SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.99 issue3Temporal distribution of the hermit crab Clibanarius vittatus (Anomura, Diogenidae) from Paraná State coast, BrazilInduction of ovarian growth in Aegla uruguayana (Anomura, Aeglidae) by means of neuroregulators incorporated to food author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Iheringia. Série Zoologia

Print version ISSN 0073-4721

Iheringia, Sér. Zool. vol.99 no.3 Porto Alegre Sept. 2009

https://doi.org/10.1590/S0073-47212009000300008 

Ciclo de vida de Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera, Culicidae) em águas com diferentes características

 

Life cycle of Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera, Culicidae) in water with different characteristics

 

 

Eduardo B. BeserraI; Eraldo M. de FreitasI; José T. de SouzaII; Carlos R. M. FernandesIII; Keliana D. SantosIII

IDepartamento de Biologia, Universidade Estadual da Paraíba, Rua Juvêncio Arruda s/n, Bodocongó, 58109-753 Campina Grande, PB, Brasil. (ebeserra@uol.com.br; ebarbosa@uepb.edu.br)
IIDepartamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba, Av. das Baraúnas, 351, 58109-753 Campina Grande, PB, Brasil. (mcta@uepb.edu.br)
IIIPrograma Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - UFPB/UEPB, Av. das Baraúnas, 351, 58109-753 Campina Grande, PB, Brasil. (carivebio@yahoo.com.br; kelianads@yahoo.com.br)

 

 


ABSTRACT

The present work aimed to estimate the effect of water quality in the development of Aedes aegypti (Linnaeus, 1762). The life cycle of this vector was studied in raw sewage water, effluent of UASB reactor, effluent of polishing lagoon, effluent of anaerobic filter, rainwater and de-chlorinated water. The development period, egg viability and larval and pupal survival were evaluated daily as well as the adult longevity and fecundity. The duration of larval period showed a variation of 5.6 to 9.1 days. Survival was considered low in raw sewage water, effluent of UASB reactor, effluent of polishing lagoon and effluent of anaerobic filter. No difference in terms of the duration and egg and pupal viability nor in the adult longevity and fecundity was detected. It was verified that despite a reduction in larval viability, A. aegypti could accomplish total development in waters with high pollution degree and that all the treatments were suitable to the development of this vector.

Keywords: Insecta, vector, dengue, biological cycle, water quality.


RESUMO

O trabalho teve por objetivo avaliar o efeito da qualidade da água no desenvolvimento de Aedes aegypti (Linnaeus, 1762). O ciclo de vida desse vetor foi estudado em águas de esgoto bruto, efluente de reator UASB, efluente de lagoa de polimento, efluente de filtro anaeróbio, água de chuva e água desclorada. Diariamente avaliaram-se o período de desenvolvimento e as viabilidades de ovo, larva, pupa, longevidade e a fecundidade dos adultos. A duração do período larval variou de 5,6 a 9,1 dias, sendo a sobrevivência baixa em águas de esgoto bruto, efluente de reator UASB, efluente de lagoa de polimento e efluente de filtro anaeróbio. Não foram observadas diferenças nas durações e viabilidades das fases de ovo e pupa, longevidade e fecundidade dos adultos. Constatou-se que, apesar da baixa viabilidade larval, é possível o desenvolvimento do A. aegypti em águas com elevados graus de poluição e que todos os tratamentos permitiram o desenvolvimento desse vetor.

Palavras-chave: Insecta, vetor, dengue, ciclo biológico, qualidade da água.


 

 

O Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) é hoje um dos principais problemas em saúde pública, devido ao seu papel como transmissor da dengue e febre amarela. Ao longo de sua evolução, esse culicídeo desenvolveu um comportamento estritamente sinantrópico e antropogênico, sendo considerado a espécie de mosquito mais dependente do ambiente urbano (NATAL, 2002). Seu habitat está intimamente ligado às condições domiciliares ou peridomiciliares ofertadas pelo modo de vida das populações humanas.

O processo de urbanização sem controle constitui um importante fator de permanência do A. aegypti nas cidades. Boa parte das populações dos países pobres vive em áreas onde o serviço de saneamento básico é deficitário, resultando em acúmulo de lixo no peridomicílio e o armazenamento de água em recipientes artificiais, que servem de criadouros preferenciais para esse vetor (TAUIL, 2002), fato constatado por SILVA et al. (2003) que registraram no Paraná, maior ocorrência do A. aegypti em bairros com grande quantidade de lixo jogado pela população. Segundo GÓMEZ et al. (2001) as residências que apresentam maiores probabilidade de abrigar larvas de mosquito são aquelas com menores condições de higiene.

