SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número1Nutrição mineral do mamoeiro (Carica papaya L.): III - sintomatologia de carências nutricionaisCompetição entre enxertias de mesa e de canteiro em nogueira pecã índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Anais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

versão impressa ISSN 0071-1276

An. Esc. Super. Agric. Luiz de Queiroz vol.37 no.1 Piracicaba  1980

http://dx.doi.org/10.1590/S0071-12761980000100019 

Enxertia de mesa de nogueira pecã em raízes de seedlings*

 

Bench grafting of pecans on seedling roots

 

 

Vladimir Rodrigues SampaioI; Pécio BarbinII

IDepartamento de Agricultura e Horticultura, E.S.A. "Luiz de Queiroz", USP
IIDepartamento de Matemática e Estatística, E.S.A, "Luiz de Queiroz", USP

 

 


RESUMO

Comprovou-se experimentalmente a possibilidade da realização da enxertia de mesa em nogueira peca, usando-se como porta-enxerto raízes de seedlings com um ano de idade. Dois experimentos permitiram essa conclusão. Em um deles, competiu-se a enxertia de mesa com a enxertia no próprio canteiro, fazendo-se para os primeiros o calejamento em ambiente úmido com e sem temperatura controlada. O resultado mais interessante para a enxertia de mesa, foi aquele obtido pela conservação dos enxertos recém feitos em ambiente úmido durante 25 a 30 dias à temperatura constante de 26ºC, conseguindo-se 60% de sobrevivência. Este valor não diferiu dos obtidos pela enxertia no próprio canteiro, com posterior transplante para o campo do viveiro aos 30 e 45 dias da data de enxertia.
Quanto ao tamanho da raiz porta-enxerto, verificou-se que elas devem ter mais de 12 cm de comprimento, raízes com 9 cm resultaram em cerca de 20% de sobrevivência somente. Em todos os tratamentos experimentais, ficou demonstrado o baixo desenvolvimento da parte aérea da muda em seu primeiro ano de desenvolvimento no campo do viveiro.


SUMMARY

It was proved that it is possible to use bench grafting for pecan (Carya illinoensis), using as rootstocks roots of one year old seedlings. In one trial there was a competition between bench grafting and grafting on the seed-bed. The best result for bench grafting was obtained through conservation of the grafts during 25 to 30 days in moist sand at 26ºC, resulting in 60% survival. This number was similar to that obtained when the grafts were done in the seed-bed, with subsequent transplant to the nursery at 30th and 45th day from the grafting date.
The root pieces used as rootstocks must be longer thant 12 cm. Roots with 9 cm resulted in only 20% survival. In all treatments, poor development of the plants after the first year in the nursery was observed.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

LITERATURA CITADA

BITTENCOURT, P.V.C., 1952. Instruções para a cultura da nogueira peca, Inst. Agr. de Campinas, boi. 27, 6p.         [ Links ]

BRAGA, F.G., 1968. Aspectos da cultura da nogueira peca, Secretaria da Agricultura, CATI, 22p.         [ Links ]

CHANDLER, W.H., 1957. Decidous orchards, 3rd ed., Lea & Febiger, Philadelphia, 436p.         [ Links ]

HARTMANN, H.T.; KESTER, D.E., 1968. Plant propagation, principles and practices, Prentice-Hall, Inc., New Jersey, 2a ed., 702p.         [ Links ]

MAHLSTEDE, J.P.; HABER, T.L.E., 1957. Plant propagation, John Wiley & Sons Inc., New Jersey, 413p.         [ Links ]

RANZANI, G.; FREIRE, 0.; KINJO, T., 1966. Carta de solo do município de Piracicaba, E.S.A. "Luiz de Queiroz", 85p.         [ Links ]

SITTON, B.G., 1940. Pecan grafting methods and waxes. Circ. U.S. Dept. Agric. 545: 1-30.         [ Links ]

STUCKEY, H.P.; KYLE, E.J., 1925. Pecan growing. The Macmi11an Company, New York, 233p.         [ Links ]

 

 

* Entregue para publicação em 05/09/1980.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons