SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.92 issue1Revision of the genus Appula (Coleoptera, Cerambycidae, Cerambycinae, Elaphidiini)Notes on Pseudevoplitus (Heteroptera, Pentatomidae) and description of two new species author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Iheringia. Série Zoologia

Print version ISSN 0073-4721On-line version ISSN 1678-4766

Iheringia, Sér. Zool. vol.92 no.1 Porto Alegre Mar. 2002

http://dx.doi.org/10.1590/S0073-47212002000100002 

ESPÉCIES NOVAS E CHAVE PARA AS ESPÉCIES DE CALLIA (COLEOPTERA, CERAMBYCIDAE)

 

Maria Helena M. Galileo 1, 3
Ubirajara R. Martins 2,3

 

 

ABSTRACT

NEW SPECIES AND KEY TO THE SPECIES OF CALLIA (COLEOPTERA, CERAMBYCIDAE). New species described: Callia marginata from Peru, C. punctata from Colombia, C. annulata from Ecuador, C. tristis from Bolivia, C. paraguaya from Paraguay; from Brazil: C. divisa and C. tomentosa (Mato Grosso), and C. lissonota (Rondônia). A key to the species of Callia is added.

KEYWORDS. Callia, Calliini, Neotropical, new species, key.

 

 

INTRODUÇAO

O gênero Callia Audinet-Serville, 1835 reunia, até o momento, 25 espécies predominantemente sul-americanas (Monné, 1995). A primeira chave para as espécies de Callia ocorrentes no Brasil foi publicada por Zajciw (1958), que considerou o gênero com dois subgêneros: Callia s. str. com 16 espécies e Mimolaia Bates, 1885 com apenas uma (C. halticoides Bates, 1866).

Em 1991, Galileo & Martins publicaram uma revisão da tribo Calliini e chave provisória para as 24 espécies de Callia. O subgênero Mimolaia foi elevado à categoria de gênero (espécie-tipo, M. buckleyi Bates, 1885) e M. halticoides transferida para o gênero Callia. Galileo & Martins (1992) acrescentaram duas espécies ao gênero Callia e apresentaram modificações nos itens da chave publicada em Galileo & Martins (1991).

Recentemente, ao estudar material pertencente ao Museu Nacional do Rio de Janeiro (MNRJ) e do Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre (MCNZ), foram constatadas mais oito espécies novas de Callia, que são descritas a seguir, com chave atualizada para identificá-las. Além das siglas mencionadas, examinamos material do Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo, São Paulo (MZSP).

 

Callia marginata sp. nov.
(Fig. 1)

. Cabeça, protórax (menos friso basal do pronoto), procoxas, esternos mesotorácicos e fêmures (menos os ápices), avermelhados. Antenômeros I a VII, friso basal do pronoto, ápice dos fêmures, tíbias, tarsos e esternos metatorácicos, pretos. Antenômeros VIII a X brancos; antenômero XI com a metade basal branca e a apical preta. Élitros pretos com ligeiro reflexo acobreado. Urosternitos preto-avermelhados. Escapo subcilíndrico. Cabeça e pronoto com pubescência amarelada e esparsa. Pronoto pontuado e com setas pretas. Espinho lateral do protórax pequeno e aguçado, com ápice ligeiramente voltado para trás. Lados do metasterno com pontos grandes.

Dimensões em mm. Comprimento total, 5,5; comprimento do protórax, 1,0, maior largura , 1,5; comprimento do élitro, 4,0; largura umeral, 1,8.

Material-tipo. Holótipo , PERU, Loreto: (confluência dos rios Zumun e Yahuasyacu), I.1980, J. Becker col. (MNRJ).

Discussão. Callia marginata distingue-se das espécies que apresentam antenômeros apicais brancos (C. bicolor, C. albicornis, C. bella, C. lineatula) pelo pronoto e partes laterais do protórax pontuados. Pelo pronoto pontuado assemelha-se a C. punctata sp. nov. (fig. 2), mas difere pelos caracteres apresentados na chave e pelos élitros mais estreitos e proporcionalmente mais longos (fig. 1).

