SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.99 issue4Chronic stress improves the myocardial function without altering L-type Ca+2 channel activity in ratsSimplified International Index of Erectile Function (IIEF-5) and coronary artery disease in hypertensive patients author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos Brasileiros de Cardiologia

Print version ISSN 0066-782X

Arq. Bras. Cardiol. vol.99 no.4 São Paulo Oct. 2012 Epub Sep 13, 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2012005000088 

Relação entre o Paratormônio e Depressão na insuficiência cardíaca

 

 

Hakan AltayI; Ali ZorluII; Halil Tolga KocumI; Senol DemircanI; Nuryil YilmazIII; Mehmet Birhan YilmazIV

IDepartment of Cardiology, Baskent University Faculty of Medicine, Adana
IIDepartment of Cardiology, Bulanık State Hospital, Mus
IIIDepartment of Psychiatry, Sivas State Hospital
IVDepartment of Cardiology, Cumhuriyet University Faculty of Medicine, Sivas

Correspondência

 

 


RESUMO

FUNDAMENTO: Tem-se observado que a depressão é preditora de reinternação e mortalidade na insuficiência cardíaca. O hormônio da paratireoide é um biomarcador novo e promissor que pode predizer a internação, a capacidade funcional e a mortalidade na insuficiência cardíaca.
OBJETIVO: Nosso objetivo foi investigar a associação da depressão aos níveis séricos de hormônio da paratireoide em pacientes com insuficiência cardíaca sistólica.
MÉTODOS: Cem pacientes ambulatoriais consecutivos com IC sistólica com fração de ejeção do ventrículo esquerdo < 40% foram examinados prospectivamente. Todos os pacientes foram submetidos a exames laboratoriais, incluindo análises de peptídeo natriurético cerebral e de hormônio da tireoide. Os pacientes foram convidados a completar o Inventário de Depressão de Beck-II.
RESULTADOS: Cinquenta e um pacientes (51%) apresentavam escore de BDI ruim (escore de BDI > 18). Esses pacientes apresentavam níveis de hormônio da paratireoide significativamente mais elevados em comparação com aqueles com bons escores de BDI (133 ± 46 pg/ml versus 71 ± 26 pg/ml, p < 0,001). No modelo de regressão logística multivariada, constatou-se que o nível do hormônio da tireoide (razão de chances (OR) = 1.035, p = 0,003), fração de ejeção do ventrículo esquerdo (OR = 0,854, p = 0,004), classe funcional III / IV (OR = 28,022, p = 0,005), C-reactive protein (CRP) (OR = 1,088, p = 0,020) e presença de edema pré-tibial (OR = 12,341, p = 0,033) constituíam preditores independentes de depressão moderada a importante após o ajuste de outros possíveis fatores de confusão.
CONCLUSÃO: Pacientes com insuficiência cardíaca sistólica com depressão moderada a importante apresentavam níveis séricos elevados de hormônio da tireoide e CRP, capacidade funcional ruim e fração de ejeção do ventrículo esquerdo mais baixa. A associação da depressão com esses parâmetros pode explicar a contribuição da depressão para a internação e a mortalidade na insuficiência cardíaca.

Palavras-chave: Hormônio paratireoideo; depressão; insuficiência cardíaca/mortalidade; proteína C-reativa.


 

 

Introdução

A insuficiência cardíaca crônica (IC) é uma doença altamente prevalente e onerosa no mundo inteiro. Sintomas de depressão e sinais depressivos ocorrem em 24 a 42% dos pacientes com IC1. A depressão clinicamente significativa é mais prevalente na IC avançada.1 Quando presentes, a depressão e os sintomas depressivos estão associados a capacidades funcionais e sobrevidas prejudicadas, além de baixa complacência e menor resposta ao tratamento e maior uso de serviços de saúde, incluindo hospitalizações e serviços ambulatoriais.

