T, Mudge GH, St John Sutton M, Parker JD. Serial assesment of the left ventricular function and mass after orthotopic heart transplantation: a 4-year longitudinal study. J Am Coll Cardiol. 1992;19(1):60-6.         [ Links ]

21. Garcia MJ, Thomas JD, Klein AL. New Doppler echocardiographic aplications for the study of diastolic function. J Am Coll Cardiol. 1998;32(4):865-75.         [ Links ]

22. Ciliberto GR, Mascarello M, Gronda E, Bonacina E, Anjos MC, Danzi G, et al. Acute rejection after heart transplantation: noninvasive echocardiographic evaluation. J Am Coll Cardiol. 1994;23(5):1156-61.         [ Links ]

23. Sun JP, Abdalla IA, Asher CR, Greenberg NL, Popovic ZB, Taylor DO, et al. Non-invasive evaluation of orthotopic heart transplant rejection by echocardiography. J Heart Lung Transplant. 2005;24(2):160-5.         [ Links ]

24. Mankad S, Murali S, Kormos RL, Mandarino WA, Gorcsan J 3rd. Evaluation of the potential role of color-coded tissue Doppler echocardiography in the detection of allograft rejection in heart transplant recipients. Am Heart J. 1999;138(4 Pt 1):721-30.         [ Links ]

25. Derumeaux G, Douillet R, Redonnet M, Mouton-Schleifer D, Soyer R, Cribier A, et al. Détection du rejet aigu myocardique après transplantation cardiaque par Doppler couleur tissulaire. Arch Mal Coeur Vaiss. 1998;91(10):1255-62.         [ Links ]

26. Dandel M, Hummel M, Muller J, Wellnhofer E, Meyer R, Solowjowa N, et al. Reliability of tissue Doppler wall motion monitoring after heart transplantation for replacement of invasive routine screenings by optimally timed cardiac biopsies and catheterizations. Circulation. 2001;104 (Suppl I):I184-91.         [ Links ]

27. Behera SK, Trang J, Feeley BT, Levi DS, Alejos JC, Drant S. The use of Doppler tissue imaging to predict cellular and antibody-mediated rejection in pediatric heart transplant recipients. Pediatr Transplant. 2008;12(2):207-14.         [ Links ]

28. Mena C, Wencker D, Krumholz HM, McNamara RL. Detection of heart transplant rejection in adults by echocardiographic diastolic indices: a systematic review of the literature. J Am Soc Echocardiogr. 2006;19(10):1295-300.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Marcelo Luiz Campos Vieira
Rua Cardoso de Melo, 463/21
Vila Olímpia - 04548-002
São Paulo, SP - Brasil
E-mail: mlvieira@cardiol.br
mluiz766@terra.com.br

 

 

Artigo recebido em 24/10/10; revisado recebido em 03/01/11; aceito em 07/01/11.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License