 

Callia punctata sp. nov.
(Fig. 2)

. Cabeça, antenômeros IX-XI, protórax, procoxas, esternos mesotorácicos e mesocoxas, avermelhados. Antenômeros I-VIII, fêmures, tíbias, tarsos, metasterno e urosternitos, pretos. Élitros pretos com leve brilho violáceo. Cabeça e protórax com pubescência amarelada entremeada por setas, abundantes e pretas. Escapo apenas engrossado para o ápice. Pronoto evidentemente pontuado. Espinho lateral do protórax desenvolvido (fig. 2). Metasterno liso.

Dimensões em mm. Comprimento total, 6,5; comprimento do protórax, 1,2; maior largura do protórax, 1,9; comprimento do élitro, 4,8; largura umeral, 2,4.

Material-tipo. Holótipo , COLÔMBIA, Magdalena: Aracataca, 2.VIII.1920, M. Hebard col. (MNRJ).

Discussão. Os antenômeros apicais em C. punctata (fig. 2) não são brancos e contrastantes como em C. bicolor, mas de coloração avermelhada e mais claros do que os antenômeros basais. Pela pontuação do pronoto assemelha-se a C. marginata (fig. 1) e difere pelos caracteres mencionados na chave.

 

Callia annulata sp. nov.
(Fig. 3)

(?). Cabeça preta. Antenas com escapo e pedicelo pretos; antenômeros III-VIII pretos com anel basal esbranquiçado; antenômeros IX-X brancos; antenômero XI branco com ápice preto. Protórax preto; centro do pronoto (fig. 3) com área triangular de tegumento alaranjado. Élitros castanho-escuros, fuliginosos, praticamente sem brilho metálico. Fêmures amarelados com ápice preto. Tíbias e tarsos pretos. Face ventral castanho-fuliginosa. Escapo cilíndrico, algo intumescido. Antenômeros discretamente engrossados. Espinho lateral do protórax pequeno, aguçado para o ápice, com a ponta voltada para cima. Pronoto pontuado; pubescência pronotal branco-amarelada sobre a área alaranjada. Élitros com pubescência moderadamente densa. Lados do metasterno com pontos pequenos e esparsos.

Dimensões em mm. Comprimento total, 6,0; comprimento do protórax, 1,3; maior largura, 1,5; comprimento do élitro, 4,1; largura umeral, 1,9.

Material-tipo. Holótipo ?, EQUADOR: Lumbaqui (500 m), IX.1977, L. Peña col. (MZSP).

Discussão. Callia annulata não pode ser confundida com C. argodi por apresentar os antenômeros III-VIII com anel basal de tegumento branco. Em C. argodi os antenômeros III-VIII são pretos. Segundo a descrição de Belon (1903), a mancha alaranjada no pronoto deve ser semelhante a de C. argodi.

 

Callia tristis sp. nov.
(Fig. 4)

. Cabeça, protórax, escutelo, élitros e face ventral, castanho-escuros com reflexo metálico. Antenômeros I-VIII pretos; IX e X brancos; XI branco com o quarto apical preto. Fêmures vermelho-alaranjados com o terço apical preto. Tíbias e tarsos pretos. Pubescência esbranquiçada recobre o meio da fronte e, no pronoto (cabeça voltada para a fonte luminosa), faixa transversal à frente do meio que emite um prolongamento central, em direção ao escutelo. Élitros com pubescência esbranquiçada densa, mais concentrada sobre o friso sutural. Pronoto e lados do protórax com pontuação evidente e densa. Espinho lateral do protórax aguçado com ápice voltado para trás. Lados do metasterno com alguns pontos grandes e esparsos.

Dimensões em mm. Comprimento total, 6,5; comprimento do protórax, 1,2; maior largura do protórax, 1,6; comprimento do élitro, 4,7; largura umeral, 2,1.

Material-tipo. Holótipo , BOLÍVIA, Sur Yungas: Chulumani, I.1948, Williner col., ex-coleção J. M. Bosq (MNRJ).

Discussão. Pelos antenômeros apicais brancos, tegumento elitral unicolor, antenômeros basais não-anelados de branco, protórax castanho-escuro e fêmures vermelho-alaranjados com extremidades escuras, C. tristis (fig. 4) assemelha-se a C. argodi. Difere pela coloração preta uniforme do pronoto; pela pubescência pronotal esbranquiçada e pela pubescência densa nos élitros. Em C. argodi o pronoto tem tegumento alaranjado na região central, a pubescência pronotal é amarelada no dorso e a dos élitros é esparsa.