A preferência do A. aegypti por depósitos artificiais faz com que a concentração populacional advinda com a urbanização, ao lado da larga utilização de recipientes artificiais, seja fator determinante na sua crescente proliferação nos centros urbanos das regiões tropicais e subtropicais do planeta. A escolha de um local para oviposição é um dos principais fatores responsáveis pela distribuição dos mosquitos nos criadouros e sua subsequente dispersão em diferentes áreas geográficas (TILAK et al., 2004).

É sabido que o A. aegypti apresenta um ciclo aquático que é influenciado pelo tipo e qualidade dos reservatórios de água. Segundo VAREJÃO et al. (2005) este vetor prefere reproduzir em reservatórios de águas limpas, embora possa se adaptar às novas situações impostas pelo homem, adaptando-se a outros tipos de criadouros, como por exemplo, bromélias e esgotos a céu aberto encontrados em vários centros urbanos. Tal fato evidencia a necessidade de se desenvolverem estudos que levem à compreensão de como os fatores ambientais e humanos interferem no estabelecimento das populações do A. aegypti, principalmente aqueles que visam compreender os fatores relacionados às coleções de água apropriados para o desenvolvimento desse culicídeo. O presente trabalho teve por objetivo comparar o ciclo de vida de A. aegypti em águas com diferentes graus de poluição, água de chuva e água desclorada.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Foram realizados três bioensaios para avaliar o efeito da qualidade da água no desenvolvimento de A. aegypti. Os bioensaios de laboratório e as criações das populações de A. aegypti foram conduzidos no Núcleo de Manejo Integrado de Pragas da Universidade Estadual da Paraíba, em sala de criação climatizada à temperatura de 26 ± 2°C e fotofase de 12 horas, utilizando-se a geração (F1) recém-eclodida. As coletas de ovos de A. aegypti ocorreram no bairro de Nova Brasília em Campina Grande, PB, onde foram instaladas, a cada quinze dias, e até o estabelecimento das populações em laboratório, 50 armadilhas para coleta de ovos. Três dias após a sua instalação, as armadilhas eram recolhidas e o material coletado conduzido ao laboratório para identificação e o estabelecimento da criação.

Metodologia de criação de Aedes aegypti. A criação das larvas ocorreu em bandejas plásticas de cor branca, cobertas por uma tela de malha fina, onde era ofertada como alimento 100 mg de ração para peixe (Alcon/goldfish crescimento). As pupas foram sexadas e transferidas para as gaiolas de criação de adultos (30 x 30 x 30 cm) que receberam 200 indivíduos, na proporção de um macho para cada fêmea. Aos adultos foi ofertada uma solução de mel a 20 % e às fêmeas permitido o repasto sanguíneo em codornas, Coturnix japonica (Temminck & Schlegel, 1849), durante trinta minutos, três vezes por semana. Em cada gaiola acrescentou-se um copo descartável de 250 ml com água desclorada, contendo no seu interior um funil plástico revestido por papel filtro para servir como substrato para oviposição.

Ciclo de vida de Aedes aegypti em diferentes coleções de água. Os bioensaios foram repetidos três vezes com os tratamentos: T1= esgoto bruto doméstico; T2= efluentes de reator anaeróbio de fluxo ascendente com manta de lodo (UASB), T3= efluente de lagoa de polimento; T4= efluente de filtro anaeróbio e T5= água desclorada. Para o terceiro bioensaio, acrescentou-se aos tratamentos anteriores um sexto tratamento (T6), constituído de água de chuva. Foram feitas quatro repetições, cada uma constituída de cinco copos de polietileno (250 ml) contendo dez larvas de primeiro estádio de A. aegypti e 200 ml de água, adicionando-se no início dos bioensaios 1,9 mg de ração/larva. Os adultos foram mantidos em gaiolas de acasalamento construídas de armação de madeira telada (20 x 20 x 20 cm) contendo, cada uma, dez casais e repetidas em cinco vezes. Foram avaliados, o período de desenvolvimento embrionário, a partir das primeiras 20 posturas, a viabilidade e duração da fase larval e pupal, a duração do ciclo de ovo à emergência do adulto e a fecundidade dos adultos.

