SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 issue2Triatomidae fauna of the State of Bahia, Brazil. V - Microtriatoma pratai sp. n. - Hemiptera,Reduviidae, Triatominae, Bolderini author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Memórias do Instituto Oswaldo Cruz

Print version ISSN 0074-0276On-line version ISSN 1678-8060

Mem. Inst. Oswaldo Cruz vol.77 no.2 Rio de Janeiro 1982Apr./June. 1982

http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02761982000200001 

Padronização da técnica de marcação de caramujos Biomphalaria glabrata com radioestroncio

Miguel Archanjo Muniz Leal1 

Eduardo Penna Franca2 

UFPE, CCB, Departamento de Biofísica e Radiobiologia, Recife, Brasil

UFRJ, Instituto de Biofísica, Rio de Janeiro, Brasil

RESUMO

Caramujos Biomphalaria glabrata vetor da esquistossomose mansônica, utilizados em experiências de campo, nas quais se faz necessário sua identificação e/ou localização, devem ser marcados com radioestrôncio 85,89 ou 90. Sua marcação em laboratório deve ser procedida em aquários de vidro sem fundo de areia, temperatura de 26,5 ± 1ºC, pH ajustado ao valor encontrado no "habitat", aeração artificial, alimentação diária com pequenas porções de alface fresca e 25 ml de água desionizada por caramujo. O nível de atividade no caramujo pode ser estimado sabendo-se que para o tempo de marcação de 5 dias e atividades iniciais de 0,036 a 0,362 µCi/ml, a captação global para grupos de 10 caramujos está em torno de 84 ± 2% e que a marcação em água contendo cálcio, praticamente não se altera até concentrações de 50ppm. A sobrevida ao longo de nove semanas não foi influenciada pela presença de radioestrôncio no caramujo.

ABSTRACT

The vector snail of schistosomiasis mansoni, Biomphalaria glabrata, when used in field experiments in which it is to be recovered and/or located, should be labeled with radiostrontium 85,89 or 90. The labeling in laboratory should be carried out in an artificially aerated aquarium with 25 ml of deionized water per snail, without sand at the bottom, at a temperature of 26.5 ± 1ºC, pH adjusted to the value found in the natural habitat, and the snails should be fed with small pieces of fresh lettuce. The level of snail activity can be estimated taking into account that, for a labeling time of 5 days and initial activities of 0.036 to 0.362 µCi/ml, the global uptake for groups of 10 snails is about 84 ± 2% and that labeling in calcium-containing water parctically does not change till a 50 ppm concentration. Survival along 9 weeks was not influenced by the presence of radiostrontium in the snail.

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License