 

Callia divisa sp. nov.
(Fig. 6)

. Cabeça, base dos antenômeros II a VII, protórax, metade basal dos élitros, escutelo, procoxas, mesosterno, mesocoxas, fêmures e base das tíbias, amarelo-alaranjados. Escapo, antenômeros II a VII (exceto anel basal), metade apical dos élitros, esternos metatorácicos, urosternitos, dois terços apicais das tíbias e tarsos, castanhos. Cabeça com pubescência esbranquiçada. Escapo subcilíndrico, esbelto. Antenômeros VIII a XI faltam. Tubérculo lateral do protórax longo. Pubescência do pronoto (cabeça voltada para a fonte luminosa) mais concentrada numa área transversal que envolve os espinhos laterais e prolonga-se até o escutelo. Élitros (fig. 6) revestidos por pubescência esbranquiçada e abundantes pêlos amarelados. Lados do metasterno lisos.

Dimensões em mm. Comprimento total, 5,7; comprimento do protórax, 1,5; maior largura, 1,0; comprimento do élitro, 4,2; largura umeral, 1,8.

Material-tipo. Holótipo , BRASIL, Mato Grosso: Sinop (12°31'S, 55°36'W; rodovia BR 116, km 500 a 600, 350 m), X.1976, Roppa & Alvarenga col. (MNRJ).

Discussão. O holótipo de C. divisa tem ambas as antenas quebradas no ápice do antenômero VII, o que não permite verificar se os antenômeros VIII a XI são anelados como os precedentes ou brancos. Por este motivo, C. divisa foi incluída na chave em duas alternativas (itens 5 e 18). Essa espécie caracteriza-se pelo padrão do colorido corporal. Nas outras espécies de Callia os élitros são amarelados na base ou em quase toda a superfície e azuis ou violáceos no restante. Difere de C. halticoides por não apresentar a margem posterior do tórax preta e pela cabeça, escutelo e metafêmures, alaranjados. Em C. halticoides a cabeça, o escutelo e os metafêmures são pretos e o tórax é ferrugíneo com a margem posterior preta.

 

Callia lissonota sp. nov.
(Fig. 5)

. Cabeça, protórax (fig. 5), procoxas, esternos mesotorácicos, mesocoxas e metade basal dos meso- e metafêmures, vermelho-alaranjados; antenas, metasterno, abdômen, pontas dos pro- e dos mesofêmures, metafêmures, tíbias e tarsos, pretos; élitros pretos com brilho azul-escuro metálico. Vértice e protórax lisos. Escapo subcilíndrico e delgado. Espinho lateral do protórax com ápice aguçado. Pronoto glabro. Escutelo com fina pubescência esbranquiçada. Sexto basal dos élitros, junto à sutura, com pubescência esbranquiçada. Variabilidade: em alguns exemplares os mesofêmures são pretos.

Dimensões em mm, respectivamente /. Comprimento total, 6,6-7,0/7,6; comprimento do protórax, 1,3-1,4/1,4, maior largura, 1,6-1,8/2,1; comprimento do élitro, 4,7-4,9/5,4; largura umeral, 2,2-2,3/2,4.

Material-tipo. Holótipo , BRASIL, Rondônia: Ouro Preto do Oeste, X.1983, O. Roppa, J. Becker & B. Silva col. (MNRJ). Parátipos com os mesmos dados do holótipo, , 4 (MNRJ); , (MZSP); , (MCNZ).

Discussão. Callia lissonota assemelha-se a C. chrysomelina, mas difere pelos caracteres mencionados na chave. Assemelha-se a C. comitessa que ocorre na Mata Atlântica do Espírito Santo até São Paulo e que tem a pubescência da cabeça e do pronoto amarelada e bem-visível. Em C. lissonota a cabeça e o pronoto são praticamente glabros.

 

Callia tomentosa sp. nov.
(Fig. 7)

. Cabeça, antenas, protórax (fig. 7), face ventral, pontas dos pro- e dos mesofêmures, metafêmures, tíbias e tarsos, pretos. Dois terços basais dos pro- e mesofêmures, avermelhados. Cabeça e antenas revestidas por pubescência esbranquiçada. Escapo subcilíndrico. Pronoto com densa pubescência branco-amarelada; quando a cabeça está voltada para a fonte luminosa, a pubescência no meio do pronoto está organizada numa área triangular . Élitros com densa pubescência esbranquiçada, mais concentrada sobre o friso sutural. Lados do metasterno praticamente lisos.