Análise física e química das coleções de água. Foram analisados os seguintes parâmetros físicos e químicos conforme APHA (1998): Nitrogênio amoniacal (N-NH4+), Nitrogênio total (NTK), Fosfato Total, Alcalinidade Total, Demanda Química de Oxigênio (D.Q.O), Sólidos Totais, Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO5), Turbidez, Temperatura e pH. As características avaliadas em cada tipo de água foram submetidas à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de F e Tukey a 5% de probabilidade.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

As temperaturas médias das águas em que ocorreram os desenvolvimentos de ovo à emergência dos adultos oscilaram entre 24°C e 25°C. As coleções de água durante o desenvolvimento larval apresentaram um pH variando 6,91 a 8,15, 7,33 a 8,76 e 5,76 a 7,94 para os bioensaios I, II e III respectivamente, sendo consideradas como ligeiramente neutra à alcalina, com exceção da terceira análise do bioensaio III, no final do desenvolvimento larval onde, para água de esgoto bruto o pH foi 5,78 e para água do efluente de reator UASB o pH foi de 5,76, portanto ligeiramente ácido. Foram detectadas altas concentrações de substâncias dissolvidas como sólidos totais, nitrogênio total, nitrogênio amoniacal e fosfato total e baixas concentrações de oxigênio dissolvido quando comparado ao que foi observado em água desclorada e água de chuva (Tabs. I-III).

No primeiro bioensaio detectaram-se diferenças estatísticas entre os tipos de coleções de água, com relação à duração e à viabilidade da fase larval, porém não foram constatadas diferenças significativas quanto à duração e viabilidade da fase de pupa e a razão sexual (Tab. IV). No bioensaio II só houve desenvolvimento completo do inseto, de larva à emergência dos adultos, em água desclorada, água da lagoa de polimento e de filtro anaeróbio (Tab. V).

Para o terceiro bioensaio acrescentaram-se alguns parâmetros físico-químicos, como turbidez e condutividade não avaliados nos bioensaios anteriores. Verificaram-se diferenças significativas quanto à duração e viabilidade do período larval (Tab. VI). Quanto à longevidade dos adultos e número de ovos por fêmea, não houve diferença significativa (Tab. VII).

Independente do tipo de água e do bioensaio considerado, as médias relativas aos períodos de desenvolvimentos das fases de ovo, larva e pupa, encontram-se dentro do intervalo de tempo padrão observado para A. aegypti e estão de acordo com os resultados de BESERRA et al. (2006), que estudando a biologia de cinco populações de A. aegypti, coletadas nos municípios de Campina Grande, Boqueirão, Remígio, Brejo dos Santos e Itaporanga, na Paraíba, constataram a 26°C um tempo de desenvolvimento para as fases de ovo, larva e pupa que variaram respectivamente de 4,1 a 4,7 dias, 6,6 a 10,2 dias e de 2,1 a 2,7 dias. Valores próximos a esses também foram observados por CALADO & NAVARRO-SILVA (2002) que em condições semelhantes, em estudo de exigências térmicas com Aedes albopictus Skuse, 1894, observaram um período de duração para as fases de larva e pupa que variaram, respectivamente, entre 5 e 10 dias e 2 a 3 dias.

Os altos índices de viabilidade, acima de 60 %, para larvas mantidas em águas não poluídas, como água desclorada e água de chuva, são corroborados por BESERRA & CASTRO-JUNIOR (2008), que comparado o ciclo de vida de quatro amostras de populações de A. aegypti coletadas nos municípios de Brejo dos Santos, Boqueirão, Itaporanga e Remígio na Paraíba, constataram valores acima de 92,0 % de sobrevivência, à temperatura de 26ºC utilizando água desclorada. Os menores períodos de desenvolvimento constatados para larvas desenvolvidas em águas do esgoto bruto, efluente de reator UASB, filtro anaeróbio e lagoa de polimento (Tabs. III-V) podem ter ocorrido devido a maior concentração de nutrientes, principalmente matéria orgânica como proteínas, carboidratos e lipídios, associada à ração fornecida como alimento. No entanto, não foi possível estabelecer as causas da baixa sobrevivência larval nesses tipos de coleções de água, embora se possa levantar a hipótese de que estaria associada a menor tensão superficial e à viscosidade da água. Segundo ESTEVES (1988), a tensão superficial da água decresce com o aumento da temperatura e quantidade de substâncias orgânicas dissolvidas e, quando reduzida a níveis muito baixos, pode prejudicar as comunidades que vivem na superfície. Por outro lado a viscosidade, que é a capacidade da água de oferecer resistência ao movimento dos organismos, diminui com o aumento da temperatura e do teor de sais dissolvidos e com a menor viscosidade, os organismos tendem a afundar mais rapidamente. Esta condição pode ter ocorrido nos bioensaios presentes, já que foram desenvolvidos em condições de temperatura elevada, aproximadamente 25°C na água e 26°C no ambiente, baixos níveis de oxigênio dissolvido, elevados níveis de matéria orgânica dissolvida (DBO), sólidos totais, nitrogênio amoniacal e nitrogênio total (Tabs. I-III), dificultando, assim, as larvas em se manter na superfície da água para expor o sifão respiratório e aumentando o gasto energético que, associado a uma menor taxa de respiração, pode ter contribuido para uma maior mortalidade larval. Deve-se ressaltar que nas coleções de água citadas acima, havia a formação de um material flotado na superfície, provavelmente como consequência dessas condições físico-químicas que, possivelmente, serviu como uma barreira à exposição do sifão respiratório, impedido a obtenção do oxigênio atmosférico pela larva. Porém, apesar dessa baixa viabilidade, foi possível o desenvolvimento larval nas diferentes amostras de água, inclusive naquelas com grau de poluição mais elevado.

