SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 issue3Nursing students' experiences in hospital training: subsidies for a reflection on humanization of health author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Escola de Enfermagem da USP

Print version ISSN 0080-6234On-line version ISSN 1980-220X

Rev. esc. enferm. USP vol.40 no.3 São Paulo Sept. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342006000300001 

EDITORIAL

 

A investigação qualitativa: zelo pelo rigor e pela ética

 

 

Profª Drª Magali Roseira Boemer

Membro do Corpo Editorial da Revista da Escola de Enfermagem da USP

 

 

O termo Saúde implica em uma área na qual atuam vários profissionais e a primeira idéia a ser abordada é a composição deste grupo. É necessário atentar para as distintas perspectivas desses profissionais, o que se coaduna com a tendência atual de multiprofissionalidade. Um olhar mais abrangente talvez venha a requerer que alcancemos mais um degrau nessa visão, ou seja, implementar a idéia de composição de nossos saberes, de sua interseção (pois ainda são enfocados de modo fragmentado), o que supõe a construção de interdisciplinaridade.

Uma maior abrangência pode significar ainda o entendimento da relação Profissional Saúde-Paciente como uma relação fundamentalmente entre pessoas, o que envolve encontro de subjetividades. A idéia do homem inserido no mundo, em toda sua facticidade, vem sendo resgatada por diversos pesquisadores e sob distintos referenciais. A própria introdução do ensino da bioética, em algumas escolas de saúde, veio substanciar mudanças de enfoques na forma de olharmos o homem a quem cuidamos e que vem sendo sujeito-objeto de nossas investigações.

Entretanto, construir relações que contemplem a dignidade do homem não é algo estabelecido, mas um processo em permanente construção, envolvendo pessoas em seus movimentos existenciais. Parece-nos que justamente aí reside o grande desafio: - lidar com essa ambigüidade inerente à condição humana:

- a possibilidade de mudanças, considerando nossa dimensão criativa, sensível, solidária, co-existindo com aquela possibilidade de "mesmice", do uso exclusivo do raciocínio lógico formal, do controle do homem sobre o homem, do medo de mudar.(a)

Um olhar abrangente para a relação pessoa-pessoa, numa condição que envolva a saúde e a doença, vai requerer o reconhecimento de vulnerabilidades, fragilidades e possibilidades humanas, presentes no ser cuidador e naquele a ser cuidado. Transcendendo a dimensão técnico-científica, essa dicotomia não encontra respaldo numa perspectiva existencial, na qual todos nos encontramos em contínuo movimento de cuidar de ser.

Sob a ótica da investigação científica, essa visão implica em zelo com dois pólos relevantes: o zelo pelo rigor científico e ético da investigação.

No que se refere à pesquisa em suas modalidades qualitativas, a literatura e a experiência de pesquisar em enfermagem nos demonstram que o melhor indicador para um trabalho de investigação é a sua coerência interna, o rigor na utilização do método e a fidedignidade do autor ao seu referencial teórico.

O crescente prestígio das metodologias qualitativas nem sempre tem sido acompanhado da utilização adequada de metodologias que permitam lidar de maneira competente, com o problema proposto. Está se tornando comum a aceitação acrítica de metodologias alternativas que, por vezes, podem travestir a ausência de método. A literatura vem expressando essa preocupação.

Do ponto de vista ético, há enfrentamentos na pesquisa qualitativa que carecem de respostas ou norteamentos, como por exemplo, a preocupação com a guarda dos dados registrados em gravador, diários de campo e outros recursos; os riscos a que estão expostos os participantes de pesquisas baseadas em entrevistas, narrativas ou histórias de vida, quando estão em jogo a perspectiva do pesquisador, a dos participantes e a dos comitês de ética em pesquisa.

A pesquisa científica requer uma discussão ética pertinente, qualquer que seja a área em que os alvos da investigação digam respeito a distintos aspectos da natureza que impliquem na existência humana. Isto se potencializa quando os objetos de estudo são os próprios humanos.

Ainda sob a perspectiva da ética, há outro alerta que diz respeito à forma de conduzirmos nossos orientandos pelos caminhos da pesquisa, ajudando-os nas aberturas de possibilidades, policiando-nos para não transformarmos as técnicas e recursos básicos em "camisas-de-força" no processo de coleta de dados. Por outro lado, haverá sempre o zelo pelo rigor científico.

Os princípios da ética em pesquisa devem ser resguardados no próprio desenho da investigação, seu objeto, objetivos, referenciais teóricos, estratégias de investigação, divulgação dos resultados e finalidades a que se propõem os pesquisadores.

Finalizando, diríamos que a ética na Ciência vem se apresentando como relevante para os pesquisadores e, nesse sentido, há de se ressaltar a realização de um Seminário sobre esse tema com o objetivo de apresentar estudos sobre a elaboração de uma proposta de declaração mundial de ética em ciência, que poderá servir de base para um código de conduta para os pesquisadores (agência de notícias da FAPESP, 19/05/2006).

 

 

(a) Boemer MR, Correa AK. Repensando a relação do enfermeiro com o doente: o resgate da singularidade humana. In:Branco RFGR. A relação com o paciente: teoria, ensino e prática. Rio de Janeiro: Guanabra-Koogan; 2003. p. 263-9.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License