Dimensões em mm. Comprimento total, 6,3; comprimento do protórax, 1,2, maior largura, 1,6; comprimento do élitro, 4,4; largura umeral, 1,9.

Material-tipo. Holótipo , BRASIL, Mato Grosso: Diamantino (Alto Rio Arinos), X.1983, B. Silva col. (MNRJ).

Discussão. Callia tomentosa difere de C. azurea pelos caracteres mencionados na chave.

 

Callia paraguaya sp. nov.
(Fig. 8)

. Cabeça, antenas, protórax, escutelo e face ventral, pretos com reflexos azul-metálicos; élitros preto-azulados com brilho metálico e ligeiro reflexo violáceo; pro- e mesofêmures alaranjados com o extremo apical escurecido; metafêmures, tíbias e tarsos, pretos. Escapo subcilíndrico, alongado e delgado. Espinho lateral do protórax (fig. 8) cônico e agudo. Pronoto com pontos esparsos. Élitros pontuados na base. Metasterno sem pontos.

Dimensões em mm. Comprimento total, 8,1; comprimento do protórax, 1,4, maior largura , 2,0; comprimento do élitro, 6,1; largura umeral, 2,5.

Material-tipo. Holótipo , PARAGUAI, Caazapá: P.(arque) N.(acional) Caaguazú, I.1991, G. Arriagada col. (MCNZ).

Discussão. Callia paraguaya, pelas antenas e protórax unicolores e escuros, assemelha-se a C. xanthomera e C. purpureipennis, que possuem todos os fêmures vermelho-alaranjados; em C. paraguaya os metafêmures são pretos. Distingue-se de C. xanthomera pelo pronoto azul-metálico e pelos élitros com reflexo mais azulado. Em C. xanthomera, o pronoto e os élitros têm reflexos violáceos.

Chave para as espécies de Callia

1. Antenas pretas com o antenômero IX branco (tegumento preto, base das epipleuras vermelho-alaranjada; espinho lateral do protórax desenvolvido com o ápice voltado para trás). Brasil (Pará)............................................C. simplex Galileo & Martins, 1991

Antenas pretas ou com os antenômeros apicais brancos............................................2

2(1). Antenômeros VII-XI ou IX-XI com tegumento branco (às vezes, o ápice do antenômero XI enegrecido em pequena extensão) (vide C. divisa sp. nov., fig. 6)............................................3

Antenômeros apicais com o mesmo colorido que os demais, em geral, pretos............................................17

3(2). Protórax inteiramente avermelhado ou amarelado com a margem posterior preta............................................4

Protórax com outras colorações............................................12

4(3). Escapo preto............................................5

Escapo avermelhado ou avermelhado com ápice preto............................................11

5(4). Élitros bicolores com a metade anterior alaranjada e a metade apical preta (fig. 6). Brasil (Mato Grosso)............................................C. divisa sp. nov.

Élitros com tegumento unicolor............................................6

6(5). Pubescência esbranquiçada dos élitros concentrada numa faixa transversal no nível do meio; (escutelo avermelhado). Equador............................................C. leucozanata Lane, 1973

Élitros com pubescência uniforme em toda a superfície............................................7

7(6). Extremo basal dos antenômeros III-VIII e antenômeros IX-XI branco-amarelados; (metafêmures pretos). Brasil (Amazonas). Não examinada.............................................C. halticoides Bates, 1866

Antenômeros basais não-anelados............................................8

8(7). Pronoto com pontos evidentes, especialmente nos lados............................................9

Pronoto quase liso com pontos setíferos pequenos e esparsos............................................10

9(8). Fêmures avermelhados com o ápice preto; escapo esbelto; antenômeros VIII-X brancos; espinho lateral do protórax reduzido, com ápice voltado para trás; (fig. 1). Peru............................................C. marginata sp. nov.

Fêmures pretos (fig. 2); escapo robusto e curto; antenômeros IX-X indistintamente mais claros; espinho lateral do protórax manifesto, com ápice não voltado para trás. Colômbia............................................C. punctata sp. nov.