Percebe-se que A. aegypti tem capacidade de se desenvolver tanto em ambientes com elevados graus de poluição como em esgoto doméstico bruto, onde há alta concentração de material orgânico com DBO5 de 300 mg 02/L, Nitrogênio amoniacal de 52 mg N-NH4+/L e praticamente zero de oxigênio dissolvido (0,12 mg 02/L), como em efluentes tratados nível terciário, com remoção de material carbonáceo, a exemplo do efluente pós-tratado em filtro anaeróbio com DBO5 de 14 mg 02/L, 5,9 mg 02/L de oxigênio dissolvido e 33,14 mg N-NH4+/L e em lagoa de polimento com DBO5 de 55 mg, 4,5 mg 02/L de oxigênio dissolvido e 5,49 mg N-NH4+/L (Tab. I).

Agradecimentos. Ao Progama de Pesquisa em Saneamento Básico (PROSAB)/Estação Experimental de Tratamento Biológico de Esgotos (EXTRABES) pela colaboração na análise das águas. À Organização Pan-Americana de Saúde/OPAS e Secretaria de Vigilância em Saúde/SUS/MS pelo financiamento da pesquisa através de carta acordo BR/LOA/0500008.002. À Secretaria de Saúde do município de Campina Grande, PB, ao 3º Núcleo Regional de Saúde e à Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) pelo apoio oferecido durante as instalações das armadilhas para coleta. Ao CNPq pela concessão de bolsa de iniciação científica (PIBIC) ao graduando Eraldo M. de Freitas.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

APHA. 1998. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 20ed. Washigton, DC, American Public Health Association, American Water Works Association, Water Pollution Control Federation. 1155p.         [ Links ]

BESERRA, E. B. & CASTRO-JUNIOR, F. P. 2008. Biologia comparada de populações de Aedes (Stegomyia) aegypti (L.) (Diptera: Culicidae) da Paraíba. Neotropical Entomology 37(1):81-85.         [ Links ]

BESERRA, E. B.; CASTRO-JUNIOR, F. P.; SANTOS, J. W.; SANTOS, T. S. & FERNANDES, C. R. M. 2006. Biologia e exigências térmicas de Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera: Culicidae) provenientes de quatro regiões bioclimáticas da Paraíba. Neotropical Entomology 35(6):853-860.         [ Links ]

CALADO, D. C. & NAVARRO-SILVA, M. A. 2002. Exigências térmicas de Aedes (stegomyia) albopictus Skuse, 1894 (Diptera, Culicidae) em condições de laboratório. Revista Brasileira de Entomologia 46:547-551.         [ Links ]

ESTEVES, F. A. 1988. Fundamentos de Limnologia. Rio de Janeiro, Interciência. cap 8. p.103-111.         [ Links ]

GÓMEZ, F. E.; SUÁREZ, C. M. H. & CÁRDENAS, R. C. 2001. Factores que modificam los índices larvários de Aedes aegypti em Colima, México. Revista Panamericana de Salud Publica 10(1):6-12.         [ Links ]

NATAL, D. 2002. Bioecologia do Aedes aegypti. Biológico 64:205-207.         [ Links ]

SILVA, A. A.; MIRANDA, C. F.; FERREIRA, J. R. & ARAÚJO, E. J. DE A. 2003. Fatores sociais e ambientais que podem ter contribuído para a proliferação de dengue em Umuarama, Estado do Paraná. Acta Scientiarum, Health Sciences 25(1):81-83.         [ Links ]

TAUIL, P. L. 2002. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Caderno de Saúde Pública 18:867-871.         [ Links ]

TILAK, R.; GUPTA, M. V.; SURYAM, M. V.; YADAV, J. D. & GUPTA, B. K. K. D. 2004. A laboratory investigation into oviposition responses of Aedes aegypti to some common household substances and water from conspecific larvae. Medical Journal Armed Forces India 61:227-229.         [ Links ]

VAREJÃO, J. B. M.; SANTOS, C. B. DOS; REZENDE, H. R.; BEVILACQUA, L. C. & FALQUETO, A. 2005. Criadouros de Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) em bromélias nativas na cidade de Vitória, ES. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38:238-240.         [ Links ]

 

 

Recebido em julho de 2007.
Aceito em maio de 2009.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License