Observou-se que diversos fatores, incluindo a hipovitaminose D, o aldosteronismo, o uso crônico de furosemida e insuficiência renal comprometida contribuem para o aparecimento do hiperparatiroidismo secundário em pacientes com IC2. A associação da concentração sérica de paratormônio intacto (PTH) com a gravidade e o prognóstico da IC tem sido relatada recentemente3. A insuficiência cardíaca e a depressão apresentam alguns aspectos fisiopatológicos comuns, pois ambas causam o aumento dos níveis de citocinas inflamatórias circulantes4.

Em vista desses resultados, buscou-se verificar o papel do PTH na predição da depressão clinicamente significativa em pacientes com IC sistólica internados em um hospital terciário para a visita de controle ambulatorial.

 

Métodos

Cem pacientes consecutivos com IC sistólica (fração de ejeção ventricular esquerda < 40%) foram registrados prospectivamente entre novembro de 2010 e setembro de 2011 em centros participantes. Pacientes com doença renal em estágio terminal em tratamento de hemodiálise, doença pulmonar primária, incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica moderada a importante, doenças musculoesqueléticas, infarto do miocárdio ou angina instável nos últimos três meses, infecção aguda ou crônica, doenças inflamatórias como a sepse, artrite ou doença sistêmica do tecido conjuntivo, doença coronariana sintomática ou doença vascular periférica, etilismo de longo prazo, cardiopatia valvar ou válvula cardíaca artificial, doença maligna, doença hepática, tireoidiana, paratireoidiana, da glândula suprarrenal ou doença da hipófise, pacientes com sinais iminentes e sintomas de descompensação ou aqueles que foram hospitalizados por descompensação recente, além de pacientes sem sintomas estáveis por pelo menos um mês, foram excluídos.

Após a obtenção do consentimento informado, todos os pacientes foram submetidos a exames laboratoriais, incluindo análises de Peptídeo Natriurético Cerebral (BNP) e de PTH. Os níveis séricos de PTH intacto foram medidos usando o ensaio Immulite de PTH intacto (Diagnostics produto Corporation, 2000, Los Angeles, Califórnia). A faixa estabelecida normal para este ensaio foi de 10 - 65 pg/ml.

Todos os pacientes foram submetidos à avaliação da depressão por meio da escala do Inventário de Depressão de Beck-II (BDI). Nessa escala, os pacientes foram classificados da seguinte forma:

- De 0 a 9 pontos: sem depressão ou com depressão mínima;

- De 10 a 18 pontos: pacientes com depressão leve;

- De 19 a 29 pontos: depressão moderada;

- De 30 a 63 pontos: depressão importante.

De acordo com o resultado da avaliação do BDI-II, os pacientes foram classificados em dois grupos: grupo 1 - composto por pacientes com pontuação menor ou igual a 18 pontos na escala BDI-II (ausência de depressão ou depressão mínima ou leve, escore de BDI bom), e grupo 2 - composto por pacientes com pontuação superior a 18 (depressão moderada ou grave, escore de BDI ruim)5. Os pacientes foram classificados em quatro grupos com base na classe funcional da New York Heart Association (NYHA). O consenso cego de dois médicos experientes foi necessário para a classificação das classes funcionais. Em casos de desacordo, uma terceira opinião foi obtida junto a um médico especialista.

A hipertensão foi definida como pressão arterial > 140/90 mmHg em > 2 ocasiões durante as medições no consultório ou por meio de tratamento anti-hipertensivo. A diabetes mellitus foi definida como glicemia de jejum > 126 mg/dl ou uso de tratamento antidiabético. A isquemia como etiologia da IC foi registrada caso houvesse histórico de infarto do miocárdio ou intervenção coronariana ou estenose coronariana documentada > 50%. Aqueles que continuaram fumando durante a primeira internação foram considerados fumantes. O índice de massa corporal foi calculado por meio da divisão do peso em quilogramas pela altura ao quadrado em metros. O clearance estimado de creatinina foi calculado a partir dos valores da creatinina sérica utilizando a fórmula de Cockroft-Gault6. Achados de ritmo, medicamentosos e hemodinâmicos como frequência cardíaca e pressões arteriais sistólica e diastólica foram avaliados. A presença da hospitalização por IC ao longo dos seis meses anteriores foi cuidadosamente considerada.

