SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.94 issue3Oviposition behavior of Zabrotes subfasciatus females (Coleoptera, Bruchidae) under conditions of host deprivationAnnual variation of the reproductive system in females of Bothrops jararaca (Serpentes, Viperidae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Iheringia. Série Zoologia

Print version ISSN 0073-4721

Iheringia, Sér. Zool. vol.94 no.3 Porto Alegre Sept. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0073-47212004000300016 

Exigências térmicas para o desenvolvimento de Palmistichus elaeisis (Hymenoptera, Eulophidae) em pupas de cinco espécies de lepidópteros

 

Thermal requirements for the development of Palmistichus elaeisis (Hymenoptera, Eulophidae) in pupae of five lepidopteran species

 

 

Maria Aparecida L. BittencourtI; Evoneo Berti FilhoII

IDepto de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Rod. Ilhéus-Itabuna, km 16, 45650-000 Ilhéus, BA, Brasil
IIDepto de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola, Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), Avenida Pádua Dias 11, 13418-900 Piracicaba, SP, Brasil. (eberti@esalq.usp.br)

 

 


ABSTRACT

The thermal requirements of Palmistichus elaeisis Delvare & LaSalle, 1993 were determined by rearing this pupal parasitoid in the following lepidopteran hosts: Diatraea saccharalis (Fabricius, 1794) (Crambidae), Anticarsia gemmatalis (Hübner, 1818), Heliothis virescens (Fabricius, 1777), Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) (Noctuidae) and Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) (Geometridae). The experiment was set in laboratory conditions (temperatures between 18ºC and 30ºC, RH=70 ± 10% and 14-hour photoperiod). The life cycle (egg-adult) ranged from 40.4 ± 0.63 days (18ºC, H. virescens) to 18.1 ± 0.13 days (28ºC, D. saccharalis). The thermal constant of the egg-adult period ranged from 353.1 (D. saccharalis) to 407.7 degree-days (S. frugiperda). The lowest thermal threshold ranged from 5.0ºC (A. gemmatalis) to 7.5ºC (D. saccharalis). At 30ºC, all prepupae died. These results suggest that P. elaeisis can be reared in laboratory on all the hosts tested.

Keywords: Lepidoptera, parasitoids, biology, temperature.


 

 

INTRODUÇÃO

Dentre os diversos fatores ambientais que regulam a produtividade das florestas de rápido crescimento, a incidência de pragas é um dos mais importantes. Devido à grande extensão dos plantios e altura das árvores, o controle das pragas através da pulverização de produtos químicos se mostra complexo em áreas florestais e métodos alternativos têm sido propostos. O controle biológico apresenta características adequadas para integrar o sistema de manejo de pragas, pois este agroecossistema apresenta maior estabilidade em função do ciclo longo da cultura e de sua associação com um rico complexo de inimigos naturais (BERTI FILHO, 1977, 1985; ZANUNCIO et al., 1993).

A lagarta parda, Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) (Geometridae), uma das principais pragas desfolhadoras do eucalipto, provoca desfolhamento em plantios novos e velhos e apresenta várias gerações durante o ano (ZANUNCIO et al., 1993).

A espécie neotrópica Palmistichus elaeisis Delvare & Lasalle, 1993, com registro para o Brasil, parasita as espécies de Lepidoptera Eupseudosoma involuta (Sepp, 1852) (Arctiidae) e Euselasia eucerus Hewitson, 1872 (Riodinidae) em eucalipto (DELVARE & LASALLE, 1993). BITTENCOURT & BERTI FILHO (1999) estudaram a preferência de P. elaeisis por pupas de Anticarsia gemmatalis (Hübner, 1818), Diatraea saccharalis (Fabricius, 1794), Heliothis virescens (Fabricius, 1777) e Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) e observaram que o parasitóide não demonstrou preferência para oviposição nos hospedeiros testados. Os resultados mostraram que a porcentagem de parasitismo variou de 90% (H. virescens) a 100%.

