SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.66 issue2Revisão do gênero Klossinemella Costa, 1961 (Nematoda, Cobboldinidae), com descrição de uma nova subfamília e de uma nova espécieReinfestação do município de Bambuí por Triatomíneos transmissôres da doença de Chagas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Memórias do Instituto Oswaldo Cruz

Print version ISSN 0074-0276On-line version ISSN 1678-8060

Mem. Inst. Oswaldo Cruz vol.66 no.2 Rio de Janeiro  1968

http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02761968000200005 

Ação do radium sôbre o vírus da Coriomeningite linfocitária benigna

J. Guilherme Lacorte1 

Estacio Monteiro1 

J. Carvalho Loures1 

Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil

RESUMO

O presente trabalho faz parte de uma seqüência iniciada em 1953 com a verificação do efeito dos raios X sôbre o vírus da gripe em que observamos que os mesmos, em doses fracas, tem aumentado o seu poder patogênico para camundongos. Posteriormente, verificamos a ação do radium sôbre o vírus da gripe e da poliomielite. Neste último caso, o vírus irradiado mostrou-se ativo durante maior número de dias. Nas pesquisas aqui referidas, submetemos o vírus da coriomeningite linfocitária benigna a ação do radium, usando quatro agulhas de 1 mg desse elemento em dispositivo que idealizamos para êste fim. Depois de irradiada, foi a suspensão de vírus diluida a 10*-1, 10*-2 e 10*-3 para as inoculações em camundongos, juntamente com as diluições testemunhas. Observamos que o vírus resistiu pelo menos 264 dias, à temperatura de 4ºC. Quanto às alterações do poder patogênico provocadas pelo radium verificamos que o mesmo não se altera após 24 horas de irradiação. Diminue após 8 dias para aumentar, de modo seguro, após 20 e 33 dias. Iguala-se ao testemunha depois de 78 dias.

ABSTRACT

In the present paper the authors refered the experiments made with the lymphocytic chriomeningitis virus. We strain, after exposition to 4 tubes of 1 mg of radium. The virus suspension was put into the Carrel flask in a layer of 0,1 cm. The titrations of the irradiated virus suspension were made after 24 hours, 8, 20, 33, 78, 85, 120, 264, 292, 387 and 535 days. the virus was still active after 264 days, not after 292 days. The virus irradiated during 24 hours presented the same pathogenicity form mice than the control but after 8 days it was lesser and after 20 and 33 days it was enchanced (Graphic 10). After 78 days the pathogenic power was the same for the irradiated virus and the control.

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License