Todos os pacientes foram submetidos ao ecocardiograma bidimensional transtorácico durante a primeira visita. Exames ecocardiográficos foram realizados com o sistema Vivid 7 (GE Healthcare, Wauwatosa, Wisconsin), com sondas de 2,5 MHz a 5 MHz em todos os centros participantes. A fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) foi calculada pelo método de Simpson modificado. As dimensões das câmaras foram definidas de acordo com as diretrizes recentes7. O fluxo diastólico transmitral foi obtido por Doppler pulsátila partir de uma vista no corte apical de quatro câmaras com o volume da amostra do Doppler pulsátil posicionado perpendicularmente ao jato de influxo previamente identificado com o uso de Doppler em cores. As velocidades iniciais e finais de influxo diastólico mitral foram designadas como E e A, respectivamente. O volume da amostra da imagem do Doppler tecidual pulsátil guiado bidimensionalmente foi posicionado ao nível do anel valvar mitral lateral, medindo a velocidade diastólica inicial anular mitral, designada como E'. A pressão de enchimento do ventrículo esquerdo foi estimada utilizando a razão de E para E', designada como E/E'8. A excursão sistólica do plano anular da valva tricúspide (TAPSE) foi medida utilizando ecocardiograma modo M guiado pela imagem bidimensional da vista no corte apical de quatro câmaras com o cursor posicionado na parede livre do anel tricúspide9.

As variáveis contínuas foram expressas como média ± DP ou mediana (faixa interquartil) na presença de distribuição anormal, e as variáveis categóricas como porcentagens. A análise da curva característica operador-receptor foi realizada para identificar o ponto de corte ideal de PTH (no qual a sensibilidade e a especificidade seriam máximas) para a predição de escore de BDI ruim. As áreas sobre a curva (AUC) foram calculadas como medidas da exatidão dos testes. Comparamos a AUC com o uso do teste Z. Os pacientes foram divididos em duas categorias: escore de BDI ruim (Grupo I) ou bom (Grupo II). As comparações entre grupos de pacientes foram feitas utilizando o teste χ2 para as variáveis​categóricas, teste t de Student para amostras independentes para variáveis​contínuas com distribuição normal e o teste U de Mann-Whitney para distribuições desiguais. As correlações foram avaliadas utilizando-se os testes de correlação de Pearson ou de Spearman. Utilizamos a análise univariada de riscos proporcionais de cox para quantificar a associação das variáveis​com a depressão moderada a severa. As variáveis​consideradas estatisticamente significativas na análise univariada e outros possíveis fatores de confusão foram usados​em um modelo de regressão logística multivariada com o método forward stepwise a fim de determinar os preditores independentes da depressão moderada a severa. Todos os procedimentos estatísticos foram realizados utilizando o software SPSS versão 17.0 (SPSS Inc., Chicago, IL). Um valor de p de 0,05 foi considerado estatisticamente significativo.

O estudo foi realizado em conformidade com a Declaração de Helsinque para pesquisas em seres humanos, aprovado pelo comitê de ética institucional como parte de amplo estudo.

 

Resultados

Considerando toda a coorte, a idade média dos pacientes foi de 64 ± 12 anos (54% de homens). O nível médio de PTH foi de 101 ± 48 pg/ml. As características demográficas, clínicas e ecocardiográficas dos pacientes do estudo, de acordo com o escore de BDI estão relacionadas na Tabela 1. Cinquenta e um pacientes (51%) demonstraram ter depressão moderada a importante (escore de BDI > 18). Pacientes com depressão clinicamente significativa (escore de BDI > 18) apresentaram níveis de PTH significativamente mais elevados em comparação com aqueles com depressão leve, mínima ou nenhuma (escore de BDI < 18) (133 ± 46 pg/ml versus 71 ± 26 pg/ml, p < 0,001). Os níveis médios de PTH aumentavam à medida que o escore de BDI aumentava (Figura 1). Pacientes com escore de BDI ruim apresentavam níveis significativamente mais elevados de PCR e BNP e menores níveis de sódio e de clearance de creatinina. Esses pacientes também apresentaram menor FEVE e maior tamanho do AE e razão E/E' em comparação aos pacientes com depressão ou mínima ou ausência de depressão (escore de BDI < 18). O sexo feminino foi o mais frequente entre aqueles com escore de BDI ruim (Tabela 1). O índice de escore de depressão de Beck esteve correlacionado com a classe funcional (r = 0,862, p < 0,001), níveis de BNP (r = 0,625, p < 0,001), níveis de PTH (r = 0,753, p < 0,001), razão E/E' (r = 0,374, p < 0,001), FEVE (r = -0,572, p < 0,001), CC (r = -0,404, p < 0,001), e níveis de PCR (r = 0,336, p = 0,001).