A determinação das exigências térmicas é uma forma de se prever a evolução populacional do inseto e avaliar o número de gerações, seja através de simulações em computadores ou através de modelos empíricos (CIVIDANES, 2000). Alguns autores têm realizado pesquisas sobre as exigências térmicas de insetos-praga no Brasil, porém poucos são os trabalhos desenvolvidos sobre parasitóides (PARRA, 2000).

Visando fornecer subsídios para criação massal do parasitóide, objetiva-se estudar a influência de seis temperaturas, entre 18ºC e 30ºC, no desenvolvimento de P. elaeisis, utilizando como hospedeiros pupas de D. saccharalis (Crambidae), A. gemmatalis, H. virescens, S. frugiperda (Noctuidae) e T. arnobia (Geometridae).

 

MATERIAL E MÉTODOS

Pupas de Sabulodes sp. (Lepidoptera, Geometridae), coletadas em plantio comercial de eucalipto na região de Itatinga, SP, foram mantidas em laboratório, aguardando-se a emergência dos parasitóides. Após a emergência, os adultos foram mantidos em gaiola (70 x 50 x 40 cm) a 25 ± 1ºC, 70 ± 10% de UR, fotofase de 14h e alimentados com solução de mel a 10%. Pupas dos hospedeiros com 24 a 48 h de idade, obtidas de criação em dieta artificial, foram submetidas ao parasitismo de P. elaeisis durante 24 horas. Posteriormente, as pupas foram individualizadas em tubos de vidro (8,5 x 2,5 cm) vedados com algodão e mantidas em câmaras climatizadas a 18, 20, 22, 25, 28 e 30ºC, 14 horas de fotofase e 70 ± 10% de umidade relativa (UR), sendo observadas diariamente até a emergência dos parasitóides.

O limite térmico inferior de desenvolvimento e a constante térmica do período ovo-adulto de P. elaeisis foram determinados pelo método da hipérbole (HADDAD & PARRA, 1984; HADDAD et al., 1999). Para cada hospedeiro e temperatura, utilizaram-se trinta pupas na determinação do tempo de desenvolvimento do parasitóide, sendo os resultados submetidos à análise de variância (ANOVA) e as médias comparadas entre si pelo teste de Tukey a 5%.

O material estudado está depositado no Departamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola da ESALQ/USP, Piracicaba, SP.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O desenvolvimento de P. elaeisis, espécie gregária, sofreu influência da temperatura e do hospedeiro (tab. I). O período de desenvolvimento variou de 40,4 dias (18ºC) a 18,1 dias (28ºC), nos diferentes hospedeiros. Em A. gemmatalis, exceto a 28ºC, embora sem comprovação estatística, à medida que houve aumento de temperatura (18 a 28ºC), a duração média do período ovo-adulto diminuiu. Os resultados podem ser comparados com os obtidos por ROMÁN (1996), que estudou a duração do período ovo-adulto do eulofídeo Tetrastichus sp. nos lepidópteros Methona confusa psamathe Godman & Salvin, 1898 (Ithomiidae) e Leptophobia aripa (Boisduval, 1836) (Pieridae), observando que o tempo de desenvolvimento variou de 70 dias (18ºC) a 37 dias (28ºC), pois à medida que ocorreu a elevação da temperatura houve uma diminuição no ciclo do parasitóide.

O período de desenvolvimento a 18ºC foi igual entre os hospedeiros S. frugiperda, A. gemmatalis e D. saccharalis. A 28ºC, o parasitóide se desenvolveu mais rapidamente em D. saccharalis (18,1 dias) seguido por S. frugiperda (19,2 dias). Nos outros hospedeiros, o tempo de desenvolvimento não diferiu estatisticamente (tab. I). Em P. elaeisis, tanto a espécie hospedeira quanto a temperatura interferiram no desenvolvimento do parasitóide.