10(8). Antenômeros IX-XI brancos; lados do protórax com espinho de ápice aguçado; lados do metasterno avermelhados; metafêmures avermelhados na base. Guiana Francesa............................................C. bicolor (Breuning, 1960)

Antenômeros VII-XI ou VIII-XI brancos; lados do protórax com tubérculo obtuso; metasterno preto; metafêmures pretos. Costa Rica, Panamá............................................C. albicornis Bates, 1885

11(4). Escapo inteiramente vermelho; antenômeros VI (exceto na base) a XI esbranquiçados; pubescência elitral uniforme; metasterno e metafêmures avermelhados. Equador............................................C. bella Galileo & Martins, 1992

Escapo avermelhado com o ápice preto; antenômeros VII (base exceto) a XI esbranquiçados; pubescência elitral concentrada num grande triângulo do escutelo ao terço apical; metasterno e metafêmures pretos. Brasil (Amazonas, Pará), Guiana Francesa............................................C. lineatula Lane, 1973

12(3). Élitros unicolores............................................13

Élitros bicolores............................................16

13(12). Antenômeros III a VII pretos com a base anelada de tegumento amarelado; (tegumento pronotal com grande mancha central amarelada); fig. 3. Equador............................................C. annulata sp. nov.

Antenômeros basais não anelados de amarelado............................................14

14(13). Antenômeros VIII-XI brancos; élitros violáceos; pernas escuras. Colômbia............................................C. gallegoi Galileo & Martins, 1991

Antenômeros IX-X brancos e XI branco com o extremo apical preto; élitros pretos; fêmures avermelhados ou amarelados com os ápices pretos............................................15

15(14). Pronoto preto com pubescência esbranquiçada no dorso; pubescência elitral oblitera quase inteiramente o tegumento, principalmente na metade apical; fig. 4. Bolívia............................................C. tristis sp. nov.

Pronoto preto com área central alaranjada e com pubescência amarelada no dorso; pubescência elitral esparsa visualizando-se a superfície brilhante, principalmente, na metade apical. Bolívia............................................C. argodi Belon, 1903

16(12). Base das tíbias amareladas (Belon, 1903:73). Brasil (Amazonas)............................................C. lycoides Bates, 1866

Tíbias pretas (Belon, 1903:73). Bolívia............................................C. boliviana Belon, 1903

17(2). Protórax vermelho ou amarelo-alaranjado............................................18

Protórax com outro colorido............................................23

18(17). Pedicelo e antenômeros III-VII anelados na base por tegumento amarelado (antenômeros VIII-XI faltam); tegumento elitral alaranjado na metade anterior e preto na metade posterior; fig. 5. Brasil (Mato Grosso)............................................C. divisa sp. nov.

Antenas pretas; tegumento elitral unicolor (exceto extremo basal)............................................19

19(18). Metasterno preto ou azul metálico............................................20

Metasterno vermelho. Peru............................................C. rubristerna Galileo & Martins, 1992

20(19). Pequenas dimensões (comprimento, 3,9-4,0 mm); fêmures pretos. Brasil (São Paulo)............................................C. batesi Blackwelder, 1946

Dimensões maiores (comprimento, 6,0-8,0 mm); pro- e mesofêmures avermelhados com o ápice preto............................................21

21(20). Pronoto com pubescência esparsa, amarelo-dourada. Brasil (Espírito Santo a São Paulo)............................................C. comitessa Melzer, 1930

Pronoto glabro ou com pubescência esparsa, esbranquiçada............................................22

22(21). Pronoto glabro; escapo preto muito raramente com a base avermelhada; lados dos élitros paralelos; fig. 6. Brasil (Rondônia)............................................C. lissonota sp. nov.

Pronoto com pubescência esparsa, esbranquiçada; escapo vermelho com ápice preto; lados dos élitros ligeiramente abaulados na metade posterior. Brasil (Amazonas e Pará)............................................C. chrysomelina Pascoe, 1859

23(17). Pronoto com áreas de pubescência densa no meio ou nos lados............................................24

Pronoto glabro ou com pubescência rala, uniformemente distribuída............................................26

24(23). Pubescência amarelada organizada em duas faixas largas, longitudinais, nos lados do pronoto; tegumento elitral bicolor. México (Veracruz)............................................C. ambigua Bates, 1885

Pubescência pronotal ocupa todo o disco ou concentrada numa faixa larga, central; tegumento elitral unicolor............................................25

25(24). Pronoto inteiramente pubescente; pubescência pronotal acinzentada; élitros sem reflexos metálicos; fig. 7. Brasil (Mato Grosso)............................................C. tomentosa sp. nov.