Além disso, os níveis séricos de PTH estiveram correlacionados com a classe funcional NYHA (p < 0,001), níveis de BNP (p < 0,001), razão E/E' (p < 0,001), TAPSE (p < 0,001), FEVE (p < 0,001), CC (p < 0,001), presença de edema pré-tibial (p < 0,001), reinternação relacionada à IC (p < 0,001) e níveis de PCR (p = 0,002) (Tabela 2).

O paratormônio, FEVE, classe funcional III / IV da NYHA, PCR, edema pré-tibial, reinternação relacionada à IC, razão E/E', TAPSE, BNP, duração da doença, sódio sérico, tamanho do AE, cardiopatias congênitas (CC), diâmetro sistólico do ventrículo esquerdo, e o sexo feminino estiveram associados a um escore de BDI ruim na análise univariada. No modelo de regressão logística multivariada, o nível de PTH (razão de chances (OR) = 1,035, p = 0,003), FEVE (OR = 0,854, p = 0,004), classe funcional III/IV da NYHA (OR = 28,022, p = 0,005), PCR (OR = 1,088, p = 0,020) e presença de edema pré-tibial (OR = 12,341, p = 0,033) constituíam preditores independentes de escore de BDI ruim após o ajuste de outros possíveis fatores de confusão (Tabela 3).

Em face da diferença nos níveis de PTH entre os pacientes com depressão clinicamente significativa, isto é, depressão moderada ou severa (escore de BDI > 18), e aqueles com ausência de depressão ou depressão mínima ou leve (escore de BDI < 18), foi construída uma curva ROC, que identificou o nível de PTH 99 pg/ml como o melhor ponto de coorte com sensibilidade de 76,5% e especificidade de 87,8% (área sob a curva de 0,871, intervalo de confiança de 95%, 0,789-0,929 - Figura 2).

 

Discussão

Não só a incidência da depressão aumenta com a presença de IC, mas também está relacionada à sua gravidade, sendo mais frequente em casos avançados de IC10. O presente estudo demonstrou que a depressão esteve associada com os parâmetros clínicos, ecocardiográficos e laboratoriais, todos os quais tendo sido considerados preditores da IC avançada. O estudo também demonstrou que a relação entre o PTH sérico e a depressão clinicamente significativa manteve-se independente das características clínicas e das respectivas características demográficas, como a FEVE, classe funcional NYHA, PCR, reinternação relacionada à IC, duração da doença e sexo feminino.

Um estudo recente demonstrou que altos níveis séricos de PTH estiveram fortemente associadas com a IC avançada11. Essa associação é explicada pelo fato de que o hiperparatiroidismo secundário pode contribuir para a doença sistêmica que acompanha a IC avançada12. Essa doença sistêmica e a cronicidade da IC podem contribuir para a depressão. Já havia sido demonstrada13 a associação de distúrbios depressivos e hiperparatiroidismo primário, quando se acreditava que a hipercalcemia resultante era o mecanismo responsável pela produção de sintomas depressivos. Acredita-se que altos níveis séricos de PTH estejam relacionados à indução sistêmica do estresse oxidativo que leva à lesão tecidual e contribui para a fisiopatologia da IC14. O aumento do estresse oxidativo também pode desempenhar um papel fundamental na fisiopatologia da depressão na IC crônica15. Independentemente da existência de uma relação de causa e efeito, é muito óbvio que os altos níveis circulantes de PTH e a depressão estão intrinsecamente associados, principalmente em pacientes com IC sistólica avançada.