Em geral, ocorreu melhor desenvolvimento de P. elaeisis em S. frugiperda nas temperaturas testadas, não sendo observadas diferenças significativas neste hospedeiro, que pode ser utilizado com maior chance de êxito em programas de criação massal do parasitóide. A 30ºC o ciclo biológico do parasitóide não se completou, ocorrendo mortalidade no estágio de pré-pupa, indicando que o limite térmico superior se encontra abaixo de 30ºC.

A partir da equação da reta (figs. 1-5), determinou-se o limite térmico inferior (Tb) e a constante térmica (K) para o desenvolvimento de P. elaeisis em cada hospedeiro. O desenvolvimento do parasitóide em D. saccharalis (fig. 2) foi mais rápido que nos outros hospedeiros, talvez pelo maior número de gerações em laboratório nesse hospedeiro. A constante térmica do período ovo-adulto variou de 353,1 (D. saccharalis) a 407,7 graus-dia (S. frugiperda); o limite térmico inferior de desenvolvimento variou de 5,0ºC (A. gemmatalis) a 7,5ºC (D. saccharalis).

Com base nestes dados, estimou-se que P. elaeisis tem condições de se desenvolver em todos os hospedeiros utilizados. As observações realizadas sugerem 22ºC como a temperatura mais adequada para o desenvolvimento de P. elaeisis nos diferentes hospedeiros.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BERTI FILHO, E. 1977. Controle biológico e entomologia florestal. Boletim Informativo do IPEF, Piracicaba, 5(14):4-18.        [ Links ]

__. 1985. O parasitismo no controle integrado de pragas florestais. Silvicultura, São Paulo, 10(39):7-10.        [ Links ]

BITTENCOURT, M. A. L. & BERTI FILHO, E. 1999. Preferência de Palmistichus elaeisis por pupas de diferentes lepidópteros praga. Scientia Agricola, Piracicaba, 56(4):1281-1283.        [ Links ]

CIVIDANES, F. J. 2000. Uso de graus-dia em entomologia: com particular referência ao controle de percevejos pragas da soja. Jaboticabal, FUNEP. 31p.        [ Links ]

DELVARE, G. & LASALLE, J. 1993. A new genus of Tetrastichinae (Hymenoptera: Eulophidae) from the Neotropical Region, with the description of a new species parasitic on key pests of oil palm. Journal of Natural History, London, 27:435-444.        [ Links ]

HADDAD, M. L. & PARRA, J. R. P. 1984. Métodos para estimar os limites térmicos e a faixa ótima de desenvolvimento das diferentes fases do ciclo evolutivo dos insetos. Piracicaba, FEALQ. 12p.        [ Links ]

HADDAD, M. L.; PARRA, J. R. P. & MORAES, R. C. B. 1999. Métodos para estimar os limites térmicos inferior e superior de desenvolvimento de insetos. Piracicaba, FEALQ. 29p.        [ Links ]

PARRA, J. R. P. 2000. A biologia de insetos e o manejo de pragas: da criação em laboratório à aplicação em campo. In: GUEDES, J. C.; COSTA, I. D. & CASTIGLIONI, E. orgs. Bases e técnicas do manejo de insetos. Santa Maria, UFSM/CCR/DFS. p.1-29.        [ Links ]

ROMÁN, L. E. N. 1996. Morphology of the immature stages and biological aspects of Tetrastichus sp. (Hymenoptera: Tetrastichinae), parasitoid of Methona confusa psamathe Godm. et Salv. (Lepidoptera: Ithomiidae). Neotropica, La Plata, 42:41-46.        [ Links ]

ZANUNCIO, J. C.; SANTANA, D. L. Q. et al. 1993. Manual de pragas em florestas; Lepidoptera desfolhadores de eucalipto: biologia, ecologia e controle. Viçosa, IPEF/SIF. v.1, 140p.        [ Links ]

 

 

Recebido em março de 2003. Aceito em maio de 2004.