Pronoto com pubescência amarelo-dourada numa grande área triangular no centro; élitros com brilho violáceo-metálico. Brasil (Goiás, Bahia a Santa Catarina)............................................ C. azurea Audinet-Serville, 1835

26(23). Tegumento elitral bicolor............................................27

Tegumento elitral unicolor............................................29

27(26). Élitros com tegumento amarelado, exceto o quinto apical preto; protórax e face ventral com brilho verde-metálico. Brasil (Minas Gerais ao Rio Grande do Sul), Paraguai, Argentina e Uruguai............................................C. pulchra Melzer, 1930

Élitros com os úmeros e a base amarelados e o restante da superfície preta ou com brilho metálico; protórax e face ventral com brilho azul-metálico............................................28

28(27). Élitros com uma larga faixa basal, transversal, amarelada (Zajciw, 1958). Peru,Brasil (Amazonas, Pará, Goiás, Mato Grosso), Paraguai............................................C. fulvocincta Bates, 1866

Élitros, somente nos úmeros, com mancha triangular, amarelada (Zajciw, 1958). Brasil (Espírito Santo, Rio de Janeiro)............................................C. axillaris (Dalman, 1823)

29(26). Cabeça, protórax, escapo (exceto o ápice) e escutelo, amarelados; (tubérculos laterais do protórax grandes, obtusos; élitros violáceos (Bates, 1866). Brasil (Amazonas)............................................C. criocerina Bates, 1866

Cabeça, protórax, escapo e escutelo, azul- ou violáceo-metálicos............................................30

30(29). Fêmures pretos com leve reflexo azul-metálico; cabeça, protórax e élitros azul-metálicos. Brasil (Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais)............................................C. cyanea Melzer, 1931

Pro- e mesofêmures avermelhados; élitros violáceo-metálicos............................................31

31(30). Metafêmures pretos; protórax azul-metálico; fig. 8. Paraguai............................................C. paraguaya sp. nov.

Metafêmures vermelho-amarelados; protórax violáceo-metálico............................................32

32(31). Tíbias vermelho-amareladas com a mesma cor dos fêmures. Brasil (Espírito Santo ao Rio de Janeiro)............................................C. flavipes Zajciw, 1958

Tíbias escuras............................................33

33(32). Protórax obtusamente tuberculado nos lados; élitros com reflexo cúpreo (Zajciw, 1958). Brasil (Rio de Janeiro ao Rio Grande do Sul), Paraguai e Argentina............................................C. xanthomera Redtenbacher, 1867

Protórax inerme; élitros com reflexo purpúreo ( Zajciw, 1958). Brasil.............................................C. purpureipennis Gistel, 1848

Agradecimentos. Ao Dr. Miguel A. Monné (MNRJ) pelo empréstimo de material; à Rejane Rosa (MCNZ) pela execução dos desenhos.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bates, H. W. 1866. Contributions to an insect fauna of the Amazon Valley. Ann. Mag. nat. Hist., London, (3)17:425-435.         [ Links ]

Belon, P. M. 1903. Matériaux pour l'étude des longicornes de Bolivie. Revue Ent., Caen, 22:47-76.         [ Links ]

Galileo, M. H. M. & Martins, U. R. 1991. Revisão da tribo Calliini (Coleoptera, Cerambycidae, Lamiinae). G. ital. Ent., Cremona, 5:243-262.         [ Links ]

—. 1992. Cerambycidae (Coleoptera) of the Canadian Museum of Nature, Ottawa. II. Calliini (Lamiinae). Insecta Mundi, Gainesville, 6(3-4):135-140.         [ Links ]

Monné, M. A. 1995. Catalogue of the Cerambycidae (Coleoptera) of the Western Hemisphere. Part XX. São Paulo, Sociedade Brasileira de Entomologia. 120 p.         [ Links ]

Zajciw, D. 1958. Descrição de uma nova espécie de Callia Serville, 1835, com chave para determinação das espécies brasileiras (Col., Cerambycidae). Revta bras. Ent., São Paulo, 8:55-58.         [ Links ]

 

 

Recebido em 17.07.2001; aceito em 17.02.2002

 

 

1. Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul; Caixa Postal 1188; 90001-970 Porto Alegre RS, Brasil.

2. Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo; Caixa Postal 42594; 04299-970 São Paulo SP, Brasil.

3. Pesquisador CNPq.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License