Recentemente, demonstrou-se a associação dos baixos níveis de vitamina D com a mortalidade na IC16. Essa associação pode ocorrer diretamente ou por meio da ativação do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) 17. A associação da deficiência de vitamina D e depressão é demonstrada na população em geral18 e na população com IC19. Os receptores da vitamina D estão presentes no cérebro, e o sistema nervoso central contém as enzimas necessárias para a hidroxilação da vitamina D, fazendo com que seja biologicamente plausível que a vitamina D esteja associada com a atividade cerebral e, assim, com a depressão20. A imobilização e o comportamento antissocial de pacientes com insuficiência cardíaca, consideravelmente mais proeminente quando são depressivos, pode levar à exposição inadequada à luz solar e, portanto, deficiência de vitamina D. Baixos níveis séricos de vitamina D ou, mais precisamente, atividade biológica inadequada da vitamina D provoca excesso de PTH sérico. Em virtude desse fato, pode-se supor que as associações entre baixas concentrações de atividade de vitamina D com desfechos cardiovasculares e depressão podem ser indiretamente demonstradas pela presença de excesso de PTH sérico.

Nosso estudo também demonstrou que o PCR é um forte preditor independente de depressão clinicamente significativa. Há círculo vicioso entre a IC e a inflamação porque se observa a associação entre os marcadores inflamatórios, tais como a IL-6 e a PCR, ao agravamento da função cardíaca e IC sistólica avançada21. Além disso, níveis elevados de marcadores inflamatórios também são encontrados em pacientes com depressão, mas sem IC22.

Fazem-se necessárias investigações adicionais para compreender a possível interação entre a depressão, aumento dos níveis de PTH e PCR na fisiopatologia da IC sistólica, os quais podem ser meros marcadores ou podem levar à causalidade. Sabe-se que a depressão é pouco reconhecida e tratada de maneira insuficiente em pacientes com IC23. Nossos dados mostram que níveis elevados de PTH e PCR podem facilitar o reconhecimento precoce da depressão clinicamente significativa em pacientes ambulatoriais com IC que possuem FEVE baixa e classe funcional NYHA alta concomitantemente.

O BNP é amplamente utilizado como biomarcador para definir o diagnóstico e o prognóstico em pacientes com IC24. Em nosso estudo, demonstramos que pacientes com depressão clinicamente significativa apresentaram níveis significativamente mais elevados de BNP. No entanto, quando da inclusão de outros possíveis fatores de confusão, níveis elevados de BNP não predisseram escores de BDI ruins. Esse resultado difere de um estudo realizado recentemente, que relatou que o BNP atuava como preditor da depressão grave em pacientes com IC25. Reconhece-se que a alteração na carga (volume) dos ventrículos afeta o seu nível no sangue. No entanto, o PTH parece ser secretado após uma longa cadeia de reações no organismo, não sendo afetado pelo volume26.

Outros preditores independentes de depressão clinicamente significativa foram FEVE baixa e classe funcional NYHA alta, que demonstraram uma associação bem estabelecida com a depressão em pacientes com IC em estudos anteriores1. Assim como estudos anteriores, o presente estudo relatou que o sexo feminino esteve associado à depressão clinicamente significativa1. Demonstrou-se que a internação relacionada à insuficiência cardíaca é significativamente mais comum em pacientes com expressiva depressão clinicamente (Tabela 1). Esse resultado é o mesmo encontrado na literatura, que relata que os pacientes deprimidos estiveram hospitalizados cerca de três vezes mais frequentemente do que os não deprimidos, e que a depressão aumentou os custos do tratamento da IC em 25 - 40%9.

Algumas limitações no estudo atual devem ser mencionadas. O tamanho da amostra, embora calculada antes do estudo, não é suficiente para tirar conclusões definitivas. Além disso, o comportamento e o nível sérico de PTH em pacientes com bloqueio do SRAA é imprevisível, particularmente entre aqueles que possuem agente de bloqueio da aldosterona. No entanto, vale ressaltar que este estudo não se destina a testar o comportamento temporal do PTH com a terapia, e todos os pacientes encontravam-se clinicamente estáveis e sob terapia para IC crônica estável com doses estáveis. Assim, julgamos que a discussão da interação entre fatores de confusão e o PTH não pode ir além de mera hipótese. No entanto, a associação do PTH à​depressão (escore de BDI ruim) aqui apresentada é forte e independente, e a interação univariada entre o bloqueio da aldosterona e escore de BDI ruim se perderam no teste multivariado.

Conclui-se que a prevalência da depressão na insuficiência cardíaca avançada é alta; os pacientes com depressão apresentam maiores níveis de PTH e PCR do que pacientes não deprimidos; e quanto mais alta a classe funcional NYHA do paciente, maior a chance de depressão clinicamente significativa. Níveis elevados de PTH e PCR em um paciente ambulatorial com IC sistólica estável deve sugerir a possibilidade de depressão clinicamente significativa, em especial na presença de classe funcional NYHA alta.

Potencial Conflito de Interesses

Declaro não haver conflito de interesses pertinentes.

Fontes de Financiamento

O presente estudo não teve fontes de financiamento externas.

Vinculação Acadêmica

Não há vinculação deste estudo a programas de pós-graduação.

 

Referências

1. Rutledge T, Reis VA, Linke SE, Greenberg BH, Mills PJ. Depression in heart failure a meta-analytic review of prevalence, intervention effects, and associations with clinical outcomes. J Am Coll Cardiol. 2006;48(8):1527-37.         [ Links ]

2. Khouzam RN, Dishmon DA, Farah V, Flax SD, Carbone LD, Weber KT. Secondary hyperparathyroidism in patients with untreated and treated congestive heart failure. Am J Med Sci. 2006;331(1):30-4.         [ Links ]

3. Sugimoto T, Tanigawa T, Onishi K, Fujimoto N, Matsuda A, Nakamori S, et al. Serum intact parathyroid hormone levels predict hospitalisation for heart failure. Heart. 2009;95(5):395-8.         [ Links ]

4. Ferketich AK, Fergusson JP, Binkley PF . Depressive symptoms and inflammation among heart failure patients. Am Heart J. 2005;150(1):132-6.         [ Links ]

5. Beck AT, Ward CH, Mendelson M, Mock J, Erbaugh J. An inventory for measuring depression. Arch Gen Psychiatry. 1961;4:561-71.         [ Links ]

6. Cockroft DW, Gault MH: Prediction of creatinine clearance from serum creatinine. Nephron. 1976;16(1):31-41.         [ Links ]

7. Rudski LG, Lai WW, Afilalo J, Hua L, Handschumacher MD, Chandrasekaran K, et al. Guidelines for the echocardiographic assessment of the right heart in adults: a report from the American Society of Echocardiography endorsed by the European Association of Echocardiography, a registered branch of the European Society of Cardiology, and the Canadian Society of Echocardiography. J Am Soc Echocardiogr. 2010;23(7):685-713.         [ Links ]

8. Nagueh SF, Middleton KJ, Kopelen HA, Zoghbi WA, Quiñones MA. Doppler tissue imaging: a noninvasive technique for evaluation of left ventricular relaxation and estimation of filling pressures. J Am Coll Cardiol. 1997;30(6):1527-33.         [ Links ]

9. Ghio S, Recusani F, Klersy C, Sebastiani R, Laudisa ML, Campana C, et al. Prognostic usefulness of the tricuspid annular plane systolic excursion in patients with congestive heart failure secondary to idiopathic or ischemic dilated cardiomyopathy. Am J Cardiol. 2000;85(7):837-42.         [ Links ]

10. Norra C, Skobel EC, Arndt M, Schauerte P. High impact of depression in heart failure: early diagnosis and treatment options. Int J Cardiol. 2008;125(2):220-31.         [ Links ]

11. Altay H, Zorlu A, Binici S, Bilgi M, Yilmaz MB, Colkesen Y, et al. Relation of serum parathyroid hormone level to severity of heart failure. Am J Cardiol. 2012;109(2):252-6.         [ Links ]

12. Alsafwah S, Laguardia SP, Arroyo M, Dockery BK, Bhattacharya SK, Ahokas RA, et al. Congestive heart failure is a systemic illness: a role for minerals and micronutrients. Clin Med Res. 2007;5(4):238-43.         [ Links ]

13. Watson LC, Marx CE. New onset of neuropsychiatric symptoms in the elderly: possible primary hyperparathyroidism. Psychosomatics. 2002;43(5):413-7.         [ Links ]

14. Sun Y, Ahokas RA, Bhattacharya SK, Gerling IC, Carbone LD, Weber KT. Oxidative stress in aldosteronism. Cardiovasc Res. 2006;71(2):300-9.         [ Links ]

15. Michalakeas CA, Parissis JT, Douzenis A, Nikolaou M, Varounis C, Andreadou I, et al. Effects of sertraline on circulating markers of oxidative stress in depressed patients with chronic heart failure: a pilot study. J Card Fail. 2011;17(9):748-54.         [ Links ]

16. Schierbeck LL, Jensen TS, Bang U, Jensen G, Køber L, Jensen JE. Parathyroid hormone and vitamin D--markers for cardiovascular and all cause mortality in heart failure. Eur J Heart Fail. 2011;13(6):626-32.         [ Links ]

17. Li YC, Kong J, Wei M, Chen ZF, Liu SQ, Cao LP. 1,25-Dihydroxyvitamin D (3) is a negative endocrine regulator of the rennin-angiotensin system. J Clin Invest. 2002;110(2):229-38.         [ Links ]

18. Schneider B, Weber B, Frensch A, Stein J, Fritz J. Vitamin D in schizophrenia,major depression and alcoholism. J Neural Transm. 2000;107(7):839-42.         [ Links ]

19. May HT, Bair TL, Lappé DL, Anderson JL, Horne BD, Carlquist JF, et al. Association of vitamin D levels with incident depression among a general cardiovascular population. Am Heart J. 2010;159(6):1037-43.         [ Links ]

20. Stumpf WE, Sar M, Clark SA, DeLuca HF. Brain target sites for 1,25-dihydroxyvitamin D3. Science. 1982;215(4538):1403-5.         [ Links ]

21. Anand IS, Latini R, Florea VG, Kuskowski MA, Rector T, Masson S, et al; Val-HeFT Investigators. C-reactive protein in heart failure: prognostic value and the effect of valsartan. Circulation. 2005;112(10):1428-34.         [ Links ]

22. Bremmer MA, Beekman AT, Deeg DJ, Penninx BW, Dik MG, Hack CE, et al. Inflammatory markers in late-life depression: results from a population-based study. J Affect Disord. 2008;106(3):249-55.         [ Links ]

23. Musselman DL, Evans DL, Nemeroff CB. The relationship of depression to cardiovascular disease: epidemiology, biology, and treatment. Arch Gen Psychiatry. 1998;55(7):580-92.         [ Links ]

24. Tsutamoto T, Wada A, Maeda K, Hisanaga T, Maeda Y, Fukai D, et al. Attenuation of compensation of endogenous cardiac natriuretic peptide system in chronic heart failure:prognostic role of plasma brain natriuretic peptide concentration in patients with chronic symptomatic left ventricular dysfunction. Circulation. 1997;96(2):509 -16.         [ Links ]

25. Aguiar VB, Ochiai ME, Cardoso JN, Del Carlo CH, Morgado PC, Munhoz RT, et al. Relationship between depression, BNP levels and ventricular impairment in heart failure. Arq Bras Cardiol. 2010;95(6):732-37.         [ Links ]

26. Weber KT, Simpson RU, Carbone LD. Vitamin D and calcium dyshomoeostasis-associated heart failure. Heart. 2008;94(1):540-1.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Hakan Altay
Baskent University
Postal Code 01250, Adana, Turkey
E-mail: sakaltay@yahoo.com, sakaltay@gmail.com

Artigo recebido em 22/04/12; revisado em 30/04/12; aceito em 31/07/12.